Connect with us
Green Valley: Aniversário
Banner Sundance Leaderborder

Notícia

Carl Cox libera o lineup de sua festa em um castelo irlandês

Phouse Staff

Publicado em

04/05/2018 - 15:55
Carl Cox Castelo
Foto: Reprodução
Astro do techno comandará set de três horas no Ballinlough Castle, em agosto

Anunciada no final de 2017, a gig de Carl Cox em um castelo na Irlanda agora já tem seu lineup completo. No dia 25 de agosto, além do set de três horas de Cox, a veterana alemã Monika Kruse, os ingleses Darren Emerson (ex-membro do Underworld) e Jon Rundell e o irlandês Al Gibbs juntam-se ao “rei do techno“.

Iniciativa do selo Intec Digital (do próprio Carl Cox), a festa marca a volta de uma performance do DJ na Irlanda após nove anos. O evento rola no Ballinlough Castle, uma construção do século XVII que fica a uma hora de distância de Dublin.

Os ingressos estão disponíveis pela Ticketmaster, a partir de sessenta euros.

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

LEIA TAMBÉM:

Ibiza: Carl Cox tocará em quatro clubes nesta temporada

Assista aos sets mais underground do Ultra Music Festival

Edição de 20 anos do Ultra foi boa, mas entregou menos do que prometeu

RECEBA NOVIDADES NO E-MAIL

Deixe um comentário

Notícia

Romance e conceito: assista ao videoclipe de “Lovin’ You”

A collab entre Bhaskar, Alternative Kasual, Lowderz e Enkode ganhou seu próprio vídeo oficial

Phouse Staff

Publicado há

Lovin' You
Foto: Screenshot

Lançada no final de outubro, a collab entre Bhaskar, Alternative Kasual, Lowderz e Enkode — “Lovin’ You” — ganhou agora seu próprio videoclipe. Dirigido por Lucas Batista e produzido por Bruno Barbosa, o vídeo é inteiramente focado na interação entre uma mulher e um homem (interpretados por Sophia Albuquerque e Gustavo Haeser), em uma pegada carnal, romântica e conceitual, como explica o próprio Bhaskar

“Tentamos ser o mais criativos possível usando o tema da música, que é o romance, mas queríamos fazer isso de uma forma conceitual, não clichê. ‘Lovin’ You’ é uma canção que navega muito bem entre o pop e o eletrônico, e até por isso o Spotify tá dando um suporte muito legal — em playlists internacionais, inclusive —, e estamos bem felizes com o resultado”, declarou o artista, em contato com a Phouse.

 

+ CLIQUE AQUI para saber mais sobre o single

Continue Lendo

Notícia

Em tempo: ouça a refrescante collab entre KVSH e Malifoo

“In Time” foi lançada pela HUB Records

Phouse Staff

Publicado há

In Time
Foto: Divulgação

Dois produtores que têm se destacado no cenário nacional se uniram pela primeira vez em “In Time”, single lançado nessa sexta-feira, 09, via HUB Records.

Feita por KVSH e Malifoo, a faixa mistura diversas referências, englobando da tropical house ao indie dance, mas sendo essencialmente pop. “Essa música significa muito para mim, porque ela representa bastante do que eu busco na minha vida, que é sempre estar ao lado de amigos, estar feliz e viver de maneira mais leve”, explicou o mineiro Luciano Ferreira, o KVSH, via assessoria de imprensa. 

“Quando o Malifoo me mandou a ideia dessa música, eu curti demais. Então, fizemos em uma pegada mais para a pista do Brasil e acabou se tornando uma faixa que tem bastante do que a gente prega e que a gente quer — que a galera viva. Acho que a vibe principal é essa: amigos, felicidade, alegria e jogar tudo para o alto!”, acrescentou.

  

Continue Lendo

ENTREVISTA

“Achava que dance music era vulgar e fácil de se fazer, mas eu estava errada”

Uma das artistas mais interessantes do cenário techno atual, Giorgia Angiuli fala sobre o visual, a turnê no Brasil e o seu primeiro álbum solo

Flávio Lerner

Publicado há

Giorgia Angiuli
Foto: Divulgação

* Com a colaboração de Alan Medeiros

No cenário eletrônico, artistas que trazem uma bagagem de referências musicais plural, e que buscam fazer arte em vez de se contentar apenas com sons funcionais para as pistas, costumam ir além e se destacar em meio à massa. É o caso da italiana Giorgia Angiuli, que nos últimos anos explodiu no underground internacional.

Além de uma formação musical rica e de ter experimentado diversas vertentes como artista, a multi-instrumentista e cantora se destaca por um estilo muito particular: no cenário do techno, em que a norma é vestir preto e ser blasé, Giorgia usa roupas infantis e transforma brinquedos e chaveirinhos do Pikachu em controladores de som. Misture tudo isso com um talento grande pra compor, tocar e transmitir uma profundidade artística rara, e você consegue entender um pouquinho por que a garota faz tanto sucesso.

Neste final de semana, Angiuli estreia sua turnê sul-americana no Caos, em Campinas, onde toca nesta sexta, 09, e no dia seguinte já parte para Porto Alegre, onde toca na Warung Tour/Levels. Dali, na véspera do feriado volta a São Paulo, desta vez na capital, em mais uma data da turnê do Warung: dia 14, no Aeroporto Campo de Marte. Saindo do Brasil, encerra a turnê no Sónar Bogotá (17) e no clube The Atlantic Room, em San Juan, Porto Rico.

“Nothing to Lose” é um dos singles já conhecidos de In a Pink Bubble

No dia 23, lançará In a Pink Bubble, seu primeiro álbum solo, que segundo a própria, mistura indie eletrônico e techno melódico. Com 12 faixas, o LP é encarado como um dos lançamentos mais especiais do conceituado selo alemão Stil Vor Talent — e podem apostar que estará em boa parte das listas de melhores do ano.

Com tanta coisa importante rolando ao mesmo tempo, não poderíamos deixar passar a oportunidade de trocar uma palavrinha com ela. No papo que você lê abaixo, conhecemos mais sobre sua trajetória, relação com a música brasileira, descobrimos por que ela adota esse visual “kawaii”, que contrasta com o techno, e que por trás de toda essa aura fofa, seu primeiro álbum é marcado por uma história sombria.

Live incrível gravado em Ibiza, pela Cercle

Giorgia, após duas passagens bem interessantes pelo Brasil, com qual sentimento você chega para essa nova tour?

Vocês não imaginam o quanto estou feliz por estar de volta! Amo esse país, pois você pode respirar energia positiva em qualquer lugar. Amo as pessoas, a comida e a sua natureza!

Como enxerga o Brasil e o cenário cultural/eletrônico brasileiro?

Acho que os brasileiros têm música no sangue, tenho muito respeito pela sua cultura. Ontem à noite aproveitei um show de samba. Também gosto de bossa nova, no carro dos meus pais havia apenas CDs do Caetano Veloso. Adoro a sua intensidade e o seu charme.

Um dos principais instrumentos da música brasileira é o violão, e eu estudei violão, então é um som que também faz parte de mim. Sobre eletrônica, minha produtora preferida no momento é daqui, a ANNA. Adoro o seu techno poderoso e elegante, as produções dela são brilhantes.

“Amo brinquedos e roupas fofas. Com uma roupa preta e um equipamento simples as coisas poderiam ser mais fáceis, mas não quero mudar pelas regras do mercado.”

Ao Alataj, você falou há um ano que a cena eletrônica na Itália era complicada, com um mercado limitado e muitas restrições aos clubs. Isso continua assim? Você tem feito sua carreira mais fora de seu país do que na sua terra natal?

Amo a Itália e acho que é um país cheio de grandes artistas, mas, infelizmente, o governo não apoia a cena clubber. Na Itália, os clubes devem fechar no máximo às 04h da manhã. Não há muitos festivais, mas espero muito que as coisas mudem em um futuro próximo. Neste momento, estou tocando fora do meu país, porque amo viajar e tenho curiosidade em conhecer novas culturas.

Você tem uma trajetória bem interessante no meio musical. Conta melhor pra gente como foi a construção da sua carreira.

É difícil para mim falar sobre música e carreira e manter as coisas separadas. Sempre vivi com e pela música, então pra mim fazer música é natural e é uma necessidade para que eu me sinta bem.

Estudei música clássica, toquei rock e new metal, depois indie eletrônico, e comecei a trabalhar na cena techno há poucos anos. Tento ser sempre eu mesma e tudo aconteceu de uma forma natural. Isso é o que gosto na minha jornada, e ainda por cima, trabalho com uma equipe de amigos — meu booker e meu manager são, acima de tudo, meus amigos.

Assinei meu primeiro álbum no selo da Ellen Allien, Bpitch Control, com meu projeto anterior, We Love, e comecei meu projeto solo há cinco anos. Agora, vou lançar meu primeiro álbum pela Stil Vor Talent.

“O que eu realmente gosto da dance music é a reação do público — você consegue sentir imediatamente o que eles estão achando do seu som. É sobre reações instintivas e sentimentos, então se eles dançam, significa que estão gostando.”

E quais foram os principais desafios que você enfrentou ao começar a trabalhar com música eletrônica? Por vir de um universo diferente do usual, você não se sente um peixe fora d’água nesse cenário clubber?

Sim, às vezes me sinto um pouco como um peixe fora d’água, mas isso também é divertido. Não sei onde vou estar em cinco anos, talvez tocando com uma banda novamente. Amo música em todas as suas formas, e no momento estou apenas nadando em um novo oceano.

Na verdade, quando eu estudava, tinha muito preconceito com dance music. Achava que era algo vulgar e muito fácil de se fazer. Mas eu estava completamente errada, toda música tem suas próprias dificuldades. O que eu realmente gosto da dance music é a reação do público — você consegue sentir imediatamente o que eles estão achando do seu som. É sobre reações instintivas e sentimentos, então se eles dançam, significa que estão gostando.

Como foi que você decidiu usar brinquedos como controladores de som em seus lives? Foi uma alternativa que você encontrou para contrastar com o techno, que normalmente carrega essa aura de um som sério, rígido?

Coleciono brinquedos há muitos anos. Sei que muitas vezes as pessoas olham para o meu setup de uma forma estranha, mas eu não me importo. É quem eu sou: amo cores, adoro brinquedos, roupas fofas, essa onda “kawaii”… Até me sinto um pouco como uma garota japonesa. Sei que com uma roupa preta e um equipamento simples as coisas poderiam ser mais fáceis, mas não quero mudar pelas regras do mercado.

“A música me salvou de um estado de depressão.”

Você também tem falado sobre sinestesia em algumas de suas entrevistas. Você acha possível que, algum dia, seus shows possam apresentar uma experiência multissensorial? Como se daria essa relação de misturar música com cheiros em seus lives?

Quando comecei a tocar música eletrônica, eu costumava tocar em lugares muito pequenos, então eu sempre levava uma pequena máquina de fragrâncias. Tenho muitos sonhos, e um deles é construir um órgão e ligar uma fragrância a cada nota. Considero todas as linguagens artísticas conectadas entre si, e a arte tem o forte poder de nos conduzir a outra dimensão. É por causa disso que acho que todos deveríamos tentar explorar e aproveitar essa experiência o máximo que pudermos.

O que você pode nos contar sobre o processo criativo do seu primeiro álbum solo, que logo, logo está chegando?

Tudo aconteceu muito rápido e sem um plano próprio. Eu produzi o álbum inteiro em oito meses, trabalhando muito enquanto viajava, até mesmo nos voos. Não foi muito fácil encontrar tempo para me concentrar no estúdio. Senti uma forte necessidade de compor música, transmitir nos sons as minhas emoções, e decidi colocar todas essas músicas em um long play.

Este tem sido um ano muito especial para mim: minhas primeiras gigs pelo mundo, a descoberta de muitos países e a perda do grande amor da minha vida, minha mãe. A música me salvou de um estado de depressão. Percebi esse álbum como um presente para minha mãe, e eu agradeci a música por me fazer me sentir melhor, me dar energias para continuar.

Acompanhada por todas essas emoções, senti como se estivesse em uma bolha rosa [“pink bubble”, o título do álbum]. Compus quase todas as faixas no avião, coletando minhas ideias no Ableton, e depois gravei tudo no estúdio, no tempo que sobrava entre minhas turnês. Gravei minha guitarra, minha voz e meus synths preferidos: Moog Sub, Juno 106, OB-6 e Korg MS2000.

Flávio Lerner é editor da Phouse.

Continue Lendo

Publicidade

Sundance (300×250)
Brazillian Bass 300×250
Injeção Eletrônica 300×250

Facebook

PLAYLIST

Trending

-->

Copyright © 2018 Phouse

Translate »
Green Valley Pop up: Aniversário