LK
Leo Janeiro e Kaká Franco. Montagem: Phouse

Você pode não ser da velha guarda, mas se já presenciou um set feito apenas com vinil, deve saber que a sensação proporcionada frente à pista é diferente. A arte de discotecagem com os discos ainda é feita por alguns artistas aqui no Brasil que, apesar de tocarem também com arquivos digitais, nunca deixarão as antigas bolachas de lado. É o caso de Leo Janeiro e Kaká Franco, dois ícones da house music nacional que começarão em breve um novo projeto, intitulado LK.

Como você já deve imaginar, a ideia da dupla brasileira é resgatar e levar a magia desse estilo de mixagem para os quatro cantos do país, passando pelos principais clubs que temos por aqui. Os fãs de vinil podem ficar ainda mais animados, já que a cereja do bolo do projeto é realizar apresentações em formato de long sets, possibilitando uma construção musical criativa e genuína, seja lá onde for.

Leo Janeiro, um dos nomes por trás do LK, é um carioca que viu na vida noturna da cidade uma oportunidade para construir sua carreira dedicada inteiramente à música. Com fortes influências da black music dos anos 90, ele moldou seu perfil sonoro em torno da house e adquiriu experiência suficiente para carregar o nome de importantes clubs junto ao seu, tornando-se DJ residente da Beehive e do Warung Beach Club, A&R da Warung Recordings e membro crucial na concepção do Brazil Music Conference. Não podemos esquecer também da mentoria de Leo frente ao Cocada, compilado de sucesso lançado em parceria com a Get Physical no ano passado.

LEIA TAMBÉM:

Quem dividirá o espaço em cima dos palcos com ele será outro mestre da house, Kaká Franco. O artista é dono de uma coleção gigantesca de discos e, sem dúvidas, uma das maiores referências nacionais quando o assunto é discotecagem com vinil. Kaká definiu muito bem sua identidade trazendo em seus sets o groove dançante do estilo, mixando sons clássicos com contemporâneos e adicionando elementos de deep house, jazz, funk e disco, sempre sustentando uma seleção musical apurada e uma técnica impecável.

Utilizando a house como fio condutor, esta promete ser uma ótima experiência aos saudosistas e uma oportunidade aos mais jovens de entenderem um pouco mais sobre como era a magia das pistas nas décadas passadas, quando, muito antes dos pendrives e dos computadores, os DJs carregavam caixas e mais caixas de discos. A estreia do LK está prevista para esta sexta-feira, dia 15, na Fosfobox, no Rio de Janeiro. Em seguida, a dupla parte para Londrina, onde toca no Mobil Club, dia 22.

* Marllon Gauche é colaborador da Phouse.

Receba novidades no e-mail

Receba o melhor da Phouse em seu email!

:::. ALEATÓRIAS / LEIA TAMBÉM

Assista a sets do EDC Las Vegas 2019

Tiësto, Steve Aoki, Gareth Emery e outros nomes subiram seus sets no YouTube

Sem hora para acabar: Superafter do D-EDGE celebra 8 anos

Festa rola neste sábado (25) com nove DJs e pelo menos 12 horas de música

O começo do fim: Major Lazer lança single de último álbum

“Can’t Take It From Me” traz o vocal de Skip Marley

Fã disponibiliza 1º show da nova tour do Swedish House Mafia

Primeira data na Tele2 Arena pode ser conferida na íntegra

Confira o novo ranking de festivais da DJ Mag

Segundo a revista, o Top 50 Festivals foi baseado nos votos dos DJs eleitos nos polls de 2018

Ouça 10 sonzeiras lançadas na última sexta-feira

De Laidback Luke remixando Avicii ao novo single do Bhaskar

Alphabeat: RodMac, ChampZ e Sambô recriam hino de Jorge Ben

Single de Lucas Paiva com o duo ONA BEAT também foi lançado pela label brasileira

Felix Jaehn lança collab com o Breaking Beattz: “Meus produtores de deep house favoritos no momento”

Duo mineiro revela que foi procurado pelo DJ alemão no Instagram

Techno pesado: ouça “Old Norse”, novo EP do produtor brasileiro Spuri

EP saiu nesta segunda-feira (29), pela Prisma Techno

Experimentalismo de arrepiar: ouça o primeiro EP do paulista Urro

Alter ego do paulista Silenzo traz originais e remixes de Epiphania e VAntonio