Connect with us
Banner Sundance Leaderborder

Análise

Orgânica e ecumênica: uma história oral da Gop Tun

Chico Cornejo

Publicado em

12/04/2018 - 19:11
Gop Tun
Foto: Felipe Gabriel/Divulgação
Eclética e ousada, a festa se tornou uma das marcas mais destacadas da cena conceitual em SP

Parece um ato de puro solipsismo imaginar que algo tão particular quanto gosto musical possa se tornar o germe de um projeto tão comunal como uma festa. Afinal, desde tempos imemoriais essa euforia coletiva, seja ela ritual ou trivial, extática ou anímica, existe através da comunicação, manutenção e celebração de elementos compartilhados por toda a comunidade, e não apenas um indivíduo ou um grupo deles. Contudo, se prestarmos atenção às origens e notarmos a força atual da Gop Tun, se torna claro que seus integrantes conseguiram atingir um ponto crucial no qual o melhor desses dois mundos parece se encontrar.

Reza a lenda que tudo se iniciou naqueles recônditos da internet em que aficionados por música costumavam compartilhar feitos e achados com seus pares, o interior de redes como o Soulseek. Um bazar turco de raridades fonográficas que conseguiram chegar ao mundo virtual e ali eram circuladas, descobertas, discutidas e avaliadas entre aqueles que mais prezam seu valor. Em meio a esses ávidos garimpeiros musicais estavam os membros do coletivo, e foi nos ambientes de cultivo desse conhecimento que suas afinidades comuns vieram a uni-los para que, posteriormente, formassem um projeto com uma missão bem definida de disseminar essa riqueza.

Foto: Felipe Gabriel/Divulgação

Ela surgiu naquele contexto de renovação da cena paulistana, na qual diversos núcleos lideraram o êxodo dos clubs em direção a paisagens sonoras mais ricas, cenários mais diversos e pistas mais inclusivas. Mas, mesmo em meio a iniciativas aparentadas, ela conseguiu alcançar uma poderosa sinergia que uniu escolhas artísticas ousadas (estética e financeiramente), aquele ímpeto de exploração urbana que então se cristalizava no interior dessa cena e uma inquebrantável confiança enraizada num público que foi cultivado cuidadosa e carinhosamente no decorrer de seu trajeto. Estes pontos podem parecer banais ou naturais expostos de modo tão simples, mas a alquimia exigida para harmonizá-los e depois galvanizá-los em torno de algo muito maior que uma simples marca foi fruto de um desenvolvimento orgânico que culminou em algo sui generis naquela conjuntura.

Esse processo não foi linear e encontrou obstáculos. Havia certa resistência dos convidados em abraçar o impulso exploratório cidade adentro que procurava levá-los às franjas de uma metrópole gigante — até chegarem ao ABC ou mesmo ao Jaguaré —, e que propunha trocar o conforto próximo das áreas centrais por partes pitorescas da cidade, bem como os percalços que acompanham esse tipo de aventura numa cidade extremamente burocratizada e segregada como São Paulo. Além disso, por vezes houve momentos nos quais o aumento de popularidade cobrou seu tributo, convertendo intimidade em magnitude e criando dilemas inéditos que exigiram soluções inovadoras.

Foto: Felipe Gabriel/Divulgação

O crescimento, mesmo que compassado, exige ajustes e eles foram feitos durante o percurso. Se observamos a vibração do gigante aniversário de cinco anos em 2017, no qual Black Madonna e Anthony Parasole conduziram cada ambiente do evento a universos totalmente diferentes e igualmente dançantes, ela difere radicalmente daquela que conduziu cada uma das celebrações de aniversário que até então tinham sido realizadas com um ecletismo similar, com Mano Le Tough ao lado de Jacques Renault, Four Tet ao lado de Floating Points, Lauer ao lado de Tim Sweeney, por exemplo. Ainda assim, nada se comparava em dimensões e impacto como a parceria que estabeleceram com o selo holandês Dekmantel.

A trajetória de ambos se assemelhava em diversos aspectos, principalmente no desenvolvimento progressivo escorado na confiança e estima entre seu público cativo. Essa afinidade se materializou em um showcase inicial que prenunciou aquilo que, um ano depois, viria a ser considerado um dos festivais mais emblemáticos da década na América do Sul.

Foto: Felipe Gabriel/Divulgação

O quesito curatorial era o ponto de maior afinidade e se manifestou em escolhas que desafiaram e agradaram o público na mesma medida, recompensando a curiosidade ao mesmo tempo em que superaram as inevitáveis expectativas. Ademais, não é casual que o palco do festival que leva seu nome seja aquele que mais prima pelo ecletismo e enfatize uma musicalidade mais orgânica, colocando cada um dos membros como anfitriões de ídolos seus, como Marcos Valle, Azymuth e Os Mulheres Negras ao lado de nomes como Carrot Green, Barbara Boeing, San Proper, Palms Trax, John Gomez e tantos outros aventureiros sonoros como eles.

A primeira edição estabeleceu um patamar assustadoramente elevado de aclamação entre uma faixa ampla do público não apenas local, como também nacional e até internacional. Não obstante, a segunda conseguiu provocar uma reação igualmente uníssona de apreço enquanto ampliou consideravelmente seu alcance. Um feito nada modesto, já que este salto qualitativo e quantitativo põe à prova qualquer tipo de conceito e identidade, seja de um núcleo de eventos ou um restaurante.

Foto: Felipe Gabriel/Divulgação

Entretanto, a expansão também abrigou pontos de inflexão, nos quais algumas festas foram feitas prescindindo de headliners internacionais, tendo “apenas” os Goppers como atração e com capacidade reduzida. Tudo para que aquela energia inicial, a faísca que aparece num ambiente mais intimista, não se dissipasse e o fervor da pista — seja na energia despendida ou na fé depositada — que ela alimenta permanecesse intacto.

Esses esforços foram reconhecidos, principalmente entre os seguidores de longa data que, afinal de contas, são os protagonistas nessa narrativa desde o início ao lado da música. Também houve um projeto paralelo, chamado Tentáculo, inicialmente pensado como um laboratório de ideias a serem testadas para depois serem aplicadas e replicadas nos eventos principais, mas que acabou se tornando mais bem-sucedido que o esperado e atualmente encontra-se em repouso.

Foto: Felipe Gabriel/Divulgação

Outro elemento fundamental que é parte intrínseca do que a Gop se tornou em sua evolução é a simbiose que desenvolveram com a talentosa dupla da Sala 28. Os ambientes que criam a cada oportunidade são espetaculares, um mundo de luzes e cores, de envolventes estímulos sensoriais extrassônicos e geniais soluções cenográficas que acompanham cada direção musical tomada, tornando as jornadas noite adentro numa experiência sinestésica quase cinematográfica — fruto de uma relação de cumplicidade que tornou seu trabalho parte integral da experiência de cada evento, desde as Gopinhas até o Dekmantel, assim como a turnê nacional recém-completada pela trupe.

E aqui conseguimos vislumbrar com mais clareza um percurso de tantas anedotas quanto conquistas, no decorrer do qual nem tudo foram flores, muitas lições foram aprendidas e riscos foram corridos, mas que complementam perfeitamente a trajetória rica em momentos que entraram para o cânone da noite paulistana. E são esses elementos que eles agora colocam na estrada no intuito de levar pelo Brasil afora um pouco do que faz dos eventos da Gop algo tão querido em sua cidade natal. Afinal, os cinco anos que marcam até aqui revelam o fato de que cada escolha estética, da música à cenografia, das amenidades ao serviço, foi marcada pelo que compartilham desde o início como disseminadores e, sobretudo, consumidores do que amam.

Chico Cornejo é colaborador eventual da Phouse.

CONFIRA TAMBÉM:

Um papo com os caras da Gop Tun, que estão trazendo o Dekmantel a São Paulo

Como foi o primeiro Dekmantel em São Paulo

Dekmantel São Paulo apresenta seu lineup mais pisteiro para 2018

Método na loucura e olhos no horizonte: conheça o trabalho da LAUD

Tecnoxamanismo no tecido urbano: Tantša e a força de um ritual comunal

RECEBA NOVIDADES NO E-MAIL

Deixe um comentário

Notícia

deadmau5 lança 2º volume da coletânea “mau5ville” e novo vídeo bizarro

Compilação da mau5trap ganha novo volume com nove faixas inéditas

Phouse Staff

Publicado há

mau5ville 2
Foto: Reprodução

O deadmau5 anda numa espécie de “rehab” pra tratar da sua saúde mental, o que o tem mantido distante das redes sociais, mas não de suas gigs e, pelo visto, nem de seus lançamentos. Quatro meses depois de trazer o primeiro volume (ou “Level 1”) de sua nova coletânea, mau5ville, o ratão apresentou nesta sexta-feira, 16, a continuação da parada, com o “Level 2”.

Além da compilação, que traz mais uma vez collabs inéditas, remixes e faixas solo dele e de alguns nomes do roster da mau5trap, o artista também já aproveitou pra soltar o vídeo da primeira faixa, “Drama Free”, com a cantora e compositora Lights. O vídeo é uma espécie de continuação da loucurada em computação gráfica que vimos em “Monophobia”, faixa com o Rob Swire que, por sinal, abria justamente a mau5ville: Level 1

 
 

+ CLIQUE AQUI para ler mais notícias sobre o deadmau5

Continue Lendo

Brand Channel

Deep, acid e tech house folclórico; confira os 3 novos sons da Alphabeat

Kiko Franco e Woak com gringos, collab entre namorados e Dudu Linhares e ChampZ são a bola da vez na gravadora

Alphabeat Records

Publicado há

Alphabeat
O casal Camila Yoshida e Lipe Forbes no estúdio. Foto: Divulgação

Mais uma sexta-feira, mais uma vez que a Alphabeat vem com três lançamentos de uma vez — e os três bem diferentes entre si.

“Swim” é o resultado da parceria de Kiko Franco e WOAK com o inglês Sylvain Armand e a voz do australiano Nick Kingswell (Austrália), que deu origem a esse deep house harmônico e irado, com elementos e personalidade de cada artista envolvido.

 

Subimos o BPM com “Dance the Dance”, uma collab entre Lipe Forbes e sua namorada, Camila Yoshida. Trata-se de uma música romântica, mas agitada e enérgica, com pitadas de acid e electro house, grooves disco e vocais do casal modulados com vocoder, à lá Daft Punk.

 

Por fim, “La Grega” é mais um trabalho autoral de Dudu Linhares em parceria com ChampZ — olha ele aqui de novo! —, depois de um bom tempo de desenvolvimento em estúdio. A música mescla batidas de tech house com melodia e samples de música folclórica do leste europeu, além de alguns timbres de house music clássica.

  

+ CLIQUE AQUI para conferir mais conteúdo da Alphabeat Records

Continue Lendo

Phouse Tracks

RAAF – Infinity (Original Mix)

Phouse Staff

Publicado há

RAFF

O lançamento de hoje da Phouse Tracks é “Infinity”, uma bass house pegada do DJ e produtor RAAF.

A música está agora disponível para free download no Artist Union, no nosso SoundCloud e no Spotify.

RAAF é mais um projeto de Rafael Pereira Pires, o RaFelps, jovem carioca de apenas 17 anos responsável por alguns dos principais lançamentos da Phouse Tracks. O garoto — que, por sinal, lançou conosco na semana passada — possui esse outro projeto paralelo, voltado a frequências mais graves.

Como RAAF, tinha lançado apenas bootlegs para faixas como “Tem Café”, do Gaab com o MC Hariel, e “Make It Bun Dem”, do Skrillex.

Siga e ouça também a playlist com todos os nossos lançamentos:

+ CLIQUE AQUI para conferir mais lançamentos da Phouse Tracks

Continue Lendo

Publicidade

Injeção Eletrônica 300×250
Brazillian Bass 300×250
Sundance (300×250)

Facebook

PLAYLIST

Trending

-->

Copyright © 2018 Phouse

Translate »
Injeção Pop Up