Incontáveis histórias comprometedoras sobre o comportamento de Datsik vieram à tona nos últimos dias

O produtor e DJ canadense Datsik era um artista muito bem sucedido no mundo da bass music até essa quarta-feira. O dia 14 de março foi o momento em que começaram a pipocar denúncias de dezenas de mulheres com relatos sobre supostas atitudes escrotas do músico, envolvendo principalmente assédio e abuso sexual.

Similar ao famoso e recente “caso Harvey Weinstein”, o número de denúncias foi crescendo nesses últimos dois dias como uma bola de neve, a ponto de Datsik perder praticamente tudo o que construiu para sua carreira nos últimos dez anos. Basicamente, as histórias contadas pelas meninas convergem para o ponto de que o produtor e sua equipe as recrutavam para sessões de “meet and greet” no camarim, ou em seus ônibus de turnê.

+ AFEM lança serviço de apoio a vítimas de abuso sexual na indústria da música eletrônica

A partir dali, além de objetificarem as fãs (crachás com o logo do artista eram dados a elas, com a palavra “Tulsa”, que, vendo no espelho, formava “A slut” — “Uma vadia”, em inglês; outros relatos apontam para o fato de garotas terem suas camisetas molhadas no backstage, para ficarem com os mamilos à mostra), não são poucas as acusações sobre Datsik ter embrigado ou drogado as moças para tentar agarrá-las. Ainda segundo os relatos, as meninas com as quais o músico teve êxito em suas “tentativas cavalheirísticas” foram descartadas por ele logo após os atos sexuais, em estados deploráveis.

Uma pequena amostra de algumas das histórias que vieram à tona sobre o comportamento do DJ

Por mais que não existam provas definitivas de sua conduta abusiva com as fãs (os crachás de fato existiram, mas o DJ colocou a culpa num ex-funcionário; prints de tweets antigos [veja acima] também corroboram com tudo o que foi exposto contra ele), o número de casos similares contados por diversas pessoas diferentes foi considerado evidência o bastante para destruir sua carreira e reputação, no que parece um caminho sem volta. A Firepower Records, selo que ele próprio ajudou a fundar, o afastou; sua turnê foi cancelada; sua agência e equipe de management o desligaram; os artistas que estavam direta ou indiretamente envolvidos com ele pularam fora do barco; seus colegas da cena eletrônica o detonaram publicamente.

Em comunicado oficial, Datsik negou todas as acusações e alegou estar devastado. O artista também disse se considerar uma boa pessoa e que nunca tiraria vantagem de ninguém, dando a entender que teria sido mal interpretado.

É, Datsik, assim fica difícil acreditar em você…

LEIA TAMBÉM:

Denúncias de abuso sexual no meio artístico unem mulheres no mundo todo

Festivais no Reino Unido fazem campanha contra assédio sexual

O que as mulheres querem transformar na cena eletrônica nacional

Receba novidades no e-mail

Receba o melhor da Phouse em seu email!

:::. ALEATÓRIAS / LEIA TAMBÉM

Time Warp anuncia nova edição em São Paulo

Segundo evento no Brasil fará parte da comemoração de 25 anos da label alemã

Novo single do Avicii na área: ouça “Tough Love”

Single sucede “SOS”, lançado há um mês

EDC lança coletânea para promover edição de 2019

Festival começa nesta sexta-feira, 17, e terá transmissão ao vivo na web

Fã disponibiliza 1º show da nova tour do Swedish House Mafia

Primeira data na Tele2 Arena pode ser conferida na íntegra

Alphabeat: RodMac, ChampZ e Sambô recriam hino de Jorge Ben

Single de Lucas Paiva com o duo ONA BEAT também foi lançado pela label brasileira

Boghosian estreia pelo selo Urban Soul com novo EP

“You” foi lançado nessa segunda-feira (06)

Música eletrônica + rock psicodélico: ouça o novo EP do selo de Renato Cohen

Label lança EP de remixes da banda de rock alternativo Catavento

Felix Jaehn lança collab com o Breaking Beattz: “Meus produtores de deep house favoritos no momento”

Duo mineiro revela que foi procurado pelo DJ alemão no Instagram

Martin Garrix solta faixa com Macklemore e vocalista do Fall Out Boy

“Summer Day” mistura disco music, rock e rap

Experimentalismo de arrepiar: ouça o primeiro EP do paulista Urro

Alter ego do paulista Silenzo traz originais e remixes de Epiphania e VAntonio