[vc_row][vc_column width="2/3"][vc_empty_space height="20px"]

No dia do rock, brasilienses curtiram muita dance music nos 10 anos da My House

[vc_empty_space height="20px"][vc_empty_space height="20px"]
My House
[vc_empty_space height="20px"]
Episódio “Moments” trouxe Lee Foss e Anabel Englund

A sexta-feira era 13, o dia era do rock, mas o que os brasilienses celebraram mesmo foi a música eletrônica. A festa My House apresentou o segundo episódio da comemoração de dez anos, o capítulo “Moments”, no Estádio Nacional Mané Garrincha, em Brasília. Com uma proposta diferente da primeira, o público curtiu housetechno em um evento Open Air com direito a dois ambientes e drinks exclusivos.

No comando das atrações, e destaque da festa, o DJ Lee Foss, da Hot Creations, tocou com a cantora americana Anabel Englund. O set deles viajou entre o techno e a house passando por momentos que foram do romântico ao sensual. Apesar de serem a atração principal, quem cativou mesmo o público foram os DJs do Simple Jack, residentes da festa, e a DJ Barja, com uma proposta diferente de vocal grave e tech house.

O DJ Gabe também estava no lineup como uma das atrações principais, mas não compareceu. A produção emitiu nota afirmando que “foram cumpridas todas as obrigações contratuais com o artista Gabe. Infelizmente o mesmo não se pode dizer da parte do artista em questão, conforme nota oficial emitida pelo próprio em seu Facebook. Nós também ficamos extremamente decepcionados com essa ausência e sentimos muito por todos que estavam na expectativa de assisti-lo”.

Na nota, no perfil do Facebook, Gabe justificou a ausência afirmando ter perdido o voo para Brasília por questões “burocráticas”, e se desculpou.“Lamento muito o ocorrido, peço desculpas aos fãs e aos produtores locais”.

A My House ainda contou com os brasileiros Clubbers, Autobotz, RMOTTA, Jomaq e Yuri M. Os DJs tocaram num palco como uma releitura “fofinha” do design do primeiro episódio, “Under Light Of Evolution”. O capítulo “Moments” trouxe um painel que lembra uma flor flutuante com 12 metros de altura. Com efeitos visuais que exploravam profundidade, movimento e textura em 3D, a estrutura de hexágonos hipnotizava o público e podia ser apreciada de dois ambientes.

Era possível prestigiar perfeitamente os efeitos visuais da “flor” de qualquer ponto da pista, inclusive da varanda onde ficava a praça de alimentação. Nela, além de relaxar em um dos bancos de pallets, o público podia comprar itens da loja oficial, presente no evento pela primeira vez.

Outro diferencial da festa foram os cinco drinks exclusivos da My House. As bebidas Tropical Gin, com Gin Tanqueray, laranja e Red Bull Tropical; o Muv de Uva, com espumante Mumm e suco de uva Muv; o My House Drink, com Gin Tanqueray, cajá, hortelã e gotas de limão; Gin Tônica; e uma opção de baixa caloria, o drink “67 Calorias”, de vodka, Red Bull Sugar Free e limão. Qualquer um deles era vendido a R$ 26 e poderia ser comprado, assim como as demais opções de bebida, com um dos caixas ambulantes que circulavam no meio da galera.

Dose tripla

A My House é um projeto itinerante que surgiu em 2008, em Brasília, e já passou por vários Estados, entre eles São Paulo, Minas e Goiás. Idealizada por Davi Arnez, ela agora completa dez anos de sucesso. Para comemorar, a produção decidiu dividir a celebração em três episódios durante o ano. O primeiro foi “Under Light Of Evolution”, em 10 de março, enquanto o segundo, “Moments”, foi nesse final de semana. Ambas foram no Estádio Nacional Mané Garrincha. Os detalhes do terceiro capítulo, que será no dia 07 de setembro, ainda não foram revelados.

Nayara Storquio é colaboradora da Phouse.

LEIA TAMBÉM:

Em alta, HOT-Q quer revolucionar a cena eletrônica brasileira

Catarinense se reinventa e atrai olhares de gigantes do progressive house

XXXPERIENCE: capital federal teve aperitivo para setembro

[vc_empty_space][/vc_column][vc_column width="1/3"][vc_widget_sidebar sidebar_id="sidebar-1"][/vc_column][/vc_row]