Connect with us
XXX Leaderborder
Federal Leaderborder
Banner Sundance Leaderborder

Notícia

Calvin Harris, Afrojack, Hardwell… Confira 10 super lançamentos da sexta

Diversos big names trouxeram novidades no “dia universal dos lançamentos”

Phouse Staff

Publicado em

20/08/2018 - 15:06
Lançamentos
Foto: Reprodução

Na sexta-feira, dia universal de lançamentos de música, falamos das novas de FTampa, ILLUSIONIZE, Kiko Franco com Negra Li e o remix do Bhaskar pra Silva e Anitta. Além delas, obviamente ainda teve muita novidade interessante — e como de praxe, trazemos agora mais dez sons de destaque que nasceram nesse 17 de agosto:

O lançamento mais impactante fica por conta de Calvin Harris, que desta vez se uniu a Sam Smith (conhecido no universo eletrônico pela sua parceria com o Disclosure) para o seu novo single “Promises”. Também numa vibe anos 90, como nos seus singles anteriores de Harris, a música foi escrita pela dupla, em conjunto com Jessie Reyez.

Outro big name com música nova na sexta foi o marshmello. Com o grupo britânico Bastille, o astro lançou “Happier”, que apesar de trazer uma melodia alegre, fala sobre uma história de amor que não deu certo.

Afrojack também lançou seu novo single, “Bassride”, que como o nome mesmo já diz, é puro bass. Lançado pela Armada Music, o single tem cara de hit.

Achou que as releituras eletrônicas pra “Bella Ciao” tinham acabado? Achou errado, otário! Antecipando a terceira temporada de La Casa de PapelHardwell e Maddix fizeram seu próprio cover para a clássica canção italiana que ganhou fama graças à série.

Depois de dois EPs de remixes e mais um do Don Diablo, ainda sobrou espaço para mais um remix para “Ocean”, de Martin Garrix — e quem resolveu entrar na brincadeira foi ninguém menos que o David Guetta. “Ocean” deve estar entre as recordistas em remixes oficiais neste ano: são 14 até agora…

Falando em Garrix, sua STMPD RCRDS promoveu o lançamento de “Saga”, novo som do Matisse & Sadko. O single é emocionante e cinematográfico, daqueles bem com cara de festival.

Quem também reaparece por aqui é o brasileiro Leo Lauretti, que pintou com uma novo prog trance com o duo italiano Quizzow. “Nakuru” marca a estreia do brasileiro pela Kenzo Recordings, sublabel da Armada Music. A faixa foi batizada a partir da cidade do Quênia de onde vieram as vozes sampleadas na track.

Tem lançamento novo da Spinnin’ Records também por aqui. A bola da vez é “Turning Corners”, um future house bem bacana do duo americano Disco Fries.

Muito perto de lançar seu “Woman Worldwide”, o Justice apareceu com mais um single do disco. Carregada em timbres ácidos e percussões mais fortes, a nova versão de “Chorus” é um exemplo perfeito do que a dupla pode fazer de mais pesado e poderoso, mas ainda assim bem dançante.

E pra fechar, o Beowülf teve lançado seu remix da música “Talk To Me”, do GoldFish. O single é o segundo trabalho dele lançado via Armada Music, e faz parte de um EP que traz a versão original e mais um remix do duo holandês Mr. Belt & Wezol.

+ CLIQUE AQUI para relembrar os lançamentos da semana anterior

RECEBA NOVIDADES NO E-MAIL

Deixe um comentário

Notícia

Rivas e Future Class lançam collab inspirada em clássico da dance music

Amigos de longa data, os dois projetos samplearam um dos maiores hits da história da música eletrônica

Phouse Staff

Publicado há

Rivas e Future Class
Foto: Divulgação

“This is the Rhythm of the Night! The Night! Oh Yeah!” Praticamente impossível você ter passado sua vida sem entoar essa clássica estrofe — ainda mais sendo um fã de dance music. 

Agora, na onda de pegar as pérolas antigas e adaptá-las para o contexto atual, os projetos Rivas e Future Class resolveram homenagear o hino de 1993 da Corona numa pegada brazilian bass. Confira:


Em contato com a Phouse, o Rivas, que vem se destacando no cenário desde 2015, nos contou que tem uma amizade bem antiga com os rapazes do Future Class — desde antes do nascimento da dupla. “Foi uma collab que demorou pra sair, mas que saiu de uma forma muito mais foda do que o esperado, e os resultados tão aí pra dizer”, comentou.

Segundo o paulistano, a faixa traz melodias inspiradas no electro house e uma bassline forte, “presente numa estrutura simples e fácil de entender”. A cereja do bolo fica por conta do sample tirado do hit da Corona, de quem os três quiseram prestar essa homenagem “pelo fato de ela ser brasileira, e a música em si ser um hino nas pistas, independentemente da época”.

LEIA TAMBÉM:

Ouça a playlist do Future Class para a Phouse

RADIØMATIK se junta a Future Class em “Nothing Change”

Rivas lança collab com Presskit e assina a playlist “Deep/Low”

PHOUSE TRACKS: RIVASᴮᴿ – Get Down

Continue Lendo

Entrevista

Sócia do Caos, Eli Iwasa fala sobre curadoria, cena e sonho realizado

Celebrando a diversidade, casa recebe Modeselektor, Zegon e Mau Mau neste final de semana

Rodrigo Airaf

Publicado há

Caos Club
Eli Iwasa. Foto: Divulgação
* Edição e revisão: Flávio Lerner

É em um galpão industrial completamente reformado em Campinas que acontece uma vastidão de apresentações antes pouquíssimo prováveis de rolar na região. Desde sua inauguração, em dezembro, abrindo no máximo duas vezes por mês e rolando por longas horas, o Caos reverberou uma jornada sonora das mais recompensadoras, trazendo desde nomes majestosos como Laurent GarnierCarl CraigChris LiebingSpeedy J Marco Carola, até nomes de grande destaque na atualidade, como Nina KravizReconditeANNA e Nastia. Por falar em artistas imponentes, foi lá a apresentação única da alemã Ellen Allien no Brasil — fato que vai se repetir com o gigante Dixon, em outubro.

Tendo como filosofia a diversidade tanto de público quanto de som — você pode encontrar numa mesma noite tanto a disco music de Eric Duncan quanto o techno pulsante de Tijana T, por exemplo —, há projetos como a Wolf, voltada ao público LGBTQ+, e a Groove Urbano, que fomenta o hip hop, ambos com histórico de eventos no Club 88 (do mesmo grupo que criou o Caos). Por esses eventos passam expoentes fora do circuito usual, entre eles Linn da QuebradaEmicida e Gabriel o Pensador.

Voltando aos beats eletrônicos, até mesmo Fisher, febre mundial da cena tech house mais comercial, apresentou-se no club na última semana, em uma noite explosiva em parceria com a festa paulistana Michael Deep.

Caos
Caos, em sua inauguração com Carl Craig, em dezembro de 2017. (Foto: Bill Ranier/Divulgação)

A próxima loucura que o Caos vai aprontar está logo aí, na madrugada de sexta para sábado: um after com ModeselektorZegon e Mau Mau, a partir das 04h. Pode ser maluco para alguns unir o poderoso e eclético duo alemão a um difusor da bass music e um pioneiro do techno brasileiro na mesma noite (tudo isso logo depois de uma festa de hip hop), mas não é maluquice para o Caos — e certamente não para sua sócia-fundadora Eli Iwasa.

É com ela que conversamos agora, para que nos ajude a entender o porquê de o Caos ter se tornado um projeto tão único e tão importante para o interior de SP em menos de um ano, além de explorar um pouco a proposta da casa através de sua visão e experiência de duas décadas no cenário eletrônico.

Caos
Eli Iwasa na cabine do Caos, que possui um amplo espaço ao redor do DJ. (Foto: Reprodução/Facebook)

Eli, o lineup do after que vai rolar no próximo sábado é curioso, e parece ser bem especial: Zegon, que é conhecido na cena bass; Modeselektor, duo gringo muito querido por quebrar barreiras de estilos musicais; e por fim, Mau Mau, deuso do techno que vem com um set de clássicos. Como e por que o lineup foi montado assim?

O Modeselektor é conhecido por não se prender a rótulos, por sua imprevisibilidade, então por que também não fazer algo fora do óbvio? Tanto o Zegon quanto o Mau Mau são artistas com uma baita bagagem musical, e pedi para cada um deles que fizesse um set especial para que pudessem mostrar um pouco a mais de suas próprias histórias.

O Zegon, além de ter sido DJ do Planet Hemp, faz parte do N.A.S.A. e do Tropkillaz, então pode ir do hip hop ao eletrônico, e tudo mais no meio, com a maior facilidade. Quando fechei o Modeselektor, a primeira pessoa que pensei em chamar para fechar a festa foi o Mau, fazendo um set de clássicos. Ele, que ajudou a construir tudo isso que temos agora, que tem um papel fundamental no desenvolvimento da música eletrônica no Brasil, e que também é figura central da minha própria história na cena, não poderia ficar de fora.

Em sua comunicação, o Caos deixa claros seus princípios de inclusão, posicionando-se contra preconceitos e barreiras sociais, convergindo diversos públicos. Como isso se traduz nos lineups da casa?

Quando começamos a pensar no que gostaríamos no Caos, resgatamos a ideia de como eram os clubs importantes em nossa formação, como o Lov.e e o Kraft. Uma das coisas mais significativas daquela época era justamente a mistura de públicos: o “playboy” e o “mano”, as “bees”, as trans, a turma do som e os que caíam de paraquedas, encarando seus próprios preconceitos e aprendendo na democracia que uma pista de dança deveria ser.

Aqui nem todo lugar é assim. O que parece absurdo pra muita gente é uma realidade na região. E queríamos reunir os amigos e clientes de universos backgrounds diferentes num só lugar. É um processo de aprendizado constante e um desafio também, porque Campinas ainda é uma cidade bem conservadora em muitos sentidos. 

Caos
“Sem sexismo, sem racismo, sem capacitismo, sem ageísmo, sem homofobia, sem gordofobia, sem transfobia, sem ódio”, diz banner instalado perto da porta. (Foto: Reprodução/Facebook)

Durante a fase embrionária do projeto, já havia a expectativa de reconhecimento em tão pouco tempo?

Nunca! Nem nos meus sonhos mais loucos (risos)!

O que tem por trás do trabalho de curadoria que o público em geral não vê?

Um grande desafio é alinhar a visão de uma casa noturna com o momento do mercado e com o que o seu público espera, e não deixar seu propósito se perder diante de todas as mudanças que a cena e seu próprio club sofrem ao longo dos anos. Lidamos com muita coisa no Brasil: alta do dólar, uma carga tributária gigantesca, a falta de apoio dos órgãos oficiais, e a toda hora precisamos nos lembrar por que escolhemos ter um club, pois nem sempre é fácil.

Tem muita festa acontecendo, a concorrência é grande e isso faz com que muitas agências de talentos acabem pedindo ofertas inviáveis ao produtor brasileiro. Ao mesmo tempo, estamos sofrendo com esse momento econômico e político no país, o que refletiu no ticket médio e na frequência com que as pessoas saem — muita gente gasta com cautela e escolhe uma festa no mês em vez de sair todas as semanas.

Do nosso lado, existe um cuidado ainda maior na hora de investir em um artista internacional, o esforço de não bater datas com outros eventos, e tudo isso reflete na curadoria: ora você se arrisca mais artisticamente, ora você toma decisões de resultados mais certeiros. 

A agência Muto é responsável pela comunicação audiovisual do Caos, trazendo vídeos conceituais a cada edição.

Então pra escolher os artistas, nem sempre a paixão fala mais alto?

Nossas decisões são bem emocionais. Pensamos muito na experiência e nos momentos que podemos proporcionar através dos clubs. Não é exatamente a maneira certa de gerir um negócio (risos), mas é a maneira que é certa para nós. Sempre fomos assim, muito intuitivos, com a paixão falando alto.

A experiência também permite que tomemos decisões certas mesmo sem fazer muitas contas, porque com o tempo você aprende o que funciona e o que não, quais dias são melhores para seu club… Muito importante falar também que manter-se atualizado com o que acontece na cena é fundamental; o público se renova constante e rapidamente, assim como estilos musicais e artistas.

Imagino que várias datas do Caos foram lindas e que seja difícil fazer uma escolha, mas em qual delas você realmente sentiu uma sinergia perfeita entre o lineup, a resposta do público, a conexão entre os artistas, e pensou: “o resultado está literalmente do jeito que imaginei”?

A inauguração do Caos fez muita gente chorar entre toda a equipe e público, porque sentimos que algo muito significativo estava acontecendo ali. Já sobre a noite com Laurent Garnier, pessoalmente, queria há anos booká-lo para algum dos meus clubs em Campinas, mas nunca sentia que era a hora. Quando abrimos, sabia que estávamos prontos para recebê-lo aqui, da maneira que ele merece.

Eu nunca vou esquecer o momento em que o Laurent entrou na cabine e o Toca, um dos meus sócios, veio até mim, super emocionado, porque só a gente sabe o tanto de dedicação que foi preciso para chegarmos ali e abrirmos a casa. A ficha caiu que tudo que vivemos e aprendemos nos trouxeram até aquele momento, com todos nós colocando nosso potencial em prática para fazer o Caos ser uma realidade.

Caos
O Caos é realmente para todos… Até mesmo pra Paçoca, filha da Eli Iwasa. (Foto: Reprodução/Facebook)

Como você enxerga a noite de Campinas em relação ao cenário nacional atualmente?

Vejo que o Caos e o Club 88, junto com o Laroc, que são nossos amigos e fazem um trabalho incrível, estão realmente fomentando a cena da região e a transformando em um destino para quem gosta de música eletrônica. Sempre existiu o fluxo de público de Campinas para São Paulo, e hoje, finalmente, existe também o fluxo de São Paulo, cidades ao redor, Sul de Minas para esses clubs.

Vale lembrar que esse trabalho não é de hoje. O interior de SP sempre contou com clubs muitos importantes, como Kraft e Anzu, além de festivais como Kaballah, Tribe e XXXPERIENCE, que realizam seus eventos por aqui.

Pra fechar, o que é um bom curador pra você?

Um bom curador é aquele capaz de traduzir a visão de um club ou evento através da música, dos artistas e das experiências que compartilha e proporciona.

Rodrigo Airaf é colaborador eventual da Phouse.

LEIA TAMBÉM:

Techno e atitude: Ellen Allien lança 1º EP por outro selo em 20 anos

Saiba tudo sobre o Caos, novo clube do underground de Campinas

Conheça as 5 atrações desta sexta-feira no Caos

Ney Faustini: “Estude música, mais do que você já estuda”

Eli Iwasa lança mix para série com ex-alunos da Red Bull Music Academy

Continue Lendo

Notícia

Justice lança clipe belo e brutal para nova versão de “Love S.O.S.”

Faixa faz parte do novo álbum da dupla, “Woman Worldwide”

Phouse Staff

Publicado há

Love S.O.S.
Foto: Reprodução

Nesta semana, o Justice pintou com um dos seus videoclipes mais singulares e intrigantes. A versão “WWW” de “Love S.O.S” ganhou um vídeo daqueles abertos às mais variadas interpretações, e que mesmo que você não entenda exatamente do que se trata, sai impactado — e possivelmente perturbado. 

Dirigido por Edouard Salier, o clipe apresenta um cenário levemente surrealista, na qual um bodybuilder repleto de cicatrizes transforma uma pole dance em uma espécie de balé. O que acontece depois, não vamos falar pra não trazer spoilers, mas é uma virada surpreendente e brutal.

“Love S.O.S. (WWW)” faz parte do mais novo álbum do Justice, Woman Worldwide, em que a dupla gravou no estúdio uma simulação de seu live, no qual condensam e misturam diversas músicas de sua discografia em novos formatos — assim como as épicas performances “Alive” do Daft Punk.

O disco foi lançado no final de agosto via Genesis/Ed Banger/Because Music, e é uma boa pedida para todos os fãs dos franceses. 

Continue Lendo

Publicidade

XXXperience 300×250
Sundance (300×250)
Federal Music 300×250

Facebook

PLAYLIST

Trending

-->

Copyright © 2018 Phouse

Translate »
Sundance Pop Up