Connect with us
XXX Leaderborder
Cat House Leaderborder
Burn Residency – Leaderborder

MERCADO BILIONÁRIO TRANSFORMA A PROFISSÃO DE DJ EM CARREIRA DOS SONHOS

Phouse Staff

Publicado em

20/06/2013 - 21:06

Músicas inteiras criadas por softwares. Festas cada vez mais concorridas embaladas por beats e sintetizadores. DJs que são verdadeiros astros e faturam milhões. Hoje no cenário da música eletrônica não há mais espaço para improviso ou amadorismo. No Brasil, o setor movimentou em 2011 quase 2 bilhões de reais e alcançou um público de mais de dezenove milhões de pessoas. Só de cachê foram pagos cerca de 97 milhões de reais. Os números de 2012 ainda estão sendo contabilizados mas já se fala em um crescimento de pelo menos 12% *. Essa realidade é que tem transformado a profissão de DJ em carreira dos sonhos de muita gente. Tocar em baladas já não é mais hobby de fim de semana, a coisa ficou séria. Não é a toa que nomes como FatBoy Slim, David Guetta e Calvin Harris são sinônimo de cifras astronômicas e casa cheia no mundo todo.
O Brasil também já tem seus astros. O boom da música eletrônica por aqui já foi destaque até na renomada revista americana “Forbes”. Com o título “Forget the bossa nova, Brazil is now the country of eletronic music”, a publicação trouxe São Paulo e Santa Catarina como as mecas do batidão. Mas aos poucos a tendência se espalha por todo o país.


Na Bahia, o jovem Rafael Almeida Gouveia sabia desde cedo o queria: ser DJ e viver de música. O sonho ele realizou e hoje chega a fazer quase 20 festas por mês, em Salvador, no interior da Bahia e até fora do estado.

O crescimento do mercado também aqui na terra do axé music tem atraído cada vez mais profissionais e a carreira já é vista com bons olhos. “Hoje eu sinto minha carreira valorizada, tanto quanto de um advogado ou engenheiro, eu pago minha contas e não posso reclamar”, garante Rafa. Ele se espelha nos super DJs americanos e franceses, com status de celebridade. Mas quem pensa que após 5 CD’s gravados ele pára por aí, se engana feio. Rafa Gouveia ainda quer voos mais altos e pra isso ele leva o investimento no trabalho a sério: “Estudo, pesquiso, corro atrás e tento me aprimorar e me profissionalizar cada vez mais”.

Um outro exemplo de inserção no mercado da eletrônica na Bahia é o Dj Naylson Carvalho. Ele foi mais um ‘rebelde’, que não fez direito, nem medicina, e nem apostou em uma dessas profissões que dão um atestado de aprovação aos olhos da sociedade: “A idéia surgiu quando vi meu primo Humberto tocando na Furacão 2000 ainda com vinil. Eu ficava fascinado com ele comandando a pista, era mágico, mas meus pais não gostavam muito da idéia, eles queriam que eu terminasse de qualquer jeito a faculdade de Engenharia Elétrica (risos)”

De mansinho ele conquista a cada dia seu espaço nas melhores casas da cidade: “Não é fácil ter que se colocar a prova diariamente. Já estou nessa luta a 8 anos como DJ e sei que estou só começando, mas tem muita coisa boa vindo pela frente!!”

DJ Naylson já teve a honra de tocar com figuras ilustres do cenário eletrônico aqui de Salvador, como Luca Buzanelli, Roberta Lago, Roots, Mascotto, Monstro, Renata Dias, Fernando Mendes, entre outras feras! Mas, o que marcou, segundo ele, foram as festas produzidas pelo DJ Luan Delucci. “A galera tava lá realmente pra curtir nosso som, todos conheciam as músicas e agitavam com as mixagens. Busco sempre um diferencial que agrade a pista. Sempre quando me pedem uma música eu toco na mesma hora, não tenho essa vaidade de fazer bonito pra quem é do meio, quero ver o sorriso no rosto das pessoas, sabe? Mãozinha pra cima pra mim é como se ganhasse a noite, me divirto com esses detalhes!” – diz Naylson.

Até Nicole Gadas, a nossa colunista, já está se rendendo ao encanto das baladas. Ela não quer virar DJ, mas aposta nesse estilo musical como cantora. “Sempre sonhei em ser cantora, mas não topo qualquer coisa por sucesso. Já recebi propostas pra fazer banda de sertanejo, por exemplo, já dei até canjas de brincadeira, mas o que eu quero é mostrar minha verdade. Acho importante existirem projetos inovadores, que fujam um pouco às regras e surpreendam o público por conta disso! O sertanejo e o axé em Salvador já estão com seus mercados saturados, assim uma novidade vem a ser interessante aos olhos do público, atiçando a sua curiosidade. Não é a toa que existem projetos inusitados que estão bombando, como o da Banda YOW e, até mais distante do cenário eletrônico, o da Sambô. “- cita Nicole.

A cantora já tem uma música gravada juntamente com a Tranzux Project, a faixa ‘Living’, autoria de Marcelo Sant’anna, que não deixa a desejar se comparada a composições de DJS internacionais mega estourados! Quem quiser pode se entreter e conferir a música em: youtube.com/nicolegadas

Nicole Gadas está atualmente apostando em projetos de LIVES com DJ’s de Salvador e diz estar apaixonada com as descobertas: “A música eletrônica é um aprendizado constante e muito prazeroso! Gosto de combinar a suavidade da voz feminina com a tensão e o peso das batidas. É uma junção que tem tudo a ver e nos vicia (risos)!”

Só nos resta agora aproveitar e esperar pelas novidades!

*Fonte: Anuário da Rio Music Conference (www.riomusicconference.com.br)
Link da Forbes: http://www.forbes.com/sites/andersonantunes/2012/02/27/forget-the-bossa-nova-brazil-is-now-the-country-of-electronic-music/

 

Por:  Luckas Wagg

 

RECEBA NOVIDADES NO E-MAIL

Deixe um comentário

Notícia

França terá primeiro show de música eletrônica em palácio presidencial

Phouse Staff

Publicado há

Foto: Reprodução
Pátio do Palácio do Eliseu sedia evento gratuito no Dia Mundial da Música

A gente sabe que a França curte umas apresentações eletrônicas inusitadas, como nas vezes que o David Guetta tocou na Torre Eiffel, ou quando o DJ Snake tocou no Arco do Triunfo, por exemplo. Desta vez, o cenário da balada será o Palácio do Eliseu, no que será a primeira vez que um evento de música eletrônica será realizado num palácio presidencial. A programação gratuita terá cinco DJs e faz parte das comemorações do Dia Mundial da Música, celebrado nesta quinta-feira dia 21.

Construído no século XVIII, o Palácio do Eliseu fica em Paris, servindo hoje como residência oficial do presidente Emmanuel Macron. Será que ele também gosta de dance music?

O lineup conta com Busy P (chefão da Ed Banger Records, selo que tem o Justice como carro-chefe), Chloé, Kavinsky (famoso por assinar a trilha sonora de Drive), Cezaire, da Roche Musique, e Kiddy Smile. Com entrada franca, o show foi  planejado para receber um público de 1.500 pessoas, e acontece das 20h à 00h, no horário local. Os ingressos estão esgotados.

LEIA TAMBÉM:

Assista à performance histórica do DJ Snake no Arco do Triunfo

Justice anuncia álbum baseado em turnê de “Woman”

Clássico da french house será relançado depois de 20 anos

Continue Lendo

Notícia

Dash Berlin rachado: Sutorius deixa o grupo e explica sumiço recente

Phouse Staff

Publicado há

Dash Berlin
Foto: Reprodução
Frontman do Dash Berlin está impossibilitado de representar o projeto 

O DJ Jeffrey Sutorius, mais conhecido como o rosto do Dash Berlin, explicou nessa segunda-feira por que vinha dando um perdido nos seus compromissos ultimamente — e a notícia não é nada boa para os fãs. Sutorius rompeu com a Vanderkleij Agency e com Sebastiaan Molijn e Eelke Kalberg, os outros membros do grupo, que, segundo ele, registraram a marca “Dash Berlin”, deixando-o de fora. Isso significa que, neste momento, Jeffrey está legalmente impossibilitado de se apresentar como Dash Berlin, ou mesmo de usar as redes sociais do projeto.

Em comunicado, o DJ aponta que a relação entre ele e os colegas vinha se deteriorando já há alguns anos, até chegar num limite. Por participarem das produções musicais, Molijn e Kalberg são naturalmente considerados membros do Dash Berlin, mesmo sem participar das turnês. A dupla também era responsável pelo gerenciamento de carreira e booking do projeto. Sutorius agora afirma ter entrado com um processo judicial, por meio de seus advogados, para resolver a questão. Tecnicamente, portanto, o Dash Berlin hoje consiste nos dois produtores, sem a presença de seu membro mais famoso.

Recentemente, o cancelamento em cima da hora de duas apresentações do DJ (no A State of Trance 850, na Polônia, e no festival Spring Awakening, nos EUA) e o sumiço nas redes sociais levantaram especulações. A única informação levada ao público era de que Jeffrey estava com problemas de saúde —  o que agora foi justificado na carta como consequência do estresse em torno do imbróglio com os antigos parceiros.

Confira o comunicado de Sutorius enviado à imprensa, com tradução para o português pela Phouse:

Amsterdã, 18 de junho de 2018

Venho por meio desta informar que no final de maio cortei meus laços com a Vanderkleij Agency, com Sebastiaan Molijn e Eelke Kalberg (booker e management do Dash Berlin). A razão para terminar o relacionamento foi a má administração nos últimos anos e a negligência aos meus interesses. Recentemente, descobri que Molijn e Kalberg, juntamente com a Vanderkleij, registraram o ‘Dash Berlin’ em seu próprio nome. Eu não percebi que, assim, talvez não fosse possível que eu continuasse tocando usando esse nome. Pedi aos meus advogados que apresentassem esse assunto ao tribunal, para resolvermos o imbróglio. Tudo isso teve uma influência negativa na minha saúde, e então fui aconselhado a pegar leve. Eu preferiria anunciar isso através dos meus próprios canais de mídia social. No entanto, depois de terminar o relacionamento, meu acesso às contas foi bloqueado. Espero que tudo isso possa ser resolvido rapidamente e que eu possa continuar a me apresentar. Eu amo meus fãs e espero que eles compreendam a situação.

Jeffrey Sutorius (Dash Berlin)

Molijn, Kalberg e a Vanderkleij Agency não se manifestaram sobre o caso até este momento.

Continue Lendo

Phouse Tracks

Alan Russo – My Heart (Original Mix)

Phouse Staff

Publicado há

Alan Russo

O lançamento de hoje da Phouse Tracks é “My Heart”, do DJ e produtor Alan Russo. Progressiva, groovada e melódica, a canção adota elementos do trance, trazendo uma cadência bem interessante.

“My Heart” está agora disponível para free download no Artist Union, no nosso SoundCloud e no Spotify.

Alan Oliveira de Souza, ou Alan Russo, teve seu início na música eletrônica com apenas 15 anos de idade, quando começou a produzir suas primeiras tracks, e desde então tem buscado conciliar versatilidade e identidade. Sua principal influência é um dos maiores nomes do cenário eletrônico mundial: o holandês Tiësto.

Siga e ouça também a nossa playlist com a músicas que estão bombando em 2018:

Continue Lendo

Publicidade

XXXperience 300×250
Cat House 300×250

Facebook

PLAYLIST

Trending

-->

Copyright © 2018 Phouse

Translate »
Cat House Pop Up