Connect with us
Federal Leaderborder
XXX Leaderborder
Banner Sundance Leaderborder

Entrevista

Experiência dentro e fora das pistas: Diogo Accioly fala sobre a carreira

Alan Medeiros

Publicado em

17/11/2017 - 14:41
Diogo Accioly
Agenciado por duas marcas expressivas dos cenários nacional e internacional, o paulistano vive hoje uma das melhores fases de sua longa trajetória

Mais de 15 anos de carreira e uma bagagem de peso adquirida através de apresentações em alguns dos principais países do cenário eletrônico deram ao paulistano Diogo Accioly o know how necessário para encarar com eficiência diferentes tipos de pista. Dentro e fora dos palcos, seu trabalho de grande relevância e cuidado já proporcionou momentos marcantes para a dance music brasileira, seja através de sets em clubs como Warung, Beehive e D-EDGE, ou acompanhando tours de caras como Marco Resmann, Matthias Meyer e Phonique.

Atualmente, Diogo é agenciado pela D.Agency, no Brasil, e pela W-Agency em toda Europa. Isso representa uma forte ligação com dois dos principais clubs do mundo: D-EDGE e Watergate, respectivamente. Em suas últimas apresentações, Accioly tem caminhado cada vez mais em direção a atmosferas ligadas ao techno com raízes em Berlim e Detroit. Isso é um reflexo de seus recentes trabalhos no estúdio (ele fala mais sobre assunto abaixo) e o contato com grandes artistas do gênero em meio a suas viagens em turnê.

Aproveitando o excelente ano de Diogo (somente em 2017 foram duas passagens interessantes pela Europa), trocamos um papo exclusivo sobre sua vida e carreira. Confira:

Você chegou há pouco da sua segunda tour na Europa neste ano, certamente cheio de novas experiências. O que você pode destacar pra gente a respeito desse período?

Este ano foi muito especial, porque foi o primeiro que fiz a minha tour representado pela W-Agency. Além de Europa, passei por Marrocos e Jordânia, pude trabalhar em estúdio com alguns amigos e tive gigs incríveis! Cada temporada é uma experiência diferente.

Na minha última apresentação antes de voltar por Brasil, toquei por 11 horas e meia no Sisyphos, em Berlim, com meu grande amigo Marco Resmann. Foi com certeza um dos pontos altos da tour.

Aqui no Brasil você é representado pelo D.Agency, enquanto na Europa quem cuida de seus bookings é a W-Agency, agência do Watergate. Quão importante é ter duas marcas tão poderosas gerenciando a sua carreira?

A minha história com os dois clubs é antiga e somos uma grande família. Os nomes D-EDGE e Watergate são muito fortes no cenário mundial e isso só me faz querer trabalhar ainda mais. Tenho uma sintonia muito grande com o pessoal de ambas as agências e vejo que eles estão sempre trabalhando pra fazer o melhor para minha carreira.

Percebemos que seu set tem caminhado cada vez mais em direção ao techno. É possível dizer que isso tem uma relação direta com as marcas e os artistas que você tem trabalhado recentemente?

De certa forma, sim. Eu tenho buscado tocar faixas que me surpreendem de alguma maneira e sempre busco referências de artistas que eu admiro. D-EDGE e Watergate sempre me proporcionaram um intercâmbio de ideias com esses artistas, sejam eles do techno, da house ou da disco. O interessante pra mim é pegar essas referencias e transformar em algo com a minha cara, na cabine do club ou no estúdio.

Com sua experiência de mais de uma década no dancefloor, como você observa o atual momento do cenário underground no Brasil, e quais são os próximos passos a serem dados na sua opinião?

Cada vez mais, eventos que buscam trazer um pouco mais de diversidade e cultura musical vêm surgindo, e isso só vem a acrescentar. Vejo principalmente núcleos do Sul do país e de São Paulo acreditando em novos formatos e trazendo artistas que, de repente, não participam daquele circuito habitual. Acredito que quando a arte vem em primeiro lugar, o cenário só tende a crescer.

Quais são seus planos referentes à produção musical? Há algo para sair nos próximos meses?

Tenho passado bastante tempo no estúdio ultimamente. Eu e o Marco [Resmann] trabalhamos num EP para o selo do D-EDGE e tenho algumas outras faixas a serem lançadas por outros selos, que por enquanto não posso falar [risos]. Algumas surpresas estão por vir!

Você tem trabalhado com alguns dos nomes mais interessantes que vêm para o Brasil ano após ano. Como tem sido essa troca de experiências?

Tenho muitos amigos que são artistas que sempre admirei. Essa intimidade me proporciona conhecer o trabalho de cada um deles um pouco mais a fundo ou simplesmente conversar sobre a cena. O Brasil vem cada vez mais se destacando e chamando a atenção no mundo da música e isso reflete no trabalho deles também.

Para finalizar, uma pergunta pessoal. Qual é o seu grande objetivo de vida enquanto DJ?

Eu gosto de me apresentar e sair em turnês. Acho que viajar e conhecer o maior número de lugares possíveis, lugares que eu jamais imaginaria conhecer se não fosse DJ, é o meu objetivo principal. Diferentes culturas e pessoas me inspiram.

Alan Medeiros é colaborador eventual da Phouse.

LEIA TAMBÉM:

Ouça “Arquétipo II”, a nova coletânea do selo de techno etéreo Nin92wo

DJ, produtor e professor, Andre Salata vive um dos principais anos da carreira

Confira 5 lançamentos nacionais que foram destaque em outubro

Novo EP de Gui Boratto e Leo Janeiro converge três mundos sonoros

Famoso edit de clássico de Chico Buarque ganha lançamento oficial

RECEBA NOVIDADES NO E-MAIL

Deixe um comentário

Entrevista

Em meio à turnê brasileira, Kolombo fala sobre sua relação com o país

Fã do Brasil, belga ainda passa por Warung Tour, Rio e El Fortin

Alan Medeiros

Publicado há

Kolombo
Foto: Reprodução

Olivier Grégoire é a mente por trás do projeto Kolombo. Mesclando batidas de house, disco e hip hop, este importante DJ belga conquistou os clubbers brasileiros logo em sua primeira passagem. A identificação com o nosso país foi tamanha que hoje o Brasil pode ser considerado a segunda casa de Olivier, dono de turnês recorrentes no país.

Os motivos que levam Kolombo ao patamar de um superstar da dance music por aqui são fáceis de serem compreendidos. Seu som é alegre, vibrante e projetado para o dance floor — tem tudo a ver com as pistas brasileiras. Além disso, ele segue se distanciando daquele perfil sério e carrancudo que muitos artistas gringos possuem; Grégoire é carismático e transmite uma energia boa quando está em ação. A cereja do bolo é a consistência que se mantém através dos anos, tanto em seu trabalho solo, quanto no que é desenvolvido frente à LouLou Records.

Neste fim de semana, Kolombo encerra mais uma turnê brazuca. Desta vez terão sido seis datas entre os dias 17 e 25 de agosto — com direito a uma gig na Argentina no meio disso tudo. Depois de tocar em Cuiabá (MT), Itapetininga (SP), São Paulo e Córdoba, o produtor segue para a Warung Tour Gramado (RS) nesta sexta, e encerra com duas gigs no sábado: uma no Bunker Festival, no Rio de Janeiro, e a outra na festa de 13 anos do El Fortin, em Porto Belo–SC. No embalo da turnê, encontramos o artista para um breve bate-papo:

Olivier, quando você pensa em Brasil, qual é a primeira coisa que vem à sua cabeça? De alguma maneira, sua relação com as pistas do país mudou a forma como você se conecta com a música?

O Brasil é muito especial para mim. A primeira coisa que vem na minha cabeça é a energia incrível do público. É bom porque me sinto confortável para testar tudo. As pessoas têm a mente aberta e o público é enérgico.

Você é um cara que possui um som muito verdadeiro. São claras as referências musicais que formam seu perfil sonoro: uma mistura de house, disco e hip hop. Ter um estilo próprio é uma das prioridades do seu trabalho?

Com certeza! Como você disse, eu tenho esse background forte que me fez construir minha identidade na música. Nunca pensei em prioridade, é apenas algo que vem naturalmente.

Neste ano novamente você volta à posição de headliner no aniversário do El Fortin. O que o público pode esperar de você nessa noite?

Bom, estou trabalhando em muita música nova, então como eu disse antes, a galera brasileira é o público perfeito para ver como as coisas novas funcionam. Toquei no ano passado no El Fortin e foi impressionante. Estou ansioso para essa.

Uma pergunta um tanto quanto especial: quais são suas atuais faixas preferidas para a pista?

Tenho tocado uma das minhas últimas produções, que não foi lançada ainda — funcionou muito bem na pista. Também faixas de Bontan e Claude VonStroke… Esse estilo de dub underground.

Pra encerrar: o que o Brasil tem de mais especial? Pão de queijo [risos]?

Não. Picanha para sempre [risos]!

Alan Medeiros é colaborador da Phouse.

LEIA TAMBÉM:

Fran Bortolossi: “2016 foi o melhor ano da minha carreira”

Warung Tour percorre do Norte ao Sul do Brasil

Solomun brilha em set e videoclipe dentro do universo de “GTA”

Aposta da Armada, Nato Medrado acompanha tour de Armin van Buuren

Techno de refúgio: iranianos falam sobre resistência e EP por selo brasileiro

Continue Lendo

Notícia

“O festival vai ficar muito mais interativo”; Erick Dias fala sobre a #XXX22

A um mês do festival, o diretor da No Limits fala sobre as importantes mudanças para este ano

Nayara Storquio

Publicado há

#XXX22
Foto: Gui Urban/Divulgação
* Com a colaboração, revisão e edição de Flávio Lerner

Faltando exatamente um mês para a XXXPERIENCE, começamos a passar por aquela sensação de expectativa. Depois de 21 anos de história e tantas edições memoráveis, não tem como não ficar curioso nessa época do ano. Com um lineup de mais de 50 atrações e uma configuração totalmente inédita, o festival resolveu investir bem mais na cenografia e na estrutura neste ano, além de priorizar os DJs brasileiros.

Assim, aproveitamos a ocasião para entrevistar mais uma vez Erick Dias, do grupo No Limits (responsável pela realização do evento), para matar um pouco da curiosidade e trazer informações exclusivas de tudo que vai rolar no Parque Maeda, em Itu, no dia 22 de setembro. Se liga!

A edição de 2018 traz a continuação da “Nonsense Journey” sob o tema “Revolution 2.2”. O que podemos esperar da cenografia e da identidade visual?

O tema é muito amplo, e com isso abre muitas possibilidades. Usamos o nome “Revolution” para apresentar um novo formato da XXX. O festival vai ficar muito mais interativo e conseguiremos explorar melhor o Maeda. Várias partes muito bonitas não eram exploradas antigamente. Vamos valorizar cada pedacinho do espaço colocando algo que chame a atenção do público. Com isso poderemos oferecer uma experiência muito melhor.

O que exatamente significa uma segunda edição da “Nonsense Journey”; por que não um tema inédito?

Todo o time de criativos envolvidos adorou trabalhar com um tema “sem sentido”, que é muito amplo e tem tudo a ver com a XXX. A resposta do público no ano passado também foi muito positiva, tanto durante a campanha quanto com a entrega no dia do evento. Podemos fazer várias abordagens dentro desse mesmo tema. Por isso, optamos por continuar, mas o que será visto neste ano é completamente diferente do que foi visto no ano passado.

“O que será visto neste ano é completamente diferente do que foi visto no ano passado.”

Pela primeira vez na história, o festival vai contar com cinco palcos. Como está organizado esse novo mapa? O terreno ocupado será maior? Há itens cenográficos estratégicos para não prejudicar a acústica do evento?

Na verdade eu gostaria de ter mais palcos ainda, tipo mais um para o hardstyle. Colocar palcos menores, como a #Pistinha, mas com capricho, com um layout bacana, interessante. Porém, nem sempre é possível, pois a parte financeira pega no final. Quem sabe num futuro a gente não possa ter mais palcos?

O formato em círculo vai tornar o festival mais agradável. Eu acho que as pessoas vão querer desbravar mais o espaço e não ficar apenas plantadas no palco central. A ideia é criar uma atmosfera muito mais interessante e convidativa. Inclusive cada palco terá um portal, além da escultura central e seus adereços. Estamos fazendo um mapa 3D animado para mostrar como está sendo concebido esse novo formato. Com isso, as pessoas poderão notar que o uso do espaço se dará de forma muito melhor que nos anos anteriores, mesmo trabalhando com a mesma área. Sobre o som, contratamos um engenheiro de som para uma avaliação antes de tomar essa decisão, a fim de garantir que um som não atrapalhe o outro dentro de cada pista.

Com essa nova estrutura o festival parece ter ficado maior. Qual a estimativa de público?

O festival sempre acaba ficando maior em termos de estrutura, acabamento e cenografia, porém o público vem mantendo a média de 25 mil pessoas nas edições especiais de aniversário.

“Várias partes muito bonitas [do Maeda] não eram exploradas antigamente. Vamos valorizar cada pedacinho do espaço.”

Com o anúncio do line up completo, podemos notar um foco no brazilian bass e em techno, tech house e psytrance, e praticamente não há artistas de EDM/big room desta vez. Quais os principais motivos para essas escolhas? A questão econômica influenciou nesse line?

Nós optamos em não colocar os grandes nomes de EDM, pois esse estilo caiu muito no Brasil e o custo benefício não faz sentido no momento atual. Investimos muito em tech house, techno, psy, house e nos brasileiros que continuam num ótimo momento. Porém, as coisas mudam e a XXX sempre vai estar atenta à parte musical e suas mudanças, tentando fazer o melhor para o público.

Neste ano, o festival realizou suas edições itinerantes em Porto Alegre e Brasília. Pensam em continuar fazendo edições onde obtiveram boa aceitação?

Na verdade esse formato de turnê já acontece desde 1999. Inclusive há alguns anos tínhamos cerca de dez edições por ano. Porém, com a profissionalização dos eventos, a burocracia, tivemos que repensar e mudar um pouco as coisas, diminuindo para três ou quatro XXX por ano. No ano que vem, devemos ter pelo menos três edições: Itu, Curitiba e Belo Horizonte.

Com as reincidências dos problemas de segurança nos festivais, quais serão as medidas adotadas para garantir mais conforto e segurança ao público?

Nós já tomamos várias providências no ano passado que deram muito certo, mas agora iremos ampliar e melhorar algumas coisas. Essa é uma questão muito importante para a XXX e estamos em cima com um profissional gabaritado para ajudar o festival a dar segurança suficiente para que o público se preocupe apenas em se divertir.

Nayara Storquio é redatora da Phouse.

LEIA TAMBÉM:

10 motivos para não perder a #XXX22

Confira o lineup completo da #XXX22

Revolução? XXXPERIENCE anuncia tema e primeiros detalhes da #XXX22

XXXPERIENCE: capital federal teve aperitivo para setembro

Como a XXXPERIENCE completa 20 anos em uma cena imediatista

Continue Lendo

Entrevista

“Music Mate” da ONNi, Bernardo Ziembik fala sobre as novidades do app

Alan Medeiros

Publicado há

ONNi
Foto: Divulgação
Aplicativo apresenta solução para as tão temidas filas em clubs e festivais
* Edição e revisão: Flávio Lerner

Se você possui uma marca e quer alcançar caminhos nunca antes alcançados, precisa projetar um conjunto de iniciativas fora do padrão. O aplicativo ONNi, com base em Porto Alegre, tem buscado a renovação de todo um cenário desde o seu começo, propondo o fim das filas com todo processo de compra de ingresso e consumo pelo mobile. Mas não para por aí…

Desde o seu lançamento, em 2016, muitas evoluções já foram propostas, não somente ligadas à parte técnica do app, mas também no seu time. Uma das principais mudanças é a chegada dos “music mates”. A ideia é simples: profissionais de exposição nacional que vivem intensamente a cena artística são convidados a representar as ideias da ONNi em seus respectivos nichos e contextos. Para o mercado da música eletrônica, o escolhido foi o curitibano Bernardo Ziembik.

DJ e produtor, com larga experiência também na produção de eventos, Bernardo apresenta-se como a escolha certa para os objetivos do aplicativo nesse momento. Além de ter um ótimo know-how frente ao cenário, também é um entusiasta das inovações propostas pela empresa. A nosso convite, Bernardo falou um pouco mais sobre os planos da marca para 2018.

Como exatamente foi seu primeiro contato com a ONNi? Você, como público, já testou o aplicativo?

Conheci o aplicativo através de uma conferência que produzi com o Alataj, em Porto Alegre, em 2016. Eles foram super nossos parceiros e apoiadores, viabilizando um coquetel para todo o público presente. Como usuário já utilizei o app lá no RS. Primeiro em uma Levels, festa incrível de Porto Alegre, depois no DOMA, clube super cool na região central da capital. Nas duas ocasiões a experiência foi ótima, me trouxe um conforto gigante e uma economia de tempo em filas.

Music Mate me parece um conceito inovador e que diz muito sobre a jornada da ONNi até aqui. Conta pra gente: como essa parceria está funcionando?

A ONNi nasceu imersa na cena eletrônica. Com o passar do tempo, após validar o produto e a proposta, entendeu que precisava ampliar seu leque de festas para outros gêneros. A estratégia da marca para se relacionar com diferentes cenas foi criar o ”cargo” de Music Mate. Basicamente, é uma representação da ONNi em cada nicho: pop, rock, sertanejo… Depois de muitas conversas, estabelecemos uma parceria estratégica em que eu representaria a marca no segmento eletrônico. Como é um trabalho ligado a muito relacionamento, definimos que o termo “music mate” se encaixa perfeitamente, pois realmente a ideia é que todo esse contato com público, promoters e produtores que eu venho tendo seja focado em desenvolver a plataforma e trazer maior solução para quem a usa.

Qual a principal dificuldade que você tem tido no que diz respeito à negociação com os donos de clubs e festas?

Em Santa Catarina, nas primeiras reuniões, esbarramos na seguinte questão: internet. Como muitos dos clubes ficam em regiões afastadas da metrópole, o acesso à internet é bem precário. Sendo assim, o uso do aplicativo fica comprometido. De forma generalista, acredito que as pessoas têm certa dificuldade em entender que somos um sistema complementar, uma conforto e uma nova experiência para o consumidor. Além disso, tratamos de uma mudança de comportamento do consumo, questão que apenas com a constância de uso poderá ser alterada — mas estamos tendo uma receptividade bem bacana em algumas regiões, como em Joinville e Curitiba.

Existe a preocupação da ONNi em trabalhar com clientes que tenham um alinhamento de posicionamento com a marca?

Acreditamos muito na potencialização e no trabalho em conjunto com nossos clientes. Então, procuramos produtores e clubes que querem realmente trazer algo novo para o seu público e entendam que para aumentar seu faturamento e ter boa performance pelo aplicativo é necessário apresentar da forma correta. Esses fatos fazem com que exista uma segmentação dos clientes potenciais. Sem contar que nossa comunicação é bem jovem, moderna, nosso aplicativo trabalha com cartão de crédito… Isso faz com que os próprios usuários já tenham um perfil específico.

Quão importante têm sido seus conhecimentos adquiridos na carreira artística para desenvolver esse trabalho?

Graças aos meus dez anos de carreira, que estão sendo completados em 2018, pude ter contato com muita gente envolvida na produção de um evento. Então, mesmo que o aplicativo não seja utilizado de cara por essas pessoas, estou podendo coletar uma centena de feedbacks que estão sendo extremamente importantes para as atualizações do aplicativo. Exemplo: muito em breve trabalharemos também em versão web, pois essa demanda é grande no mercado de Santa Catarina e Paraná. Aqui também existe a necessidade de pagamento fora do cartão de crédito, então, com essa plataforma, poderemos vender tanto o ingresso quanto o consumo de bar via boleto. Verificamos também a necessidade de alguns clientes em ter uma plataforma que atenda melhor os clientes de mesas e camarotes. Estamos trabalhando nisso também!

Quais são seus principais objetivos com a ONNi para 2018?

Neste ano o objetivo principal é nos estabelecer como uma inovação no mercado da música no Brasil. Acabamos de lançar o novo aplicativo, que é nativo para iOS e Android. Está muito mais intuitivo, rápido e prático. A versão web para compra de ingressos e consumo é também uma super atualização para nós. A partir disso, nossa plataforma faz muito sentido para vários produtores. Agora também estamos começando a escalar nossas vendas, conseguindo atingir um número maior de produtores, criando várias comunidades nas regiões que atingimos e, assim, facilitando a mudança de comportamento proporcionada pelo aplicativo.

Das vantagens que a plataforma oferece, qual é a mais interessante na sua visão?

Para o produtor: uma nova forma de interação com o seu público e um aumento gradual do seu faturamento. Para o cliente: inovação para acabar com as filas, agilizar sua forma de compra e acesso aos eventos que façam sentido as suas preferências.

Alan Medeiros é colaborador da Phouse.

LEIA TAMBÉM:

Um “Shazam” para descobrir samples? Conheça o novo app do WhoSampled

Plataforma brasileira concorre a um dos principais prêmios da indústria da música eletrônica

Techno de refúgio: iranianos falam sobre resistência e EP por selo brasileiro

Professor Andre Salata lança canal com dicas de produção musical

Continue Lendo

Publicidade

XXXperience 300×250
Federal Music 300×250
Sundance (300×250)

Facebook

PLAYLIST

Trending

-->

Copyright © 2018 Phouse

Translate »
Sundance Pop Up