5 lançamentos outubro

Confira 5 lançamentos nacionais que foram destaque em outubro

Entre EPs, coletâneas, remixes e faixas, Jonas Fachi escolhe cinco destaques de outubro na cena eletrônica nacional

Hoje, estreio em minha coluna aqui na Phouse uma série pensada para dar o devido reconhecimento ao trabalho dos produtores nacionais de vanguarda, com ênfase em artistas que estão começando a lançar seus primeiros trabalhos, já possuem estrutura e merecem serem mostrados.

Serão cinco lançamentos — sejam álbuns, EPs, coletâneas, faixa originais ou remixes — escolhidos eventualmente. Confira abaixo, portanto, a primeira seleção, que corresponde a releases de outubro.

Nana Torres – Iron Coat (EP, Discotech Music)

Lançada em junho de 2016, “Iron Coat” — segundo a própria Nana Torres — representa a identidade da produtora. Mais de um ano depois, a faixa ganhou agora uma série de reinterpretações de produtores de destaque no país, com nomes do calibre de L_cio, Mumbaata e DJ Glen. Porém, o destaque vai para o techno minimalista do paulistano Vitor Munhoz, que trouxe ideias espaciais e elementos tribais para uma linha de batidas lineares e seguras.

“Quando fecho os olhos e ouço o remix do Vitor Munhoz, vou diretamente para os rolês que fizemos nos porões de Berlim. A qualidade é gringa e a personalidade muito forte” — Nana Torres.

Ednner Soares – Torment (EP, ID Music)

O EP Torment conta com remix do espanhol Medu, e a faixa original remete, à primeira impressão, a influências do leste europeu, com linhas de baixo e elementos misteriosos nos quais o produtor gaúcho flerta com conceitos minimalistas. O disco foi lançado por sua própria label, em 16 de outubro.

RezQ Sound – Poli (Fer J remix, BC2 Records)

Carioca radicado em Portugal, Fer J foi um dos convidados para remixar “Poli”. No trabalho, reconhecemos uma típica ambientação do clássico house progressivo desenvolvido nos últimos anos, com a entrada de elementos anestesiantes misturados com camadas cada vez mais profundas e sintetizadores melódicos, além das linhas ritmicas inquietas e dançantes. Esse é aquele tipo de música que nunca falha em sets que querem proporcionar imersão.

Albquerque, Ariel Merisio – Can’t See (Dear Deer Mafia)

Com mais de 20 artistas brasileiros, a coletânea Nasty Bros & Friends, lançada pela label ucraniana, tem como destaque a colaboração de dois dos mais expressivos artistas do Sul do Brasil na atualidade: a faixa “Can’t See”, de Albuquerque e Ariel Merisio. Um trabalho que impressiona pelo dinâmismo e ajuste perfeito dos elementos — cada um tem seu pequeno momento, e suas somas não se sobrepõem entre si.

Mau Maioli, DJ Mandraks – Onne (Original Mix, Digiment Records)

O trabalho que abre a coletânea Essentials Techno Vol. 1 é resultado entre um dos DJs mais experientes do país e uma das mentes novas mais promissoras do Sul. Autenticidade é o que carrega a essência de “Onne”, que leva peso no bass e um sintetizador agressivo sobre uma série de camadas de baterias industriais.

* Jonas Fachi é colunista na Phouse; leia mais de seus textos.

CONFIRA TAMBÉM:

Com Davis e Mumbaata, Flowers Sunset comemora 3 anos em Passo Fundo

House classudo made in Rio: Leo Janeiro e Mumbaata falam sobre seu novo EP

Para curador, Tribaltech vai se consolidar como “evento-postal” de Curitiba

Famoso edit de clássico de Chico Buarque ganha lançamento oficial

O que significa ser um DJ? Alguns dos principais nomes do país respondem

Share on facebook
Compartilhar no Facebook
Share on twitter
Compartilhar no Twitter
Share on whatsapp
Enviar no Whatsapp

Quer aprender a produzir a sua própria música?

Compre agora o curso Make Music Now com 10% de desconto na inscrição e soundbank do Studio Tronnic para Sylenth1 grátis!.

RECEBA NOVIDADES

ÚLTIMAS NOTÍCIAS