datsik-ninja-mask-smoke-lost-lands-rukes

DJ bem-sucedido perde tudo a partir de denúncias de assédio e abuso sexual

Incontáveis histórias comprometedoras sobre o comportamento de Datsik vieram à tona nos últimos dias

O produtor e DJ canadense Datsik era um artista muito bem sucedido no mundo da bass music até essa quarta-feira. O dia 14 de março foi o momento em que começaram a pipocar denúncias de dezenas de mulheres com relatos sobre supostas atitudes escrotas do músico, envolvendo principalmente assédio e abuso sexual.

Similar ao famoso e recente “caso Harvey Weinstein”, o número de denúncias foi crescendo nesses últimos dois dias como uma bola de neve, a ponto de Datsik perder praticamente tudo o que construiu para sua carreira nos últimos dez anos. Basicamente, as histórias contadas pelas meninas convergem para o ponto de que o produtor e sua equipe as recrutavam para sessões de “meet and greet” no camarim, ou em seus ônibus de turnê.

+ AFEM lança serviço de apoio a vítimas de abuso sexual na indústria da música eletrônica

A partir dali, além de objetificarem as fãs (crachás com o logo do artista eram dados a elas, com a palavra “Tulsa”, que, vendo no espelho, formava “A slut” — “Uma vadia”, em inglês; outros relatos apontam para o fato de garotas terem suas camisetas molhadas no backstage, para ficarem com os mamilos à mostra), não são poucas as acusações sobre Datsik ter embrigado ou drogado as moças para tentar agarrá-las. Ainda segundo os relatos, as meninas com as quais o músico teve êxito em suas “tentativas cavalheirísticas” foram descartadas por ele logo após os atos sexuais, em estados deploráveis.

Uma pequena amostra de algumas das histórias que vieram à tona sobre o comportamento do DJ

Por mais que não existam provas definitivas de sua conduta abusiva com as fãs (os crachás de fato existiram, mas o DJ colocou a culpa num ex-funcionário; prints de tweets antigos [veja acima] também corroboram com tudo o que foi exposto contra ele), o número de casos similares contados por diversas pessoas diferentes foi considerado evidência o bastante para destruir sua carreira e reputação, no que parece um caminho sem volta. A Firepower Records, selo que ele próprio ajudou a fundar, o afastou; sua turnê foi cancelada; sua agência e equipe de management o desligaram; os artistas que estavam direta ou indiretamente envolvidos com ele pularam fora do barco; seus colegas da cena eletrônica o detonaram publicamente.

Em comunicado oficial, Datsik negou todas as acusações e alegou estar devastado. O artista também disse se considerar uma boa pessoa e que nunca tiraria vantagem de ninguém, dando a entender que teria sido mal interpretado.

É, Datsik, assim fica difícil acreditar em você…

LEIA TAMBÉM:

Denúncias de abuso sexual no meio artístico unem mulheres no mundo todo

Festivais no Reino Unido fazem campanha contra assédio sexual

O que as mulheres querem transformar na cena eletrônica nacional

Share on facebook
Compartilhar no Facebook
Share on twitter
Compartilhar no Twitter
Share on whatsapp
Enviar no Whatsapp

Quer ganhar 23 mil reais para montar o estúdio dos seus sonhos?

Se você é DJ e produtor musical não perca essa oportunidade.
Inscreva-se gratuitamente no Burn Residency 2019.

RECEBA NOVIDADES

ÚLTIMAS NOTÍCIAS