Em novo patamar, PUMP se consagra como maior festival de Halloween do Brasil

Pela primeira vez no gramado da Arena da Amazônia, a PUMP Black Party se destacou por sua estrutura, cenografia e organização
* Edição e revisão: Flávio Lerner

No último dia 1º, embarcamos rumo a Manaus para conferir de perto um marco histórico na cena Norte do país. A Arena da Amazônia, que foi sede de jogos da Copa do Mundo, recebeu pela primeira vez um festival de dar inveja a qualquer grande polo da música eletrônica do nosso país.

Realizada pelo empresário Bernard Teixeira, a PUMP, que já rola desde 2013 na capital amazonense, ousou e se reinventou em sua sétima edição, levando a seu público uma experiência inédita — com grande estrutura, show de pirotecnia e palco com temática fascinante, à lá Tomorrowland. Com uma envergadura desse tamanho, não me parece exagero nenhum afirmar que a festa se consagrou como o maior festival de Halloween do Brasil.

Foto: Alcides Netto/Divulgação

Esbanjando sua força e cumprindo a promessa de entregar a sua melhor e maior edição de todos os tempos, a PUMP apresentou em sua já tradicional edição Halloween Black Party os DJs Alok, Bhaskar, ILLUSIONIZE, KVSH, Claudinho Brasil, Leiru, Gracciano e Toohoot.

Uma das atrações mais aguardadas da noite, o superstar Alok, que tradicionalmente vem se apresentando em todas as edições de Halloween da label, fez um verdadeiro espetáculo após a apresentação do jovem ILLUSIONIZE, que também agitou a pista, roubando a cena com o seu grave pesado.

🎃PUMP BLACK👻 O AfterMovieOficial mais esperado do ano pra vocês relembrarem um pouco do MELHOR SHOW já feito em Manaus. Obrigado a cada um de vcs que fizeram história junto com a PUMP, apertem os cintos e se joguem nesse vídeo incrível! #pumpblackparty #halloweenedition 🎥 @sergiotwa

Posted by PUMP Manaus on Thursday, November 7, 2019

Alok literalmente registrou o festival amazonense na sua história: anunciou em primeira mão, enquanto tocava sua faixa “Vale Vale”, que havia no local uma equipe registrando os melhores momentos do seu show, para um documentário que será lançando em breve no Netflix.

Quem teve o desafio de pegar a esmagadora pista na sequência foi KVSH. O mineiro, que nos bastidores nos declarou estar com um friozinho na barriga, demonstrou entender muito bem a missão que lhe foi passada. Começou seu set com muita confiança, balanceando entre house e tech house, até reaquecer bem a pista para soltar seus sucessos, levar o público ao delírio e entregar a pista no jeito para Bhaskar, que também deu um show à parte.

Review PUMP
Foto: Alcides Netto/Divulgação

Por volta das seis da manhã, eis que Alok voltou ao palco e mandou um segundo set, com uma pegada bem diferente e BPMs mais acelerados. Quem fechou a pista foi o carismático e talentoso Claudinho Brasil, com seu psytrance pop, levando o público à loucura. Posteriormente, em outro espaço do estádio, ILLUSIONIZE comandou o after, tocando até o meio-dia. 

Esta edição da PUMP foi um dos eventos mais organizados que presenciamos neste ano no Brasil. Sistema de bar, segurança, logística… tudo funcionou perfeitamente. É uma satisfação enorme ver a cena da música eletrônica se desenvolvendo de forma tão grandiosa e profissional na região Norte. Deixo aqui meus parabéns ao chefe da produção Ronaldo Júnior, Bernard e toda equipe.

Até a próxima.

Confira mais fotos do rolê:

Luckas Wagg é CEO da Phouse.

LEIA TAMBÉM:

Share on facebook
Compartilhar no Facebook
Share on twitter
Compartilhar no Twitter
Share on whatsapp
Enviar no Whatsapp

Quer aprender a produzir a sua própria música?

Compre agora o curso Make Music Now com 10% de desconto na inscrição e soundbank do Studio Tronnic para Sylenth1 grátis!.