Protesto Raving Riot

“Rave protesto” de 2018 vira filme longa-metragem

"Raving Riot" será lançado no Beat Festival em junho; dez dias depois, ODD recebe showcase do Bassiani

Se por vezes o que se entende por resistência ou resiliência é jogado de maneira demasiadamente fácil para definir os esforços de certos grupos que persistem numa determinada tarefa ou projeto como se fosse uma missão, diluindo seus significados à medida que os distancia dos sentidos originais de luta e transformação, por outras somos bem lembrados deles quando coisas que prezamos são efetivamente ameaçadas e surge a necessidade de protegê-las. É nestes momentos que se torna tragicomicamente evidente a diferença entre defender algo que é essencial para nossa existência e operar a mera manutenção de nossas atividades.

Claro que, em tempos de extrema polarização política e um assustador retorno de perspectivas conservadoras no discurso popular, essa defesa se faz tão mais premente quanto frequente, mas ela jamais se banaliza. E quando olhamos para o que ocorreu em Tblisi em 2018 e teve o club Bassiani como ponto focal de protestos que partiram da necessidade de mantê-lo aberto, mas acabaram por englobar temas referentes aos direitos mais básicos dos jovens georgianos, fica notória a diferença e o quão importante é estarmos sempre prontos a fazer o que for preciso para cuidar do que amamos.

+ “Rave protesto” da Geórgia: relembre o caso

+ Assista ao documentário curta-metragem lançado pela BBC sobre o episódio

Dirigido por Stepan Polivanov, o filme Raving Riot promete ser um belo registro do que ocorreu, envolvendo desde as circunstâncias que levaram clubbers a efetivamente formarem uma resistência nas ruas da capital, até os resultados concretos alcançados por eles em sua narrativa. Programado para estreiar no famoso festival russo de cinema independente Beat Festival, no dia 05 de junho, o que ele acaba oferecendo em seus 61 minutos é uma visão bastante matizada daquilo que ocorre quando uma tradição local tipicamente repressiva é desafiada por uma abordagem global caracteristicamente liberadora.

Raving Riot é inspirador por diversos motivos, mas todos eles se sustentam numa temática que se faz alarmantemente cada vez mais presente pelo mundo, ameaçando liberdades individuais e identidades coletivas dentro e fora desse nosso universo hedonista que, como podemos ver aqui claramente, nunca pode deixar de ser combativo.

O trailer de “Raving Riot” foi lançado recentemente

É um belo lembrete do senso que iniciativas como o Bassiani e a ODD, ainda que tão distantes geograficamente, compartilham e que os une em torno de um projeto comum. O mesmo que será celebrado na noite de 15 de junho — dez dias depois da estreia do filme —, em São Paulo, com os residentes de ambos bastiões da liberdade musical e comportamental, que têm no techno sua linguagem comum.

A festa ODD + Bassiani faz parte da turnê de aniversário de cinco anos do clube georgiano, e traz o DJ americano DVS1 como principal atração. Residente do Bassiani, Ndrx junta-se a ele e aos brasileiros Davis, Vivi An, TYV, Frontinn, Vermelho, Martinelli, Kayque Cabral e ao selo carioca 40% Foda/Maneirissimo no lineup.

Chico Cornejo é colaborador eventual da Phouse.

Share on facebook
Compartilhar no Facebook
Share on twitter
Compartilhar no Twitter
Share on whatsapp
Enviar no Whatsapp

Quer aprender a produzir a sua própria música?

Compre agora o curso Make Music Now com 10% de desconto na inscrição e soundbank do Studio Tronnic para Sylenth1 grátis!.

RECEBA NOVIDADES

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

PHOUSE MUSIC
SPOTLIGHT