Connect with us
Federal Leaderborder
XXX Leaderborder

Review

Em nova edição, a LEEDS brilha e dá mais um passo para se consolidar em SP

Júlia Gardel

Publicado em

03/10/2017 - 14:45

O Canindé, famoso estádio da Portuguesa, mais uma vez foi palco de uma das grandes festas de São Paulo, recebendo a LEEDS — O Colapso!

* Fotos por Fernando Sigma (Sigma F)

A festa que causou ansiedade desde o seu primeiro dia de divulgação — a edição “O Colapso”, da LEEDS — encheu todo o Village Canindé para receber no último dia 22 o que podemos chamar de um lineup extraordinário: com dois palcos, tivemos Adriatique em um long set de quatro horas, Danny Daze, Gabriel Moraes, Eli Iwasa, Renato Cohen, Leo Scarpa, Zopelar, em seu live set, Vini Pistori, Joyce Muniz e o residente e sócio-proprietário da LAUD, o Guss.

O ambiente estava incrível e o visual foi bem florestal, principalmente na decoração de palco; tudo colaborou para um clima diversificado. O que fez falta foram os leds, uma parte bem conceitual da festa, e que muitos sentiram falta. A pista Blackyard foi na parte interna do estádio do Canindé, e apesar de uma produção bem simples, não deixou a desejar pelo visual e pelos sets que ali foram executados.

A imagem pode conter: noite

Começando pelo Gabriel Moraes, podemos dizer que ele fez um espetáculo: um set envolvente e dançante, num warmup de respeito. O remix do H.O.S.H. para “Keep Control”, do Sono, e “Glutes”, de Patrice Baümel, levaram a pista à loucura. O duo Adriatique reinou durante suas quatro horas de set na maior naturalidade. Não se esperava nada menos do que o verdadeiro show que deram — um set misterioso, intenso e extremamente fascinante, que fez cada um na pista sentir-se imerso ao som. A abertura com “Space Ramp”, de The Drifter, foi uma das tracks da noite, só não mais que o remix deles de “Atlas”, do Stephan Bodzin com Marc Romboy, que encerrou a pista causando arrepios.

A imagem pode conter: 8 pessoas, pessoas sorrindo

Eli Iwasa, como sempre, fez um set impecável do começo ao fim, lotando o Blackyard. Renato Cohen botou a pista pra dançar de verdade, Danny Daze mais uma vez impressionou a todos, e Guss fez um set eletrizante, o que ajudou a entender por que muita gente ficou ali até às dez horas da manhã. As pessoas presentes também merecem destaque: a pista foi vibrante e calorosa o tempo inteiro, fundamental pra energia da festa.

“O público foi o principal; melhor pista que eu já peguei, de longe… E olha que já toquei em muitos lugares!” — Gabriel Moraes.

A organização mais uma vez se demonstrou bem feita, com atendimentos rápidos de bar, um espaço adequado para o tamanho de público, palcos sem interferência sonora, disponibilização de comida através de food trucks, uma bela escolha do lineup e, principalmente, com o sistema de som impecável.

Método na loucura e olhos no horizonte: conheça o trabalho da LAUD

Os preços de cardápio foram padrão de festa: Budweiser a 12 reais, energético a 14, vodka a 25, gin tônica a 30, e a água estava até mais barata que o habitual, custando seis reais. E se você baixasse o aplicativo do ZigPay, a sua primeira cerveja ainda era de graça! Pela segunda vez o evento contou também com uma ativação da Absolut bem caprichada.

Aquela LEEDS do começo do ano foi histórica e difícil de ser superada, mas, ainda assim, esta edição foi de fato um colapso, com menção honrosa para a LAUD. A agência vem demonstrando cada vez mais potencial, trazendo grandes atrações internacionais quanto nacionais, e fazendo tudo de uma maneira organizada.

LEIA TAMBÉM:

LEEDS Party surpreende e entra para a lista das melhores festas underground de São Paulo

Alterando a realidade para capturar a sua essência: conheça a Sigma F

Antes de nova edição em 2018, Dekmantel retorna com showcases na América do Sul

Lúdico, subversivo e impactante: conheça o universo de Carlos Capslock

O Seth Troxler profanou o Templo com um loop de funk; queimem o herege!

RECEBA NOVIDADES NO E-MAIL

Deixe um comentário

Notícia

Falando sobre a volta do Swedish House Mafia, Ingrosso revela hiato de duo com Axwell

DJ confirmou volta do trio ao estúdio e explicou por que retomaram o projeto

Phouse Staff

Publicado há

Axwell & Ingrosso
Foto: Rukes/Reprodução

Apesar de serem chegados num mistério, os suecos do Swedish House Mafia já deixaram bem claro que estão voltando com tudo em 2019. Mas e os seus projetos paralelos, como vão ficar no ano que vem? Se Steve Angello ainda não se manifestou sobre como vai lidar com a carreira solo, Sebastian Ingrosso revelou para o jornal sueco Metro, em entrevista publicada hoje, que o seu duo com o Axwell vai dar um tempo.

“Não vamos seguir [com o Axwell Λ Ingrosso], vamos colocar esse projeto na prateleira. Como eu costumo dizer, são três pontos, não dois pontos mais um. Mas definitivamente vamos continuar nossos projetos individuais”, declarou, em alusão ao logotipo do SHM.

+ Steve Angello confirma novas músicas do Swedish House Mafia

O DJ também confirmou que o trio terá novas produções, como revelado recentemente por Angello (“vamos nos juntar [no estúdio] depois do verão [no Hemisfério Norte] e tentar criar algo divertido”), e explicou que não acha que a reunião do grupo demorou pouco tempo para acontecer:

“Eu e o Axwell fizemos o nosso lance por cinco anos, assim como o Steve. Sentimos que já era hora, ficamos com saudades. E acima de tudo, os fãs queriam que nos reuníssemos”.

LEIA TAMBÉM:

Amy Thomson se despede do Swedish House Mafia

Axwell e Ingrosso no Brasil? DJ provoca fãs

Steve Angello confirma turnê do Swedish House Mafia em 2019

Pôsteres em Londres podem estar ligados com nova ação do Swedish House Mafia

Swedish House Mafia “de volta pra valer”

Continue Lendo

Notícia

Fortaleza será palco do primeiro BURN Residency Showcase no Brasil

Evento promove a competição de DJs da marca, que está em sua reta final

Manoel Cirilo

Publicado há

BURN Residency Showcase
Praia do Futuro, em Fortaleza. Foto: Reprodução

Como parte do plano de expansão da marca, a BURN promoverá uma série de showcases do BURN Residency em diferentes cidades do território nacional. Para dar início a essa ação, o primeiro destino escolhido foi Fortaleza.

A capital do Ceará foi estrategicamente selecionada para descentralizar os esforços da cena eletrônica no país, normalmente concentrados entre São Paulo, Curitiba e Santa Catarina. Essa percepção do projeto é extremamente valiosa para toda a indústria eletrônica nacional, por fomentar o desenvolvimento de diferentes pólos dentro do mercado brasileiro e aumentar ainda mais a notoriedade do país  dentro da indústria mundial.

+ CLIQUE AQUI para saber mais sobre o BURN Residency

A decisão também conversa intimamente com o propósito do Residency, que é justamente abrir espaço dentro da indústria para diferentes artistas mostrarem o seu trabalho. Fortaleza ainda possui o privilégio de estar localizada em uma das regiões litorâneas mais estonteantes do Brasil. Com paisagens naturais de tirar o fôlego e um forte apelo cultural, a cidade faz um paralelo perfeito com a sede do projeto, localizada em Ibiza. A ilha espanhola é o destino final do competição de DJs da marca, onde os dez finalistas participam das últimas etapas que elegerão o grande vencedor, no começo de setembro.

O BURN Residency Showcase Fortaleza acontece neste sábado, 25 de agosto, no Sunrise Beach Club, que fica na Praia do Futuro. Quem comanda a festa são os embaixadores do projeto no Brasil, Morttagua e Alexiz BcX, ao lado dos convidados Lennox Hortale e Pedro Poyart, que formam o duo Mumbaata. Completam o line os DJs locais Levi Lenz, Davi Fiuza e o duo Dub Mode. Para saber mais detalhes sobre o evento, basta clicar aqui.

* Manoel Cirilo é colaborador da Phouse.

LEIA TAMBÉM:

BURN revela os dez finalistas de sua competição de DJs em 2018

Hot Since 82 é anunciado como novo embaixador do BURN Residency

Luciano fala sobre passado, trajetória e o “verdadeiro underground” em entrevista

BURN lança promoção para cruzeiro de música eletrônica

Continue Lendo

Notícia

Avicii ganha prêmio no VMA

Vídeo para “Lonely Together” foi premiado na cerimônia da MTV

Phouse Staff

Publicado há

Avicii
Foto: Reprodução

A edição de 2018 do MTV Video Music Awards, que rolou na noite de ontem, em Nova Iorque, premiou apenas um nome da música eletrônica: Avicii. O falecido produtor ganhou a estatueta de “Melhor Vídeo de Dance Music” pelo videoclipe de “Lonely Together”, com Rita Ora

O vídeo ganhou a parada concorrendo com “One Kiss” (Calvin Harris e Dua Lipa), “Everybody Hates Me” (The Chainsmokers), “Flames” (David Guetta e Sia), “Silence” (marshmello) e “Get Low” (Zedd e Liam Payne). “Lonely Together” também concorreu na categoria Melhores Efeitos Visuais”, perdendo para “All the Starts”, de Kendrick Lamar.

Muitos fãs do sueco, entretanto, reclamaram da falta de uma homenagem maior ao músico, como tem sido praxe nas cerimônias do mundo da música desde o seu falecimento.

LEIA TAMBÉM:

Na Suécia, pai recebe prêmio em nome de Avicii

“One Kiss”, de Calvin Harris e Dua Lipa, ganha videoclipe

David Guetta vira vilão de filme de Kung Fu em novo videoclipe

Continue Lendo

Publicidade

Federal Music 300×250
TM Festival (300×250)
XXXperience 300×250

Facebook

PLAYLIST

Trending

-->

Copyright © 2018 Phouse

Translate »
TM Festival Pop UP