* Edição e revisão: Flávio Lerner

O DJ e produtor Malikk tem sido cada vez mais notado pelo público brasileiro e internacional. Desde 2013, quando lançou uma faixa em colaboração com Kolombo pela LouLou Records, o francês iniciou muitas viagens internacionais, incluindo países como Brasil, Rússia, Ucrânia, Holanda e Espanha.

Malikk combina influências vintage e urbana com deep e tech house nas suas produções, que no geral são bem voltadas para a pista. Esse som rendeu convites para tocar em alguns dos mais importantes palcos do mundo, como o Sónar, em Barcelona, o ADE, em Amsterdã, e o Warung Beach Club, em Itajaí.

Agora, o artista retorna ao Brasil, onde toca neste sábado, 27, no Connection Festival, em Curitiba — a minitour sulamericana ainda inclui o Club Vibe (11/05) e El Fortin (18/05), além de uma data em Buenos Aires (12/05, no Zef Club). Pegando carona nessa turnê, a aproveitamos para conhecer melhor este artista promissor.

Para começar esse bate-bola, quero te pedir para abrir um pouco do seu gosto musical para o público. Por gentileza, comente conosco cinco músicas que você estava curtindo na semana passada.

Boa! Tenho ouvido bastante estas músicas aqui:

Will Easton – 18 Month Free Trial

Moderat – Bad Kingdom (DJ Koze Remix)

Matthew Dear – Dog Days

Rudimental feat. MNEK & Syron – Spoons

Headman – It Rough (Chicken Lips Remix)

Essa é uma seleção bem variada, com faixas de diversas épocas… E os artistas que mais te influenciaram? Poderia citar alguns?

Claro! Todd Terry, Jamie Jones, Laurent Garnier, Carl Craig e meu amigo Kolombo!

Defina a importância da música para você.

A música me permite viajar em qualquer situação, e preciso da minha dose diária!

Agora falando um pouco de produção: quais os principais hardwares que você usa hoje em dia?

Eu amo minha Mopho, da Dave Smith Instruments. É o meu bebê (risos). Também a Korg Volca Bass, o sintetizador Moog, e ainda uso plugins UAD.

Recentemente você lançou a faixa “Love Night Train”, produzida junto com Betoko… Como foi o processo dessa criação?

Eu queria fazer um EP de deep house com melodias… Criei um projeto e mandei para o Betoko dar uma olhada e ele gostou bastante, então enviei para ele as stems e tudo funcionou bem.

Sua música tem se dado bem com o público brasileiro, tanto que você está de volta ao país para algumas apresentações, com destaque para o Connection Festival em Curitiba. É a sua primeira vez na cidade?

Não, já toquei anteriormente no Park Art. Agora, retorno para me apresentar no Connection Festival, o que mal posso esperar.

Foto: Divulgação

Por quê? Você pretende apresentar algo especial?

Será uma surpresa…

No Connection Festival, você se apresenta ao lado do LouLou Players, que é um parceiro de longa data. Conte mais sobre essa relação entre vocês.

Nós colaboramos em várias faixas que já foram lançadas e outras que nem lançamos ainda… Além disso somos parceiros de vodka (risos)!

Você tem mantido uma boa regularidade de lançamentos este ano, certo?

É verdade. Eu fiz um remix para a Nurvous Records, um EP com meu amigo Betoko, mencionado anteriomente, e ainda outro pelo selo do Sonny Fodera (SOLOTOKO), o “I Just Want To Be”. E temos mais surpresas para anunciar…

Que mensagem final você deixaria aos nossos leitores?

Vida longa à música e nunca desista!

* Nazen Carneiro assina a coluna LIFT OFF na Phouse.

Receba novidades no e-mail

Receba o melhor da Phouse em seu email!

You May Also Like

Flow & Zeo resgatam antiga gravadora em novo EP

“Speechless” marca o renascimento da label criada pelo duo, agora rebatizada como Tropical Beats Music

Festival na Disneyland Paris confirma nova edição para 2020

Electroland vai rolar pelo quarto ano consecutivo

Rwødz, Schillist & LELO – Stories (Original Mix)

Hoje lançamos pela Phouse Tracks a música “Stories” — uma parceria entre Rwødz, Schillist…

Assista ao balé aquático de Nina Kraviz

Sereia do techno?

Saiba mais sobre o HOLOSPHERE, novo live de Eric Prydz

Com 2,4 milhões de LEDs, o projeto será inaugurado no Tomorrowland

Só Track Boa Festival está de volta a Belo Horizonte

Edição mineira de 2018 foi considerada por muitos a melhor de todos os tempos

DJ gaúcho assina com importante label de afro house

Trommer lançou EP de duas originais pela conceituada MoBlack Records

Voltando? Hardwell pinta de surpresa em set de Afrojack

DJ segue afastado das gigs e turnês

TOP 10 Brasil Junho — Música Eletrônica

Charts mensais voltam maiores e mais interativos

Ouça “Moons of Jupiter”, 1º álbum do projeto paralelo de Armin van Buuren

Depois de uma década, enfim chegou o aguardado álbum de estreia do Gaia