fbpx
fatboy

O Fatboy Slim também está contra a EDM

“Não se engane: A EDM vai queimar na própria chama”, disse o veterano DJ em entrevista ao thump

Saiu ontem, pela edição brasileira do thump, uma entrevista bem bacana com o Norman Cook, o popular Fatboy Slim. Esse é um cara cuja opinião e reflexão é sempre muito válida, já que ele está há décadas na cultura de pista, é um artista de mão cheia, pegou trocentos movimentos rolando — e entre eles, nada menos que o boom da acid house no Reino Unido, na virada dos anos 1980 para os anos 1990 — e é um desses artistas que conseguem se manter absurdamente populares sem serem uns cuzões vendidos.

A entrevista, feita por Josh Baines, se passou na casa do artista, em Brighton, e estava previamente orientada para se guiar por três assuntos-chave: o Smile High Club — nova investida mercadológica do Fatboy Slim, que vai colocar “quatro fãs sortudos [que] irão ser lançados de show a show em um avião particular”, o vigésimo aniversário do seu selo Skint e o relançamento do álbum Halfway Between the Gutter and the Stars, de 2000; entretanto, as memórias do DJ sobre o começo de sua carreira e o primeiro contato com a acid house no famoso second summer of love, a sua humildade e alegria espontânea e a cena EDM atual acabaram direcionando a conversa.

A opinião de Cook sobre a EDM certamente é o que mais atrai polêmica e cliques para o momento — tanto que o título da matéria é “FATBOY SLIM: ALGO TEM QUE SOBREVIVER QUANDO A BOLHA EDM EXPLODIR” —, mas, diferentemente de caras como Seth Troxler, que bate tanto na sigla quanto bebe água, ou de gente como Steve Angelo e Zedd, que sempre estiveram muito associados a ela e mais ultimamente a criticaram, querendo mostrar distanciamento, o Fatboy Slim é um veterano que tem experiência o suficiente para ganhar mais credibilidade quando se opõe ao grande movimento mercadológico contemporâneo da dance music: “Tudo isso que está acontecendo na dance music representa as pessoas querendo voltar a sentir a genuína euforia, em vez da euforia artificial dessa geração […]”, declara Cook, em tradução de Pedro Moreira.

E continua: “Não se engane: a EDM vai queimar na própria chama. O gênero é baseado em um esquema de pirâmide para fazer dinheiro e assim que parar de fazer dinheiro, todo o castelo de cartas vai vir abaixo”. Se você reparar bem, esse discurso vai completamente ao encontro do que falamos sobre a cooptação da dance music, na semana passada.

Em todo o caso, vale ler a entrevista do thump na íntegra, aqui.

Share on facebook
Compartilhar no Facebook
Share on twitter
Compartilhar no Twitter
Share on whatsapp
Enviar no Whatsapp

Quer aprender a produzir a sua própria música?

Compre agora o curso Make Music Now com 10% de desconto na inscrição e soundbank do Studio Tronnic para Sylenth1 grátis!.

RECEBA NOVIDADES

ÚLTIMAS NOTÍCIAS