Celular

A Eventbrite, empresa americana de gerenciamento de eventos e emissão de ingressos, encomendou uma pesquisa com o instituto inglês ComRes para saber a opinião das pessoas sobre o uso de celular nas pistas de dança e durante a apresentação de artistas.

Como era de se esperar, uma ampla maioria dos 1.031 entrevistados (70%) afirmou achar “extremamente irritante” o comportamento daquela galera que parece estar mais com a mão no celular filmando e olhando para a telinha do que realmente curtindo e aproveitando o rolê. Quase todas essas pessoas (69%) apoiam medidas para reduzir o uso excessivo do celular para filmar ou tirar fotos; ainda assim, 49% admitem que tiram fotos ou filmam nessas situações.

+ Estudo mostra que 70% do público se incomoda com o uso de celulares para filmar festas e shows

No Reino Unido, onde a pesquisa foi realizada, alguns locais estão tentando aplicar estratégias para combater esse “problemão do século XXI”, como a prática da política que proíbe o uso de câmeras e celulares, que já vem rolando em alguns clubes de Berlim.

Essa medida, porém, não encontrou muita popularidade entre os entrevistados (13%), que preferem soluções menos radicais, como leves incentivos para tornar os telefones mais discretos (41%).

+ Estudo revela que artistas são os mais prejudicados com novo algoritmo do Facebook

A chefe de marketing da Eventbrite, Katie McPhee, disse que a pesquisa confirma que “há um acordo geral entre o público, artistas e promotores de que usar o celular durante uma apresentação ao vivo pode prejudicar não só a própria experiência, mas também a de outras pessoas ao redor”, e que espera “discussões saudáveis” no futuro para melhorar ao máximo a experiência do público em geral.

Especialistas da indústria não ficaram de fora e também deram sua visão. Greg Marshall, gerente geral da Association for Electronic Music, afirma que é preciso “procurar um equilíbrio para garantir que ambos os pontos de vista sejam respeitados”, referindo-se tanto àqueles que gostam de registrar os momentos, como os que preferem deixar o celular no bolso.

+ Pessoas param de descobrir músicas novas aos 30 anos, diz pesquisa

Anja Schneider, uma das DJs embaixadoras da AFEM, acredita não ser possível “resumir em apenas um vídeo de poucos minutos ou segundos um set que durou horas”, sem levar em consideração o fato de que, quando todos estão com os celulares pra cima, “não tem como ver o rosto das pessoas, a vibração”.

A pesquisa foi realizada online, entre os dias 15 e 16 de outubro, e publicada ontem (03). Dos 2021 britânicos adultos inicialmente procurados, 1031 passaram no filtro inicial, que era ter frequentado ao menos um show, festa ou festival no último ano. 

Receba novidades no e-mail

Receba o melhor da Phouse em seu email!

You May Also Like

1ª edição do Seas Festival rola neste sábado, em SC

Núcleo catarinense volta ao Espaço Garden em novo formato

Assista à primeira parte do documentário de Nicky Romero

Em “Redefine”, o DJ irá contar suas experiências ao longo da carreira

“Worlds 2019”: Assista à performance especial de Porter Robinson no Second Sky

Produtor voltou a apresentar seu clássico show depois de dois anos

Conheça Blazy, expoente do psytrance nacional

Artista falou à coluna LIFT OFF sobre o lançamento que reflete a nova fase da sua carreira

Assista ao trailer do Tomorrowland 2019

Filme de dois minutos foi lançado nesta sexta-feira

Tomorrowland revela os palcos de sua edição de 15 anos

Ao todo, 16 stages serão montados no festival

Saiba mais sobre o Soundscape, o “Cercle brasileiro”

Similar à plataforma francesa, o projeto mostra DJs tocando em lindas paisagens no Brasil

Chilli MOB Cruise anuncia Vintage Culture e Chemical Surf

Ingressos começarão a ser comercializados em duas semanas

Malik Mustache prepara-se para entrar em nova fase

Dupla revela à Phouse as grandes novidades que estão prestes a chegar

Reportagem alerta: contratos permitem o controle de gravadoras sobre contas do Spotify

E é você mesmo quem autoriza