Connect with us

Como a crise e as mudanças de mercado geraram um novo perfil de festivais no Brasil

Flávio Lerner

Publicado há

Com o cancelamento de nomes como Tomorrowland e EDC, tudo indicava um 2017 fraco de eventos na música eletrônica nacional; felizmente, a realidade aponta outro caminho.

O cancelamento das edições brazucas do Tomorrowland e do EDC para 2017 pegou muita gente de surpresa e desanimou geral. O motivo podia ser resumido a uma única palavra: crise. E se dois dos maiores festivais se retiravam do mercado brasileiro, tudo indicava um ano bem morno pra música brasileira no Brasil, correto? Bem, não necessariamente.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
...

Apesar de, sim, a recessão econômica ainda estar longe de ser resolvida, o mercado passa por uma readequação, um momento de adaptação a novos hábitos do público e ao macroambiente. Assim, diversos festivais já foram anunciados para este ano [alguns inclusive já rolaram], com um novo perfil: sai um pouco de cena o megafestival para cem mil pessoas, com os maiores nomes da EDM global e cenários apoteóticos, e entram no lugar eventos mais enxutos e nichados — isto é, para um público mais específico, oferecendo o máximo de qualidade de experiência com uma conta que fecha. Sim, é a Cauda Longa ganhando mais força na cultura de pista brasileira.

Quando Luiz Eurico Klotz, sócio-fundador da Plusnetwork [antiga Plus Talent], informou que o Tomorrowland seria substituído por quatro festivais de menor porte, já estava cantando essa pedra. O Electric Zoo, um desses eventos, já está confirmado para abril, e é destaque de uma safra de festivais que aportam no Brasil pela primeira vez, como também será o caso de Awakenings e Welcome to the Future [mais duas produções da Plusnetwork — especula-se que o Misteryland seja o quarto nome]. O Dekmantel São Paulo, que rolou agora em fevereiro, é outro ótimo exemplo, com uma curadoria seletíssima para um público diverso, mas longe do mainstream. O BPM seria outro destaque entre os debutantes no país, mas infelizmente o incidente na edição mexicana adiou esse projeto.


LEIA TAMBÉM: Da BASE ao Tomorrowland; a trajetória e a visão da “personalidade do ano”, Luiz Eurico Klotz


“O cancelamento do Tomorrowland não indica necessariamente que o mercado iria encolher, mas que estava acontecendo um ajuste comportamental do público e dos organizadores. Houve no passado recente o crescimento do número de grandes eventos no país para um público que não seria capaz de assimilá-los, tanto pela curadoria quanto pelo bolso. O ‘ajuste’ já começou e deve continuar pelos próximos anos, em mais eventos de médio porte com propostas de valor e experiências diferentes”, diz Guga Trevisani, sócio-diretor da Entourage, que produz o Kaballah Festivaluma das marcas nacionais que vão se adaptando às mutações do mercado, ao lado de expoentes como Federal Music, Rio Music Carnaval e XXXPERIENCE. O Guga explica que o maior desafio dessa última edição de janeiro foi “vencer os claros sinais que a crise está causando no país”. “Investimos mais do que ano passado em cenografia e marketing e reduzimos nossas projeções de vendas, melhorando nossa precificação. O resultado foi uma entrega com melhor qualidade e experiência para o público.”

“Este vai ser um ano difícil, não tenho dúvidas, mas acredito também que o fator novidade deve colaborar com o sucesso desses novos eventos”, complementa Maurício Soares, diretor de marketing e estratégia da Plusnetwork, que projeta um 2017 tão difícil quanto 2016, mas “menos traumático”: “Não há variação drástica no câmbio, como aconteceu num passado recente, deixando muita gente que havia feito contratações de grande porte em dólar numa situação bastante difícil”. Para ele, “o processo de recuperação econômica deve ganhar tração a partir do quarto trimestre, o que vai favorecer também a continuidade desses eventos no Brasil em 2018 e além”.

Erick Dias, um dos produtores da XXXPERIENCE, crê num começo muito duro, mas tem esperança de melhorias em curto prazo. “Acho que o primeiro semestre vai ser mais difícil que 2016. Espero que o segundo seja melhor, mas acredito que em 2018 as coisas melhorem bem”. A XXX, que neste ano prevê duas edições [10 de junho em BH e 11 de novembro em Itu], comemorou vinte anos em 2016, e o Erick já havia admitido que a comemoração poderia ter sido maior, não fosse a economia em frangalhos. “Vamos continuar por uma longa estrada ainda, trazendo inovações. Neste ano, iremos ampliar algumas coisas na parte cenográfica, deixando a xxx21 ainda mais personificada e surreal.”


LEIA TAMBÉM: Como a XXXPERIENCE completa 20 anos em uma cena imediatista


Por sua vez, o produtor de eventos Otacílio Mesquita, mais conhecido por tocar os mineiros Sunflower e Net Festival e o baiano Sundance, entende que, mais do que a recessão — que inviabiliza a contratação de headliners gringos —, a mudança de perfil dos festivais se dá por um esgotamento de formato. “Pegamos carona num modelo de grandes festivais, mas é um modelo cascata, ficou tudo muito repetitivo. O próprio Tomorrowland da Bélgica tá mudando um pouco no palco principal, dando uma diversificada. Aquela onda de som feito pro mainstream ficou cansativa”, diz. “O público de música eletrônica no Brasil está mais exigente. É o momento de se reinventar, não só por causa da economia, mas porque a música eletrônica é muito dinâmica — e o Brasil vem amadurecendo nisso.”

Mas se esses festivais menores não fazem a sua cabeça e você quer mesmo é saber dos colossos, ainda há motivos pra comemorar. Além de megafestivais que contemplam a dance music, como o Lollapalooza e o Rock in Rio, o Ultra Brasil, que passou por poucas e boas em sua primeira edição tupiniquim, segue firme e forte — e com bastante otimismo. “Temos a crença de que 2017 vai ser bem melhor do que 2016”, conta Pedro Nonato, diretor do festival, que tem sua segunda edição confirmada para outubro. “Estamos muito satisfeitos com a utilização por completo do Sambódromo, muito confiantes no novo formato de três dias, com a reestruturação dos palcos e com os novos espaços. Além disso, seremos o único festival internacional de grande porte presente no país. Ano passado tivemos cerca de 60 mil pessoas e este ano a previsão é superar a marca de cem mil, sem contar também que o dólar está mais do que um real mais barato do que há um ano.” Quando o perguntei sobre o que afastou as vindas de Tomorrowland e EDC mas não afastou o Ultra, ele foi taxativo: “Competência: previsões realistas de captação de patrocínio, controle de custos de produção, pricing certo e de análise macroeconômica — antevendo o dólar em um patamar correto”.

Assim, se não ocorrerem grandes reviravoltas, 2017 promete acabar entregando consideravelmente mais do que a recessão sugere.

LEIA TAMBÉM:

Em pleno 2016, quem ainda tem medo da música eletrônica?

Como foi o primeiro Dekmantel em São Paulo

A Jovem Pan e o “jornalismo” que atrasa a música eletrônica no Brasil

Deixe um comentário

Notícia

Gui Boratto homenageia pioneiro do tango em show inusitado em Paris; assista!

Flávio Lerner

Publicado há

Gui Boratto Tango
Em programa da TV francesa, o músico improvisou ao lado de instrumentista letã para uma plateia que contou até com um dos “robôs” do Daft Punk

Ao lado da importante instrumentista Ksenija Sidorova — original da Letônia e integrante da Orquestra Sinfônica de Viena —, o conceituado produtor e arquiteto brasileiro Gui Boratto protagonizou uma bela homenagem a um dos criadores do tango, o argentino Astor Piazzolla.

A apresentação, em formato live, rolou em outubro, em Paris, e teve direito até a convidado de honra: um dos “robôs” do Daft Punk. “Foi lindo, até o Thomas Bangalter do Daft Punk estava lá na plateia! Foi muito foda!”, resumiu o boss da D.O.C. Records, em contato com a coluna.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
...

O espetáculo durou quase meia hora, e agora, com vídeo disponibilizado ontem no YouTube, podemos assistir ao show na íntegra [veja abaixo]. O próprio Gui destaca que foi ele quem escolheu trabalhar com a música do Piazzolla, pois já havia um flerte antigo com o lendário jazzista que resultou na faixa de 2011 “Soledad”, do seu terceiro álbum.

O músico admite que levou quase dois meses pra tirar as harmonias do Piazzolla e fazer os arranjos da forma que queria, pensando em como criar as harmonias para encaixar com o acordeão de Sidorova.

O projeto faz parte da segunda temporada do Variations, conteúdo exclusivo que une música eletrônica e orgânica reunindo músicos das duas áreas para homenagear ídolos do jazz — em outras ocasiões, o programa já trouxe Marc Romboy e Kenny Larkin para, ao lado de instrumentistas famosos, interpretar John Coltrane e Miles Davis, respectivamente. Além deles, Dubfire e Rebotini também já participaram.

O Variations é apresentado pela Culturebox, canal cultural da tevê francesa, e sempre gravado ao vivo na sala de espetáculos La Cigale, clube parisiense que data da belle époque, nascido em 1887. “La Cigale é um lugar cheio de história que remonta ao começo do século: já pegou fogo e foi reinaugurado nos anos 90. Pra mim, foi um prazer sem igual me apresentar nessa obra arquitetônica, acima de tudo”, concluiu o Gui Boratto, que, também como arquiteto, está sempre atento a esses detalhes.

Flávio Lerner é editor da Phouse; leia mais artigos de sua coluna.

LEIA TAMBÉM:

Novo EP de Gui Boratto e Leo Janeiro converge três mundos sonoros

Famoso edit de clássico de Chico Buarque ganha lançamento oficial

Protagonista carioca, Leo Janeiro fala sobre RMC, Warung, D.O.C. e parcerias

Voa alto, passarinho; como o primeiro álbum da BLANCAh pode ser um divisor de águas pra cena eletrônica nacional

“Música não é competição, é arte”; uma entrevista exclusiva com o duo Elekfantz

Deixe um comentário

Continue Lendo

Entrevista

Saiba tudo sobre o Caos, novo clube do underground de Campinas, que estreia com Carl Craig

Jonas Fachi

Publicado há

Caos
Em entrevista exclusiva, Eli Iwasa, uma das fundadoras do novo clube campineiro, traz todos os detalhes do empreendimento e revela, em primeira mão, a atração especial de abril
* Com a colaboração de Flávio Lerner
* Foto de capa por Bill Ranier; artes e vídeos promocionais por Muto

Quando em 29 de maio de 2013 a “japa do techno” Eli Iwasa abriu as portas do Club 88 pela primeira vez — junto com seus sócios Rodolfo Salin, Antonio Carlos Diaz, Juka Pinsetta e João Mota —, era a concretização de um sonho que cresceu, transbordou, fomentou a cena local e dentro de uma semana se transforma em uma nova realização: o club Caos, que inaugura em Campinas no dia 22 trazendo pela primeira vez à cidade a lenda do techno de Detroit, Carl Craig.

E Carl é aquele artista para o qual a palavra “lenda” realmente se encaixa, sem cair em banalizações ou esvaziamentos. Tanto que foi escolhido a dedo pela DJ, empresária, sócia-proprietária e curadora Eliana Iwasa para ser a grande atração do primeiro ato desse novo empreendimento no interior de São Paulo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
...

Eli possui mais de 15 anos de carreira na música eletrônica, e já passou por clubs como o lendário Lov.e em São Paulo, o Kraft em Campinas e diversos eventos e gigs pelo país afora — seja como produtora, curadora ou DJ. À frente do Club 88, que continua funcionando normalmente no belíssimo Jockey Club de Campinas, a artista bookou artistas como Mind Against e Michael Meyer, e agora o momento é de expansão.

O Caos é o segundo estabelecimento do grupo e foi desenhado para abrigar artistas de maior porte — além de Craig, já estão confirmados Marco Carola (12/01) e um grande artista israelense (para abril) que ainda não foi anunciado oficialmente, revelado em primeira mão por Eli nesta entrevista exclusiva que você lê abaixo.

+ Em turnê pela América Latina, Carl Craig volta ao Brasil neste fim de ano

Assim, o Caos promete estimular ainda mais a já movimentada cena do interior paulista, com seu espaço industrial aconchegante e ressignificado especialmente para que as pessoas sintam-se livres na pista, guiadas pela soberania musical.

Confira todos os detalhes que Eli nos revelou sobre o novo reduto underground campineiro:

Como mostrado na apresentação do projeto à imprensa, o Caos chega para cobrir uma demanda local por artistas de maior renome, devido à falta de capacidade no Club 88 atualmente. Quando vocês perceberam que existia esse potencial latente para um projeto maior?

Sempre houve um desejo de receber esses artistas, e o Caos nasceu justamente para possibilitar essa realização. Quando procuramos o local, pensamos no tamanho ideal que nos permitisse viabilizar esses nomes que sonhamos tanto em bookar, e que oferecesse uma experiência diferente do Club 88. Nós voltamos ao nosso começo, onde o que importava era a música sem muitas firulas — com apenas som e luz que proporcionassem algo bem intenso na pista.

Talvez um dos grandes diferenciais desse novo club é sua localização. Parece existir no Brasil uma tendência extraída da Europa por espaços com características industriais. O que o Caos vai apresentar de diferente em relação à estrutura, capacidade e, mais importante, atendimento e soundsystem?

O Caos ocupa um antigo galpão industrial, onde ficava uma siderúrgica — uma das características mais interessantes do espaço é que ele conta com diversas janelas, com luz natural inundando o club assim que amanhece. O ambiente é rústico, cru, mas é fundamental que as pessoas tenham conforto.

A pista conta com dois bares grandes, uma área externa bem ampla, e vamos trabalhar com o sistema cashless, que é super moderno e garante maior tranquilidade para você consumir na festa. Quanto ao soundsystem, vamos deixar para quem for à inauguração, mas posso te adiantar que é de uma marca que usamos em alguns de nossos eventos em Campinas.

“É simbólico ter na inauguração um artista que nos faz revisitar nosso passado ao mesmo tempo em que nos faz olhar para frente — porque Carl Craig é história, mas nunca deixou de ser um visionário.”

Não é qualquer clube que consegue inaugurar com uma das lendas de Detroit, Carl Craig. Qual a expectativa para sua vinda? O Caos tem pretensão de oferecer quantas horas de apresentação para os convidados?

O techno de Detroit sempre foi uma influência muito grande para mim, e Craig um dos meus produtores favoritos. É um artista que se manteve atualizado, atuando um diversas frentes, e  cuja música só reforçou sua relevância ao longo dos anos. Depois da apresentação arrebatadora no DGTL em São Paulo, a expectativa realmente é muito alta. Acho que é muito simbólico ter um artista como ele na noite de inauguração de um club que nos faz revisitar nosso passado ao mesmo tempo em que nos faz olhar para frente — porque Carl é história, mas nunca deixou de ser um visionário.

Além de você como anfitriã, teremos o lendário Mauricio Lopes e o duo campinense Black Sun na estreia do Caos. Em relação a residentes, existem nomes cotados?

O time de residentes de um club se forma conforme sua história é escrita, e os personagens importantes para ela aparecem nesse processo. Os residentes do Club 88 estão entre os melhores DJs de Campinas e região, em minha opinião, e conquistaram seu lugar com a qualidade de seus sets ali. No Caos, tenho certeza que este grupo também vai se formar no seu ritmo e tempo.

Caos

Antes de tudo, vem o Caos

Em janeiro, outro nome importante do circuito global chega a Campinas: Marco Carola. Nessas duas primeiras datas, podemos observar que o techno e o tech house prevalecem. É esse o estilo de música que o Caos vai focar, ou haverá abertura para outros nomes importantes de estilos como deep house ou house progressivo?

Um ponto importante é que não vamos levantar bandeira de estilo algum — o que importa é a qualidade musical. Temos o techno de Detroit de Carl Craig, o tech house cheio de classe de Marco Carola, mas também confirmamos o Guy J no dia 06 de abril, para quem gosta de progressive house, além de três artistas de techno que ainda não posso relevar, mas que estão entre os mais relevantes do estilo.

Além de uma data mensal fixa, o espaço irá receber outros gêneros de música, como o hip hop. Como vai funcionar exatamente esse diálogo entre estilos e públicos tão diferentes?

Já temos uma programação diversificada no Club 88, e nossos projetos de hip hop e pop (o Groove Urbano e a Wolf) também terão suas noites no Caos mensalmente. Cada noite e cada público servem para enriquecer nosso trabalho, nossa experiência, e o que podemos oferecer ao público.

“Não vamos levantar bandeira de estilo algum — o que importa é a qualidade musical.”

Parece haver uma tendência recente de novos clubes, com propostas cada vez mais nichadas, surgindo pelo Brasil. Como você enxerga esse atual momento do mercado dos clubes e da cena eletrônica em geral? Crises econômicas à parte, você diria que este é um dos melhores momentos para abrir esse tipo de negócio no país?

Sempre acreditei que crises trazem muitas oportunidades. O interior de SP abriga muitos dos maiores festivais do Estado, tem um público que consome avidamente música eletrônica, provou que é importante celeiro de talentos, com ótimos produtores e DJs, e conta com o Club 88 e o Laroc, que investem fortemente em sua direção artística de forma constante — assim, percebemos que havia demanda e espaço para um novo club. Num momento em que o mercado está tão retraído, por que não encarar mais um empreendimento se tudo conspirou a favor?

Como é o processo de estudo e incubação da ideia de criar um novo clube até, efetivamente, o seu nascimento? Conta pra gente o trabalho que envolve a criação de um empreendimento desse tipo.

Nosso trabalho é muito intuitivo — sempre falo que não servimos como modelo de negócio algum, de uma maneira mais tradicional assim falando [risos]. Lógico que todos esses anos de experiência servem como base para tomada de decisões, e no caso do Caos, foi apenas seguir um desejo latente em ter um espaço maior, para não termos que criar uma estrutura temporária cada vez que quiséssemos expandir nossas atividades para fora do Club 88. Todos nós temos uma inquietude que nos faz sempre pensar qual o próximo passo, o próximo negócio, evento…

Quando o 88 completou quatro anos, sentimos que era hora de crescer. A primeira coisa é encontrar o local adequado — ou no nosso caso, descobrir um local e pensar que seria incrível ter um club ali, como foi com o prédio do Jockey Club. Eu já tinha em mente que artistas gostaria de trazer, e corremos para a obra ser finalizada a tempo.

“Não há excessos: o Caos é uma grande pista de dança com um baita soundsystem e uma iluminação projetada para criar a atmosfera certa para dançar.”

Quais são as principais referências que nortearam o conceito e os princípios do Caos?

De alguma maneira, o Caos é como o final e início de um ciclo, e sentimos que é um retorno às nossas origens, quando o que realmente importava era apenas a música, mas com o olhar para o futuro. Tudo que era excesso foi retirado: o club é uma grande pista de dança com um baita soundsystem e uma iluminação projetada e pensada para criar a atmosfera certa para dançar. Desde a comunicação até a decoração, tudo foi simplificado, sem rodeios, sem exageros, para que você tenha a experiência e a percepção mais pessoais possíveis.

Espero que as pessoas realmente vivenciem uma imersão musical ao som de ótimos artistas, e possam compartilhar conosco a realização de mais um sonho.

Como o Caos vai se diferenciar de todos os outros clubes conceituais do mercado brasileiro?

Posso falar da estrutura, do espaço, dos bookings, mas o que na verdade sempre nos diferenciou, e espero que continue no Caos, é a relação que criamos com as pessoas que prestigiam nosso trabalho, com nossa equipe e com os artistas. Esse apreço pelo outro, por uma boa festa — é claro — e o amor genuíno ao que fazemos é o que vai tornar o Caos especial.

* Jonas Fachi é colunista na Phouse; leia mais de seus textos.

CONFIRA TAMBÉM:

Eli Iwasa e Du Serena falam sobre o Warung Tour Campinas

Protagonista carioca, Leo Janeiro fala sobre RMC, Warung, D.O.C. e parcerias

Albuquerque: “Faço questão de inovar sempre; cada cenário, cada estação do ano requer um som diferente”

Para curador, Tribaltech vai se consolidar como “evento-postal” de Curitiba

O Seth Troxler profanou o Templo com um loop de funk; queimem o herege!

Deixe um comentário

Continue Lendo

Notícia

Ícone do house progressivo, Nick Warren é headliner de festa em São Paulo

Jonas Fachi

Publicado há

Nick Warren São Paulo
O segundo evento do núcleo Unik ID traz o expoente britânico de volta à cidade que tem um peso especial em sua carreira

Nesta semana, uma longa espera chegará ao fim. Depois de quatro anos, um dos mais consagrados DJs da história da dance music desembarca novamente no Brasil. Quase 20 anos após ter marcado época em São Paulo ao escolher a cidade para gravar sua segunda compilação pela Global Underground (ouça abaixo), o inglês está de volta para consolidar um novo ciclo musical na capital financeira do Brasil.

Falar de Nick Warren não é uma tarefa fácil. Sua trajetória impressionante como DJ e brilhante como produtor musical o colocou frente a frente com o que já houve de melhor na cena clubber e festival no mundo. Podemos dizer que a apresentação do próximo sábado, em evento realizado pelo núcleo Unik ID, será algo emblemático. Por quê? Para entender, precisamos voltar um pouco no tempo e relembrar a estreita relação que o DJ de Bristol já teve com a cidade.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
...

Em 1998, durante a explosão do estilo house progressivo desenvolvido por ele e ícones como Sasha, John Digweed e Danny Howells no Reino Unido, Nick apostou na capital paulista para compilar um de seus álbuns mais interessantes e distintos. Foi um dos raros momentos em que o artista flertou com techno de maneira magistral, acabando por conceber um disco que poderia ser facilmente apresentado nos dias de hoje.

Vale ainda destacar que nenhum outro artista compilou tantos álbuns para a gravadora mais importante dos anos 90 e 2000. Foram oito cidades escolhidas a dedo por Nick para expressar sua música e também adaptá-la ao movimento local. A escolha por São Paulo serviu como uma pequena amostra do potencial que a cidade já apresentava em ser uma das lideres de desenvolvimento eletrônico no mundo, como mais tarde veio a se tornar. Durante todo esse tempo, o artista obteve grandes momentos por aqui, em clubs com o Warung, o Sirena e, mais recentemente, na Amazon.

Em 2017, o público paulista de apreciadores do estilo que o DJ ajudou a criar e consolidar pode dizer que teve um ano especial. A vinda de nomes como John Digweed, Guy J, Hernan Cattaneo e agora Nick Warren fecha uma temporada que deverá ser lembrada como de mudança e abertura de ideias para outros estilos. Nick estará dando uma volta na história quando iniciar seu long set em um dos eventos mais aguardados dos últimos tempos. Em recente publicação em sua página no Facebook, o artista demonstrou todo entusiasmo para voltar à cidade: “Brasil, eu já estava com saudades de vocês!”.

O núcleo Unik ID, uma das bandeiras mais fortes da capital para o house progressivo, chega para realizar sua segunda edição já contando com um artista do mais alto escalão do cenário conceitual. Tudo isso foi possível após o retorno positivo no primeiro evento, em que trouxeram dois produtores de destaque nos últimos anos — Cid Inc e Darin Epsilon.

Nick Warren São Paulo

Sábado, dia 16, a pista em anexo ao AUDIO Club receberá ainda um B2B com dois talentosos produtores que vêm se destacando em nossa cena: Luciano Scheffer e Goraieb. Completam o lineup Pedro Capelossi, Gui Milani e Pk Live. Você pode conferir mais informações no Facebook.

* Jonas Fachi é colunista na Phouse; leia mais de seus textos.

CONFIRA TAMBÉM:

SP e o techno progressivo: o que representa a vinda de Cid Inc e Darin Epsilon

O anúncio de Sasha & Digweed no Warung Day Festival é um marco para o Sul

Retrospectiva: 10 momentos marcantes de Hernan Cattaneo no Warung

Alec Araujo: “O progressive house de hoje é bom demais para ser ignorado”

O set que mudou tudo! Direto de 1992, ouça demo histórica de John Digweed

Deixe um comentário

Continue Lendo

Trending

-->

Copyright © 2018 Phouse