Kolombo

Olivier Grégoire é a mente por trás do projeto Kolombo. Mesclando batidas de house, disco e hip hop, este importante DJ belga conquistou os clubbers brasileiros logo em sua primeira passagem. A identificação com o nosso país foi tamanha que hoje o Brasil pode ser considerado a segunda casa de Olivier, dono de turnês recorrentes no país.

Os motivos que levam Kolombo ao patamar de um superstar da dance music por aqui são fáceis de serem compreendidos. Seu som é alegre, vibrante e projetado para o dance floor — tem tudo a ver com as pistas brasileiras. Além disso, ele segue se distanciando daquele perfil sério e carrancudo que muitos artistas gringos possuem; Grégoire é carismático e transmite uma energia boa quando está em ação. A cereja do bolo é a consistência que se mantém através dos anos, tanto em seu trabalho solo, quanto no que é desenvolvido frente à LouLou Records.

Neste fim de semana, Kolombo encerra mais uma turnê brazuca. Desta vez terão sido seis datas entre os dias 17 e 25 de agosto — com direito a uma gig na Argentina no meio disso tudo. Depois de tocar em Cuiabá (MT), Itapetininga (SP), São Paulo e Córdoba, o produtor segue para a Warung Tour Gramado (RS) nesta sexta, e encerra com duas gigs no sábado: uma no Bunker Festival, no Rio de Janeiro, e a outra na festa de 13 anos do El Fortin, em Porto Belo–SC. No embalo da turnê, encontramos o artista para um breve bate-papo:

Olivier, quando você pensa em Brasil, qual é a primeira coisa que vem à sua cabeça? De alguma maneira, sua relação com as pistas do país mudou a forma como você se conecta com a música?

O Brasil é muito especial para mim. A primeira coisa que vem na minha cabeça é a energia incrível do público. É bom porque me sinto confortável para testar tudo. As pessoas têm a mente aberta e o público é enérgico.

Você é um cara que possui um som muito verdadeiro. São claras as referências musicais que formam seu perfil sonoro: uma mistura de house, disco e hip hop. Ter um estilo próprio é uma das prioridades do seu trabalho?

Com certeza! Como você disse, eu tenho esse background forte que me fez construir minha identidade na música. Nunca pensei em prioridade, é apenas algo que vem naturalmente.

Neste ano novamente você volta à posição de headliner no aniversário do El Fortin. O que o público pode esperar de você nessa noite?

Bom, estou trabalhando em muita música nova, então como eu disse antes, a galera brasileira é o público perfeito para ver como as coisas novas funcionam. Toquei no ano passado no El Fortin e foi impressionante. Estou ansioso para essa.

Uma pergunta um tanto quanto especial: quais são suas atuais faixas preferidas para a pista?

Tenho tocado uma das minhas últimas produções, que não foi lançada ainda — funcionou muito bem na pista. Também faixas de Bontan e Claude VonStroke… Esse estilo de dub underground.

Pra encerrar: o que o Brasil tem de mais especial? Pão de queijo [risos]?

Não. Picanha para sempre [risos]!

Alan Medeiros é colaborador da Phouse.

LEIA TAMBÉM:

Fran Bortolossi: “2016 foi o melhor ano da minha carreira”

Warung Tour percorre do Norte ao Sul do Brasil

Solomun brilha em set e videoclipe dentro do universo de “GTA”

Aposta da Armada, Nato Medrado acompanha tour de Armin van Buuren

Techno de refúgio: iranianos falam sobre resistência e EP por selo brasileiro

Receba novidades no e-mail

Receba o melhor da Phouse em seu email!

:::. ALEATÓRIAS / LEIA TAMBÉM

Tomorrowland Winter anuncia segunda edição

Final de “miniaftermovie” confirma a sequência do festival

Só Track Boa terá showcase em Nova Iorque

Label brasileira invade os Estados Unidos pela primeira vez

Ouça “Ra”, techno de Diogo Accioly com o alemão Ruede Hagelstein

Lançada pela Duat Records, colaboração promete ser a primeira de muitas

Edição da Cercle no Rio de Janeiro é adiada

Mau tempo frustrou os planos para esta segunda-feira

Confira o lineup completo do Lollapalooza 2019

Edição principal traz Flume e The Chainsmokers entre os headliners

10 super dicas para um Carnaval com muita música eletrônica

Grandes astros nacionais e internacionais estarão espalhados pelo país

Gabe agradece aos fãs e fala sobre a prisão: “Piores dias da minha vida”

DJ se pronunciou em vídeo pela primeira vez desde o episódio com a justiça carioca

Daft Punk fará parte de exposição sobre música eletrônica em Paris

Kraftwerk, Jean-Michel Jarre e Laurent Garnier também contribuirão com a mostra

“Turn It Up” é o novo som de Armin van Buuren

Música parece ser uma espécie de continuação do hit “Blah Blah Blah”

Dub Clap é o 1º brasileiro a lançar por selo de Jamie Jones e Lee Foss

Novo projeto de Londrina participa de faixa no novo EP do inglês Jaden Thompson