datsik-ninja-mask-smoke-lost-lands-rukes

DJ bem-sucedido perde tudo a partir de denúncias de assédio e abuso sexual

Incontáveis histórias comprometedoras sobre o comportamento de Datsik vieram à tona nos últimos dias

O produtor e DJ canadense Datsik era um artista muito bem sucedido no mundo da bass music até essa quarta-feira. O dia 14 de março foi o momento em que começaram a pipocar denúncias de dezenas de mulheres com relatos sobre supostas atitudes escrotas do músico, envolvendo principalmente assédio e abuso sexual.

Similar ao famoso e recente “caso Harvey Weinstein”, o número de denúncias foi crescendo nesses últimos dois dias como uma bola de neve, a ponto de Datsik perder praticamente tudo o que construiu para sua carreira nos últimos dez anos. Basicamente, as histórias contadas pelas meninas convergem para o ponto de que o produtor e sua equipe as recrutavam para sessões de “meet and greet” no camarim, ou em seus ônibus de turnê.

+ AFEM lança serviço de apoio a vítimas de abuso sexual na indústria da música eletrônica

A partir dali, além de objetificarem as fãs (crachás com o logo do artista eram dados a elas, com a palavra “Tulsa”, que, vendo no espelho, formava “A slut” — “Uma vadia”, em inglês; outros relatos apontam para o fato de garotas terem suas camisetas molhadas no backstage, para ficarem com os mamilos à mostra), não são poucas as acusações sobre Datsik ter embrigado ou drogado as moças para tentar agarrá-las. Ainda segundo os relatos, as meninas com as quais o músico teve êxito em suas “tentativas cavalheirísticas” foram descartadas por ele logo após os atos sexuais, em estados deploráveis.

Uma pequena amostra de algumas das histórias que vieram à tona sobre o comportamento do DJ

Por mais que não existam provas definitivas de sua conduta abusiva com as fãs (os crachás de fato existiram, mas o DJ colocou a culpa num ex-funcionário; prints de tweets antigos [veja acima] também corroboram com tudo o que foi exposto contra ele), o número de casos similares contados por diversas pessoas diferentes foi considerado evidência o bastante para destruir sua carreira e reputação, no que parece um caminho sem volta. A Firepower Records, selo que ele próprio ajudou a fundar, o afastou; sua turnê foi cancelada; sua agência e equipe de management o desligaram; os artistas que estavam direta ou indiretamente envolvidos com ele pularam fora do barco; seus colegas da cena eletrônica o detonaram publicamente.

Em comunicado oficial, Datsik negou todas as acusações e alegou estar devastado. O artista também disse se considerar uma boa pessoa e que nunca tiraria vantagem de ninguém, dando a entender que teria sido mal interpretado.

É, Datsik, assim fica difícil acreditar em você…

LEIA TAMBÉM:

Denúncias de abuso sexual no meio artístico unem mulheres no mundo todo

Festivais no Reino Unido fazem campanha contra assédio sexual

O que as mulheres querem transformar na cena eletrônica nacional

Share on facebook
Compartilhar no Facebook
Share on twitter
Compartilhar no Twitter
Share on whatsapp
Enviar no Whatsapp

Quer aprender a produzir a sua própria música?

Compre agora o curso Make Music Now com 10% de desconto na inscrição e soundbank do Studio Tronnic para Sylenth1 grátis!.

RECEBA NOVIDADES

ÚLTIMAS NOTÍCIAS