Connect with us
BRMC

O dia do DJ também é um dia de reflexão

Flávio Lerner

Publicado há

Conhecer o passado é essencial pra projetar o futuro.

Ontem falamos do fundamental dia da mulher e mal deu tempo de respirar: hoje já temos outra data importante, o dia do DJ. Assim como o dia de ontem — e guardadas as devidas proporções que a comparação exige —, hoje não é apenas um dia pra mandar parabéns pros amigos DJs e celebrar seus heróis; é muito mais. O dia do DJ existe também por causa de muita luta e quebra de preconceitos. Vamos lembrar que até não muito tempo atrás ser DJ era pejorativo, a sua arte era incompreendida e os músicos não admitiam os dejotas no time. O dia do DJ é um marco que representa essa batalha pelo reconhecimento e contra a discriminação.

Comecei a escrever sobre cultura DJ, em setembro de 2014, a partir do site que fundei e sigo administrando, o LOFT55. Uma das molas propulsoras dessa iniciativa era a de fomentar e tentar resgatar os valores dessa cultura no Brasil, em uma época em que ela se encontrava bastante desvirtuada — fosse pelo fato de a EDM ter cooptado e esvaziado seus valores originais, fosse pelo fato de a arte da construção de set ser ignorada em muitos Estados e cidades do Brasil. Era o famoso movimento de banalização em que qualquer um era DJ, ao mesmo tempo em que quase ninguém era, na verdade.

“O Brasil, país do pluralismo cultural, do samba, da ginga e do carnaval, salvo uma gama riquíssima de exceções brilhantes, nunca foi o País da dance music. Em regiões menores, distantes dos principais centros urbanos, DJ, no imaginário popular, remete a puro e simples entretenimento”; foi o que escrevi no primeiro texto de LOFT55, há quase um ano e meio atrás. Hoje, o cenário felizmente já é outro, e tanto no mainstream quanto no underground as coisas têm evoluído bastante. Mas ainda existe uma carência em particular muito grande por aqui: a falta de conhecimento sobre a história dessa cultura DJ.

Temos cada vez mais uma molecada frequentando os mais diversos festivais no Brasil todo, curtindo música feita em computadores e, naturalmente, querendo ser DJ ou produtor. Essa gurizada pode ser autodidata, aprendendo em tutoriais na internet, ou achando bons cursos de mixagem e de produção. Esses cursos, porém, não costumam enfatizar a história e o significado do que é ser DJ, e em um País com um índice de educação tão baixa e com um analfabetismo funcional que parece cada vez mais alto, o ato de ir atrás de informação sobre as origens dessa cultura sequer é considerado. Essa informação ainda está bastante fragmentada por aí, entre bons sites na internet, livros e documentários, e a maior parte desse conteúdo especializado está em inglês, o que acaba dificultando ainda mais.

Seja no LOFT55 ou aqui na Phouse, temos essa preocupação em educar, sim, por mais que isso possa soar pretencioso a alguns. Mas não deveria: educar diz respeito a trazer a informação a  um grande grupo de pessoas que dificilmente teria acesso a ela. E é uma das coisas que venho martelando por aqui: me incomoda bastante a falta do conhecimento básico de como nasceu e se desenvolveu a cultura de pista, no mundo e no Brasil, por parte dos fãs de EDM. E isso acaba produzindo uma cultura superficial, em que os seus fãs e os seus próprios astros carecem de conteúdo pra produzir algo com mais substância. Conhecer as origens não é apenas saber uma história bacana; é algo fundamental que vai te dar a sustentação pra tudo o que você fizer daí pra frente. Descobrir o passado é essencial pra projetar o futuro — e é por isso que as escolas de DJs erram em focar na técnica e ignorar a essência. Quem não tem a referência dos pioneiros vai fazer um som igual ao dos anos 80 e achar que está inventando a roda; ou vai fazer o som da moda e ficar na vala comum, porque tem uma visão limitada. Entrevistas que fizemos com lendas brasileiras, como o DJ Meme, vão justamente nesse sentido de resgate da nossa história.

Concordando ou não com o polêmico desabafo do Vintage Culture sobre o Tomorrowland, uma coisa ali me chamou a atenção positivamente. O produtor falou assim: “[…] as pessoas com quem eu trabalho são pessoas alinhadas por uma mesma visão, um mesmo ideal. Esse ideal vem lá dos primórdios da cultura da música eletrônica e carrega basicamente os valores da liberdade, da igualdade e da união, ou seja, é piegas mas é isso mesmo”. Isso mostra que um dos artistas que, gostando ou não, é hoje um dos maiores nomes da dance music no Brasil, conhece a sua história. Não deve ser por acaso.

Sim, a cultura DJ se consolidou nos anos 70, nas mãos de pioneiros como os ítalo-americanos Francis Grasso — o primeiro DJ a chamar atenção pela técnica, mixando incrivelmente disco music, soul e rock em toca-discos que sequer tinham controle de pitch — e David Mancuso, que fundou o famigerado The Loft, em Nova Iorque. O Loft era a própria residência do DJ, que recebia apenas convidados em sua casa/balada ao passo que discotecava a mais fina seleção de disco music. Foi ali, reunindo um pot-pourri harmônico de brancos, negros, latinos, judeus, italianos, gays e heteros que esses ideais de fraternidade, igualdade e amor começaram a se propagar, e o Loft foi o embrião para os clubs que viriam depois nos EUA, como a Paradise Garage de Larry Levan e a Warehouse de Frankie Knuckles, onde a house music se estabeleceria. A house influenciaria o techno e invadiria a Inglaterra no fim dos anos 80 pra se juntar ao ecstasy e formar o segundo verão do amor e a cultura raver.  Vê? Ao contrário do que muitos pensam, a cultura DJ surgiu antes da própria música eletrônica — e ainda tem toda uma conexão com cenas mais antigas dos anos 60, como a Northern Soul britânica e a cultura jamaicana de soundsystems urbanos e dubs. É muita história, e obviamente não dá pra gente contar tudo aqui de uma vez só. Isso fica pra ser mais bem apresentado em outros textos, em outras ocasiões.

Feliz dia do DJ!

Deixe um comentário

Análise

O indie dance original respira com a volta do Friendly Fires

Flávio Lerner

Publicado há

Friendly Fires
Foto: Reprodução
Depois de mais de seis anos sem lançamentos, o trio britânico que marcou os anos 2000 está de volta

Fundado em 2006, o trio britânico de dance-rock/indie danceFriendly Fires foi importantíssimo para uma guinada mais eletrônica e dançante à cena indie da década passada, que encontrava-se em sua era de ouro com a ascensão de bandas como The Killers, Franz Ferdinand, The Strokes e Bloc Party. Seu surgimento — somado à ascensão de grupos como Klaxons, Chromeo, Cut CopyMetronomy e o brasileiro Cansei de Ser Sexy — fez com que aquele cenário mais centrado nas guitarras passasse a ter um foco maior nos sintetizadores e nas batidas. O LCD Soundsystem não estava mais sozinho.

Comandando pelo carismático e rebolativo Ed Macfarlane — com suas dancinhas impagáveis ao vivo e nos videoclipes —, o Friendly Fires explodiu mesmo em 2008, com o primeiro e homônimo álbum, e desde então acumulou milhões de fãs no mundo inteiro. Nunca fizeram exatamente música eletrônica de pista, mas bebiam claramente de fontes como a house e o synth pop de grupos como New Order e Depeche Mode. E não só isso: a batida e a vibe ensolarada das músicas trazia muito da música brasileira. Singles como “Jump in the Pool” e “Kiss of Life” surgiram com fortes elementos de percussão de samba — e em 2008 e 2009, o grupo chegou a realizar apresentações em conjunto com uma escola de samba.

Em 2011, às vésperas do lançamento do segundo álbum, Pala, que se afastava ainda mais do indie rock, foram capa da conceituada revista inglesa NME, e tiveram a ousadia de dizer que preferiam escutar Justin Timberlake do que Morrissey — antigo líder do grupo The Smiths, que dominou a cena indie nos anos 80. Pra roqueiros britânicos que levam esse tipo de comparação muito a sério [o que, arrisco dizer, seja boa parte do público da revista], uma declaração do tipo soava como heresia.

O trio seguiu sua vida muito bem, obrigado. Pala também fez sucesso, e o FF seguiu apresentando-se em shows lotados no mundo inteiro nos próximos anos. Mas pararam de fazer música. Em 2014, deram um tempo de vez, e só foram voltar agora, quatro anos depois, com shows de retorno na Inglaterra realizados nas últimas semanas. E claro, novo single — o primeiro em mais de seis anos.

“Love Like Waves” foi lançada no último dia 05, e segue a linha do Friendly Fires que já estamos acostumados, sem grandes alterações na estrutura sonora. É uma canção boa e agradável, que resgata o saudosismo dos fãs e empolga pelas novas possibilidades, mas também não chega a ser dos melhores sons já feitos pelo trio.

Novos singles devem surgir nas próximas semanas, culminando, em breve, com o aguardadíssimo terceiro álbum. Se mantiver a qualidade dos LPs do passado, tem tudo para ser um dos grandes lançamentos de 2018.

Bóra relembrar outros grandes singles do grupo:

* Nota do Autor: Indie dance/nu disco, assim como progressive house e deep house, foi mais um dos estilos que caiu naquela salada de tags do Beatport, na década passada, e acabou passando a ser usado para se referir a uma sonoridade completamente diferente. Aqui, evidentemente, falo sobre o indie dance original, que vai de bandas como o Cut Copy a produtores como o Tensnake.

Continue Lendo

Opinião

Carta aberta aos fãs de progressive house

Flávio Lerner

Publicado há

Aos fãs de progressive house
Oi gente, tudo certo? Vamos conversar? Os ânimos tão meio exaltados por aqui.

Seguinte: o DJ e produtor Leo Lauretti assistiu à volta do Swedish House Mafia in loco e nos escreveu um texto com algumas reflexões. Quando eu vi que ele falou em progressive house para se referir ao estilo do trio sueco, minha reação imeadita foi a de substituir o termo. Isso porque aqui na Phouse — ao menos desde maio de 2017, quando assumi como editor —  usamos essa tag para falar sobre o gênero original: esse mesmo que vocês curtem, o de Sasha, Digweed, Hernán e companhia.

Sempre que eu recebia para editar qualquer texto usando o termo “progressive house” para se referir ao “prog house mainstream”, eu o substituia por algum outro nome — geralmente, big room ou EDM, para evitar a confusão que existe há cerca de dez anos, desde a época em que o Beatport permitia que as gravadoras se apropriassem das tags que quisessem. Mas no texto de Lauretti percebemos que nem big room e muito menos EDM serviriam para rotular o tipo de som a que ele estava se referindo. Os dois nomes se tornaram genéricos demais para caracterizar essa estética mais particular, que sim, traz elementos progressivos, mas em uma roupagem bastante pop e acessível às massas. A melhor solução encontrada foi aparentemente simples: vamos manter o nome “prog house” [evidentemente sem a intenção de ofender ninguém] que é como os fãs se acostumaram a rotular o som, e colocar uma nota ao final explicando o caso.

Apesar de o artigo ter tido ampla aceitação entre os fãs de Swedish House Mafia, nunca imaginei que fosse causar um desconforto desse tamanho nos fãs do progressive clássico. Ora, através do nosso colunista Jonas Fachi, sustentamos uma cobertura bastante rica dessa cena. Incontáveis reviews sobre apresentações de nomes como Hernán Cattaneo e Guy J, matérias sobre projetos novos que vêm impulsionando a cena prog nacional… Vocês o conhecem, não conhecem? Se não, leiam os textos dele. Vocês vão curtir. Agora, tudo isso passa a não valer mais nada porque usamos o mesmo termo para nos referir, em um momento específico, a outro gênero musical?

Certo ou errado, com boas ou más intenções, a confusão do passado entre as nomenclaturas dos gêneros já foi feita. Não é culpa nossa. Mundialmente, o estilo que consagrou o Swedish House Mafia é ainda fortemente referido por seus entusiastas como progressive house. Isso passou a pertencer a eles também, gostemos ou não. Aprendamos a dividir. Assim como o dubstep se transformou em algo diferente a partir da onda do Skrillex, no começo desta década. Assim como o deep house hoje é um termo guarda-chuva tão grande que já não tem praticamente nada a ver com o deep house clássico. Os fãs sempre chiam, mas é em vão. E a própria EDM não é unanimidade. Na Phouse, convencionamos o uso da sigla para nos referirmos ao som do mainstream, mas volta e meia alguém reclama que “EDM engloba todo o cenário da dance music”. Não está errado. O termo pode ser usado em mais de um sentido. É tão difícil aceitar isso?

Por um lado eu entendo vocês. Há alguns anos eu discotecava um estilo que gostava de classificar como nu disco ou indie dance. Graças à mesma confusão no Beatport, hoje indie dance/nu disco se tornou algo completamente diferente. O importantíssimo movimento acid house no Reino Unido não tocava apenas acid house. Entre Estados Unidos e Inglaterra, “garage” significa duas coisas diferentes. No Brasil, funk tem um sentido completamente diferente do que nos EUA. Vocês acreditam que o James Brown se importaria? Eu não. Em meu primeiro artigo aqui na Phouse, há três anos, já tinha escrito argumentação parecida: a cooptação é inevitável.

No fundo, é apenas um nome. Uma referência. Mas nunca uma verdade absoluta, objetiva, imutável, escrita em pedra. A música é o que segue importando. A comunhão na pista de dança. Dentro do contexto, todo mundo sabe quem é quem. Ninguém confude a cidade de São Paulo com o Estado de São Paulo, com o santo ou com o time. A palavra “lance” pode ser utilizada para descrever uma jogada em uma partida de futebol, um trecho de uma escadaria ou uma investida em um leilão. E creio que ninguém aqui corre o risco de tentar bater um suco com um mixer da Pioneer. Nem de ir numa noite do Warung esperando ver o Avicii.

Talvez, no artigo de ontem, a gente pudesse ter chamado o estilo de progressive house mainstream. Parece fazer bastante sentido. Mas vamos combinar que fica um nome feio e comprido demais. E talvez não fosse o bastante pra evitar as vaias. Não posso deixar de suspeitar que toda essa raiva que uma galera pegou pelo fato de Lauretti ter usado o termo “prog house” tenha a ver com um ranço, algum tipo de elitismo ou soberba cultural. “Como ousam usar o nome do MEU gênero para descrever essa reles música de playba?” Não consigo não lembrar imediatamente de toda a celeuma causada quando o Seth Troxler tocou um vocal de funk. Vejo muita semelhança entre os casos: uma histeria porque “profanaram minha casa”, “mancharam meu som impoluto”. Vamos lembrar que cada nicho e história tem seu valor para o seu público, e ninguém é melhor que ninguém por aqui — mesmo que, tecnicamente, um som possa até ser mais refinado que o outro.

A gente respeita muito o progressive house. Qualquer um deles. Assim como todos os outros gêneros musicais que dizem respeito ao universo da música eletrônica. E vocês são sempre muito bem-vindos aqui. Vamos combinar que tem espaço pra todo mundo, sem confusão? Sem ódio? Sem precisar diminuir ninguém?

Vamos mirar nossa indignação em coisas mais importantes?

* Flávio Lerner é editor da Phouse.

Continue Lendo

Opinião

A volta do Swedish House Mafia e o retorno do prog house

Phouse Staff

Publicado há

Swedish House Mafia progressive house
Um dos eventos mais importantes dos últimos anos no cenário eletrônico deve trazer consequências marcantes
* Artigo por Leo Lauretti

Swedish House Mafia fechou o Ultra Music Festival 2018, a 20ª edição de um dos maiores festivais de música eletrônica do mundo, e algumas coisas importantes vieram à tona. Durante o show, acompanhei a reação das pessoas nas redes sociais, e muitos falando bem da apresentação em si.

Primeiramente, me chamou a atenção todo o hype que foi levantado para essa performance, e deixo uma pergunta: será que a EDM/prog house* morreu mesmo, ou será que estamos vivendo um retorno desse estilo? Não acho que viveremos algo semelhante ao passado em questão de estrutura musical, mas me arrisco a dizer que algo novo pode surgir com moldes similares aos do passado. Adoraria saber o que vem por aí, e digo isso desde quando descobri, há 30 dias, que o Swedish House Mafia voltaria.

+ Swedish House Mafia “de volta pra valer”

Outro fato curioso é que o trio não tocou nenhuma música nova deles, senão as que fizeram até se separarem. Mesmo assim, as reações têm sido muito boas, o que me leva a questionar: por que músicas de seis, sete anos atrás continuam com o mesmo peso e força, enquanto vemos outras se perdendo em menos de meses? Temos aqui a resposta do que “matou a EDM” há uns anos. Hoje em dia, existem poucas músicas que emocionam como “Don’t You Worry Child”, que marcaram época. Seja agora, seja daqui a dez anos, esses sons continuarão a representar muito para quem vivia ouvindo a track durante o seu auge (2013/14). O low BPM surgiu como uma outra proposta de música para festivais, porém vejo muita saturação e “plasticidade” nos dias de hoje, e, por isso, um alerta.

Por último, o que acontecerá daqui pra frente? Como amante desse estilo do Swedish House Mafia, torço muito pela volta dele, mas muito mesmo. Isso significa que o low vai morrer? Vejo que PODE perder força, mas acho que não morrerá, uma vez que existe um público muito mais conscientizado sobre o assunto, o que possibilita ao gênero se manter em uma constante, ou com apenas uma pequena queda. Quanto ao prog, o futuro está nas mãos dos produtores, meios de mídia, público, e principalmente dos DJs que animam as festas acolherem esse “novo” estilo. Se alguém quiser mudar algo, são estes que podem começar!

+ CLIQUE AQUI para ler mais notícias sobre o SHM

* Nota do Editor: Em face da confusão instaurada nesses últimos dez anos quanto ao termo progressive house — originalmente um estilo bem diferente deste capitaneado pelo Swedish House Mafia —, continuaremos chamando aquele de “progressive house”, enquanto este passa a ser referido como “prog house”, evitando o uso de um mesmo termo para se designar a gêneros diferentes.

** Leo Lauretti é colaborador eventual da Phouse.

Continue Lendo
Clube de Turismo – Start
Alphabeat – Demos
BRMC – 300×600

PLAYLIST

Trending

-->

Copyright © 2018 Phouse

CADASTRE-SE E RECEBA NOVIDADES

Carregando

Lazy Bear Phouse Tracks