Apoena
** Edição e revisão: Flávio Lerner

O mundo tem dado passos largos quando o assunto é tecnologia, tanto na música como em diversos outros segmentos. No caminho oposto, encontramos alguns exemplos que, independentemente dos novos recursos de mixagem que aparecem, seguem fielmente a arte e a cultura do uso de discos na hora em que se apresentam pelas pistas ao redor do globo.

É o caso de Henrique Casanova, mais conhecido como DJ Apoena, gaúcho que tem visto seu nome crescer na cena do vinil desde 2010, quando teve destaque no selo inglês Autoreply/Stuga. Sua seriedade e seu compromisso com a qualidade técnica da mixagem são alguns pontos que auxiliam no progresso de sua carreira, fazendo com que consiga atingir um envolvimento perfeito com o público.

 

Mesmo com alguns brasileiros voltando a comprar vinil nos últimos anos e ajudando a reviver um pouco mais essa cultura, o mercado não possui muita força em território nacional, principalmente se tratando da música eletrônica underground. Essa história começou no final da década de 40, quando foi gravado e apresentado o primeiro Long Play (LP), em Nova Iorque. No Brasil, os vinis apareceram três anos depois e tiveram seu auge nos anos 70 e 80, mas hoje encontram muitas dificuldades para se restabelecerem no país.

Em 2017, a Vinil Brasil abriu as portas para a fabricação de discos na cidade de São Paulo, sendo atualmente uma das únicas a realizar a prensagem no Brasil. Ao redor do mundo, uma nova geração de fábricas de vinil vem aparecendo, e o dado mais recente (segundo o Universo do Vinil) contabiliza 90 espaços espalhados em 29 países, sendo os Estados Unidos os principais fabricantes, com 33 deles.

 

Apesar de ser um número animador para personagens como Apoena, ainda será preciso encarar e superar o mercado imaturo para o segmento, vencer algumas barreiras (como a dificuldade na importação e os altos impostos) e acreditar nos mais jovens — público que, de acordo com especialistas, é quem ajuda o vinil a crescer por aqui.

Fundada pelo produtor gaúcho em 2014, a Allnite Music é uma das marcas que não deixam de apostar na mágica dos discos, e com certeza é a label nacional de maior sucesso nesse universo. Focando em house e techno, seus releases são todos em vinil, e a cada lançamento é fácil ser surpreendido tanto pela qualidade sonora como pela construção cuidadosa apresentada do início ao fim das faixas.

Prova disso foi o estrondoso sucesso do EP Edits Brazuca, lançado no início do ano e alcançando ótimos números. Anteriormente, ele também já havia reafirmado sua posição na cena com “Basement Jam”, uma collab com o icônico produtor alemão Alex Agore, com forte presença de elementos da house old school (ouça acima).

  

Agora, no seu mais novo EP, Nebulosa, todas as três músicas são de autoria do próprio Apoena, e demonstram um excelente equilíbrio entre deep e tech house, ao mesmo tempo em que resgatam algumas características mais imersivas já apresentadas em outros lançamentos pelo selo. O disco, como próprio nome já diz, permite uma breve viagem pelo espaço, se mostrando versátil com a mudança de cada faixa — sendo o lado A estrelado pela faixa-título “Nebulosa”, e o lado B por “Asteroides” e “O-Type”.

Todas as músicas que chegam aos nossos ouvidos através do selo vêm carregadas de significados. Talvez seja essa paixão pelo vinil escondida atrás de ótimas produções que garantem cada vez mais o sucesso da Allnite e o espaço em que ela ocupa no cenário musical. Com toda essa força, a gravadora é um bom exemplo de que a indústria do vinil vive e ainda viverá por um bom tempo se depender de pessoas dedicadas e comprometidas como o Henrique. Como é especial ter a bandeira verde e amarela tão bem representada nesse cenário!

* Marllon Gauche é colaborador da Phouse.

LEIA TAMBÉM:

Nova fábrica de discos de vinil abre em São Paulo

No Japão, Sony volta a prensar discos após trinta anos

Nova tecnologia pode revolucionar a discotecagem em vinil

Este clube alemão decidiu banir CDJs e decks de vinil

Giorgia Angiuli: “Achava que dance music era vulgar e fácil de se fazer, mas eu estava errada”

Receba novidades no e-mail

Receba o melhor da Phouse em seu email!

:::. ALEATÓRIAS / LEIA TAMBÉM

Get Physical solta 6 faixas que estarão na nova “Cocada”

Os releases são uma antecipação da coletânea completa, que sai em breve

Universo Paralello abre vendas do 2º lote de ingressos

Nova carga de três mil ingressos foi disponibilizada

Sindecs–SP fará homenagem a DJs mulheres na Câmara de SP

Sonia Abreu, a primeira DJ mulher do Brasil, e Rivkah, a profissional mais jovem do país, estarão entre as homenageadas

Jeffrey Sutorius lança selo e 1ª música pós-Dash Berlin

Artista explica as motivações por trás da BODYWRMR

Get Physical lança 3º EP da série “Cocada”

Com remixes para Hauy e Ossaim, o lançamento antecipa o VA “Cocada 2019”

Confira “Paciencia”, o 1º álbum de Phillipi & Rodrigo (Fatnotronic)

Lançado na última sexta pela DEEWEE, “Paciencia” levou cerca de três anos para ganhar forma

“Turn It Up” é o novo som de Armin van Buuren

Música parece ser uma espécie de continuação do hit “Blah Blah Blah”

Uma festa no céu: como foi a Cercle no Pão de Açúcar

Com Artbat, Luciano Scheffer e Paulo Foltz, a plataforma francesa encantou os brasileiros em tarde no Rio

Diplo faz ponta em filme live-action de Pokémon

O DJ brincou nas redes sociais sobre sua participação em “Detetive Pikachu”

Tijuca New Experience se consagra como grande festival de música eletrônica

Vintage Culture, KVSH, Santti, Chemical Surf, Victor Lou e Salla se apresentaram na 3ª edição do evento