Connect with us
Sevenn – Its Always You
Festa Acapulco – Leadborder
Green Valley – Só Track Boa Leaderborder

O DJ-jornalista Camilo Rocha anunciou novidades e declarou que “falta doideira” na cena nacional

Flávio Lerner

Publicado há

Ao site LOFT55, o expoente brasileiro falou sobre seus novos projetos, as origens da cena clubber brasileira, o jornalismo-DJ no País e cinco filmes e livros essenciais sobre a cultura DJ

No dia 15 de setembro, o LOFT55 — site que fundei e no qual sou editor, e que tem parceria aqui com a Phouse — completou seu primeiro aniversário. Para comemorar a ocasião, fizemos uma matéria com o paulistano Camilo Rocha, provavelmente o maior e mais consagrado DJ-jornalista do País.

O Camilo foi escolhido por ser um nome-chave, admirado por todos os nichos entre o espectro underground–mainstream e referência pela sua cobertura jornalística da cultura de pista, tendo passado por veículos como a revista Bizz [onde explodiu], BBC, Rolling Stone, House Mag, Folha de São Paulo e Estadão. Depois de anos de Rraurl — site essencial para a história clubber brasileira, fundado em parceria com Gaia Passarelli e Gil Barbara —, o Camilo vinha fazendo um trabalho despretensioso, mas igualmente importante no seu blog Bate-Estaca, que foi uma das minhas grandes inspirações quando comecei a ler sobre dance music, o que por sua vez refletiu bastante na criação do LOFT55.

Esse nosso papo especial rendeu uma matéria dividida em duas, cuja última parte foi ao ar nessa quinta-feira. Na “parte I”, focamos na vida e carreira do Camilo, e ele aproveitou pra anunciar duas novidades: acaba de sair do Estadão para virar editor de projetos especiais em uma nova startup de jornalismo digital, que estreia em outubro; e a estreia de seu podcast quinzenal, o Caixa Alta, sempre com um convidado [o primeiro, aliás, que foi com o Marcio Vermelho, já está disponível na segunda parte da entrevista].

Ainda na primeira parte, falamos sobre como tem sido conciliar os trampos de DJ com os de jornalista, como ele enxerga o jornalismo de pista no Brasil, e também em como foi o começo da cultura clubber por aqui [a qual, aliás, ele explicou que entende como algo diferente da cultura DJ], no club Nation, em São Paulo, onde ele começou a tocar em 1988.

Já a segunda parte foi mais voltada às opiniões do Camilo sobre os cenários regionais da música de pista — ele comparou os polos de Santa Catarina e Paraná com São Paulo —, a importância dos rótulos musicais, “DJs de verdade” versus “sound colocators” e o Batalha de DJs, reality show de 2013 em que participou como jurado/treinador ao lado do Maestro Billy. Pra fechar com estilo, o cara elencou cinco filmes e cinco livros essenciais sobre a cultura de pista.

Sem dúvida nenhuma, essa prosa toda rendeu uma leitura interessantíssima para quem se interessa pela história do DJismo no Brasil. Dá uma olhada em alguns trechos marcantes:

“Ter a perspectiva do DJ, de comandar uma pista, ajudou muito no meu entendimento desse universo como jornalista. Minha pesquisa como jornalista também enriqueceu meu repertório como DJ, pois quando você é só DJ tende a focar muito em certas linhas de som. […] Ultimamente, gosto de pensar que não são duas carreiras, mas uma só: a da pesquisa e disseminação de informação.”

“No Madame Satã e em muitas das casas dos anos 80 que fizeram história não era possível ver quem tocava. Boa parte das pessoas dançava de sobretudos escuros olhando para o chão, quando não virados para a parede. Foi difícil para DJs como Magal e Mau Mau emplacarem hip hop ou house no Satã.”

“Eu acho que o profissionalismo está ótimo e é sempre bem-vindo, é uma marca do amadurecimento de um cenário. Por outro lado, está faltando doideira. Um artista se gabando por ser profissional é como político se gabando por ser honesto, não faz mais que a obrigação, certo? Eu queria ver mais gente doida, fora da curva, queria ver algumas genialidades indomáveis, personagens inclassificáveis. Tem um monte de “profissional” que parece que saiu de uma fôrma.”

“Não acho que os DJs apertadores de botão roubam mercado de quem é bom, nunca. Quem curte Marky não aceita Paris Hilton.”

Você lê a entrevista com o Camilo Rocha na íntegra aqui.

Deixe um comentário

Notícia

Avião de Alok perde controle e sai da pista em aeroporto de Juiz de Fora

Phouse Staff

Publicado há

Na tarde deste domingo (20), um avião que transportava Alok e sua equipe perdeu o controle ao tentar fazer uma decolagem no Aeroporto de Juiz de Fora, em Minas Gerais.

De acordo com informações, nove pessoas — incluindo o DJ — estavam a bordo da aeronave Cessna modelo 560X. Em vídeos que circulam pelas redes sociais, é possível ver a aeronave fora da pista e uma grande nuvem de fumaça.

Através de nota oficial, a Prefeitura Municipal de Juiz de Fora confirmou que não houve feridos e que os Bombeiros prestaram atendimento de imediato.

Confira na íntegra:

“A Sedettur informa que o incidente durante a decolagem da aeronave que fazia o transporte do DJ Alok e equipe, por volta das 16h30 no Aeroporto Municipal Francisco Álvares de Assis, não registrou vítimas. Imediatamente após a ocorrência, todos os procedimentos de segurança foram acionados pela empresa que opera o aeroporto, assim como os contatos com o Corpo de Bombeiros e os órgãos ligados à Aeronáutica. As causas do incidente serão agora investigadas pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa).”

Através do Twitter, Alok também confirmou que ele e sua equipe estão bem.

Ainda abalado, o artista utilizou sua conta do Instagram para compartilhar momentos após o acidente. Em um dos videos, é possível ver o DJ citando a aeronave pegando fogo:

 

Continue Lendo

Notícia

Armin van Buuren volta a mirar no psytrance em novo som

Phouse Staff

Publicado há

Armin van Buuren psytrance
Foto: Reprodução
“Blah Blah Blah” é o mais novo lançamento do astro holandês

Pela sua Armada Music, Armin van Buuren lançou nesta sexta-feira (18) seu novo single, “Blah Blah Blah”. Desta vez, o produtor — que tem experimentado com as mais variadas vertentes, incluindo a disco music — voltou a apostar suas fixas em uma linha psytrance, dois anos depois de lançar a famosa “Great Spirit” com Vini Vici.

Tocada pela primeira vez em seu set no Ultra, “Blah Blah Blah” traz um sample vocal de um coro infantil que é repetido em loop enquanto a faixa vai se desenvolvendo e se tornando cada vez mais pegada. A track fará parte de um EP homônimo, que será lançado em 08 de junho com outros três sons: “The Last Dancer”, “Just As You Are” e “Popcorn”.

Segundo o release de imprensa, estas são as palavras de Armin sobre o novo lançamento: “Blah Blah Blah Blah Blah Blah Blah Blah Blah Blah Blah Blah Blah ‘Blah Blah Blah’ Blah Blah Blah Blah Blah Blah Blah Blah Blah Blah Blah. Blah Blah Blah Blah Blah Blah Blah Blah Blah Blah Blah Blah Blah Blah Blah Blah Blah Blah Blah Blah ‘Blah Blah Blah’ Blah Blah Blah Blah”. É sério. Confira o som:

+ CLIQUE AQUI para ler mais notícias sobre Armin van Buuren

Continue Lendo

Notícia

Depois de dois anos, Disclosure lança novo single

Phouse Staff

Publicado há

Disclosure Ultimatum
Foto: Reprodução
Dupla dá uma palinha do que deve vir em seu próximo álbum

Depois de dois anos, o Disclosure está de volta com música nova! A dupla, que passou por um hiato em 2017 e anunciou recentemente estar trabalhando no seu terceiro álbum, surge agora com “Ultimatum”, música que possivelmente estará no disco novo.

Mais leve e até com toques de jazz e afrobeat, a faixa — que traz um sample vocal da cantora marfinense Fatoumata Diawara — é ligeiramente diferente das produções anteriores do Disclosure, ao mesmo tempo que indiscutivelmente carrega a assinatura musical dos britânicos. É o primeiro lançamento do duo desde o EP Moog for Love, de 2016, que por sua vez sucedeu o álbum Caracal, de 2015.

“Desculpem-nos, já fazia um tempo. Nós temos sentido imensamente a sua falta, então decidimos compartilhar com vocês algo em que estivemos trabalhando agora que o sol está brilhando e as árvores estão verdes”, declararam os irmãos Lawrence, em comunicado para a imprensa. “Uns meses atrás, nós esbarramos em uma cantora incrível chamada Fatoumata Diawara. Enquanto escavávamos por sua discografia, descobrimos esse lindo sample e começamos a brincar com ele. O resultado é nossa nova canção, ‘Ultimatum’.”

Curiosamente, a artista de 36 anos lançou nesta sexta-feira (18) seu novo álbum, Fenfo (Something to Say), nos Estados Unidos.

+ Disclosure anuncia terceiro álbum para 2018

Continue Lendo

Trending

-->

Copyright © 2018 Phouse

Senne