Notícia

Conheça a Alphabeat, novo selo nacional de música eletrônica

Alphabeat

Label surgiu na metade de setembro e chega nesta sexta-feira a seu terceiro lançamento; ideia inicial é focar em vertentes populares de house, e no futuro abrigar outras vertentes.

Nascida através da parceria entre as empresas Live Talentos (gestora de carreiras musicais, que trabalha com artistas como Make U SweatChitãozinho e Xororó e Paula Fernandes) e Qwerty.id (que fornece consultoria e gestão de carreira, focada em música eletrônica), a Alphabeat Records é mais um novo selo para promover talentos na cena eletrônica nacional.

A Alphabeat veio ao mundo oficialmente no último dia 15, a partir do lançamento de “Someday”, do duo paulistano RAKKA — composto por Arthur Luchessi e Bruno Genz (ex-integrante da banda Cine) — com os vocais de Victor Olivatti. No dia 22, a segunda faixa assinada pelo selo foi “ALIVE”, do famoso DJ holandês Dannic com a jovem cantora norte-americana Mahkenna. E hoje, 29, emplacam o seu terceiro lançamento: “The Sound”, do jovem produtor Woak — garoto de 16 anos, que vem recebendo suporte de nomes como Vintage Culture e Bhaskar, e que também terá em breve faixa pela Spinnin’ Records, com Liu.

Sócio-fundador da Alphabeat e Label Manager/A&R na Qwerty.id, Bruno Magalhães explica que a ideia é ter sempre um lançamento fixo nas sextas-feiras. “Teremos lançamentos todas as sextas, onde focaremos os lançamentos mais acessíveis, que devem performar melhor em streaming, e nas segundas ou quartas vamos começar a lançar músicas mais pista, direcionadas a DJs e à galera da cena”, diz, em contato com a Phouse. “Nossa estratégia é gerar conteúdo frequente de qualidade, e usar trocas de network e marketing digital para o crescimento da plataforma, aos moldes da Spinnin’ e da Armada, por exemplo.”

Os três lançamentos feitos pela Alphabeat Records até agora

Magalhães também afirma que objetivo da label é “expandir as fronteiras da música eletrônica”, a partir do lançamento de “música sem rótulos específicos”. “Os critérios para seleção são a qualidade técnica e criativa e a capacidade de penetração dos fonogramas no mercado”, complementa. Seu sócio na Qwerty.id e na Alphabeat, Ronaldo Cunha destaca que — como podemos perceber pelos três lançamentos até então — o foco inicial tem sido em vertentes mais populares de house music, mas ressalta estarem esperando o momento certo para lançar subselos direcionados ao underground e a outros subgêneros.

A Alphabeat já tem contrato com os brasileiros Dudu Linhares e Pam Pam (integrantes do trio Make U Sweat), Kiko Franco, Champz e Anndrey Mansur, além de outros nomes gringos, ainda não revelados. “Acredito que o nosso principal diferencial está na agilidade, nos processos enxutos, no bom relacionamento com o mercado e, principalmente, na nossa vontade de ajudar as demais empresas em expandir e consolidar o gênero [eletrônico]”, conclui Ronaldo. “Estamos também iniciando a operação de mais alguns negócios dentro da nossa estrutura, que além da gravadora, incluem editora, bookings, management e eventos.” Os sócios destacam que, para os artistas interessados, o envio de demos está disponível através do e-mail: demos@alphabeat.com.br

Agora, é aguardar pra ver até onde a Alphabeat pode chegar.

LEIA TAMBÉM:

Entenda, na prática, o que muda com a fusão entre Plusnetwork e DJcom

Warner compra Spinnin’ Records em acordo multimilionário

Spinnin’ Records lança plataforma para projetar novos artistas

HUB Records se torna o selo oficial de música eletrônica da Sony no Brasil

Motivado para exportar os bons nomes do Brasil, ILLUSIONIZE lança selo

Deixe um comentário

No Comments Yet

Comments are closed