Aprender música
Foto: Reprodução
* Por Danilo Bencke
** Edição e revisão: Flávio Lerner

A música sempre causou fascínio no ser humano. Desde a era das cavernas, quando batidas com pau e pedra já criavam ritmo, até os dias atuais de mega popstars, em que um ídolo é elevado quase ao patamar de um deus.

De certa forma, a música já teve esse status, como quando os índios a usavam para trazer chuva ou um xamã cantava e dançava para evocar visões que poderiam salvar sua tribo do mal. Essa arte já serviu a vários propósitos durante a história, e evocar divindades também é um deles. Pense em um canto gregoriano em uma igreja, por exemplo.

Fato é que ela tem um imenso poder de causar emoções. Quando a escutamos, somos envolvidos por sua atmosfera e tudo que ela traz consigo. Se estamos felizes, provavelmente iremos ouvir algo para cantar bem alto ou dançar a noite inteira, porém se estamos tristes, aí vem aquela sofrência para afogar as mágoas. A sensação que provocada é tão forte que você dificilmente tocaria marchinhas de carnaval em um funeral, não é verdade?

É justamente aí que as coisas começam a ficar interessantes. Agora, começamos a entender o poder da música e também do músico. Isso porque ele acaba sendo o responsável por causar tal emoção — embora a verdade é que o artista na maioria das vezes também sentiu a mesma emoção. O que eu imagino é que se aquela cantora famosa não tivesse pego o marido com outra no motel, provavelmente ela não teria feito aquela música dos 50 reais.

+ CLIQUE AQUI para ler mais artigos da coluna da AIMEC

O oposto também acontece. Uma vez perguntaram para o vocalista do Linkin Park por que ele não cantava mais aquelas músicas sobre rebeldia adolescente, como no começo da carreira, e a resposta foi: “Porque eu agora tenho 40 anos”. Isso é uma das provas de que o músico acaba criando e expressando aquilo que ele sente. A partir disso, outras pessoas que já sentiram algo parecido acabam se identificando com aquela expressão. O grande saxofonista de jazz Charlie Parker disse o seguinte: “A música vem da sua própria experiência, dos seus pensamentos, da sua sabedoria. Se você não viver, a música não sairá sozinha do seu sax”.

O músico é então essa pessoa preparada tecnicamente para traduzir suas emoções e sentimentos, que podem ser desde uma revolta contra o sistema a um amor eterno. Criar uma música que entre para a história é sem dúvida muito gratificante, mas reproduzir de alguma forma um grande épico (com um instrumento ou como DJ) também é.

Seja para um grande público ou sozinho no seu quarto, tocar é muito bom. Poder evocar toda essa emoção que ela envolve e sentir isso é sem dúvida um grande prazer. No entanto, a maioria acaba esbarrando em diversos obstáculos, como falta de tempo, achar que não é capaz, falta de grana para investir em um curso… Existem inúmeras desculpas, e são isso o que elas são: desculpas! Com um mínimo de dedicação e perseverança qualquer um consegue desenvolver um talento em alguma área da música.

De fato, existem diversos motivos para você começar a aprender música agora. Para não ficar muito extenso, vou citar apenas cinco.

1 – É um ótimo hobby

Foto: Reprodução

O primeiro motivo é tão simples quanto importante: porque é legal! Aquela sensação de conseguir tirar uma música depois de algum tempo tentando é indescritível. Juntar aquelas notas em um ritmo coeso e conseguir trazer aquela emoção é um enorme prazer. Quem já pegou um violão para tocar “Come As You Are” ou “Starway To Heaven” sabe do que eu estou falando.

Nenhum início é fácil. Calos nos dedos, dores no pulso, horas de estudo e prática… Mas todo o esforço é recompensado quando finalmente você ouve aquela melodia saindo da maneira que imaginou. É nesse momento que você tem a sensação de ter alcançado o sucesso, e já se sente como uma grande estrela do rock — e essa é exatamente a ideia.

2 – Pode ser a sua área profissional

Foto: Reprodução

Já imaginou ganhar a vida fazendo o que mais gosta? A indústria da música movimenta muito dinheiro e não é apenas de super estrelas que vive o mercado. Existem diversas profissões que movimentam a cena em diversas áreas.

Se você pensar em um grande show, imagine a quantidade de profissionais que estão envolvidos no evento além dos próprios músicos: técnicos de som e de luz, promoters, empresários, publicitários e mais uma lista extensa. A questão é que ao diversificar a área que você trabalha englobando a música, você pode criar um grande diferencial na sua profissão. Veja o meu próprio exemplo, sou formado em jornalismo e advinha: estou escrevendo sobre música!

3 – Faz bem para o cérebro

Foto: Reprodução

Estudar e praticar música faz um grande bem para o cérebro: aumenta a capacidade de memória; aumenta o QI e o desempenho acadêmico; aumenta o foco nas tarefas e estimula a concentração; libera dopamina, substância causadora do prazer; estimula o relaxamento mental, entre outros benefícios.

Além de que, o desenvolvimento musical reduz os sentimentos de ansiedade, solidão e depressão e ainda combate o surgimento de doenças como o Alzheimer. Isso porque se você aprende a tocar um instrumento, as partes do seu cérebro que controlam suas habilidades motoras, a capacidade de escuta, de guardar informação e a memória se tornam cada vez maiores e mais ativas.

Resumindo, a música te deixa esperto!

4 – Faz bem ao corpo e à saúde

Foto: Reprodução

Tocar instrumentos musicais fortalece a coordenação motora. Isso porque exige muita coordenação de diversos movimentos ao mesmo tempo. Seu cérebro precisa converter aquela nota de uma pauta musical em movimentos específicos, padrões motores e ainda adicionar ritmo a isso.

Estudos comprovam que aulas de piano ou teclado estimulam a produção dos hormônios do crescimento, colaborando assim para o aumento do nível de energia, das funções sexuais e da massa muscular, evitando inclusive a osteoporose e rugas. A música diminui o estresse e reforça o sistema biológico.

5 – Ajuda nas relações sociais

Foto: Reprodução

Música é uma atividade coletiva e social, a menos que você seja um produtor que fica sempre trancado no estúdio. Juntar os amigos para tirar aquele som juntos é sempre muito bom e acaba por vezes gerando novas amizades.

Isso sem contar uma apresentação ao vivo. Sabe aquele fascínio que sentimos por um artista quando ele sobe nos palcos? Imagina você lá agora, causando esse fascínio nos outros com a sua arte. Isso sem contar os aplausos da plateia, que é sem dúvida muito emocionante para a pessoa que está ali em cima — ver que todos estão na mesma vibe e curtindo aquela emoção juntos.

Enfim, a música faz com que você seja mais feliz e com que você passe essa felicidade para os outros. Sempre que você tiver algum obstáculo, lembre-se dos tantos benefícios que ela pode te trazer, e acima de tudo, das razões pelas quais você ama tocar.

Danilo Bencke assina a coluna da AIMEC na Phouse.

Receba novidades no e-mail

Receba o melhor da Phouse em seu email!

:::. ALEATÓRIAS / LEIA TAMBÉM

Axwell é anunciado e Tomorrowland fecha segunda fase do lineup

Outros 17 nomes foram revelados nesta sexta-feira

Techno pesado: ouça “Old Norse”, novo EP do produtor brasileiro Spuri

EP saiu nesta segunda-feira (29), pela Prisma Techno

Flying Lotus mostra faceta boogie em dois novos sons

Produtor dá indícios da cara do seu próximo álbum

Scorsi fala sobre a produção de “In You”

Com vocal de Victoria Pfeifer, som foi lançado na última sexta, via Liboo

Tomorrowland anuncia Alok e mais 15 atrações

Terceiro dia de anúncios da segunda fase traz mais 16 nomes

Experimentalismo de arrepiar: ouça o primeiro EP do paulista Urro

Alter ego do paulista Silenzo traz originais e remixes de Epiphania e VAntonio

DGTL São Paulo contrastou lineup impecável com serviço amador

Festival teria tudo para ser um dos rolês do ano se não fosse tão mal organizado

Vintage Culture tocará em noite de Garrix em Ibiza pelo segundo ano seguido

DJ brasileiro é uma das atrações da residência de Martin Garrix no Ushuaïa

Assista ao Swedish House Mafia tocando uma de suas novas faixas na Suécia

Nova música possivelmente chama-se “Underneath It All”

Empreendedor, Steve Aoki lança HQ e app para exercícios

Saiba mais sobre “Neon Future” e o Aoki Bootcamp