Connect with us
XXX Leaderborder
Cat House Leaderborder
Burn Residency – Leaderborder

As constantes mudanças na noite, na música e na cena Clubber

Phouse Staff

Publicado em

03/08/2013 - 18:13

club2A mudança faz parte da natureza humana, e não diria só da humana mas de todo o mundo, já que evolução nada mais é do que uma mudança para melhor, se for para pior é um retrocesso, mas o fato é que, nós vivemos em constante mudança, o mundo muda, as pessoas mudam, a noite e a música mudam!

Vou começar falando da mudança na música, lembrando um texto que causou polêmica na web ano passado, texto este em que o autor dizia que a música eletrônica não era música, mas sim barulho. Percebam que apenas citei o caso e não estou aqui escrevendo para entrar nesse mérito nem muito menos discutir sobre este texto (infeliz), que já foi mais do que discutido. Nesta parte irei falar apenas de música, ponto!

A música, como o mundo, evoluí! Mas eu não vou aqui, falar da história da música porque, primeiro não sou autoridade no assunto, e segundo, música existe praticamente desde que o mundo é mundo e eu perderia alguns séculos (com trocadilho) para falar dela. Vamos começar então pela música erudita e clássica, imaginem quando surgiram as primeiras guitarras elétricas, e com elas o Jazz e o Blues, o que os músicos “conservadores” diziam sobre isso? Imagino que muitos tenham dito coisas como o autor do texto citado anteriormente disse, que não era música etc. E se o mundo tivesse ouvido isso e ignorado este novo som já que não o considerava música? O “bom e velho” rock and roll, que o nosso amigo, autor do infeliz texto que citei, parecia ser fã, simplesmente não existiria, já que ele foi derivado diretamente de tais estilos, principalmente do Blues!

E a música continuou evoluindo, e continua até hoje. Surgiam entre os anos 60 e 70, os primeiros sintetizadores, e com eles a Disco Music, que consagrariam as Discotecas, ou Boates e Clubs como chamamos hoje. Dos anos 70 e 80 para cá muita coisa mudou, o rock evoluiu e ganhou diversos novos estilos e vertentes, assim como a música eletrônica, que da Disco Music derivou o House e Techno, depois Trance, Drum and Bass entre outros além das (diversas e infinitas) sub vertentes de cada.

Dito isso, fica fácil observar que em média, de 10 em 10 anos a música tem mudanças significativas e que ditam o rumo da sua história. E em cada década se tem um estilo que ganha destaque na mídia. Focando apenas em E-music, eu não gostaria de afirmar, mas sim que os fizesse pensar: Seria a House Music o destaque nos anos 90? E na década passada, seria o Psy Trance, que ganhou as massas e fez o mundo “conhecer” a música eletrônica com as Mega Raves? E depois do Psy, foi a vez do Minimal? Um som sério, repetitivo e obscuro, que alguns acreditam ter sido o motivo do “boom” da música Pop nos últimos anos? Teria a música eletrônica ficado tão séria, a ponto de os amantes da E-music mais alegre e descontraída terem a trocado pela música Pop?

Se vocês perceberem, aqui a história (e por que não, evolução) da música se mistura com a da noite e da cena clubber. De por exemplo, 50 festas na cidade hoje em dia, falando em Rio de Janeiro, quantas são de música Pop? Pelo menos a metade? E se pegarmos as festas de rock, que passaram a não tocar mais só rock, e incluíram o Pop no repertório, já temos a maioria? E se falarmos de noite GLS, onde quase não se encontram mais, festas unicamente de House Music, onde a maioria das festas incluí também o Pop no seu line up, e o house que ainda existe é o mais comercial possível? Sobram o que, umas 5, 10 festas no máximo onde não se toca Pop? A própria música eletrônica ficou Pop, mais comercial. Estilos anteriormente tidos como undergrounds, viraram mainstream, está aí o Electro de prova, o próprio Psy Trance com vocais antes raramente incluídos nas músicas, o surgimento do Dutch, do Dubstep e por aí vai…

E já que estamos falando de música, temos que falar da figura do DJ que, está diretamente ligada a historia e evolução da música. Nos anos 90, as pessoas queriam aprender a tocar guitarra, bateria, contra-baixo etc, montar uma banda e serem Rock Stars. De meados dos anos 2000 em diante é fácil perceber que isso mudou, agora querem aprender a usar cdj’s e serem DJ’s! E com a evolução também dos equipamentos, barateamento dos mesmos e facilidade de acesso as mídias com a internet, os gravadores de cd’s etc, ser dj ficou muito mais fácil! Se nos anos 90, uma pessoa para ser DJ precisava de tanta dedicação e investimento em equipamentos quanto para ser músico, isso hoje não existe mais, qualquer um aprende a abrir e fechar os faders de um mixer, a dar play e cue nos cdj’s, grava meia dúzia de cd’s e diz que é DJ! Isso sem falar dos “Virtuais DJ’s”… Com o “boom” da música Pop então, onde os “DJ’s” não precisam se preocupar com BPM, Tempo, Compasso e é só tocar sem as músicas serem mixadas, o que temos é cada vez mais uma idiotização da cena Clubber, onde as pessoas vão a uma festa para assistir os pseudo “DJ’s Atores e Modelos” tocando as músicas que já estão cansadas de ouvir na radio, e sem ao menos o trabalho de terem procurado por uma versão “diferente” daquela que todo mundo conhece, o famoso Remix. Evolução ou retrocesso?

É fato que, essas mudanças ocorrem por diversos fatores além dos citados anteriormente, o público muda o tempo todo, as pessoas se casam, se mudam, mudam de estilo musical, MUDAM! E com isso a noite também muda, as festas também mudam, as casas noturnas mudam, tudo muda! E pra finalizar, deixo aqui uma última pergunta para pensarem: Se a seriedade exagerada da música eletrônica, e eu disse SE, foi o que fez o Pop ganhar força nos últimos anos, seria o Pop que faria nessa década termos um novo destaque na música eletrônica, talvez fosse a vez do Techno? Do Deep? Nu Disco? Não sei, infinitas são as possibilidades, só o tempo poderá nos dizer! Mas espero que, nos próximos anos, usemos mais os ouvidos, menos os olhos e bocas, saibamos valorizar a boa música, os bons profissionais, e menos o que se fala e se vê, fica a dica!

Leo Mendes – DJ, Produtor Musical e de Eventos

RECEBA NOVIDADES NO E-MAIL

Deixe um comentário

Notícia

Selo de Len Faki terá centésimo lançamento para celebrar seus 15 anos

Phouse Staff

Publicado há

FIGURE
Foto: Reprodução
“FIGURE 100” sai em setembro

O selo de Len Faki, FIGURE, está prestes a celebrar duas marcas importantes em uma só tacada: em setembro, a label comemora seus 15 anos, e para isso, irá presentear os fãs com seu centésimo lançamento — uma coletânea com 17 faixas de artistas do seu roster. A informação foi trazida pelo Resident Advisor.

Chamada FIGURE 100, a VA traz nomes como kirilik (projeto do KiNK), Juxta Position, Pablo Mateo e Lewis Fautzi, além do próprio Len Faki.

“Robot Evolution”, de Len Faki, estará presente na coletânea

O lançamento está previsto para 17 de setembro, em disco quadruplo em vinil e também em formato digital. A arte visual foi desenhada pela artista alemã Julia Schewalie. No mesmo mês, o FIGURE desbrava a Europa em turnê comemorativa.

Tracklist:

01. Setaoc Mass – Far Away From Yesterday
02. Juxta Position – Hexagon
03. Roman Poncet – Turn Down
04. Viers – Moomin Trash
05. Nocow – Metha
06. kirilik – Batut
07. Lady Starlight – d5-12
08. UBX127 – Vectors
09. Len Faki – Robot Evolution
10. Pablo Mateo – Anfang Ende Immer
11. Shlomi Aber – 3000 Reasons Why
12. Nocow – Run Far
13. Truncate – Bassline
14. Lewis Fautzi – Modern Humans
15. Jeroen Search – Rubidium
16. Amotik – Neela
17. Setaoc Mass – Silence

+ Assista a duas horas de Len Faki no Time Warp 2018

Continue Lendo

Notícia

Diplo lança playlist para homenagear artistas LGBT

Phouse Staff

Publicado há

LGBT
Músicas do produtor com Pabllo Vittar estão na lista. Foto: Reprodução
Produtor lembra que a cultura das pistas de dança nasceu em meio a comunidades gays

Ainda na esteira do Mês Internacional do Orgulho LGBT, Diplo publicou uma playlist para homenagear seu artistas queer favoritos. Chamada Pride, a lista traz 27 músicas que contêm participação de ao menos um artista LGBT. Com predominância da bass music e do hip hop, nomes como KANDY, Mykki Blanco, SOPHIE e LSDXOXO estão presentes — além, é claro, de Pabllo Vittar, que aparece com suas duas faixas que tiveram a produção do americano: “Então Vai” e “Sua Cara”.

Além destas, outras produções do próprio Diplo estão presentes, como “Express Yourself”, com o Nicky Da B, e “Swerve”, com a Starrah.

“Desculpem-me por não fazer mais playlists. Tenho trabalho duro discotecando a cada noite, quase sempre tentando improvisar ou trazer algo novo. Havia esquecido o quão fácil é mostrar músicas pra vocês e deixar que vocês as experimentem por conta próprio através do link na minha bio. Sei que o Mês do Orgulho LGBT está quase no fim, mas vou aproveitar pra mostrar o trabalho de alguns dos meus amigos […] e de artistas que colaboraram comigo, além de outros músicos LGBTQ que sempre me inspiraram”, declarou o produtor, em seu Instagram.

“Esses artistas pavimentaram o caminho para as tendências que temos hoje nos clubes, arriscando-se e sendo ousados e destemidos. Se você tiver a chance, faça sua pesquisa, aprenda sobre a cena deles, contrate alguns para tocar na sua cidade e adicione-os às suas playlists”, concluiu, fazendo referência ao fato de que comunidades gays foram fundamentais para o desenvolvimento da dance music e da cultura de pista.

Sorry I don’t make more playlists. Im working hard making sets every night when I DJ.. almost always trying to improvise or do something new and looking to break new music..I forget how easy it is to just show you and let you experience it on your own at the link in my bio.. I know Pride Month is almost over but I’m gonna take the opportunity to share some of my friends @theonlymikeq @jayrneutron @_mykki_ @thisiskandy music and some amazing artists I’ve collaborated with @nickydab @pabllovittar @whereisstarrah and other LGBTQ artists that always inspire me. Because like i posted before, These artists set the table for what trends we have in the clubs today by taking risks and being loud and fearless. If you get a chance do your research and learn about their scenes and book some of them in your town and add them to your own playlists 🏳️‍🌈

A post shared by diplo (@diplo) on

LEIA TAMBÉM:

Diplo lança novo EP com Starrah em vibes tropicais

No Brasil, Diplo toca “Sua Cara” ao vivo com Anitta e Pabllo Vittar

Festa LGBT terá edição solidária com primeira pista de música eletrônica

De maneira simbólica, duas das maiores lendas da história da cultura clubber “revivem” na mesma semana

O legado de David Mancuso; como um homem e seu loft inventaram a cultura clubber

Continue Lendo

Notícia

Armin van Buuren anuncia novidades no projeto Gaia

Phouse Staff

Publicado há

Gaia
Foto: Reprodução
O “mito” liberou um teaser de seu projeto com Benno de Goeij

Quem é mais familiarizado com o trabalho do “mito” Armin van Buuren sabe que um dos seus projetos mais imponentes no trance é o Gaia, dupla formada com o colega Benno de Goeij. Nessa terça-feira, ele anunciou em seu perfil do Twitter que novas músicas do projeto estão por vir. Em teaser que acompanha o tuíte, ele promove o nome “Moons of Jupiter”, antes de revelar que um anúncio especial se aproxima.

Ainda não dá pra saber exatamente do que se trata, mas pelo que temos visto da parceria entre Armin e Benno, possivelmente se trata de um novo single — formato em que o Gaia se notabilizou em lançar esporadicamente, desde 2009.

Entre os lançamentos mais recentes da dupla, podemos destacar “Crossfire”, liberada no final de 2017.

LEIA TAMBÉM:

Com direito a teaser, Alok anuncia collab com Armin e Vini Vici

Armin, Kaskade e Laidback Luke refletem sobre a morte de Avicii

Psytrance perde produtor e DJ Bansi, vítima de câncer raro

Continue Lendo

Publicidade

Cat House 300×250
XXXperience 300×250

Facebook

PLAYLIST

Trending

-->

Copyright © 2018 Phouse

Translate »
Cat House Pop Up