Entrevista

Eli Iwasa e Du Serena falam sobre o próximo Warung Tour Campinas

* Por Camila Giamelaro

O Warung é um dos clubs mais aclamados do mundo. O Inside, o Sound System, o Garden, o atendimento primoroso, o lineup conciso… Todos os detalhes são pensados com carinho e são fundamentais para proporcionar uma experiência maravilhosa para o público. Quem já foi sabe como é.

Infelizmente não é todo mundo que consegue ir até a Praia Brava pra poder sentir de perto o poder do Templo, mas pra isso existe o Warung Tour, projeto itinerante que leva toda a essência do beach club para algumas cidades do Brasil.

Em São Paulo, o Warung Tour é realizado nas cidades de Ilhabela, Maresias, Guarujá, Campos do Jordão, São Paulo e Campinas. Nesta última, a próxima edição acontece no dia 07, na Fazenda Atibaia (mesmo local que abrigou a festa em 2016), e traz nomes internacionais super relevantes: Stephan Bodzin e Marc Houle, se apresentando em formato live, e Kolombo, um dos artistas mais queridos pelos brasileiros na atualidade, e que estava devendo uma passagem por Campinas há algum tempo. Eli Iwasa, Dashdot, Boghosian, Fran Bortolossi, Gustavo Condé e Eric Olliver completam o time.

Du Serena e a própria Eli Iwasa são dois dos quatro nomes à frente da realização do evento. Juntos, eles planejaram, realizaram e ousaram. Assim, batemos um papo com a dupla pra descobrir o que o público pode esperar do Warung Tour Campinas 2017.

Eli Iwasa

Vocês atuam como DJs há muitos anos, e acredito que tiveram que se adaptar ao mercado e a tendências musicais nesse percurso. Como foi encarar esse processo?

Eli Iwasa: O processo é natural. Com o club e com a carreira de DJ, sinto a necessidade de me renovar o tempo todo, em contato com novas sonoridades, produtores, estilos. Com tanto tempo de noite, é fundamental se reciclar e se manter aberto a novidades para continuar inspirado, com gás, porque acomodação é fatal.

Du Serena: Pra mim não foi uma questão de adaptação, mas da eterna busca por novidade. Sempre toquei o que eu gostava e o que me fazia bem. Naturalmente, depois de um tempo cada artista sai em busca de novas sonoridades, tendências e eventualmente estilos. Às vezes o estilo que te agrada naquele período não acompanha sua fome por coisa nova.

Apesar do momento político-econômico delicado pelo qual nosso país passa, vocês conseguem entregar eventos de muita qualidade, como foi o caso da Destino e Warung Tour São Paulo. Qual o segredo para se manter o padrão de qualidade sem que isso afete o público final?

EI: Essa busca pela qualidade faz parte do DNA e da visão de todos sócios, então existe um esforço muito grande para esse padrão ser reproduzido em todos eventos. Soluções criativas, boas negociações e o espírito de parceria — a maioria dos nossos fornecedores trabalham conosco há muito tempo — têm sido fundamentais para os resultados finais serem positivos em todos sentidos.

DS: Primeiro ponto fundamental é ser apaixonado pelo que faz, então não medimos esforços para entregar o melhor sempre. O segundo fator fundamental é o nosso grupo, que é formado por experientes empreendedores do mercado de entretenimento, que se completam. Quando juntamos a expertise de todos, a receita mágica acontece.

Quais são as vantagens e desvantagens de se produzir um evento como o Warung Tour Campinas a quatro mãos?

EI: Eu só vejo vantagens em nosso caso. A sinergia entre os grupos é excelente, um complementa o outro, e o mais importante é que compartilhamos a mesma visão e paixão pelo o que fazemos.

DS: Não vejo desvantagens. É um grande prazer trabalhar com todos. Quando todo mundo soma e o grupo trabalha em sintonia, a sociedade fica saudável. Todos remam para a mesma direção com o mesmo gol.

O que teremos de diferente na edição de 2017 que não vimos ano passado?

EI: O que mais se destaca logo de cara é o lineup grandioso: sempre foi um sonho nosso trazer Stephan Bodzin para Campinas, ainda mais com o live. E desta vez, ele vem ao lado de Kolombo e Marc Houle, outros dois artistas que têm uma base muito leal de fãs na região.

Du Serena

Vocês acham que hoje existe uma demanda maior pelo formato live nos eventos de música eletrônica? É um atrativo a mais?

EI: Estamos falando de dois artistas que figuram entre os mais importantes dentro desse formato. O live é algo muito peculiar, que exige conhecimento técnico, assim como a experiência em criar a dinâmica certa para agradar não somente quem conhece as tracks dos artistas. Para os fãs, o live é prato cheio — nada mais emocionante que ouvir as músicas favoritas de Bodzin e Houle. Para quem ainda não é tão familiarizado com o trabalho deles, é a oportunidade de conferir dois dos mais talentosos produtores da história do techno, mostrando o que fazem de melhor.

DS: Eu acho que sempre houve demanda para live. O primeiro live que tocou para mim foi o Astrix, em 2002. O próprio Bodzin tocou seu live na Tribe em 2007, assim como muito outros. Só que agora ele aprimorou muito sua performance ao vivo, está ainda mais técnico, mais atualizado, mais divertido de se assistir. Para ser mais atrativo de verdade precisa ser um live de verdade, como Bodzin, Booka Shade, Plastikman, entre tantos outros fazem — onde os caras de fato estão ali tocando em cima da base já criada.

Dentro dos artistas selecionados, podemos conferir bastante diversificação de estilos, dentro da house music e do techno. Qual foi o critério de seleção para se chegar nesse resultado?

EI: Desta vez pensamos em trazer artistas para quem gosta de ambos os estilos — afinal de contas, todos nós gostamos de música de qualidade de uma maneira bem abrangente. Acho também que faz parte do espírito do Warung trazer artistas relevantes dentro da house music tanto quanto do techno, e o lineup reflete isso.

DS: O critério é sempre coerência musical dentro do universo sonoro do Warung. House, techno, tech house, deep house, tudo se encaixa. Todos os artistas e estilos escolhidos sempre terão ligação ou história com o club.

Qual a expectativa para o Warung Tour Campinas 2017?

DS: Minha expectativa é muito grande. Campinas foi uma das festas mais legais da tour de 2016 e vamos trabalhar para entregar um evento ainda melhor neste ano.

LEIA TAMBÉM:

Uma nova experiência: Como foi o extended set de Hernan Cattaneo no Warung

Protagonista carioca, Leo Janeiro fala sobre RMC, Warung, D.O.C. e parceria

Warung Day Festival 2017: um dia inesquecível

O Seth Troxler profanou o Templo com um loop de funk; queimem o herege!

Faixa do ano? Jamie xx se supera em novo edit para The xx

Deixe um comentário

No Comments Yet

Comments are closed