Review SELVA
* Por Lúcio Morais Dorázio
* Edição e revisão: Flávio Lerner

Conhecidos pelas performances marcantes em palco e por envolverem diferentes influências sonoras em suas produções, o duo SELVA segue chamando a atenção do cenário eletrônico nacional e também de gravadoras internacionais. “Why Don’t You Love” (produzido em parceria com Vintage Culture e Lazy Bear), “Make Me Wanna” (com o Zerky) e uma parceria belíssima com Manu Gavassi em “Don’t Give Up” são apenas alguns dos exemplos.

Mais recentemente, o single “I Miss U”, lançado em agosto com Alok, já soma quase 11 milhões de streams apenas no Spotify. Agora, com “Call My Name”, lançada na última sexta-feira (16) em todas as plataformas digitais, o feito parece se repetir. O single, que já chega com cara de hit, tem mais uma vez por trás a respeitada Spinnin’ Records, gravadora responsável por colaborar com o sucesso de alguns dos DJs mais relevantes da atualidade. 

Com o SELVA, Pe Lu e Brian Cohen vêm atraindo olhares de artistas importantes não é de hoje, e essa notoriedade se dá principalmente pela forte, e ao mesmo tempo sensível, musicalidade de suas produções. Nas apresentações, o duo explora suas lives que incluem guitarra, bateria e equipamentos de discotecagem.

Os seus principais lançamentos são guiados pela house music com forte influência do pop. Essa fórmula agradou o público, e com “Call My Name” não é diferente. Com o uso do violão e do piano, a música é surpreendentemente tão melódica quanto dançante.

  

O drop, dinâmico, chega com força e energia, valorizando o canto e os instrumentos — uma das marcas registradas do duo. É o tipo de som perfeito para ser apreciado em qualquer hora e em qualquer lugar. O single conta ainda com os vocais marcantes e bem encaixados da cantora gaúcha Ocana, que já planeja um próximo lançamento com a dupla.

“Estamos muito felizes com o resultado final. Como toda produção nossa, a gente leva pro estúdio a experiência como músicos que adquirimos e criamos nossas composições do zero — conceito, letra, elementos musicais, harmonia, melodia, canto, técnica… É um trabalho muito prazeroso, perceber que o que fazemos tem realmente a nossa identidade”, explica Pe Lu, em contato com a Phouse

A canção ainda traz um olhar curioso sobre um intenso encontro de um casal. “Sempre que possível, procuramos criar uma história bacana por trás da música. Para esta, tanto na letra quanto na interpretação, criamos um cenário de um encontro proibido de um casal, em uma vibe de amor, porém de forma mais carnal e sensual. A continuação e os detalhes vão da imaginação e interpretação de cada um que ouvir”, finaliza Brian.

* Lúcio Morais Dorázio é colaborador da Phouse.

+ CLIQUE AQUI para ler mais notícias sobre o SELVA

Receba novidades no e-mail

Receba o melhor da Phouse em seu email!

:::. ALEATÓRIAS / LEIA TAMBÉM

Celebrando 10 anos, Colours anuncia Joris Voorn

Festa gaúcha vai comemorar uma década em abril

Minitour de Moodymann no Brasil começa nesta quinta-feira

Um dos DJs mais excêntricos do cenário underground global

Gabe solta nota de esclarecimento em suas redes sociais

Equipe de advogados trabalha para inocentar o artista e seu produtor

Axwell grava minimix de 5 minutos para Annie Mac

Cinco minutos de pura house music

Promessa brasileira lança remix pela Hot Creations

Conheça o DJ Lukke, jovem produtor carioca estabelecido em Los Angeles

Expoente underground, L_cio encaminha 2º álbum

Sucessor de “Poema” virá em parceria com a produtora Sala28

Anunciado no Lolla Berlin, Swedish House Mafia assina com Columbia

Gravadora da Sony Music será a nova casa das músicas do trio

Carnaval Green Valley: confira a programação

Vintage Culture, Claptone e FISHER são os headliners dos dois dias de festa

Trio sem cordas em Salvador terá Major Lazer e Tropkillaz

Grupo ÀTTØØXXÁ, que mistura ritmos brasileiros e música eletrônica, também estará no rolê

“Chase The Sun” é a nova collab do Hardwell com o Dannic

Bons amigos, os produtores voltam a emplacar uma nova track juntos