Connect with us
Federal Leaderborder
XXX Leaderborder

Rock In Rio pra quem?

Phouse Staff

Publicado em

18/09/2013 - 23:20

rock_in_rio-2013

Que o Rock In Rio já deixou de ser “In Rio” tem muito tempo, todos já sabiam. Que deixou de ser “Rock” também, mas calma aí, se ele não é mais “Rock” nem é “In Rio”, por que então o nome é esse? Simples meus amigos, são quase 30 anos de festival, criou-se uma marca, a equação é igualmente simples, mais ou menos isso: marca = marketing = retorno garantido = + dinheiro no bolso da produção.

Bom, acho que isso que falei não é novidade pra muita gente, mas continuemos. Segundo o próprio site do RIR (inclusive essa abreviação é perfeita pro evento porque atualmente parece mesmo que é pra rir), ele é o maior festival de música do mundo… huuum, será? Por que?

Vamos comparar com outros grandes festivais como SWU e Loolapalooza, só falando em nível Brasil e de festivais com uma grande diversidade musical. O número de palcos do RIR nesta edição ganha do SWU, 4 X 3 (não considerei o palco street dance do RIR pois como o nome já diz, não se trata de música e sim de dança), mas do Lollapalooza perde, pois foram 6 palcos na última edição em março. Em quantidade de dias ganha dos dois, são 7 nesta edição, contra 3 dos outros, parabéns Rock In Rio!

Mas espera aí, por que falar apenas desses dois festivais? E os de música eletrônica, que também tem uma variedade imensa de estilos musicais, mas dentro da e-music (se você não entende a diferença de um estilo pra outro sinto muito, se quiser entender estude!). Vamos falar de nível Brasil também? O famoso Universo Paralelo que acontece no reveillon durante quantos dias? 7 não é? Empatou, RIR são 7 também! Sendo que o UP são 7 dias seguidos! E a quantidade de palcos? 5 do UP contra 4 do RIR, é, mais uma vez o Rock in Rio ficou pra trás.

Agora se a gente for falar de público, em termos numéricos, aí você vai pensar: “ah nessa agora o Rock In Rio ganha de todos esses né?”. É, pode ser, mas falar em quantidade de público de um evento é um problema, porque a produção sempre aumenta o número, SEMPRE! Agora, se for pra entrar realmente nesse mérito, vamos comparar com outro festival de música eletrônica, beeeem mais comercial que o UP e portanto uma comparação mais justa com o RIR.

 

Tomorrowland, na Bélgica, já ouviu falar? Em 2013 foram 3 dias, perdeu para os 7 do RIR. E quantidade de palcos? Bom, eu contei 15, me corrijam se eu tiver me perdido na conta, porque gente, é muito palco hein?! Ganhou de lavada! E o público? Bom, aí entra naquele mérito, em que muitas vezes as fontes não são tão confiáveis, mas basta dar uma olhada em alguns videos de ambos, em que se tenha imagens “aéreas” do público nos festivais, para tirarem suas próprias conclusões.

Fato é que, o maior (segundo a sua própria produção) ou não, o melhor fica claro pra mim que não é, basta dar uma rápida olhada no line up de todos esses festivais que citei. E isso vale pra qualquer que seja o seu gosto, pop, rock ou eletrônico em se falando dos 3 primeiros citados, e em relação aos dois últimos, tenha você um gosto mais comercial ou mais underground na música eletrônica, acredito que você vá chegar a mesma conclusão! (Claro que se você é fã da Anitta, Naldo, Michel Teló etc, eu não preciso nem dizer que esse texto não é pra você.)

Pois bem, esquecemos o auto intitulado “maior” e vamos focar em música. Essa frase “o Rock In Rio deixou de ser Rock”, produz respostas como “Na verdade, nunca foi só Rock, sempre houve essa mistura de estilos”. Bem, há controvérsias. É fato que sim, sempre foi uma mistura de estilos, indo do Pop ao Rock… Opa, espera aí! Se a gente olhar lá o line up da primeira edição, chega-se a conclusão que o primeiro (1995) não era bem assim não. De fato foi o único ROCK in rio mesmo, afinal de contas, não se pode comparar o que teve de mais popular nessa época, como Lulu Santos, Alceu Valença entre outros, com o que vinha depois na edição seguinte (1991), como New Kids On The Block, Hanoi Hanoi, e daí pra pior, já que, sem contar as edições de outros países, em 2001 se teve um dia SÓ pro Pop, e agora em 2013 são 2 dias! Bom, também são 2 dias pro Metal certo? Sim, são, mas isso não é mais do que a obrigação de um festival que usa o ROCK no nome não é mesmo?

Finalizando, mais uma vez, um palco do qual eu não tenho muito o que falar é o eletrônico, cujo a produção acerta em quase todas as vezes no line up, de acordo com o estilo do dia, do mais comercial ao mais conceitual, com exceção dos dias do metal, que eu não sei porque, a produção cisma com o novo e barulhento electro, sério que vocês acham que o público do Iron Maiden e Metallica curte Felguk e Steve Aoki?

 

Fontes:

www.rockinrio.com

www.swu.com.br

www.lollapaloozabr.com

www.universoparalello.org

www.tomorrowland.com

www.wikipedia.org

 

Leo Mendes – DJ, Produtor Musical e de Eventos
https://www.facebook.com/leomendeslive

RECEBA NOVIDADES NO E-MAIL

Deixe um comentário

Notícia

Na elegância, Bhaskar remixa música de Silva e Anitta

O remix conserva a beleza de “Fica Tudo Bem” enquanto a torna dançante

Phouse Staff

Publicado há

Fica Tudo Bem
Foto: Reprodução/Facebook

“Fica Tudo Bem”, dueto de Silva com Anitta lançado em junho pela Sony, ganhou hoje um remix do Bhaskar, via Austro Music.

Na elegância, o DJ e produtor brasileiro conservou a vibe de bossa nova da canção original, aproveitando para colocar uma batida 4×4 bem marcada. Assim, o remix de “Fica Tudo Bem” é belo, calmo e dançante ao mesmo tempo.

Esta não é a primeira vez que o Bhaskar remixa uma música do Silva — basta lembrar do remix de “Infinito Particular”, que alçou o produtor a outro patamar em sua carreira.

LEIA TAMBÉM:

Conquistando a Ásia: DJs brasileiros falam sobre o novo polo da música eletrônica

Escute o remix de Nato Medrado para “Memories of You”, do Bhaskar

Bhaskar e MOJJO remixam faixa de Lost Frequencies com James Blunt

Música eletrônica + rap brasileiro: ouça a collab entre Bhaskar e 3030

Assista aos primeiros episódios de “Extended”, nova série do Bhaskar

Continue Lendo

Notícia

Comunidade eletrônica presta homenagens a Aretha Franklin

David Guetta, Bruno Martini, DJ Marky, Meme e vários outros se manifestaram nas redes

Phouse Staff

Publicado há

Aretha Franklin
Foto: Reprodução

Lenda do soul e uma das vozes mais icônicas de todos os tempos, Aretha Franklin faleceu ontem, 16 de agosto, aos 76 anos. A cantora e compositora americana sofria de um câncer no pâncreas e morreu em casa, em Detroit. Vários artistas em todo o mundo prestaram homenagens nas mídias sociais para expressar suas condolências, e a Billboard garimpou alguns nomes da cena eletrônica que também lamentaram sua morte.

David Guetta dedicou algumas palavras de tributo a Aretha no Instagram. “Aretha Franklin foi provavelmente a minha artista feminina favorita, e ela se foi. Ela escreveu seu nome com letras douradas e sua música vai ficar conosco para sempre. Obrigado por me inspirar desde os meus anos de infância e por toda a minha vida #RIPArethaFranklin”, escreveu.

“Nunca haverá outra #QueenofSoul conhecida não apenas por sua voz inacreditável. #Aretha foi uma ativista sem igual, usando sua fama para chamar a atenção para muitas causas na comunidade negra e além dela”, lembrou Tommie Sunshine.

Várias labels também publicaram mensagens no Twitter. “Descanse em paz, rainha do soul Aretha Franklin. Uma das maiores vocalistas de todos os tempos… Sua música vai viver para sempre”, postou a Defected Records.

A Phouse ainda foi um pouco além e deu uma olhada em comentários de DJs brasileiros. O DJ Meme, grande fã de soul, deixou a seguinte mensagem: “Desde sua primeira aparição, Aretha Franklin definiu o padrão no qual cada cantora de soul feminino seria medida, e isso permanecerá para sempre! Salve a RAINHA DO SOUL. Seu legado viverá em nossos corações. ♥”

Since her firts appearence, Aretha Franklin set the bar upon which every female soul singer would be measured, and that will remains forever ! Hail the QUEEN OF SOUL. Your legacy will live in our hearts.♥️

Posted by Marcello Meme Mansur on Thursday, August 16, 2018

“Descanse em paz Queen 👑 Aretha Franklin. Todos nós vamos sentir sua falta aqui”, complementou Bruno Martini. Já o curitibano Gromma publicou uma faixa do Foorplan (projeto de Robert Hood), que sampleia Aretha Franklin, e brincou: “A melhor homenagem foi do Robert Hood anos atrás. Nem ousem fazer bootlegs bagaceiros!”. Enquanto isso, o DJ paulistano Leonardo Ruas fez uma playlist no Spotify só com músicas da cantora (confira abaixo).

Rest In Peace Queen 👑 Aretha Franklin. We all gonna miss you here.

A post shared by Bruno Martini (@brunomartinimusic) on

A melhor homenagem foi do Robert Hood anos atrás. Nem ousem fazer bootlegs bagaceiros! rssssssAretha Franklin + Robert Hood = ❤️ R.I.P

Posted by João Paulo Gromma on Thursday, August 16, 2018

Veja mais manifestações:

❤️ #arethafranklin

A post shared by DJ Marky (@djmarkym) on

Playlist do DJ Leonardo Ruas

Continue Lendo

Notícia

“We Go Together” é o novo single do ILLUSIONIZE

Faixa foi lançada nesta sexta-feira, via Armada Music

Phouse Staff

Publicado há

ILLUSIONIZE
Foto: Reprodução

Depois de pintar recentemente com “Down”, um dos DJs mais queridos da cena nacional, ILLUSIONIZE, lançou hoje seu novo single, “We Go Together”. Com a voz de Alex Joseph, a faixa é mais leve e melódica do que de o produtor costuma fazer, mas o característico baixo gordo e pegado está ali, como não poderia deixar de ser.

Diferentemente de “Down”, entretanto, “We Go Together” foi lançada pela Armada Music (com quem o artista fechou em outubro), e não fará parte do novo álbum do ILLUSIONIZE, que deve chegar pela Elevation em fevereiro, para celebrar seus dez anos como DJ.

+ CLIQUE AQUI para ler o que o ILLUSIONIZE nos contou sobre seu novo álbum

Continue Lendo

Publicidade

TM Festival (300×250)
Federal Music 300×250
XXXperience 300×250

Facebook

PLAYLIST

Trending

-->

Copyright © 2018 Phouse

Translate »
TM Festival Pop UP