A cena underground de Londres conta com a influência do trabalho de Cozzy D a mais de dez anos. O cara tem um trabalho consistente, seja organizando festas, tocando, produzindo suas próprias tracks e lançando as de outros produtores, através da sua gravadora, a Lower East Records.

Cozzy D tem suas composições em selos reconhecidos como Dirtybird, Material Records, Get Physical Music, Noir Music entre outras. Na Lower East Records tem focado o trabalho em misturar novos talentos locais com de fora da Inglaterra, alguns deles são MK, Larry Heard aka MR Fingers, Richy Ahmed e Volkoder. A coluna Tudo Beats entrevistou o cara para conhecer um pouco mais do que anda aprontando na terra da Rainha!

http://www.soundcloud.com/cozzy-d/all-gone-pete-tong-evolution-mix-150515

Depois de tantos anos na pista, você adquiriu diversas influências. Conte cinco tracks que você tem ouvido recentemente.

Pearson Sound – Thaw Cycle

Tuff City Kids – Wooden Dreams

Cape Cod – Holding On

Janson – High Point

Moodtrap – Make It Better (Original Mix)

Você é envolvido na cena undeground de Londres já faz tempo. O que significa “underground” para você?

Underground é somente um termo utilizado quando algo é conhecido apenas por um nicho, um grupo que está envolvido com a mesma coisa. Por exemplo se uma nova track de house/ techno acaba de ser finalizada num estúdio e é tocada num club pela primeira vez, será muito underground. Algo será comercial somente quando ultrapassar esta barreira e tornar-se popular e várias pessoas já tiverem conhecido e falando disto.

Nosso amigo Elijah Collins disse que “Se sempre compartilharmos nosso conhecimento e cuidarmos uns dos outros a música prosperará.” Como você vê essa afirmação nos dias de hoje?

Sim, ele acertou na mosca. Espalhe o amor ;)

Produtor, DJ, promoter e dono de label por mais de uma década. Com qual destas funções você está mais envolvido hoje em dia?

Eu sempre disse que sou DJ antes de tudo e todo o resto vem depois. Hoje estou intensamente envolvido no gerenciamento da minha label – Lower East – o que toma bastante do meu tempo e, é claro, continuo fazendo música. Eu dei um tempinho de fazer festas mas isso não quer dizer que não vou voltar a fazê-las, então fique ligado!

O que você sente de mudanças na indústria desde que você começou?

Quando eu comecei a tocar em 1998 você tinha que fazer Mix Tapes e passá-las para os promoters para conseguir as gigs. Hoje em dia você precisa ser produtor para dar o primeiro passo. Tudo que você precisa é de um laptop e você já pode fazer música até no seu quarto.

O problema com isso é que o mercado ficou saturado e os novos produtores são impacientes, já querem lançar a primeira coisa que fazem ao invés de antes realmente aprenderem essa habilidade, serem pacientes e esperarem até que eles tenham descoberto o seu próprio som.

A internet revolucionou a indústria de hoje. Você pode falar com qualquer um a qualquer hora e as mídias sociais podem ser uma ferramenta poderosa para conseguir atenção. Isso pode agir negativamente se você perceber que se trata mais de marketing ou controvérsias e menos de música, o que é uma pena, mas também sensacional enquanto dá a todos, de várias caminhadas diferentes, a voz e a oportunidade.

Basslines, beats produzidos e verstilidade. Descreva sua música.

Sim, eu tenho um gosto bem eclético e sou fã de todos os estilos de música eletrônica, gosto de mostrar versatilidade nos meus sets e não tocar um som apenas. Eu ficaria entediado te tocar duas horas de óbvios loops de tech house. Eu gosto de tocar umas tracks de deep, mais umas de techno, mais uns vocais cheios de alma e alguma coisa melódica e emocional…. Eu sei que é bem clichê mas eu prefiro fazer um pouco de uma história com os meus sets.

Como você produz suas músicas?

Eu gosto de usar bastante hardware, e frequentemente uso analógicos como o 909 ou 808, para meus beats e o 101 para os sons de sintetizador.

A Lower East é uma label underground famosa dentro e fora de Londres, misturando talentos locais com artistas de outros países. Você chamou o brasileiro Volkoder para participar. como foi isso?

Eu admirei o som do Volkoder e fiquei contente dele ter remixado minha track ‘Anxiety’ no início deste ano. Ele fez um bom trabalho ;) Convidei ele para tocar na minha festa de 5 anos da Lower East na ‘EGG’ de Londres que rolou em Agosto, o que foi muito legal.

Estes tempos rolou uma polêmica que dizia que o público dos clubs em Londres estava diminuindo. Você que é um clubber-nato sente que tem menos ou mais público, se comparado com 10 anos atrás?

Para ser honesto eu diria que, provavelmente, tem mais pessoas. Parece que tem cada vez mais festas aparecendo por aí o tempo todo. Além disto há mais eventos e festivais de grande porte do que antes.

Quais as novidades do Cozzy D?

Acabo de lançar pela label Material Series, do Mihalis Safras, uma track chamada “Hey People” e lancei também um remix no Compilado de 5 anos da Lower East. O próximo lançamento da Lower East tem um remix meu do “Moodtrap” e também inclui um remix do “Gerd” além disto tenho trabalhado em colaboração com Roland Clark e estou em processo de finalizar alguns novos EPs para lançar próximo do ano novo.

https://soundcloud.com/cozzy-d/hey-people-out-now-on-materialism

Receba novidades no e-mail

Receba o melhor da Phouse em seu email!

:::. ALEATÓRIAS / LEIA TAMBÉM

“Rave protesto” de 2018 vira filme longa-metragem

“Raving Riot” será lançado no Beat Festival em junho; dez dias depois, ODD recebe showcase do Bassiani

Fã disponibiliza 1º show da nova tour do Swedish House Mafia

Primeira data na Tele2 Arena pode ser conferida na íntegra

DGTL São Paulo contrastou lineup impecável com serviço amador

Festival teria tudo para ser um dos rolês do ano se não fosse tão mal organizado

Boghosian estreia pelo selo Urban Soul com novo EP

“You” foi lançado nessa segunda-feira (06)

Vintage Culture tocará em noite de Garrix em Ibiza pelo segundo ano seguido

DJ brasileiro é uma das atrações da residência de Martin Garrix no Ushuaïa

Assista ao clipe de “Tough Love”, do Avicii

Vídeo também é centrado na ideia de um dueto

Techno pesado: ouça “Old Norse”, novo EP do produtor brasileiro Spuri

EP saiu nesta segunda-feira (29), pela Prisma Techno

Camboriú será palco do 1º BURN Residency Showcase de 2019

Rolê será feito em parceria com a Seas, no Espaço Garden

Underworld anuncia álbum baseado em projeto ambicioso

“Drift Songs” vai reunir a música apresentada no Drift, projeto multimídia de 52 semanas

Première: Aryela – Wrong Way Around

Faixa marca nova fase da DJ e produtora de São Paulo