ref="">
Connect with us
Sevenn – Its Always You
Green Valley – Só Track Boa Leaderborder
Festa Acapulco – Leadborder

Review

Em long set de 7 horas no Warung, Guy J encontrou sua melhor versão como DJ

Jonas Fachi

Publicado há

Guy J Warung
Na segunda noite de 2018 do clube de Itajaí, o produtor israelense dá indícios de estar cada vez mais perto de se tornar uma lenda do house progressivo
* Fotos por Gustavo Remor e Ebraim Martini

A data ainda era 04 de janeiro de 2018, porém já se tratava da segunda noite do ano no Templo sul-americano da música eletrônica. Durante a temporada de verão, o Warung sempre acelera a quantidade de eventos a partir do Natal, abrindo os portões a cada dois dias nos últimos e primeiros do ano e semanalmente até o Carnaval. Tantos eventos em um club considerado de porte grande têm um motivo: atender a uma demanda enorme de turistas vindo passar férias no maravilhoso e atrativo litoral do Estado. Ir ao Templo já faz parte do roteiro dos viajantes, é um cartão postal e uma experiência que se leva para a vida — até mesmo para aqueles que não estão em busca de música conceitual do mais alto nível.

Guy J foi anunciado como atração máxima após duas apresentações em 2017 muito comentadas. Agora, porém, ele subiria outro degrau ao receber a pista principal desde a meia-noite. Chegando ao club às 22h30, a primeira impressão foi de que estava eu mesmo abrindo a casa. Subi ao Inside para assistir a Conti e Mandi, e me deparei com um solitário clubber tendo a sorte de ter a pista só para si. Juntei-me a ele e aos poucos o ambiente foi ganhando vida — ainda assim, menos do que deveria.

É normal, devido à quantidade de eventos — ainda era em uma quinta-feira — ter algumas noites do calendário da temporada não estando tão cheias. Para o público é excelente, pois se trata de mais espaço para dançar e menos calor. A dupla da casa tem uma sintonia fina tocando; fazem o B2B tradicional — uma faixa para cada e fone pro lado, sem enfeitar muito. A linha sonora conjunta também ganhou uma identidade mais firme nos últimos dois anos, então o público já sabe o que esperar. Dificilmente você ouvirá coisas óbvias e raramente terá alguma faixa destoando da ideia musical; house, deep tech, momentos mais dançantes, outros com alguma profundidade.

Quando percebi, já eram 23h30 e ainda não se tinha 300 pessoas na pista. Por um momento me veio à mente a já famosa meia pista com Sven Väth em pleno aniversário de dez anos do club (um dia ainda farei um artigo somente sobre este fato — foi marcante). Nessa última meia hora, a pista chegou à metade, e conforme prometido, Guy J iniciou seu set pontualmente à meia-noite. As primeiras impressões foram uma mistura de “ele está fazendo um excelente warmup dentro do seu estilo” com “o sound system não esta 100%” — felicidade sendo cortada por saber que poderia estar mais alto.

É fato: quando um artista usa controlador, como é o caso do israelense, ou se apresenta em live act, o sistema de som tem uma leve queda que precisa ser compensada. Entretanto, não era nada que comprometesse sua apresentação, somente um detalhe que é sempre válido mencionar. Na primeira hora, o destaque fica por “The Strange Silence Open”, de John Talabot; uma faixa em que Guy J demonstra o quão distante se pode ir para achar elementos que lhe pertencem.

Após muitos comentários positivos, somado a meu particular interesse em conhecer o duo Bedouin, deixei a pista em direção ao Garden para assisti-los por algum tempo. Da 01h às 01h45, confirmei as expectativas com a identidade marcante que propõem. Estavam tranquilos e tocando da mesma maneira: deixavam cada faixa correr o máximo de tempo possível, em um ritmo bem cadenciado, inteligente, estratégico.

Porém, minha essência sonora me chamava para cima novamente, e quando voltei, senti como se os meus pulmões se preenchessem de ar novamente. Agora tinha vindo para a pista principal para não mais deixá-la até o último instante. Ah, e a sensação do público baixo também estava resolvida: o Inside estava com pessoas ocupando todo o seu ambiente. Guy J mostrava alguma evolução em sua estrutura sonora, ainda que estivesse segurando sua música na ponta dos dedos. O feeling comum a todos era de que ele estava novamente mostrando o quão grande DJ tem que se tornado. Por isso, não se esperava por músicas conhecidas, e sim por seu set. Ao mesmo tempo, ele também deixou claro que confiava plenamente no público que estava ali verdadeiramente para lhe assistir.

Essa relação é importante, pois tocar pelas três primeiras horas sem grandes momentos de explosão, apenas empurrando excelência musical e principalmente ambientando todos para uma sequência avassaladora, é algo com o qual o DJ precisa se sentir tranquilo para fazer, sabendo que a pista a sua frente é madura o suficiente para isso e espera que a noite transcorra exatamente assim. Com todos imersos por suas camadas de linhas de baixo, elementos viajantes e ritmos dançantes, ele começou a mostrar músicas que fazem a memória recordar.

“Airborne”, um de seus clássicos recentes, veio após quase dez minutos de algo super obscuro e compactado, servindo como uma válvula de escape após uma tempestade sonora. Definitivamente, o primeiro grande momento da noite. Foi o único gostinho de suas produções mais conhecidas, pois no restante do set ele não mais iria recorrer para sua discografia — o que achei excelente, afinal, havia apresentado todas as suas mais famosas nos últimos dois anos por aqui. Entretanto, muitas obras suas ainda não lançadas, desconhecidas e famosas como “IDs”, estavam invariavelmente fazendo parte de tudo. Desse horário em diante se podia sentir o ritmo tomando velocidade cada vez mais alta.

Outro ponto de destaque nesse set é que ele parece ter encontrado o “time” ideal para a utilização de efeitos — tendo o seu efeito favorito, que quando aplicado em breaks e mixagens, ajuda a potencializar a sensação já estonteante dos elementos que costuma trabalhar. É como se por aqueles segundos de aplicação, pudesse acelerar o BPM da música juntamente com a energia dos presentes.

Até às 04 horas, jogou toda profundidade possível de músicas. Então, a sua já tradicional baixa de ritmo por meia hora entra em cena. Aqui também mostrou maior controle do que em sua última apresentação, fazendo essa quebra sem perder a pista, de forma sutil e natural. Após esse descanso para as pernas, a parte mais intensa e explosiva da noite começa a dar as caras. Ritmos altos, menos profundidade, quase nada de melodia, apenas alguns aspectos obscuros flertando com techno, e mais uma vez, pegando alguma referência de John Digweed.

Durante essa, digamos, “segunda fase” do set após um break às 04h, Guy J obteve uma pista completamente entregue a cada nova mixagem. Em meio a isso tudo, ouço uma linha de baixo que é reconhecível desde o primeiro instante: sensação de surpresa e ao mesmo tempo contemplação. “Hale Bopp”, composta por Der Dritte Raum (que promete vir a o Brasil neste ano) completa em 2018 20 anos de lançamento. J não perdeu a oportunidade de ser o primeiro de provavelmente muitos que irão jogá-la no Templo no decorrer do ano. Nesse momento, todos estavam balançando e tentando transmitir de volta a ele toda energia da homenagem. É uma música que sempre vai cair bem, e você sabe quando se trata de um verdadeiro clássico quando DJs distintos conseguem encaixá-la em seus sets — desde Ben Klock e Hernan Cattaneo (ambos no Warung) até Sasha (podcast LNOE 33).

No entanto, talvez a música que mais simbolize essa parte da noite seja “Pistolwhip”, de Joshua Ryan, um trance marcante de 2003, que já recebeu remixes de nomes do calibre de Way Out West e James Holden. Porém, a versão apresentada pelo israelense era bem mais feroz que a dos citados. Eu apostaria as fichas em um rework dele mesmo, afinal, não é a primeira vez que resgata faixas do trance para seu mundo, a exemplo de “Shaiva”, de Chab e DJ Nukem — um de seus melhores remixes, nunca lançado.

Abrindo o amanhecer, após um momento viajante, surge um dos vocais mais famosos da história da dance music. Era outra homenagem, desta vez marcando dez anos de lançamento de “Alright”, de Red Carpet, em um excelente remix progressivo de Kamilo Sanclemente e Golan Zocher, não oficial. “It’s gonna be alright, oh yeah, come baby, the sun is gonna  keep on shining, on brighter days, on the horizon.” A letra fala por si só: não poderia entrar em momento melhor. Nem mesmo o pequeno comandante da cidade branca de Tel Aviv se conteve e abriu um sorriso diante da paisagem a sua frente. Para continuar na mesma sensação ainda sem baixar a guarda e o ritmo incontrolável, uma faixa com um toque mais celestial através de “Equilibrium feat. Liu”, de Martin Eyerer & Ackermann com remix de Paul Ursin.

Entrando na última meia hora, toques emotivos para deixar a mensagem final já eram aguardados. Ele estendeu até onde poderia a velocidade, porém, como manda a cartilha, cadenciou tudo novamente para fazer o fechamento de um set que beirava a perfeição. Os últimos minutos foram como se tivéssemos viajado por todo universo em um instante, mantidos por uma leve brisa sonora carregando sentimentos por todos os lados. Ou, como ele mesmo postou dias mais tarde, a “eletricidade no ar”, junto de uma imagem do Warung com palavras de agradecimento. Parecia realmente que após a música parar, as ondas ainda estavam atravessando nosso peito e entorpecendo nossas mentes.

Guy J já havia se estabelecido há alguns anos como um dos maiores produtores de house progressivo de todos dos tempos. Porém, agora, o israelense parece querer ir mais longe. Definitivamente, a cada nova apresentação demonstra que está chegando, quase abrindo a porta por onde até hoje só passaram nomes como Sasha, John Digweed, Hernan Cattaneo, Danny Howells, entre outras lendas. Muitos já chegaram perto, mas atravessar não é fácil, demanda muitos anos de experiência e um elevado nível de sensibilidade. Anos que ele tem cruzado com extrema destreza, através de exibições de controle de pista fenomenais.

Parece que sim, ele tem poder suficiente para um dia receber um titulo de “Mestre”, e enfim se colocar também entre os maiores DJs do estilo que a cena já produziu. Alguém duvida disso? Sua graduação recebida através de long sets com o maestro argentino tem lhe concedido um entendimento amplo de como se deve construir um set. Assumir a pista do Templo desde a meia-noite foi um de seus maiores testes. Pode-se dizer que saiu de lá com uma mão na fechadura.

* Jonas Fachi é colunista na Phouse; leia mais de seus textos.

CONFIRA TAMBÉM:

Magia e evolução; confira como foi o aguardado long set de Guy J no Warung

Por que Guy J pode ajudar a escrever uma nova página na cena gaúcha

Saiba tudo sobre o Caos, novo clube do underground de Campinas, que estreia com Carl Craig

Hernan Cattaneo faz história com o primeiro “All Night Long” do Warung

Nos passos de Boratto? Remix de Cattaneo indica que BLANCAh pode explodir globalmente

Deixe um comentário

Notícia

DJ Marky leva sua festa Influences para novo espaço cultural em SP

Flávio Lerner

Publicado há

Tokyo
Foto: Reprodução
Inaugurado em maio, o Tokyo ocupa um prédio de nove andares com diversas atividades

Nesta sexta-feira, 18, o lendário DJ Marky estreia um novo ambiente para sua já tradicional Influences, noite em que usa toda sua técnica nos decks para passear pelas músicas que moldaram seu caráter musical — da música brasileira, passando pela disco, soul, funk e jazz à house music e ao drum’n’bass, sobretudo em discos antigos e raros, que o DJ vem colecionando em países como Japão, Portugal, Austrália e Inglaterra.

No ano passado, quando o entrevistei, o Marky falou sobre o conceito da Influences: “É uma festa em que toco todos os estilos que foram essenciais na minha carreira. É mais do que uma noite, é uma aula. As pessoas têm que ir com a cabeça aberta. E direto recebo vários DJs, justamente porque é uma noite diferente, que falta no circuito, já que a maioria das noites é só o mesmo estilo de música”.

Em 2014, o DJ Marky mandou um set de influências no Boiler Room

A festa, que nasceu no Vegas e depois mudou para o Pan-Am, será hoje no Tokyo, espaço cultural e gastronômico inaugurado neste mês no centro da capital. Longe do conceito tradicional de casa noturna, o Tokyo ocupa um prédio inteiro de nove andares na Rua Major Sartório; os andares reúnem karokê, bar, restaurante, instalações e oficinais de economia criativa durante o dia. Na cobertura, uma pista de dança com vista para o Copan e o Edifício Itália — e é nela que Marky comandará a noite, a partir das 23h.

A ideia da Influences, que teve sua última edição realizada em março de 2017, é voltar a fixar uma periodicidade a cada um mês e meio, quando o artista está no Brasil. Apesar de as possibilidades serem boas, o Tokyo ainda não está confirmada como nova casa oficial da festa. Você pode conferir mais detalhes da noite de hoje na página do evento.

Vídeo promocional revela mais detalhes do funcionamento do Tokyo

Flávio Lerner é editor da Phouse.

LEIA TAMBÉM:

Exclusivo: DJ Marky fala sobre novos lançamentos e o que falta à cena brasileira

DJ Marky solta remix cheio de groove para grupo inglês

O que significa ser um DJ? Alguns dos principais nomes do país respondem

No Forte do Brum, o Boiler Room de Recife celebrou a música brasileira e fez história

30 músicas para 30 anos: DJ Mau Mau celebra 3 décadas de carreira com playlist exclusiva

Continue Lendo

Notícia

Parceria entre Boiler Room e Ballantine’s retorna ao Brasil em novo projeto

Flávio Lerner

Publicado há

Boiler Room São Paulo
Foto: Reprodução
Série “Hybrid Sounds” mescla artistas eletrônicos com nomes orgânicos 

Juntos há cinco anos, Boiler Room e a marca de uísque Ballantine’s já montaram projetos ousados e incríveis no cenário musical. A partir de 2016, a união foi ainda mais longe com o lançamento da série Stay True, que visitava diversos países com lineups cuidadosamente curados para celebrar a cultura de cada nacionalidade. Naquele ano, tivemos nada menos que o Boiler Room Stay True Brazil — o lendário Boiler Room de Recife, que fez história em nosso país. Em 2017, a parceria voltou rebatizada como True Music, trazendo nomes como Seth Troxler e Little Louie Vega a Salvador, junto a expoentes brazucas como Fatnotronic e Renato Ratier, e agora, em 2018, a Stay True traz seu novo projeto, Hybrid Sounds, para São Paulo.

A proposta da Hybrid Sounds é trazer lives inéditos e inesperados, colocando no mesmo palco artistas de música eletrônica com projetos acústicos, que provavelmente nunca se encontrariam em outra oportunidade. Em SP, isso será visto através do conceituado grupo do underground paulistano Teto Preto, que tocará em conjunto com a produtora berlinense rRoxymore. Expoente da Chicago house, Derrick Carter é o headliner do evento, enquanto a MC Linn da Quebrada e o cantor e compositor Tom Zé — um dos grandes nomes da música brasileira — completam o lineup.

+ RELEMBRE: No Forte do Brum, o Boiler Room de Recife celebrou a música brasileira e fez história

Em local ainda mantido em segredo, o Boiler Room True Music: Hybrids Sounds São Paulo rola no dia 23 de maio, uma quarta-feira, e terá transmissão ao vivo pela plataforma, como de praxe. O evento sucede as edições que rolaram em Moscou e em Beirut, no Líbano, e antecede a edição de Valência, na Espanha, que encerra o projeto. Ao final, um EP da série Hybrid Sounds será lançado, com faixas inéditas dos artistas que colaboraram em cada região (Teto Preto X rRoxymore em SP; Overmono X Solo Operator em Moscou; Dollkraut X Zeid & Maii em Beirut; e KiNK com um artista ainda não revelado, em Valência).

Para quem quer participar da festa, é necessário se inscrever no site e torcer para ganhar o convite por e-mail.

Flávio Lerner é editor da Phouse.

LEIA TAMBÉM:

Assista ao histórico Boiler Room de Recife na íntegra

“Que porra é essa de new beach?”; o Fatnotronic segue mostrando consistência em seu novo EP

Capitaneado por Seth Troxler, o Boiler Room volta ao Nordeste brazuca

Monique Dardenne: abrindo portas pras mulheres na música, sem mimimi

Continue Lendo

Análise

O indie dance original respira com a volta do Friendly Fires

Flávio Lerner

Publicado há

Friendly Fires
Foto: Reprodução
Depois de mais de seis anos sem lançamentos, o trio britânico que marcou os anos 2000 está de volta

Fundado em 2006, o trio britânico de dance-rock/indie danceFriendly Fires foi importantíssimo para uma guinada mais eletrônica e dançante à cena indie da década passada, que encontrava-se em sua era de ouro com a ascensão de bandas como The Killers, Franz Ferdinand, The Strokes e Bloc Party. Seu surgimento — somado à ascensão de grupos como Klaxons, Chromeo, Cut CopyMetronomy e o brasileiro Cansei de Ser Sexy — fez com que aquele cenário mais centrado nas guitarras passasse a ter um foco maior nos sintetizadores e nas batidas. O LCD Soundsystem não estava mais sozinho.

Comandando pelo carismático e rebolativo Ed Macfarlane — com suas dancinhas impagáveis ao vivo e nos videoclipes —, o Friendly Fires explodiu mesmo em 2008, com o primeiro e homônimo álbum, e desde então acumulou milhões de fãs no mundo inteiro. Nunca fizeram exatamente música eletrônica de pista, mas bebiam claramente de fontes como a house e o synth pop de grupos como New Order e Depeche Mode. E não só isso: a batida e a vibe ensolarada das músicas trazia muito da música brasileira. Singles como “Jump in the Pool” e “Kiss of Life” surgiram com fortes elementos de percussão de samba — e em 2008 e 2009, o grupo chegou a realizar apresentações em conjunto com uma escola de samba.

Em 2011, às vésperas do lançamento do segundo álbum, Pala, que se afastava ainda mais do indie rock, foram capa da conceituada revista inglesa NME, e tiveram a ousadia de dizer que preferiam escutar Justin Timberlake do que Morrissey — antigo líder do grupo The Smiths, que dominou a cena indie nos anos 80. Pra roqueiros britânicos que levam esse tipo de comparação muito a sério [o que, arrisco dizer, seja boa parte do público da revista], uma declaração do tipo soava como heresia.

O trio seguiu sua vida muito bem, obrigado. Pala também fez sucesso, e o FF seguiu apresentando-se em shows lotados no mundo inteiro nos próximos anos. Mas pararam de fazer música. Em 2014, deram um tempo de vez, e só foram voltar agora, quatro anos depois, com shows de retorno na Inglaterra realizados nas últimas semanas. E claro, novo single — o primeiro em mais de seis anos.

“Love Like Waves” foi lançada no último dia 05, e segue a linha do Friendly Fires que já estamos acostumados, sem grandes alterações na estrutura sonora. É uma canção boa e agradável, que resgata o saudosismo dos fãs e empolga pelas novas possibilidades, mas também não chega a ser dos melhores sons já feitos pelo trio.

Novos singles devem surgir nas próximas semanas, culminando, em breve, com o aguardadíssimo terceiro álbum. Se mantiver a qualidade dos LPs do passado, tem tudo para ser um dos grandes lançamentos de 2018.

Bóra relembrar outros grandes singles do grupo:

* Nota do Autor: Indie dance/nu disco, assim como progressive house e deep house, foi mais um dos estilos que caiu naquela salada de tags do Beatport, na década passada, e acabou passando a ser usado para se referir a uma sonoridade completamente diferente. Aqui, evidentemente, falo sobre o indie dance original, que vai de bandas como o Cut Copy a produtores como o Tensnake.

Continue Lendo

Publicidade

Acapulco 300×250
Green Valley So track Boa – 300×250
Scorsi – Autograf 300×250

Facebook

PLAYLIST

Trending

-->

Copyright © 2018 Phouse