Connect with us
Green Valley: Aniversário
Banner Sundance Leaderborder

Lista

5 sets para ir aquecendo para o EOL Festival em Curitiba

Festival rola neste sábado, 10, na Usina 5

Phouse Staff

Publicado em

07/11/2018 - 21:12
Sets EOL Festival
Claptone é uma das atrações mais aguardadas do final de semana. Foto: Reprodução
* Por Luckas Wagg e Flávio Lerner

Neste final de semana, temos mais um festival gringo desembarcando pelo Brasil. De origem americana, mas organizado por um brasileiro (como você já viu aqui), o Elements of Life Festival terá a sua primeira edição em solo tupiniquim no sábado, 10 de novembro, na Usina 5, em Curitiba.

Para ir entrando no clima para esse festivalzão, selecionamos cinco sets de artistas mais do que especiais que estarão presentes no rolê.

01. Claptone @ elrow Town, Londres (2018)

Pra começar, vamos ao som de ninguém menos que Claptone, que é um dos principais headliners para a primeira edição brasileira do EOL Festival. Abaixo você pode conferir a apresentação do DJ/produtor inglês em uma edição do festival da elrow, o elrow Town, em Londres.

02. wAFF @ elrow Town, Londres (2018)

Ele é britânico, tocou no elrow Town 2018 em Londres e será atração gringa do debut brazuca do EOL. Poderíamos estar falando do Claptone mais uma vez, mas na verdade Jon Wafer, mais conhecido como wAFF, é a bola da vez. O gringo também mandou ver no Olympic Park, e certamente vai mandar ver em Curitiba — principalmente pra quem curte tech house.

 

03. Gui Boratto – Essential Mix @ BBC Radio 1 (2009)

Você era um piá recém-saído das fraudas e o Gui Boratto já estava fazendo história. Ter um Essential Mix na BBC é o que separa os grandões dos moleques, e esse set de 2009 é sem dúvida um dos marcos da mais do que sólida carreira do artista paulistano.

 

04. Sharam – Stranger Beats Halloween Edition @ Yoshitoshi Radio (2018)

Se o set do Boratto já tem nove anos, este do Sharam tem nove dias. O som foi talhado pro 65º podcast da Yoshitoshi Recordings, gravadora de house e techno que o próprio produtor iraniano fundou em 1994 com o parceiro de Deep Dish, Dubfire.

 

05. Leo Janeiro @ Boiler Room Rio de Janeiro (2014)

Pra fechar, outro brasileiro com bagagem e que nunca deixa a peteca cair. Se você ainda não tá ligado no som do carioca Leo Janeiro, esse set de quatro anos atrás numa das saudosas edições do Boiler Room Brasil ainda tá atual e é um bom exemplo do que o DJ sabe fazer.

   

* Luckas Wagg é CEO da Phouse.

Flávio Lerner é editor da Phouse.

LEIA TAMBÉM:

Elements of Life Festival revela detalhes da estrutura

“Tinder” do festival? Elements of Life lança aplicativo multimídia

Label party de Orlando lança festival no Brasil

RECEBA NOVIDADES NO E-MAIL

Deixe um comentário

Entrevista

EXCLUSIVO: KVSH quer conquistar o Brasil com a KRUSH, sua nova festa

Inspirado pela Só Track Boa, o mineiro defende que o objetivo é ajudar a fomentar cidades periféricas no cenário nacional

Flávio Lerner

Publicado há

KVSH
Foto: Reprodução

Motivado por sua história, suas origens, sua nova agência, pelo rumo que a capital do seu estado tem tomado e pelo que Vintage Culture conseguiu com a Só Track Boa [sobretudo na última edição mineira], o DJ e produtor KVSH anunciou a Festa KRUSH, cuja estreia já tem data, local e lineup definidos. No dia 21 de dezembro, o artista recebe um time de atrações majoritariamente mineiras no Marô, em Belo Horizonte: Beowülf, Breaking Beattz, DZKO, JOZZEN, LOthief e VOLLAZ — destes, apenas o carioca Beowülf é “gringo”.

Em contato com a Phouse, Luciano Ferreira, o KVSH, explicou as motivações por trás do projeto e revelou ter grandes ambições. A festa está sendo tocada em conjunto com a OTM Produções, de Otacilio Mesquita [que, como você tem visto aqui, está por trás de praticamente todos os rolês da cena mineira], e com o Carlos Magno, produtor de eventos da Box Entretenimento.

+ Em tempo: ouça a refrescante collab entre o KVSH e o Malifoo

“Nasci e fui criado na Região Metropolitana de Belo Horizonte, em uma cidade chamada Nova Lima, e a minha história com a música eletrônica começou por aqui”, conta o KVSH. “Vejo que eu e a cena eletrônica da capital crescemos juntos; além de ser o local da minha fanbase, BH não tinha uma cena eletrônica tão forte, principalmente pra galera mais jovem, e criamos isso meio que juntos — então a ideia de eu ter uma festa aqui já vem de tempos. Agora que eu entrei pra Boost MGMT e pra HUB Records, o pessoal da agência falou: ‘cara, temos que fazer uma festa sua na sua cidade, com seus convidados, com seu conceito’.”

Segundo o DJ, entretanto, a KRUSH não será fixa em BH. A ideia é torná-la um evento itinerante por todo o Brasil, com o objetivo de levar o agito principalmente em pontos mais periféricos. “Já temos propostas em outros estados, principalmente em cidades menores, que ainda não têm uma cena eletrônica tão forte; esse é o foco. Queremos usar essa festa como uma porta de entrada pra galera que ainda não conhece tanto de música eletrônica”, acrescenta. 

“Queremos usar essa festa como uma porta de entrada pra galera que ainda não conhece tanto de música eletrônica.”

Mesmo com um lineup inicial voltado ao brazilian bass, o produtor garante que deseja agregar não só outras vertentes da dance music, como também abrir para outros estilos musicais: “Não temos muito essa ‘ideologia’ de fazer uma festa 100% eletrônica. Queremos envolver outros estilos, hip hop, trap, e alguns subgêneros que não são tão hypados no Brasil. E dentro da música eletrônica, teremos do brazilian bass ao tech house, passando até por progressive trance”.

Quando perguntei se o surgimento da label também tinha a ver com a segunda edição da Só Track Boa em Belo Horizonte, que foi considerada por muitos a melhor de todos os tempos, o Luciano foi acertivo: “Com certeza. Depois de vermos o impacto que a Só Track Boa teve aqui, a gente pensou: ‘cara, BH é um lugar que tem uma cena muito forte, a STB bateu todos os recordes de público de todas as outras edições. É o lugar perfeito’. É a cidade em que a cena tá crescendo muito e é a cidade em que eu nasci, e temos certeza que vai dar muito certo”.

+ Segunda edição do Só Track Boa BH pode ser considerada a melhor de todos os tempos

“Assim como o Vintage Culture fez com a Só Track Boa, a gente quer fazer com a KRUSH. A STB é focada em música eletrônica, e queremos uma festa focada na zueira, na diversão, mas claro, sem tirar a música do foco. Ela vem pra finalizar o meu ano com chave de ouro, e estamos muito alegres”, concluiu.

Os ingressos começam a ser vendidos na próxima segunda-feira, dia 19, a partir do meio-dia.

Flávio Lerner é editor da Phouse.

LEIA TAMBÉM:

Giorgia Angiuli: “Achava que dance music era vulgar e fácil de se fazer, mas eu estava errada”

Chilli Beans e MOB somam forças em novo cruzeiro de música eletrônica

Vintage Culture lança single com KVSH e Breno Miranda

KVSH e Flow remixam clássico do Jota Quest

Continue Lendo

Notícia

Clube de Santa Catarina anuncia Fatboy Slim para temporada de verão

Astro britânico será atração do Posh Club no comecinho de 2019

Phouse Staff

Publicado há

Fatboy Slim no Posh Club
Foto: Divulgação

O catarinense Posh Club anunciou um dos maiores ícones das últimas três décadas da dance music: Fatboy Slim. Atração da 12ª temporada do clube em Jurerê Internacional (que começa em 25 de dezembro e segue até o final do verão), o britânico vai comandar a noite da casa no dia 02 janeiro. Nenhuma outra atração foi confirmada até o momento.

Esta é, por enquanto, a única data confirmada do DJ no Brasil; sua nova turnê prevê diversas datas na Europa e na Oceania, mas há uma lacuna considerável entre o dia 02 e o dia 25 de janeiro.

LEIA TAMBÉM:

Álbum clássico de Fatboy Slim é relançado depois de 20 anos

CamelPhat lança remix de clássico do Fatboy Slim

Fatboy Slim mira na Austrália em novo EP de remixes

Continue Lendo

Notícia

“A EDM tem sido triste e lenta. Não tem nada em comum com o que eu amo fazer”, diz Calvin Harris

O produtor respondeu a diversas perguntas dos fãs no Twitter

Phouse Staff

Publicado há

Calvin Harris
Foto: Reprodução

Além dos hits de costume, Calvin Harris tem dado umas declarações bem interessantes nos últimos meses, como quando ele brincou (?) que estava velho demais pra sair em turnês. Agora, o escocês tirou um tempinho nessa última segunda-feira, 12, pra responder umas perguntas de uns fãs no Twitter, e voltou com falas marcantes e o bom e velho autodeboche.

Como numa espécie de coletiva de imprensa informal, Harris respondeu diversos comentários e questionamentos feitos a ele pela rede social, e deu algumas dicas bem valiosas sobre seus planos futuros, curiosidades sobre o seu passado e, principalmente, a defesa de que tem feito house music, e que a EDM dos últimos anos não o seduz justamente por ter se distanciado do estilo. 

Confira os tuítes na íntegra, com tradução da Phouse:

Fã: “Volte a fazer dance music!!!”; Calvin: “As últimas três faixas foram dance music, senhor”. 
Fã: “Você vai voltar pra EDM em algum momento?”; Calvin: “A EDM tem sido músicas tristes e lentas nos últimos anos. Não tem nada em comum com o som que eu amo fazer. A EDM de 2010–2014 era mais influenciada por house. De qualquer forma, estou fora da bolha e fazendo grandes faixas, com cantores fantásticos, que soam como house music para mim…”.
Fã: “Nós deveríamos ser gratos pelo fato de que o Calvin Harris tem ocupado o chart britânico por 25% do ano com canções HOUSE. Bendito seja.” Calvin: “Obrigado por notar!!! 14 semanas no número 1 com duas faixas de house e o melhor pacote de remixes do ano #vocêtambémconsegue”.
Fã: “Você pensa em voltar a tocar teclado com uma banda ao vivo? O LCD [Soundsystem] te inspirou lá no começo?” Calvin: “Nem pensar, eu tenho 34 anos agora. Sim, basicamente eu tentei ser como o LCD e o Mylo e acabei ficando pior que os dois, mas melhorei com o tempo”.
Fã: “Alguma chance de termos um álbum de house?”; Calvin: “Eu diria que é improvável, tenho tido uma capacidade de concentração muito baixa ultimamente”.
Fã: “Isso significa que os últimos três singles não vão fazer parte de um álbum ou significa que o álbum vai trazer outros estilos musicais?”; Calvin: “Honestamente eu não sei de nada, apenas tenho lançado as músicas assim que as termino, haha”.
Fã: “A house music faz você se sentir mais próximo a alguma força espiritual? É o que eu sinto quando a ouço”; Calvin: “Certeiro! Amei!”.
Fã: “Você planeja voltar a tocar em festivais algum dia?”; Calvin: “Com certeza. Eu vinha apenas ansiando por um tempo no estúdio… Tinha algumas coisas que eu realmente precisava fazer (o Funk Wav, por exemplo)”.
Fã: “Você estudou música ou é um autodidata?”; Calvin: “Aprendi por ouvir muita música. Sempre senti a teoria musical como uma tentativa de se explicar algo mágico que costuma acontecer por acidente, e que acaba tirando a alma daquilo. Mas eu também sou meio burro, então é provavelmente um pouco por isso também”.

LEIA TAMBÉM:

O peso de KSHMR, a voz de Calvin Harris, o retorno de Darude… Ouça o Top 10 do feriado

Calvin Harris produz faixa de rap; escute “Chalice”, do Donae’O

Calvin Harris bate recorde de sucessos no Reino Unido

Calvin Harris e Sam Smith homenageiam subcultura LGBT em novo clipe

Calvin Harris afirma que não fará mais turnês: “Estou muito velho”

Continue Lendo

Publicidade

Brazillian Bass 300×250
Injeção Eletrônica 300×250
Sundance (300×250)

Facebook

PLAYLIST

Trending

-->

Copyright © 2018 Phouse

Translate »
Injeção Pop Up