Connect with us
BRMC

Análise

Orgânica e ecumênica: uma história oral da Gop Tun

Chico Cornejo

Publicado há

Gop Tun
Foto: Felipe Gabriel/Divulgação
Eclética e ousada, a festa se tornou uma das marcas mais destacadas da cena conceitual em SP

Parece um ato de puro solipsismo imaginar que algo tão particular quanto gosto musical possa se tornar o germe de um projeto tão comunal como uma festa. Afinal, desde tempos imemoriais essa euforia coletiva, seja ela ritual ou trivial, extática ou anímica, existe através da comunicação, manutenção e celebração de elementos compartilhados por toda a comunidade, e não apenas um indivíduo ou um grupo deles. Contudo, se prestarmos atenção às origens e notarmos a força atual da Gop Tun, se torna claro que seus integrantes conseguiram atingir um ponto crucial no qual o melhor desses dois mundos parece se encontrar.

Reza a lenda que tudo se iniciou naqueles recônditos da internet em que aficionados por música costumavam compartilhar feitos e achados com seus pares, o interior de redes como o Soulseek. Um bazar turco de raridades fonográficas que conseguiram chegar ao mundo virtual e ali eram circuladas, descobertas, discutidas e avaliadas entre aqueles que mais prezam seu valor. Em meio a esses ávidos garimpeiros musicais estavam os membros do coletivo, e foi nos ambientes de cultivo desse conhecimento que suas afinidades comuns vieram a uni-los para que, posteriormente, formassem um projeto com uma missão bem definida de disseminar essa riqueza.

Foto: Felipe Gabriel/Divulgação

Ela surgiu naquele contexto de renovação da cena paulistana, na qual diversos núcleos lideraram o êxodo dos clubs em direção a paisagens sonoras mais ricas, cenários mais diversos e pistas mais inclusivas. Mas, mesmo em meio a iniciativas aparentadas, ela conseguiu alcançar uma poderosa sinergia que uniu escolhas artísticas ousadas (estética e financeiramente), aquele ímpeto de exploração urbana que então se cristalizava no interior dessa cena e uma inquebrantável confiança enraizada num público que foi cultivado cuidadosa e carinhosamente no decorrer de seu trajeto. Estes pontos podem parecer banais ou naturais expostos de modo tão simples, mas a alquimia exigida para harmonizá-los e depois galvanizá-los em torno de algo muito maior que uma simples marca foi fruto de um desenvolvimento orgânico que culminou em algo sui generis naquela conjuntura.

Esse processo não foi linear e encontrou obstáculos. Havia certa resistência dos convidados em abraçar o impulso exploratório cidade adentro que procurava levá-los às franjas de uma metrópole gigante — até chegarem ao ABC ou mesmo ao Jaguaré —, e que propunha trocar o conforto próximo das áreas centrais por partes pitorescas da cidade, bem como os percalços que acompanham esse tipo de aventura numa cidade extremamente burocratizada e segregada como São Paulo. Além disso, por vezes houve momentos nos quais o aumento de popularidade cobrou seu tributo, convertendo intimidade em magnitude e criando dilemas inéditos que exigiram soluções inovadoras.

Foto: Felipe Gabriel/Divulgação

O crescimento, mesmo que compassado, exige ajustes e eles foram feitos durante o percurso. Se observamos a vibração do gigante aniversário de cinco anos em 2017, no qual Black Madonna e Anthony Parasole conduziram cada ambiente do evento a universos totalmente diferentes e igualmente dançantes, ela difere radicalmente daquela que conduziu cada uma das celebrações de aniversário que até então tinham sido realizadas com um ecletismo similar, com Mano Le Tough ao lado de Jacques Renault, Four Tet ao lado de Floating Points, Lauer ao lado de Tim Sweeney, por exemplo. Ainda assim, nada se comparava em dimensões e impacto como a parceria que estabeleceram com o selo holandês Dekmantel.

A trajetória de ambos se assemelhava em diversos aspectos, principalmente no desenvolvimento progressivo escorado na confiança e estima entre seu público cativo. Essa afinidade se materializou em um showcase inicial que prenunciou aquilo que, um ano depois, viria a ser considerado um dos festivais mais emblemáticos da década na América do Sul.

Foto: Felipe Gabriel/Divulgação

O quesito curatorial era o ponto de maior afinidade e se manifestou em escolhas que desafiaram e agradaram o público na mesma medida, recompensando a curiosidade ao mesmo tempo em que superaram as inevitáveis expectativas. Ademais, não é casual que o palco do festival que leva seu nome seja aquele que mais prima pelo ecletismo e enfatize uma musicalidade mais orgânica, colocando cada um dos membros como anfitriões de ídolos seus, como Marcos Valle, Azymuth e Os Mulheres Negras ao lado de nomes como Carrot Green, Barbara Boeing, San Proper, Palms Trax, John Gomez e tantos outros aventureiros sonoros como eles.

A primeira edição estabeleceu um patamar assustadoramente elevado de aclamação entre uma faixa ampla do público não apenas local, como também nacional e até internacional. Não obstante, a segunda conseguiu provocar uma reação igualmente uníssona de apreço enquanto ampliou consideravelmente seu alcance. Um feito nada modesto, já que este salto qualitativo e quantitativo põe à prova qualquer tipo de conceito e identidade, seja de um núcleo de eventos ou um restaurante.

Foto: Felipe Gabriel/Divulgação

Entretanto, a expansão também abrigou pontos de inflexão, nos quais algumas festas foram feitas prescindindo de headliners internacionais, tendo “apenas” os Goppers como atração e com capacidade reduzida. Tudo para que aquela energia inicial, a faísca que aparece num ambiente mais intimista, não se dissipasse e o fervor da pista — seja na energia despendida ou na fé depositada — que ela alimenta permanecesse intacto.

Esses esforços foram reconhecidos, principalmente entre os seguidores de longa data que, afinal de contas, são os protagonistas nessa narrativa desde o início ao lado da música. Também houve um projeto paralelo, chamado Tentáculo, inicialmente pensado como um laboratório de ideias a serem testadas para depois serem aplicadas e replicadas nos eventos principais, mas que acabou se tornando mais bem-sucedido que o esperado e atualmente encontra-se em repouso.

Foto: Felipe Gabriel/Divulgação

Outro elemento fundamental que é parte intrínseca do que a Gop se tornou em sua evolução é a simbiose que desenvolveram com a talentosa dupla da Sala 28. Os ambientes que criam a cada oportunidade são espetaculares, um mundo de luzes e cores, de envolventes estímulos sensoriais extrassônicos e geniais soluções cenográficas que acompanham cada direção musical tomada, tornando as jornadas noite adentro numa experiência sinestésica quase cinematográfica — fruto de uma relação de cumplicidade que tornou seu trabalho parte integral da experiência de cada evento, desde as Gopinhas até o Dekmantel, assim como a turnê nacional recém-completada pela trupe.

E aqui conseguimos vislumbrar com mais clareza um percurso de tantas anedotas quanto conquistas, no decorrer do qual nem tudo foram flores, muitas lições foram aprendidas e riscos foram corridos, mas que complementam perfeitamente a trajetória rica em momentos que entraram para o cânone da noite paulistana. E são esses elementos que eles agora colocam na estrada no intuito de levar pelo Brasil afora um pouco do que faz dos eventos da Gop algo tão querido em sua cidade natal. Afinal, os cinco anos que marcam até aqui revelam o fato de que cada escolha estética, da música à cenografia, das amenidades ao serviço, foi marcada pelo que compartilham desde o início como disseminadores e, sobretudo, consumidores do que amam.

Chico Cornejo é colaborador eventual da Phouse.

CONFIRA TAMBÉM:

Um papo com os caras da Gop Tun, que estão trazendo o Dekmantel a São Paulo

Como foi o primeiro Dekmantel em São Paulo

Dekmantel São Paulo apresenta seu lineup mais pisteiro para 2018

Método na loucura e olhos no horizonte: conheça o trabalho da LAUD

Tecnoxamanismo no tecido urbano: Tantša e a força de um ritual comunal

Deixe um comentário

Notícia

Como o mundo da música reagiu à morte de Avicii

Phouse Staff

Publicado há

Martin Garrix, Diplo, Dua Lipa, Madonna e até o deadmau5… Confira algumas das homenagens dos amigos e colegas de Avicii

A morte de Avicii caiu como uma bomba no mundo da música, sobretudo na cena eletrônica global, em que o artista foi um dos principais personagens nesta década. Como não poderia deixar de ser, diversos DJs, produtores, cantores/compositores, amigos e colegas deixaram suas mensagens, que alternam entre choque, tristeza e belas homenagens.

Nomes que produziram ou tocaram junto, curtiram momentos inesquecíveis ou mesmo mal o conheciam mas reconhecem seu legado se manifestaram. Até o deadmau5 abriu uma exceção e deu uma segurada na trollagem. Confira alguns depoimentos:

Não consigo acreditar, vou sentir muito a sua falta. Do seu primeiro show em que tocamos juntos, a todas as memórias incríveis que compartilhamos. Obrigado por mudar o mundo com a sua música incrível e ser uma inspiração. Vou sentir sua falta, irmão, até nos encontrarmos de novo!

Notícia devastadora sobre o Avicii. Uma linda alma, apaixonada e extremamente talentosa, que tinha muito mais a fazer. Meu coração está com toda a sua família. Deus te abençoe, Tim.

Avicii era talentoso e gentil, e eu estava realmente empolgado em ver o que ele iria nos mostrar em breve. O futuro dele certamente deveria ter sido escrito para além dos 28 anos. Estou de coração partido. Descanse em paz, Tim.

Palavras não podem descrever como me sinto agora. Vou sentir sua falta, irmão.

Muito triste a notícia da morte do Avicii. Muito jovem e muito cedo. Meus sentimentos à família, amigos e fãs.

Não consigo descrever em palavras quão triste estou agora. Obrigado por inspirar a mim e a milhões de outros. RIP Avicii.

Algo realmente horrível aconteceu. Perdemos um amigo com um lindo coração, e o mundo perdeu um músico incrivelmente talentoso. Obrigado pelas belas melodias, pelo tempo que dividimos em estúdio, tocando juntos como DJs ou apenas curtindo a vida como amigos. RIP Avicii.

Profundamente chocado e não consigo acreditar que a dance music perdeu um de seus ícones hoje. A música do Avicii mudou as vidas de muita gente. Ele deixará muitas saudades. Minhas sinceras condolências à sua família, aos amigos e aos entes queridos. Que vocês encontrem forças nesses momentos difíceis.

Palavra nenhuma consegue descrever a tristeza que sinto neste momento, ouvindo sobre a morte do Avicii. Sentimentos à sua família e aos seus amigos…

Triste ficar sabendo da morte do Avicii. De um começo humilde, rumou à conquista do mundo. Foi uma influência gigante para abrir o mainstream dos Estados Unidos para a música eletrônica. Para ele, sempre foi sobre a música, e não o circo. Que seu espírito e sua alma encontrem paz. Muito jovem.

Não consigo encontrar palavras, mas o que posso dizer é que todos nós éramos um punhado de jovens garotos da Suécia com sonhos, e o Tim inspirou a nós e a milhões de outros. Descanse em paz, meu irmão. Sua música viverá para sempre.

Estou de coração partido. Eu e o Tim começamos juntos no fórum do Laidback Luke, e parece que foi ontem. Sempre era o cara mais querido na sala. Sempre sorrindo e amando a música. Este é um dia triste para o mundo.

MEU DEUS! Uau… Estou sem palavras. Que você descanse em paz, meu querido Tim.

Não tenho palavras. Eu me lembro de quão incrível foi fazer “Lonely Together”, e parece que foi ontem que estávamos conversando. Meus sentimentos aos amigos, à família e aos fãs que apoiaram o Avicii. Que ele descanse em paz. Partiu muito cedo. Estou devastada. De coração partido.

Minhas mais sinceras e sentidas condolências aos amigos, fãs e familiares do Avicii. :( Brincadeiras à parte, ninguém pode negar o que ele conquistou e fez para a dance music atual, e eu tenho muito orgulho dele.

Eu não teria curtido nada mais do que zoar o Avicii até e bem depois dos nossos 60 anos. Foi tirado de nós muito jovem. Sei que ele está em paz em algum lugar aí em cima dando a última risada porque eu escrevi o nome dele certo desta vez.

Para quem quer que seja o primeiro garoto descolado planejando alguma tirada esperta com o Avicii: apenas pare. Poderia ser qualquer um de nós. Não seja um cuzão. Nós decidimos que tipo de cultura que queremos fazer parte. Talvez uma que seja bacana com pessoas que lutaram para chegar ao dia seguinte seria legal, uma vez na vida.

Não tenho palavras. Descanse em paz, Tim.

Não consigo resumir em palavras o quanto o Avicii revolucionou a dance music, e sem fazer muito esforço. Um compositor incomparável e uma das minhas maiores inspirações será lembrado e deixará saudades por séculos. Nós te amamos, Tim.

Querido Tim, sua família tem minhas mais sinceras condolências. Você era meu pequeno irmão. Com amor, sempre.

Estou em choque. Avicii. Descanse em paz. Às vezes acho que apenas a morte imortaliza a arte.

The remix I did of Levels hasn’t left my set since I made it back in 2011. All though we weren’t “close friends” I feel this deep sadness through the connection we had through this song. Tim was a truly a genius and an innovator, yet sensitive and humble. This industry can be rough and from a far I saw it take a tole on him. I just wish I could have hugged him more and told him it would be okay .You’re music will forever be apart of mine and so many other lives. Maybe that’s the closest thing we have to immortality. I really hope you’re essence , wherever it may be in the universe is now at peace. And if in some miracle you can see this , I hope you know that as long as human beings are alive on this planet , you will forever remain an inspiration. Thank you Tim. RIP

A post shared by SKRILLEX (@skrillex) on

O remix que fiz para “Levels” não saiu do meu set desde que eu o produzi em 2011. Embora não fossemos “amigos próximos”, sinto essa tristeza profunda pela conexão que tínhamos por essa música. Tim foi um verdadeiro gênio e inovador, embora sensível e humilde. Essa indústria pode ser dura, e vendo de longe, custou bastante a ele. Apenas gostaria de ter abraçado mais ele, e ter dito que tudo ficaria bem. A sua música será para sempre uma parte de mim e de tantas outras vidas. Talvez essa é a coisa mais próxima que temos da imortalidade. Espero realmente que sua essência, onde quer que esteja no universo, tenha encontrado paz. E se por um milagre você puder ver essa mensagem, espero que você saiba que enquanto seres humanos estiverem vivos neste planeta, você será para sempre uma inspiração. Obrigado, Tim. RIP.

So Sad……. So Tragic. Good Bye Dear Sweet Tim. 💙 Gone too Soon. #avicii

A post shared by Madonna (@madonna) on

Tão triste….. Tão trágico. Adeus querido e doce Tim. Foi embora muito cedo.

Não posso acreditar nisso. Minha maior inspiração e o motivo que me levou a fazer música eletrônica. Obrigado por toda a alegria que você trouxe ao mundo com sua música. RIP Avicii.

You set the precedent for the rest of us producers/ opened doors and set the trends . A real groundbreaker and influencer to all your peers . You should have lived to be 150.. but your music is gonna live forever . I’m not just saying that.. but you are the only one to always make timeless songs. You were the gold standard . You made me want try and make dance music when i first heard “seek bromance” . And then u kept making feel like shit cause you kept gettin better and i couldn’t even mix a snare right .. you were the best of this generation . A real superstar 🌟 I know you had your demons and maybe this wasn’t the right place for you sometimes , but we need to protect true artists like you at all costs because there are not enough left and we are losing too many .. be good Tim

A post shared by diplo (@diplo) on

Você determinou as bases para o resto de nós produtores. Abriu as portas e ditou as tendências. Um verdadeiro pioneiro e influenciador para todos seus colegas. Deveria ter vivido até os 150 anos… mas sua música vai viver para sempre. Não estou apenas falando por falar, mas você é o único a sempre fazer músicas atemporais. Você é o padrão ouro. Você me encorajou a fazer dance music quando ouvi “Seek Bromance” pela primeira vez. E então você continuou me fazendo me sentir um lixo porque você estava cada vez melhor e eu não conseguia nem mixar um snare direito. Você foi o melhor desta geração. Uma verdadeira estrela. Sei que teve seus demônios e talvez esse não fosse o melhor lugar pra você estar às vezes, mas precisamos proteger artistas como você a qualquer custo, porque não sobraram muitos outros e estamos perdendo muitos deles. Fique bem, Tim.

Estamos chocados e profundamente tristes com a notícia do falecimento do nosso querido amigo Avicii. Nossas mais sinceras orações e condolências vão para à família do Tim neste momento difícil. 

Tim foi um admirável criador, pioneiro, artista e verdadeiro vanguardista para a música contemporânea. Temos muito orgulho em ter podido chamá-lo de membro da Família Ultra durante a sua prolífica, mas infelizmente curta carreira.

Sentiremos sua falta profundamente.

Continue Lendo

Notícia

URGENTE: Avicii morre aos 28 anos

Phouse Staff

Publicado há

Foto: Reprodução
Produtor foi encontrado morto em Omã nesta sexta-feira

É com grande pesar que informamos que o DJ e produtor Tim Bergling, o Avicii, foi encontrado morto nesta sexta-feira (20). Tim tinha 28 anos e estava em Mascate, capital do Omã, no Oriente Médio. As causas ainda não foram reveladas.

Diana Baron, relações públicas do artista, confirmou a notícia em comunicado à imprensa: “É com extremo lamento que anunciamos a perda de Tim Bergling, também conhecido como Avicii. Ele foi encontrado morto em Mascate, Omã, nesta tarde de sexta-feira, 20 de abril, no horário local. A família está devastada e pedimos a todos que por favor respeitem a necessidade de privacidade deles nesse momento difícil. Nenhum novo comunicado será emitido”.

 

Continue Lendo

Notícia

“Key”, de Virtual Self, também ganha seu próprio vídeo; assista!

Phouse Staff

Publicado há

Virtual Self Key
Foto: Reprodução
Agora apenas uma música do EP “Virtual Self” segue sem videoclipe

O projeto paralelo de Porter Robinson vai realmente dando o que falar. Depois de emplacar seu primeiro EP na reta final de 2017, o artista lançou vídeos interessantes, recheados de referências e mensagens cifradas, deu entrevistas marcantes e foi elogiado até pelo Calvin Harris — tudo na esteira do sucesso do Virtual Self.

Terceira faixa do EP autointitulado, “Key” agora também ganhou seu próprio videoclipe, que segue exatamente a mesma pegada de “EON BREAK” e “Particle Arts” — estética de games dos anos 2000, figuras abstratas, luzes, cores frias e um cenário que remete a um mundo digital.

Assim, o universo do Virtual Self vai sendo cada vez mais desvendado — embora seu grande videoclipe até hoje tenha sido o de “Ghost Voices”, lançado em fevereiro, no qual a animação atingiu um novo patamar e mostrou pela primeira vez, para além das redes sociais, os personagens Pathselector e technic-Angel.

Com cinco faixas lançadas em único EP até agora, resta apenas “a.i.ngel (Become God)” ganhar seu próprio vídeo. Será que vem algo grande por aí?

LEIA TAMBÉM:

Porter Robinson lança primeiro EP de seu projeto paralelo, Virtual Self

Em e-mail vazado, Porter Robinson traz visão crítica sobre a cena eletrônica

Virtual Self foi um dos destaques da edição de 20 anos do Ultra

Continue Lendo
Alphabeat – Demos
BRMC – 300×600
Clube de Turismo – Start

PLAYLIST

Trending

-->

Copyright © 2018 Phouse

CADASTRE-SE E RECEBA NOVIDADES

Carregando

Lazy Bear Phouse Tracks