Primeiros Erros

Pic Schmitz fala sobre seu cover de “Primeiros Erros”

DJ explica que ideia foi sugestão do DJ Meme, e revela que o lançamento coincidiu com um momento de muita tristeza

Na última sexta-feira, Pic Schmitz lançou via Liboo sua própria versão para “Primeiros Erros”, clássico de Kiko Zambianchi de 1985, que também ganhou fama a partir da releitura do Capital Inicial nos anos 2000.

O cover do DJ e produtor gaúcho é bem semelhante ao som do Capital, incluindo através voz do conterrâneo de Porto Alegre Axel Antunes, que é semelhante à de Dinho Ouro Preto. Com a batida eletrônica ao fundo, entretanto, a música ganha uma pegada bem mais alegre e dançante.

Agora, em contato com a Phouse, Pic Schmitz explicou que a ideia de reconstruir um dos grandes sucessos do pop rock nacional surgiu a partir de uma sugestão do DJ Meme feita em maio do ano passado: “A ideia surgiu em São Paulo, durante o último BRMC. Em uma festa, estava conversando com o Meme, que é meu amigo há muitos anos, e ele chegou pra mim: ‘Pic, vou te dar um presente, cara. Tem uma música que ficaria demais pra você, acho que seria tua cara produzir uma nova versão’. Comecei a pensar na música e desde então venho trabalhando nela”.

O DJ acrescenta que, como o próprio Meme afirmou, trata-se de um som atemporal, que pegou diferentes gerações ao longo das últimas décadas. “A ‘Primeiros Erros’ tem três momentos com o mesmo verso e refrão: começa mais intimista, depois passa pra um clima intermediário e termina alegre, então ela vai numa crescente. Vim a desenvolvendo ao longo do ano inteiro, testando na pista, fazendo modificações, e ela ganhou essa cara, com auxílio de alguns outros produtores. A ideia foi deixar bem atual, alegre e pra pista, porque por essa evolução que a música tem, ela tem caminhos que podem levar pra uma veia mais triste ou alegre. E eu tentei dar esse rumo, deixando um clima final de esperança”, acrescenta.

+ “Sem profundidade, não há futuro”; uma entrevista com o lendário DJ Meme

Pic também revelou que o lançamento da sua releitura coincidiu com um momento de bastante pesar em sua vida: a morte do pai. “Casualmente, por uma triste coincidência, a semana em que ela foi lançada foi exatamente a semana em que meu pai veio a falecer. E por ela refletir muitas coisas do passado, ficou ainda mais significativa e marcante para mim”, declarou.

Por fim, o produtor explicou que, além de conseguir a liberação dos direitos autorais, sua ideia original era de propor para que o próprio Dinho Ouro Preto cantasse a música. Porém, o vocal de Axel Antunes, a princípio demonstrativo, acabou agradando bastante, e optou por mantê-lo.

Share on facebook
Compartilhar no Facebook
Share on twitter
Compartilhar no Twitter
Share on whatsapp
Enviar no Whatsapp

Quer aprender a produzir a sua própria música?

Compre agora o curso Make Music Now com 10% de desconto na inscrição e soundbank do Studio Tronnic para Sylenth1 grátis!.

RECEBA NOVIDADES

ÚLTIMAS NOTÍCIAS