Caos 1 ano

Ben Klock inspirado, artistas e público em sintonia; saiba como foi o 1º aniversário do Caos

Alan Medeiros descreve sua primeira experiência na casa campineira, que recebeu o alemão como headliner para celebrar seu primeiro ano
* Edição e revisão: Flávio Lerner

A primeira sexta-feira de dezembro marcou o aniversário de um ano do Caos. Nesse primeiro ano de jornada, nomes como Laurent Garnier, Recondite, Guy J, Ryan Elliott, Efdemin e um timaço de artistas nacionais ajudaram a posicionar o club como um dos expoentes máximos do underground eletrônico nacional. Na linha de frente, Eli Iwasa e seus sócios não mediram esforços para colocar a cidade de Campinas na rota oficial dos principais artistas internacionais.

Quando confirmaram minha viagem, confesso que busquei não criar grandes expectativas, a fim de fazer a melhor observação possível da noite e dos acontecimentos. Sou um grande fã dos artistas do Berghain, mas até então tinha uma aptidão maior por outros residentes, apesar de admirar muito toda obra do Ben Klock, headliner da noite.

Ben Klock. Foto: Image Dealers/Reprodução

O que mais me chama atenção em seu perfil artístico é a regularidade frente a uma intensa tour mundial que ele já está envolvido há pelo menos uma década. A parte nacional do lineup também me chamou bastante atenção — isso porque estavam confirmados dois dos meus DJs preferidos no Brasil, Caio T e Eli Iwasa, além do Lucas Freire, reconhecido por amigos próximos e referências da cena como um precursor do hard techno no país.

Cheguei em Campinas à tarde, aproveitei o tempo livre no hotel para finalizar alguns trabalhos e encontrei o grande Andre Salata para um jantar antes da noite. Parti para o club um pouco mais tarde do que gostaria, o que me fez perder a primeira metade do set do Caio T, DJ parte do coletivo paulistano Gop Tun. O fim do sua apresentação estava bem melódico, com faixas que se confundiam entre as linhas da house e do techno — uma atmosfera de princípio de caos que, como o próprio nome já sugere, casou super bem com a noite.

Caio T. Foto: Image Dealers/Reprodução

Eli Iwasa entrou na sequência e mostrou por que a figura do DJ residente é tão importante para a construção do perfil sonoro de um club. Concentrada no momento e vivendo a pista do Caos de maneira intensa, Eli passeou por diferentes linhas do techno ao decorrer das suas duas horas e meia de set. Momentos de introspecção e melodia se alternaram com alguns picos de pressão de pista. Um set de quem é protagonista, mas com a devida construção de um ótimo warmup.

Com a entrega de Eli, Ben não precisou “recomeçar” a noite, contando uma história do zero. O DJ e produtor berlinense apenas deu a devida continuidade ao que estava sendo proposto; claro que com uma notável diferença que se dá por conta de seu estilo de discotecagem. Em pouco mais de quatro horas de set, Ben Klock mostrou por que é um dos grandes nomes da história contemporânea do techno — e olha que eu não gosto de usar esse tipo de clichê afirmativo, mas nesse caso se faz necessário.

Eli Iwasa. Foto: Image Dealers/Reprodução

Seu set pode ser dividido em momentos. Na primeira parte, ele preparou o terreno para o que viria a seguir, com intensidade, poucos breaks longos e um som mais limpo. Na sequência, vieram os efeitos, uma construção um pouco mais suja, breaks mais trabalhados e, novamente, pressão. A penúltima parte foi destinada a uma abordagem do techno bastante precisa e contundente, aquele estilo de faixas que você sabe que não é todo artista que consegue desenvolver. Já com o dia amanhecendo, ele tocou sua clássica “Subzero”, mixada com o vocal chiclete de “Freak Like Me”.

Antes de se despedir do público e já com os raios de sol na pista, Klock pisou no acelerador e entregou a melhor hora de sua apresentação — mental e vibrante, um closing perfeito para um set brilhante até ali. Era nítida a animação do artista com a pista que se construiu a sua frente. Lucas Freire assumiu a missão de dar números finais à noite, uma tarefa difícil após a excelente performance do alemão.

Lucas Freire. Foto: Image Dealers/Reprodução

Seu set iniciou com uma linha densa e criativa, com BPM acelerado e uma busca constante pela conexão com a pista. Acompanhei a fase inicial e resisti no dancefloor até que o cansaço me venceu. Saí do Caos com a sensação de ter pego uma das melhores pistas do ano, com sets bem executados, amigos na pista e aquele clima de coletividade que é tão importante para o desenvolvimento sustentável da cena.

Confira mais cliques da noite:

Foto: Image Dealers/Reprodução
Foto: Image Dealers/Reprodução
Foto: Image Dealers/Reprodução
Foto: Image Dealers/Reprodução
Foto: Image Dealers/Reprodução
Foto: Image Dealers/Reprodução

* Alan Medeiros é colaborador da Phouse.

LEIA TAMBÉM:

Pioneiro do techno em SP volta à terra natal em minitour

7 fatos que mostram que o Caos é um dos clubs underground mais legais do ano

Importante selo de house e techno da Itália traz showcase inédito ao Brasil

Sócia do Caos, Eli Iwasa fala sobre curadoria, cena e sonho realizado

Giorgia Angiuli: “Achava que dance music era vulgar e fácil de se fazer, mas eu estava errada”

Share on facebook
Compartilhar no Facebook
Share on twitter
Compartilhar no Twitter
Share on whatsapp
Enviar no Whatsapp

Quer aprender a produzir a sua própria música?

Compre agora o curso Make Music Now com 10% de desconto na inscrição e soundbank do Studio Tronnic para Sylenth1 grátis!.

RECEBA NOVIDADES

ÚLTIMAS NOTÍCIAS