club2A mudança faz parte da natureza humana, e não diria só da humana mas de todo o mundo, já que evolução nada mais é do que uma mudança para melhor, se for para pior é um retrocesso, mas o fato é que, nós vivemos em constante mudança, o mundo muda, as pessoas mudam, a noite e a música mudam!

Vou começar falando da mudança na música, lembrando um texto que causou polêmica na web ano passado, texto este em que o autor dizia que a música eletrônica não era música, mas sim barulho. Percebam que apenas citei o caso e não estou aqui escrevendo para entrar nesse mérito nem muito menos discutir sobre este texto (infeliz), que já foi mais do que discutido. Nesta parte irei falar apenas de música, ponto!

A música, como o mundo, evoluí! Mas eu não vou aqui, falar da história da música porque, primeiro não sou autoridade no assunto, e segundo, música existe praticamente desde que o mundo é mundo e eu perderia alguns séculos (com trocadilho) para falar dela. Vamos começar então pela música erudita e clássica, imaginem quando surgiram as primeiras guitarras elétricas, e com elas o Jazz e o Blues, o que os músicos “conservadores” diziam sobre isso? Imagino que muitos tenham dito coisas como o autor do texto citado anteriormente disse, que não era música etc. E se o mundo tivesse ouvido isso e ignorado este novo som já que não o considerava música? O “bom e velho” rock and roll, que o nosso amigo, autor do infeliz texto que citei, parecia ser fã, simplesmente não existiria, já que ele foi derivado diretamente de tais estilos, principalmente do Blues!

E a música continuou evoluindo, e continua até hoje. Surgiam entre os anos 60 e 70, os primeiros sintetizadores, e com eles a Disco Music, que consagrariam as Discotecas, ou Boates e Clubs como chamamos hoje. Dos anos 70 e 80 para cá muita coisa mudou, o rock evoluiu e ganhou diversos novos estilos e vertentes, assim como a música eletrônica, que da Disco Music derivou o House e Techno, depois Trance, Drum and Bass entre outros além das (diversas e infinitas) sub vertentes de cada.

Dito isso, fica fácil observar que em média, de 10 em 10 anos a música tem mudanças significativas e que ditam o rumo da sua história. E em cada década se tem um estilo que ganha destaque na mídia. Focando apenas em E-music, eu não gostaria de afirmar, mas sim que os fizesse pensar: Seria a House Music o destaque nos anos 90? E na década passada, seria o Psy Trance, que ganhou as massas e fez o mundo “conhecer” a música eletrônica com as Mega Raves? E depois do Psy, foi a vez do Minimal? Um som sério, repetitivo e obscuro, que alguns acreditam ter sido o motivo do “boom” da música Pop nos últimos anos? Teria a música eletrônica ficado tão séria, a ponto de os amantes da E-music mais alegre e descontraída terem a trocado pela música Pop?

Se vocês perceberem, aqui a história (e por que não, evolução) da música se mistura com a da noite e da cena clubber. De por exemplo, 50 festas na cidade hoje em dia, falando em Rio de Janeiro, quantas são de música Pop? Pelo menos a metade? E se pegarmos as festas de rock, que passaram a não tocar mais só rock, e incluíram o Pop no repertório, já temos a maioria? E se falarmos de noite GLS, onde quase não se encontram mais, festas unicamente de House Music, onde a maioria das festas incluí também o Pop no seu line up, e o house que ainda existe é o mais comercial possível? Sobram o que, umas 5, 10 festas no máximo onde não se toca Pop? A própria música eletrônica ficou Pop, mais comercial. Estilos anteriormente tidos como undergrounds, viraram mainstream, está aí o Electro de prova, o próprio Psy Trance com vocais antes raramente incluídos nas músicas, o surgimento do Dutch, do Dubstep e por aí vai…

E já que estamos falando de música, temos que falar da figura do DJ que, está diretamente ligada a historia e evolução da música. Nos anos 90, as pessoas queriam aprender a tocar guitarra, bateria, contra-baixo etc, montar uma banda e serem Rock Stars. De meados dos anos 2000 em diante é fácil perceber que isso mudou, agora querem aprender a usar cdj’s e serem DJ’s! E com a evolução também dos equipamentos, barateamento dos mesmos e facilidade de acesso as mídias com a internet, os gravadores de cd’s etc, ser dj ficou muito mais fácil! Se nos anos 90, uma pessoa para ser DJ precisava de tanta dedicação e investimento em equipamentos quanto para ser músico, isso hoje não existe mais, qualquer um aprende a abrir e fechar os faders de um mixer, a dar play e cue nos cdj’s, grava meia dúzia de cd’s e diz que é DJ! Isso sem falar dos “Virtuais DJ’s”… Com o “boom” da música Pop então, onde os “DJ’s” não precisam se preocupar com BPM, Tempo, Compasso e é só tocar sem as músicas serem mixadas, o que temos é cada vez mais uma idiotização da cena Clubber, onde as pessoas vão a uma festa para assistir os pseudo “DJ’s Atores e Modelos” tocando as músicas que já estão cansadas de ouvir na radio, e sem ao menos o trabalho de terem procurado por uma versão “diferente” daquela que todo mundo conhece, o famoso Remix. Evolução ou retrocesso?

É fato que, essas mudanças ocorrem por diversos fatores além dos citados anteriormente, o público muda o tempo todo, as pessoas se casam, se mudam, mudam de estilo musical, MUDAM! E com isso a noite também muda, as festas também mudam, as casas noturnas mudam, tudo muda! E pra finalizar, deixo aqui uma última pergunta para pensarem: Se a seriedade exagerada da música eletrônica, e eu disse SE, foi o que fez o Pop ganhar força nos últimos anos, seria o Pop que faria nessa década termos um novo destaque na música eletrônica, talvez fosse a vez do Techno? Do Deep? Nu Disco? Não sei, infinitas são as possibilidades, só o tempo poderá nos dizer! Mas espero que, nos próximos anos, usemos mais os ouvidos, menos os olhos e bocas, saibamos valorizar a boa música, os bons profissionais, e menos o que se fala e se vê, fica a dica!

Leo Mendes – DJ, Produtor Musical e de Eventos

Receba novidades no e-mail

Receba o melhor da Phouse em seu email!

:::. ALEATÓRIAS / LEIA TAMBÉM

Assista a sets do EDC Las Vegas 2019

Tiësto, Steve Aoki, Gareth Emery e outros nomes subiram seus sets no YouTube

Experimentalismo de arrepiar: ouça o primeiro EP do paulista Urro

Alter ego do paulista Silenzo traz originais e remixes de Epiphania e VAntonio

Alphabeat: RodMac, ChampZ e Sambô recriam hino de Jorge Ben

Single de Lucas Paiva com o duo ONA BEAT também foi lançado pela label brasileira

4 anos de Tomorrowland Brasil: relembre esse rolê histórico

Festival desembarcou no país nos três primeiros dias de maio de 2015, e teve bis em 2016

Celebrando os 20 anos da VANDIT, Paul van Dyk lança sublabel

VANDIT Next Generation será dedicada à promoção de novos artistas

Eric Prydz remixa hit underground de 2018

“Breathe”, de CamelPhat e Cristoph, é reconstruída pelo boss da Pryda

Sonho realizado: jovem produtor lança pelo selo de Gui Boratto

Hiago Pauli lançou “Drone” nesta sexta-feira (24), via D.O.C. Records

Camboriú será palco do 1º BURN Residency Showcase de 2019

Rolê será feito em parceria com a Seas, no Espaço Garden

JØRD inicia nova fase da carreira com “So Wrong”

Som é considerado o lançamento mais importante de JØRD até hoje

Underworld anuncia álbum baseado em projeto ambicioso

“Drift Songs” vai reunir a música apresentada no Drift, projeto multimídia de 52 semanas