Connect with us
XXX Leaderborder
Cat House Leaderborder
Burn Residency – Leaderborder
Federal Leaderborder

Análise

Quem é o prodígio do techno que representa o Brasil na Red Bull Music Academy 2018

Alan Medeiros

Publicado em

19/04/2018 - 14:06
Benjamim Sallum
Foto: Reprodução
O paulistano Benjamim Sallum foi o único brasileiro selecionado para a academia neste ano
* Edição e revisão: Flávio Lerner

Muito se fala sobre a falta de apoio das marcas para o universo da música eletrônica conceitual. Na contramão desse quase senso comum está a Red Bull, com suas diversas iniciativas que variam entre um grande festival por algumas das maiores metrópoles do planeta e a Red Bull Music Academy, um dos seus projetos mais interessantes, que consiste em uma oficina de estudos para talentos emergentes de todas as partes do mundo.

Em 2018, a RBMA terá uma edição muito especial em Berlim, epicentro mundial da música eletrônica. Especial porque a academia comemora seu 20º ano. Fundada em 1998, a iniciativa cresceu muito ao longo dessas duas décadas, revelando colossos a nível mundial, como Nina Kraviz, Flying Lotus, Aloe Blacc, Hudson Mohawke e brasileiros como Eli Iwasa [que ontem relembrou à Phouse a experiência da turma de 2003], Pedro Zopelar e Carrot Green. O retorno do evento à capital alemã terá 61 produtores de 31 nacionalidades diferentes, que ficarão imersos entre os dias 08 de setembro e 12 de outubro para uma série de workshops, palestras, sessões em estúdio e programas noturnos com alguns dos maiores nomes do universo musical.

O selecionado brasileiro foi Benjamim Sallum, jovem produtor paulistano de apenas 17 anos, que ficou conhecido no circuito underground da capital por conta de suas apresentações em festas independentes como Capslock e Mamba Negra — e isso já pelo menos desde 2016, quando tinha só 15 anos. Além do seu projeto solo como produtor de techno e ambient, bastante experimental, também tem chamado atenção por conta do duo My Girlfriend is Programming the Roland TR-909, Making a House Beat (ou apenas My Girlfriend), formado com o experiente Zopelar (que foi aluno da academia da Red Bull em 2014, na edição de Tóquio).

Por sinal, Pedro e L_cio — dois dos maiores expoentes da cena techno de São Paulo — são considerados os “descobridores” deste jovem talento, que hoje se apresenta em diferentes formatos e já comanda seu próprio selo, o OXI. Desde muito cedo, o Benja, como é conhecido, já chamava a atenção dos grandões com suas experimentações em lives na efervescente noite paulistana, e agora também convenceu os exigentes curadores da RBMA, que garimpam anualmente os alunos em um oceano de milhares de aplicações vindas dos quatro cantos da Terra.

Podcast do My Girlfriend para a rádio da Gop Tun

O interesse pela música vem de berço. Benjamim é filho da conhecida promoter Claudia Pinheiro, e por isso desde muito cedo já entrou em contato com a música eletrônica — e olha que isso nem é papo de bio fajuta, hein! Com a Academy, Sallum deve ganhar maturidade e personalidade artística para encarar os inúmeros desafios que uma vida artística em alto nível apresenta. Há também a possibilidade de estar em contato com diferentes perspectivas sonoras, já que cada participante traz algo bastante peculiar e único.

Tão jovem e já tão cheio de potencial, referências, admiradores, apoiadores e em contato com o que há de mais revigorante na música, só Deus sabe onde esse garoto pode chegar.

Alan Medeiros é colaborador eventual da Phouse.

LEIA TAMBÉM:

Eli Iwasa lança mix para série com ex-alunos da Red Bull Music Academy

Confira a coletânea dos alunos de 2015 da Red Bull Music Academy

Famoso edit de clássico de Chico Buarque ganha lançamento oficial

Aposta da Armada, Nato Medrado acompanha tour de Armin van Buuren

Lúdico, subversivo e impactante: conheça o universo de Carlos Capslock

RECEBA NOVIDADES NO E-MAIL

Deixe um comentário

Notícia

Chainsmokers e Zedd lideram charts de dance music no 1º semestre de 2018

Phouse Staff

Publicado há

Billboard charts
Foto: Reprodução
Billboard revelou as músicas mais tocadas e vendidas até agora no ano

A Billboard divulgou na última semana seu relatório semestral das paradas de dance music. The Chainsmokers e Zedd foram os artistas que mais se destacaram nas categorias “álbuns” (que também inclui EPs) e “singles”, respectivamente. Os charts são baseados em dados contabilizados entre 27 de dezembro do ano passado e 28 de junho deste ano.

Os Chainsmokers lideram o ranking de álbuns mais populares (que conta não apenas vendas físicas e digitais, mas também número de plays) com Memories… Do Not Open, e ainda emplacaram dois EPs entre as cinco melhores colocações: Collage, em terceiro lugar, e Sick Boy, em quarto. Em números, os discos “venderam” 161 mil, 114 mil e 106 mil cópias, respectivamente (o número de vendas aqui também leva em conta uma conversão de número de streamings). Veja como ficou a lista dos álbuns mais populares deste primeiro semestre:

1. The Chainsmokers, Memories… Do Not Open (161 mil)
2. Calvin Harris, Funk Wav Bounces Vol. 1 (129 mil)
3. The Chainsmokers, Collage (EP) (114 mil)
4. The Chainsmokers, Sick Boy (EP) (106 mil)
5. Lady Gaga, The Fame (101 mil)
6. Above & Beyond, Common Ground (91 mil)
7. Odesza, A Moment Apart (84 mil)
8. Kygo, Kids In Love (76 mil)
9. Avicii, True (67 mil)
10. Gorillaz, Demon Days (60 mil)

Já na lista de álbuns mais vendidos, a liderança é do trio Above & Beyond, que lançou Common Ground no começo deste ano. É curioso notar, entretanto, como a grande maioria dos discos mais vendidos é mais antiga (assim como no chart acima), com muitos lançamentos da década passada.

1. Above & Beyond, Common Ground (79 mil)
2. Gorillaz, Demon Days (21 mil)
3. Lady Gaga, The Fame (19 mil)
4. Various Artists, Now That’s What I Call a Workout 2018 (17 mil)
5. Odesza, A Moment Apart (14 mil)
6. The Chainsmokers, Memories… Do Not Open (14 mil)
7. Daft Punk, Discovery (14 mil)
8. Various Artists, Now That’s What I Call Hits & Remixes 2018 (12 mil)
9. Lindsey Stirling, Brave Enough (11 mil)
10. Daft Punk, Random Access Memories (10 mil)

Em termos de singles, o grande vencedor deste primeiro semestre é Zedd, que emplacou seu single “The Middle” na primeira colocação por 23 semanas. A música é uma collab com Maren Morris e Gray e foi o single de dance/eletrônico mais vendido de 2018 até agora. Com 621 mil unidades, a produção tem quase o triplo de aquisições se comparada a “Wolves”, de marshmello e Selena Gomez, que ficou em segundo lugar. Zedd ainda aparece também na décima posição, com o hit “Stay”.

1. Zedd, Maren Morris & Grey, “The Middle” (621 mil)
2. Selena Gomez x Marshmello, “Wolves” (213 mil)
3. Hailee Steinfeld & Alesso feat. Florida Georgia Line & Watt, “Let Me Go” (165 mil)
4. The Chainsmokers & Coldplay, “Something Just Like This” (144 mil)
5. Calvin Harris & Dua Lipa, “One Kiss” (140 mil)
6. Sofi Tukker feat. NERVO, The Knocks & Alisa Ueno, “Best Friend” (127 mil)
7. Marshmello feat. Khalid, “Silence” (114 mil)
8. The Chainsmokers feat. Halsey, “Closer” (64 mil)
9. Avicii, “Wake Me Up” (62 mil)
10. Zedd & Alessia Cara, “Stay” (59 mil)

“The Middle” também fatura a primeira posição nos charts de músicas mais tocadas (combinando áudio e vídeo) e de músicas mais tocadas (apenas áudio). Você pode conferir mais detalhes na Billboard.

Continue Lendo

Notícia

Festival luxuoso da Anjunabeats no México é cancelado

Phouse Staff

Publicado há

Anjunabeach
Foto: Reprodução
Selo se baseou no feedback do público para voltar atrás

Poucos dias antes do primeiro Anjunabeach — o mais novo festival do Above & Beyond — rolar na Califórnia, uma nova edição foi anunciada pela equipe da label. O festival seria em Riviera Maya, no México, durante três dias: 04, 05 e 06 de janeiro, com ingressos beirando os 1.600 dólares. Como a Anjuna já havia adiantado pelo Reddit, este seria um evento diferente, mais caro, para proporcionar uma experiência única — algo como um pacote com tudo incluso em um resort de música eletrônica.

Um mês depois, o plano foi abortado. Em novo comunicado na rede social, a equipe do selo anunciou o cancelamento do evento, sobretudo pelos comentários dos fãs. “Nossos parceiros comerciais estabeleceram preços significativamente maiores do que os de um show normal do Above & Beyond, mas necessários para que conseguíssemos atingir toda a nossa ambição. Com um feedback inicial positivo e mais de 10 mil registros na pré-venda, achamos que o evento estava sendo bem-recebido”, diz o texto.

Anjunabeach Riviera Maya foi anunciado em junho

“Mas depois de ouvir cuidadosamente o feedback de vocês — e de fazer muita pesquisa —, percebemos que esse evento não estava indo para o caminho que desejávamos, então optamos pela difícil decisão de não continuar com ele. Escutamos de alguns que o preço era muito alto, ou que o festival seria exclusivo demais, lamentando que essa experiência fantástica não seria acessível para muita gente. Levamos tudo isso em conta. Só podemos realizar algo que tenha o apoio de vocês, e vocês nos disseram claramente que este não era o caso.”

O post ainda afirma que o “sonho do Anjunabeach ainda está vivo”, mas que por ora, a label vai focar em eventos já conhecidos, como o ABGT. Todos aqueles que já compraram ingressos e reservaram passagens aéreas serão devidamente reembolsados.

Announcement from HQ: Anjunabeach Riviera Maya from r/AboveandBeyond

LEIA TAMBÉM:

Selo do Above & Beyond planeja festival luxuoso em praia paradisíaca

Above & Beyond lança novo festival

Membro do Above & Beyond é mais um artista a se abrir sobre saúde mental

Controversa ação antidrogas é utilizada em show do Above & Beyond e revolta público

Above & Beyond lança filme e álbum de show orquestrado

Continue Lendo

Notícia

Queda do número de turistas em Ibiza causa redução nos preços dos hotéis

Phouse Staff

Publicado há

Ibiza fechados
Foto: Reprodução
Alta temporada na ilha não foi tão “alta” neste ano

Será que os turistas priorizaram a Copa do Mundo da Rússia ao invés de viajarem para Ibiza? Os hotéis da ilha tiveram que reduzir os preços e oferecer descontos para compensar a baixa demanda dos turistas britânicos, alemães e estrangeiros durante a alta temporada deste ano.

Uma publicação da Mixmag aponta uma queda nas vendas de quartos de hotéis da ilha em abril, maio e junho — e em razão do déficit, os empreendimentos estão dando descontos de 30% e 40% para o restante da temporada. Muitos hotéis estão considerando até a possibilidade de abrir apenas durante cinco meses no ano, em vez de sete como de costume.

Não foi realizado um estudo econômico para sabermos a causa da queda de turistas em Ibiza nesta temporada. Porém, as altas taxas turísticas, os altos preços de bebidas e ingressos para os clubs mais populares, somados aos protestos locais contra o turismo excessivo — o que provocou até medidas drásticas, como a proibição do Airbnb — podem ter causado o prejuízo.

LEIA TAMBÉM:

Ibiza e Maiorca querem limitar consumo de álcool em voos

Cidade de Ibiza vai banir o Airbnb

Continue Lendo

Publicidade

Federal Music 300×250
Winter Music 300×250
XXXperience 300×250
Cat House 300×250

Facebook

PLAYLIST

Trending

-->

Copyright © 2018 Phouse

Translate »
XXXPerience Pop Up