Na cena eletrônica temos presenciado inúmeras picuinhas entre os produtores. Basta uma segunda olhadela para percebermos que não passa de pura divergência de opiniões e gostos. Num tempo em que aparentemente é legal nadar contra a corrente, parece ser moda divergir, apenas por divergir. Sem qualquer fundamento. Concordar não tem graça.

O que parece passar despercebido é a opinião do público em geral sobre o assunto. Não se vê partidarismo por parte dos fãs da música eletrônica. E também não se vê a prática do lema PLUR (Peace, Love, Union & Respect – Paz, Amor, União & Respeito) por parte dos produtores. Há sempre um desejo de competir, ainda que não haja competição.

Toda esse fervor acerca do assunto Edm X Underground se origina de um desejo infantil de segregar. O que parece que alguns DJs e produtores não notam é que a EDM, muitas vezes é a porta de entrada para que simples entusiastas da música eletrônica se tornem verdadeiros apaixonados pelo segmento e passem a buscar novos estilos. Não que seja errado permanecer no gosto pela EDM, mas deve-se primar pelo direito de escolha.

As redes sociais, hoje em dia, parecem servir apenas como palco para brigas e violência gratuita. Simplesmente porque as pessoas perderam a capacidade de guardar para si a opinião que não foi solicitada.

O mais importante dessa história toda é simplesmente curtir a vibe. É sentir o corpo inteiro arrepiar quando tocam aquela música que você esperou durante festival inteiro. É sentir os órgãos tremerem junto com o som. É não se importar com a chuva e o frio. É não conseguir tirar o sorriso do rosto. É continuar pulando, mesmo que os pés doam. Isso sim é curtir a verdadeira música, e não levantar uma bandeira ilegítima apenas pelo prazer de ver o circo pegar fogo.

Por: Alexandre Silva

Receba novidades no e-mail

Receba o melhor da Phouse em seu email!