Diogo Accioly

Experiência dentro e fora das pistas: Diogo Accioly fala sobre a carreira

Agenciado por duas marcas expressivas dos cenários nacional e internacional, o paulistano vive hoje uma das melhores fases de sua longa trajetória

Mais de 15 anos de carreira e uma bagagem de peso adquirida através de apresentações em alguns dos principais países do cenário eletrônico deram ao paulistano Diogo Accioly o know how necessário para encarar com eficiência diferentes tipos de pista. Dentro e fora dos palcos, seu trabalho de grande relevância e cuidado já proporcionou momentos marcantes para a dance music brasileira, seja através de sets em clubs como Warung, Beehive e D-EDGE, ou acompanhando tours de caras como Marco Resmann, Matthias Meyer e Phonique.

Atualmente, Diogo é agenciado pela D.Agency, no Brasil, e pela W-Agency em toda Europa. Isso representa uma forte ligação com dois dos principais clubs do mundo: D-EDGE e Watergate, respectivamente. Em suas últimas apresentações, Accioly tem caminhado cada vez mais em direção a atmosferas ligadas ao techno com raízes em Berlim e Detroit. Isso é um reflexo de seus recentes trabalhos no estúdio (ele fala mais sobre assunto abaixo) e o contato com grandes artistas do gênero em meio a suas viagens em turnê.

Aproveitando o excelente ano de Diogo (somente em 2017 foram duas passagens interessantes pela Europa), trocamos um papo exclusivo sobre sua vida e carreira. Confira:

Você chegou há pouco da sua segunda tour na Europa neste ano, certamente cheio de novas experiências. O que você pode destacar pra gente a respeito desse período?

Este ano foi muito especial, porque foi o primeiro que fiz a minha tour representado pela W-Agency. Além de Europa, passei por Marrocos e Jordânia, pude trabalhar em estúdio com alguns amigos e tive gigs incríveis! Cada temporada é uma experiência diferente.

Na minha última apresentação antes de voltar por Brasil, toquei por 11 horas e meia no Sisyphos, em Berlim, com meu grande amigo Marco Resmann. Foi com certeza um dos pontos altos da tour.

Aqui no Brasil você é representado pelo D.Agency, enquanto na Europa quem cuida de seus bookings é a W-Agency, agência do Watergate. Quão importante é ter duas marcas tão poderosas gerenciando a sua carreira?

A minha história com os dois clubs é antiga e somos uma grande família. Os nomes D-EDGE e Watergate são muito fortes no cenário mundial e isso só me faz querer trabalhar ainda mais. Tenho uma sintonia muito grande com o pessoal de ambas as agências e vejo que eles estão sempre trabalhando pra fazer o melhor para minha carreira.

Percebemos que seu set tem caminhado cada vez mais em direção ao techno. É possível dizer que isso tem uma relação direta com as marcas e os artistas que você tem trabalhado recentemente?

De certa forma, sim. Eu tenho buscado tocar faixas que me surpreendem de alguma maneira e sempre busco referências de artistas que eu admiro. D-EDGE e Watergate sempre me proporcionaram um intercâmbio de ideias com esses artistas, sejam eles do techno, da house ou da disco. O interessante pra mim é pegar essas referencias e transformar em algo com a minha cara, na cabine do club ou no estúdio.

Com sua experiência de mais de uma década no dancefloor, como você observa o atual momento do cenário underground no Brasil, e quais são os próximos passos a serem dados na sua opinião?

Cada vez mais, eventos que buscam trazer um pouco mais de diversidade e cultura musical vêm surgindo, e isso só vem a acrescentar. Vejo principalmente núcleos do Sul do país e de São Paulo acreditando em novos formatos e trazendo artistas que, de repente, não participam daquele circuito habitual. Acredito que quando a arte vem em primeiro lugar, o cenário só tende a crescer.

Quais são seus planos referentes à produção musical? Há algo para sair nos próximos meses?

Tenho passado bastante tempo no estúdio ultimamente. Eu e o Marco [Resmann] trabalhamos num EP para o selo do D-EDGE e tenho algumas outras faixas a serem lançadas por outros selos, que por enquanto não posso falar [risos]. Algumas surpresas estão por vir!

Você tem trabalhado com alguns dos nomes mais interessantes que vêm para o Brasil ano após ano. Como tem sido essa troca de experiências?

Tenho muitos amigos que são artistas que sempre admirei. Essa intimidade me proporciona conhecer o trabalho de cada um deles um pouco mais a fundo ou simplesmente conversar sobre a cena. O Brasil vem cada vez mais se destacando e chamando a atenção no mundo da música e isso reflete no trabalho deles também.

Para finalizar, uma pergunta pessoal. Qual é o seu grande objetivo de vida enquanto DJ?

Eu gosto de me apresentar e sair em turnês. Acho que viajar e conhecer o maior número de lugares possíveis, lugares que eu jamais imaginaria conhecer se não fosse DJ, é o meu objetivo principal. Diferentes culturas e pessoas me inspiram.

Alan Medeiros é colaborador eventual da Phouse.

LEIA TAMBÉM:

Ouça “Arquétipo II”, a nova coletânea do selo de techno etéreo Nin92wo

DJ, produtor e professor, Andre Salata vive um dos principais anos da carreira

Confira 5 lançamentos nacionais que foram destaque em outubro

Novo EP de Gui Boratto e Leo Janeiro converge três mundos sonoros

Famoso edit de clássico de Chico Buarque ganha lançamento oficial

Share on facebook
Compartilhar no Facebook
Share on twitter
Compartilhar no Twitter
Share on whatsapp
Enviar no Whatsapp

Quer aprender a produzir a sua própria música?

Compre agora o curso Make Music Now com 10% de desconto na inscrição e soundbank do Studio Tronnic para Sylenth1 grátis!.

RECEBA NOVIDADES

ÚLTIMAS NOTÍCIAS