Connect with us

Assista agora ao videoclipe de “Our Way”, faixa de FTampa com Kamatos

Phouse Staff

Publicado há

Finalmente saiu o videoclipe para “Our Way”, faixa do FTampa com a brasileira Kamatos. Cheio de coreografias dançantes, o videoclipe tem a direção do talentoso diretor Mess Santos, que já produziu trabalhos para os maiores artistas do mercado pop nacional.

Com lançamento pela Sony Music Brasil + Ultra Music, a faixa já pode ser considerada um dos hits desse verão. Em menos de um mês, já conta com mais de 1 milhão de plays no Spotify, sendo um dos lançamentos favoritos dos fãs brasileiros.

Como já falamos por aqui, “Our Way” marca o início de uma nova era na carreira do mineiro FTampa, que promete muitas novidades para o ano de 2017.

Deixe um comentário

Phouse Tracks

RaFelps – This Way (Original Mix)

Phouse Staff

Publicado há

RaFelps

Hoje lançamos pela Phouse Tracks a música “This Way”, do DJ e produtor RaFelps. Trata-se de um trap com toques de dubstep e future bass, que, segundo o artista, tem como referência a energia forte e impactante dos grandes festivais de EDM.

“This Way” está agora disponível para free download no Artist Union, no nosso SoundCloud e no Spotify.

Rafael Pereira Pires é o nome por trás do projeto. Nascido na cidade de Santo Antônio de Pádua, interior do Rio de Janeiro, Rafael é estudante e cursa hoje o Ensino Médio. Sua vida sempre foi cercada de música; começou pela bateria e posteriormente passou por violão, teclado e guitarra, até se encontrar na música eletrônica. Em 2013, produziu seu primeiro som, e desde então tem se dedicado a cada dia para concretizar esse projeto.

Siga e ouça também a nossa playlist de bass, trap e dubstep, criada pelo E-Cologyk:

Deixe um comentário

Continue Lendo

Notícia

Hernán Cattaneo estreia concerto sinfônico com clássicos da dance music

Jonas Fachi

Publicado há

Concerto
Foto: Hernán Zenteno/La Nación
Performance inédita será no teatro Colón, em Buenos Aires

Nunca antes a música eletrônica esteve exposta em um palco tão importante. Hoje (22), às 19h e às 22h, o lendário DJ argentino Hernán Cattaneo desembarca, juntamente de artistas convidados e uma orquestra com 50 músicos, no teatro Colón de Buenos Aires.

O projeto foi anunciado há alguns meses como parte do festival “Únicos”. Automaticamente, o movimento de seus fãs em toda América do Sul foi intenso por mais informações. Em dezembro as vendas foram abertas, e em poucas horas os dois horários tiveram ingressos esgotados.

+ Hernan Cattaneo faz história com o primeiro “All Night Long” do Warung

+ Retrospectiva: 10 momentos marcantes de Hernan Cattaneo no Warung

Vale lembrar que o Colón possui espaço para mais de duas mil pessoas sentadas. Com a demanda muito superior ao esperado, a organização do festival cedeu a Hernán mais um horário no dia 23, às 19h. Novamente, com os tickets esgotados, outro horário foi colocado à disposição no dia 26.

Com tamanho sucesso, a imprensa argentina ficou simplesmente de boca aberta, buscando saber um pouco mais do que havia por trás do nome que fez ter quatro funções esgotadas no icônico e respeitado teatro. Jornais como La Nación e canais de TV procuraram Hernán para entender melhor do que se tratava. Imagine no Brasil Gui Boratto sendo entrevistado pelo Fantástico. É mais ou menos isso que Hernán tem vivido nos últimos dias em Buenos Aires, sendo o centro das atenções na mídia da cidade.

Entrevista para o canal Telenoche

Para os argentinos, o Colón é uma espécie de Maracanã cultural, com mais de cem anos de construção e arquitetura que remete à história da cidade. É um cartão postal e um espaço de muito orgulho para o país, pois é considerando internacionalmente como um dos cinco mais importantes do planeta. Após o anúncio, algumas pessoas de perfil mais conservador se mostraram intrigadas sobre o que iria se passar com um DJ e “música eletrônica” no templo que é dedicado à música clássica, ballet e peças líricas.

Hernán, porém, em todos os momentos deixou claro que se trata de um concerto sinfônico, não de um show de música eletrônica comum. Nas suas palavras, “o que difere de um concerto de Mozart ou Beethoven é apenas que os músicos da orquestra irão reinterpretar faixas da dance music, que fazem parte de minha história enquanto artista”. Entre as escolhidas, terão clássicos de bandas e DJs como Depeche Mode, Chemical Brothers, Massive Attack, Underworld, Way out West (com Nick Warren como convidado), Moby e Frankie Knuckles — que foi o DJ que inspirou Hernán a tocar —, além de músicas autorais não divulgadas. Haverá ainda uma quinta apresentação gratuita ao ar livre no dia 3 de março, no famoso parque destinado a shows da avenida Figueroa Alcorta y Pampa, bairro de Palermo.

Mural feito por um artista da cidade com imagem do DJ argentino em Palermo (Foto: Seba Cener/La Nación)

O festival Únicos conta com apoio do poder público da cidade. O novo ministro da cultura portenã, Enrique Avogadro, declarou que “a abertura de Colón a novos públicos é um debate interessante e que precisa ser feito”. Comentou também, em matéria trazida pelo La Nación, que “hoje se vive um ciclo em que já não existe mais a lógica de uma cultura superior à outra”.

O festival reúne diferentes gêneros para propor sinfônicas de música popular. Uma das preocupações dos guardiões da sala maior do teatro e artistas do ambiente lírico foi em nome da famosa acústica do teatro, em que ofereceram resistência quanto ao uso de amplificadores. Sobre isso, Hernán explicou ao La Nación suas intenções:

Hernán Cattaneo se apresentou na Catedral de Liverpool em setembro de 2012 (Foto: Hernán Zenteno/La Nación)

“Me contaram que no Twitter estavam falando que eu queria ultrapassar o limite de 90 decibéis [permitido no local]. As pessoas de Colón falaram que há um nível de decibéis. Não vi nenhum contrato, mas se falarem 70, serão 70, e se decidirem 90, serão 90. Como que vou querer impor minhas regras ao teatro? Não sou um herege, não venho profanar um cenário. Isso é uma vez na minha carreira, uma oportunidade, um convite impossível de recusar e estou feliz. Não vejo a hora de chegar esse dia”.

Em outro momento da entrevista, Hernán conta como tudo começou: “Darío Lopérfido nos contatou, conversamos sobre as opções de apresentações e começamos a trabalhar. Depois ele saiu do Colón, e o projeto não deu em nada, mas eu já tinha a programação na cabeça, com Oliverio Sofía e Paul Baunder [produtores que trabalham com Hernán], e já havíamos avançado. Então em meados do ano passado, Gerardo Gardelín, o diretor da orquestra, nos contou sobre a possibilidade de participar do festival Únicos, um contexto bastante lógico para nós. Então seguimos: por um lado, Gerardo fazendo as versões sinfônicas de todas as canções, e Oliverio, Baunder e eu com as versões eletrônicas. Tudo ia e voltava constantemente”.

Vale lembrar que após as cinco mortes durante o festival Time Warp, em Buenos Aires, em que foi declarado que houve negligencia por parte dos organizadores pela superlotação e poucos espaços para descanso e hidratação, o governo da cidade, fortemente pressionado pela grande mídia, resolveu cancelar todos os alvarás para grandes festivais. Eventos importantes para a economia, como o tradicional Creamfields, não foram mais realizados desde então. De certa forma, apenas três anos depois de sofrer uma grande discriminação, a música eletrônica parece estar dando a volta por cima.

Chegar com tamanha representatividade em um palco tão importante culturalmente é um passo enorme para fazer a mídia e o poder público começarem a ter um olhar diferente sobre o gênero. Todo o respaldo da carreira exemplar de Hernán em mais de 30 anos, sendo o maior DJ que a America do Sul já produziu, ajuda a tudo convergir para anos de maior integração e evolução da cena pioneira da cidade e do país. Hernán, desde os 15 anos de idade, fez sua escolha. Foi o primeiro DJ sul-americano a se tornar verdadeiramente global, e hoje continua a quebrar barreiras que pareciam inatingíveis — só poderia ser ele.

* Jonas Fachi é colunista na Phouse; leia mais de seus textos.

CONFIRA TAMBÉM:

Nos passos de Boratto? Remix de Cattaneo indica que BLANCAh pode explodir globalmente

Na Inglaterra, Sasha retorna com seu aclamado live orquestrado

Desafiamos você a assistir a estes vídeos de dance music orquestrada sem ficar arrepiado

Uma pataquada histórica ameaça cancelar o show do Kraftwerk na Argentina

Creamfields é confirmado por três anos no Uruguai

Deixe um comentário

Continue Lendo

Notícia

Nova tecnologia pode revolucionar a discotecagem em vinil

Phouse Staff

Publicado há

Phase
Saiba mais sobre o Phase

A empresa MWM está desenvolvendo um pequeno equipamento que pode mudar consideravelmente o trabalho de quem discoteca com vinil integrado a um software.

O Phase é do tamanho de uma borracha escolar e se encaixa no eixo central, por cima do vinil, e emite sinais sem fio para um receiver USB que trabalha com o software de DJ que se está usando (como o Serato, por exemplo).

+ CLIQUE AQUI para ler mais notícias sobre tecnologia

A grande sacada é que algumas coisas perdem a utilidade nos toca-discos, como a agulha e seu suporte, e até mesmo o timecode, pois seu trabalho é precisar a rotação do prato, e o resto é com o seu software. Além disso, a bateria dura dez horas e fica completamente carregada entre uma e duas horas.

A nova tecnologia deve ser lançada no segundo semestre — o preço está previsto para algo em torno de 300 dólares. Você pode conferir mais informações no site oficial.

Confira uma demonstração do aparelho em uma performance pesada do DJ Groove Sparkz:

Deixe um comentário

Continue Lendo

Trending

-->

Copyright © 2018 Phouse