Connect with us

10 clássicos do Trance que ajudaram o gênero a se consagrar mundialmente

Luckas Wagg

Publicado há

Vagando pela internet e lendo alguns artigos, notei algo em comum entre o Trance e a minha trajetória de vida. O gênero que há tempos vem sendo o meu favorito, começou sua imersão exatamente um ano antes do meu nascimento, 1990. Embora confesse para vocês que eu não tive a sorte de crescer escutando esse tipo de som, está aí um talvez do porque de tanta sintonia hoje em dia… – #sóquenão.

Com tantas melodias ricas, que variam entre os 125 e 160 batimentos por minutos, o Trance iniciou suas conquistas em países como Holanda e Alemanha, fabricando pioneiros tão conhecidos até os dias de hoje, como Paul van Dyk, ATB, Ferry Corsten, Armin Van Buuren e Tiësto – que abandonou por completo o movimento nos últimos anos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
...

LEIA TAMBÉM:
O auge, a derrocada, o retorno do Trance e o que a EDM tem a ver com isso


Em uma breve pesquisa pessoal, encontrei algumas das faixas que tiveram uma parcela de culpa nesta grande exposição que o trance conquistou ao se tornar um dos gêneros mais populares da música eletrônica desde a década de 90.

Confira abaixo:

Armin van Buuren – Blue Fear (Original Extended Mix) (1997)

System F. – Out Of The Blue

https://www.youtube.com/watch?v=sEHMxUdDEqE

Three Drives On A Vinyl – Greece 2000

Cafe Del Mar – Energy 52

Paul van Dyk – For An Angel

Binary Finary – 1998

Darude – Sandstorm

Robert Miles – Children

ATB – 9 PM

Delerium Feat. Sarah McLachlan Silence (DJ Tiësto’s In Search Of Sunrise Remix)

+ BONUS:

Gouryella ‎– Gouryella

Sasha – Xpander

Tiesto – Adagio For Strings 

Deixe um comentário

Entrevista

30 músicas para 30 anos: DJ Mau Mau celebra 3 décadas de carreira com playlist exclusiva

Flávio Lerner

Publicado há

DJ Mau Mau 30 anos
Um dos principais nomes da cena nacional comemora 30 anos como DJ neste sábado, em São Paulo; confira o depoimento e a playlist que o Mau Mau montou para a Phouse!

Modelo, inspiração, exemplo, referência, ícone, respeito… São inúmeras as palavras que clubbers e profissionais da cena house/techno poderiam usar para resumir o DJ Mau Mau. Afinal, não é qualquer DJ brasileiro que festeja 30 anos de profissão com uma trajetória consistente, sendo pioneiro em tempos de terra seca e tendo a capacidade de se manter atual e relevante depois de tantas transformações nesse cenário.

Exemplo disso é o último ato de seu ano comemorativo: após aproveitar a marca pra celebrar em diversos momentos especiais durante todo este 2017, a festa derradeira desses seus 30 anos de DJ não é nada parecido com um baile da saudade tocando flashback para tiozões saudosistas, mas a nova edição da Capslock de Paulo Tessuto — um dos maiores exemplos [e reflexos] do que é a cena clubber contemporânea.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
...

Antes de discotecar pra jovens mudérnos e hedonistas no sábado — fechando com chave de ouro um ano que teve direito até a B2B com o DJ Marky no palco eletrônico do Rock in Rio —, o Mau Mau gentilmente topou dar um depoimento à coluna com uma breve retrospectiva de sua trajetória; de quebra, escolheu pra gente 30 músicas que representam essas três décadas de carreira, incluindo nomes como Kraftwerk, Front 242, Moby, John Tejada, Paul van Dyk, LFO, Carl Craig e Galaxy 2 Galaxy, além de uma faixa autoral.

+ Lúdico, subversivo e impactante: conheça o universo de Carlos Capslock

Basta, então, clicar na playlist abaixo [tracklist ao final do artigo] e ler as palavras a seguir pra curtir essa pequena viagem no tempo com um dos DJs-símbolo de São Paulo. Com vocês, DJ Mau Mau:

Sempre fui apaixonado por música. Na adolescência, minha experiência inicial foi através de vários grupos profissionais de dança que participei. No final dos anos 80, frequentei o Largo São Bento, em São Paulo, onde gangues e grupos de hip hop munidos de equipamentos de som portáteis se encontravam para disputas de breakdance. Foi nesse momento que o universo do DJ começou a me conquistar.

Um pouco antes de completar 18 anos, tive minha primeira oportunidade como DJ: no porão do casarão mais underground da cidade, o Madame Satã, reduto de punks, góticos e modernos, comandado pelos mestres Marquinhos MS e DJ Magal, duas grandes fontes de inspiração. Nos primeiros cinco anos, os toca-discos eram apenas um passatempo, e eu exercia outras atividades como sustento — fui bancário, trabalhei no escritório do DMC Brasil e fui coreógrafo do grupo Dance Division. Com o tempo, me apaixonei pela profissão, outras oportunidades apareceram e ganhei residências importantes no final dos anos 80: Club Malícia, US Beef Rock, Rouge Neon e Walkabout.

+ Exclusivo: DJ Marky fala sobre novos lançamentos e o que falta à cena brasileira

Nos anos 90, adotei o nome profissional de DJ Mau Mau, quando fui convidado para comandar a cabine de som do Sra. Kravitz, ao lado do DJ Renato Lopes. Naquele momento, meu trabalho ganhou destaque e pude desenvolver meu estilo, voltado para o underground. Em meados dos anos 90, nasceu em São Paulo o primeiro after hours do Brasil: o Hell’s Club. Convidado pelo promoter e amigo Pil Marques, comandei por quatro anos essa grande revolução que moldou um novo comportamento na noite.

Em seguida, outras residências importantes: o after do Club Base, com o promoter Paulo Silveira, e a noite Technova no Lov.e Club, a convite de Oscar Bueno. Depois dos anos 2000, fui residente da noite Mothership no D-EDGE, onde, depois de alguns anos, fui transferido para a residência do Superafter, em que sigo até hoje. Atualmente, também comando a noite Houseira, no Club Jerome, com meu amigo Roque Castro.

+ O que significa ser um DJ? Alguns dos principais nomes do país respondem

A carreira de DJ também me direcionou para a produção musical, em que desenvolvi muitos projetos e parcerias. Fazendo remixes e participações em shows, trabalhei com artistas nacionais importantes, como Roberto Carlos, Rita Lee, Marina Lima, Edgar Scandurra, Kiko Zambianchi, Edson Cordeiro, Laura Finocchiaro, DeFalla, Rodrigo Pitta, Franco Junior, Daniela Mercury, Jota Quest, Dudu Marote, Adriana Calcanhoto e o maestro Fabio Gomes Oliveira. Minhas músicas foram tocadas por DJs internacionais que admiro e que sempre foram fonte de inspiração: Laurent Garnier, Stacey Pullen, Mr C. e Carl Cox, entre outros.

A profissão também me proporcionou conhecer outros países e culturas. A convite do mestre Garnier, fiz minha primeira apresentação na França em 1995, no festival Trans Musicales, em Rennes. Depois ganhei residência por dois anos na festa francesa Open House, onde passei pelas principais capitais do país. Os convites internacionais não pararam: Inglaterra, Portugal, Alemanha, Turquia, Japão, Itália, Espanha, Bélgica, Estados Unidos, Argentina, Uruguai, Chile e Bolívia.

Em 2017, já recebi homenagem pelos anos de carreira do Nation Disco Club, primeiro reduto clubber em São Paulo, do final dos anos 80, comandado pelo DJ Mauro Borges, e também do Music Non Stop de Claudia Assef, entre outras comemorações. No início do ano, recebi o convite para tocar na Carlos Capslock através do L_cio e do Paulo Tessuto, e desde então estou muito ansioso.

+ Famoso edit de clássico de Chico Buarque ganha lançamento oficial

A Capslock é o tipo de festa que eu gostaria de frequentar, mas a minha agenda de trabalho não permite. Ter a oportunidade de comemorar essa data tão especial numa das festas mais legais da atualidade é um presente ao lado de amigos queridos! Tantos momentos de plena felicidade dedicados à música passaram voando, mas a paixão em pesquisar novos estilos musicais, desenvolver sons em estúdio e depois testar o resultado nas pistas pelo mundo continua a mesma do início de carreira.

São 30 anos de dedicação e amor. Assim, preparei uma retrospectiva com 30 músicas que marcaram minha carreira. São composições em estilos diferentes que em algum momento fizeram parte do meu repertório, e mesmo as mais antigas ainda soam bem atuais. ​Divirtam-se!

Tracklist:

[Anos 80]

1- Section 25 – Looking from a Hilltop (Megamix)

2- Colourbox – Hipnition

3- Front 242 – Don’t Crash

4- Kraftwerk – Numbers

5- Test Dept – The Faces of Freedom 1,2,3

6- Fast Eddie – Acid Thunder

7- Mike Dunn – Life Goes On

8- Adonis – No Way Back

9- Bam Bam – Give It To Me (Club Mix)

[Anos 90]

10- LNR – Work It To The Bone (The Original Classic)

11- West Bam – Alarm Clock

12- Dr. Baker – Kaos 1989

13- LFO – LFO

14- Xpansions – Move Your Body

15- DSR – Babaloo

16- Capricorn – 20 Hz

17- Speedy J – Something For Your Mind

18- Moby – Go

19- Humate – Love Stimulation (Paul van Dyk’s Love Club Mix)

20- Galaxy 2 Galaxy – Hi-Tech Jazz

21- Secret Cinema 2 ‎- Straight Forward

22- Kosmic Messenger – Flash

23- Jonny L – This Time (Carl Craig Mix 2)

[Anos 2000]

24- M4J – Macumba

25- DJ Mau Mau – Space Funk

26- John Tejada – Sweat (On The Walls)

27- The Martian – Particle Shower

28- Gabriel Ananda – Doppelwhipper

29- Luna City Express – Fresh

30- Justin Maxwell & John Tejada – I’ve Got Acid

A Capslock com o DJ Mau Mau rola neste sábado, dia 09, em São Paulo, em local ainda não revelado; o line ainda traz Tessuto, L_cio, Ella De Vuono, Max Underson, Vitor Lagoeiro e o alemão Sebastian Voigt.

Flávio Lerner é editor da Phouse; leia mais artigos de sua coluna.

CONFIRA TAMBÉM:

Um mergulho na rica discoteca de Chaves e Chapolin

Famoso edit de clássico de Chico Buarque ganha lançamento oficial

EXCLUSIVO: Claudia Assef confirma nova edição de “Todo DJ Já Sambou”

“Sem solidez, sem profundidade, não há futuro”; uma entrevista com o lendário DJ Meme

Relatos de um Fim de Século; a história do último club porto-alegrense a celebrar a cultura DJ

Deixe um comentário

Continue Lendo

Notícia

Site faz lista das 30 músicas mais consumidas em 2017

Phouse Staff

Publicado há

30 músicas 2017
The Chainsmokers, Kygo, Zedd e DJ Khaled emplacam faixas no ranking

A Variety, em parceria com a BuzzAngle Music, publicou na última semana uma lista das 30 músicas mais consumidas em 2017. Para chegar aos números, foram levados em conta streamings de áudio e vídeo, vendas, uso em rádio e também tags do aplicativo Shazam.

No pódio estão Ed Sheeran, com “The Shape Of You”, Luis Fonsi e Daddy Yankee com “Despacito”, e “HUMBLE”, de Kendrick Lamar. Representando a música eletrônica, temos The Chainsmokers (duas vezes), DJ Khaled, Zedd e Kygo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
...

Confira a lista completa abaixo — a sessão “Total” corresponde à soma de todos os dados de consumo analisados.

30 músicas 2017

LEIA TAMBÉM:

Confira a lista das mulheres mais bem-pagas do meio musical em 2017

Site faz ranking dos 10 vídeos de dance music mais assistidos no YouTube

Decisão ousada: Resident Advisor encerra seu Top 100 de melhores DJs do ano

Spotify divulga lista das 30 mais ouvidas no verão americano e no mundo

Confira 5 lançamentos nacionais que foram destaque em outubro

Deixe um comentário

Continue Lendo

Análise

Confira 5 lançamentos nacionais que foram destaque em outubro

Jonas Fachi

Publicado há

5 lançamentos outubro
Entre EPs, coletâneas, remixes e faixas, Jonas Fachi escolhe cinco destaques de outubro na cena eletrônica nacional

Hoje, estreio em minha coluna aqui na Phouse uma série pensada para dar o devido reconhecimento ao trabalho dos produtores nacionais de vanguarda, com ênfase em artistas que estão começando a lançar seus primeiros trabalhos, já possuem estrutura e merecem serem mostrados.

Serão cinco lançamentos — sejam álbuns, EPs, coletâneas, faixa originais ou remixes — escolhidos eventualmente. Confira abaixo, portanto, a primeira seleção, que corresponde a releases de outubro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
...

Nana Torres – Iron Coat (EP, Discotech Music)

Lançada em junho de 2016, “Iron Coat” — segundo a própria Nana Torres — representa a identidade da produtora. Mais de um ano depois, a faixa ganhou agora uma série de reinterpretações de produtores de destaque no país, com nomes do calibre de L_cio, Mumbaata e DJ Glen. Porém, o destaque vai para o techno minimalista do paulistano Vitor Munhoz, que trouxe ideias espaciais e elementos tribais para uma linha de batidas lineares e seguras.

“Quando fecho os olhos e ouço o remix do Vitor Munhoz, vou diretamente para os rolês que fizemos nos porões de Berlim. A qualidade é gringa e a personalidade muito forte” — Nana Torres.

Ednner Soares – Torment (EP, ID Music)

O EP Torment conta com remix do espanhol Medu, e a faixa original remete, à primeira impressão, a influências do leste europeu, com linhas de baixo e elementos misteriosos nos quais o produtor gaúcho flerta com conceitos minimalistas. O disco foi lançado por sua própria label, em 16 de outubro.

RezQ Sound – Poli (Fer J remix, BC2 Records)

Carioca radicado em Portugal, Fer J foi um dos convidados para remixar “Poli”. No trabalho, reconhecemos uma típica ambientação do clássico house progressivo desenvolvido nos últimos anos, com a entrada de elementos anestesiantes misturados com camadas cada vez mais profundas e sintetizadores melódicos, além das linhas ritmicas inquietas e dançantes. Esse é aquele tipo de música que nunca falha em sets que querem proporcionar imersão.

Albquerque, Ariel Merisio – Can’t See (Dear Deer Mafia)

Com mais de 20 artistas brasileiros, a coletânea Nasty Bros & Friends, lançada pela label ucraniana, tem como destaque a colaboração de dois dos mais expressivos artistas do Sul do Brasil na atualidade: a faixa “Can’t See”, de Albuquerque e Ariel Merisio. Um trabalho que impressiona pelo dinâmismo e ajuste perfeito dos elementos — cada um tem seu pequeno momento, e suas somas não se sobrepõem entre si.

Mau Maioli, DJ Mandraks – Onne (Original Mix, Digiment Records)

O trabalho que abre a coletânea Essentials Techno Vol. 1 é resultado entre um dos DJs mais experientes do país e uma das mentes novas mais promissoras do Sul. Autenticidade é o que carrega a essência de “Onne”, que leva peso no bass e um sintetizador agressivo sobre uma série de camadas de baterias industriais.

* Jonas Fachi é colunista na Phouse; leia mais de seus textos.

CONFIRA TAMBÉM:

Com Davis e Mumbaata, Flowers Sunset comemora 3 anos em Passo Fundo

House classudo made in Rio: Leo Janeiro e Mumbaata falam sobre seu novo EP

Para curador, Tribaltech vai se consolidar como “evento-postal” de Curitiba

Famoso edit de clássico de Chico Buarque ganha lançamento oficial

O que significa ser um DJ? Alguns dos principais nomes do país respondem

Deixe um comentário

Continue Lendo

Trending

-->

Copyright © 2018 Phouse