Saiba como chamar a atenção dos jurados do BURN Residency 2019

Inscrições estão abertas até dia 1º de agosto

Que DJ nunca se imaginou tocando ao lado de grandes artistas e ainda contando com o apoio de uma marca envolvida com a música eletrônica? É isso o que BURN Residency está propondo aos novos talentos do Brasil.

E para te ajudar a levar essa conquista, nós falamos com Andre Salata (à esquerda na foto) e Leo Janeiro (à direita), dois dos quatros jurados do programa — ao lado de Claudia Assef (ao centro) e Roland Leesker —, que deram algumas dicas do que pode ajudar na hora da seleção dos melhores candidatos.

Para Salata, profissional com extenso conhecimento na parte técnica musical, independentemente da experiência, é possível que o artista demonstre personalidade através do próprio set ou de suas próprias músicas. “Estaremos de olho em quem apresentar uma linha musical que fuja do óbvio, trazendo boas surpresas dentro de um set ou mesmo através da timbragem de suas produções”, revelou.

Outro indício de que um artista pode ser um talento promissor é sua consistência. “Através dessa característica, ele demonstra que sabe onde quer chegar e que está trabalhando em cima dessa direção”, complementou o DJ, produtor e professor.

 + LEIA TAMBÉM: Vencedor do BURN Residency 2019 terá R$ 23 mil para montar seu estúdio

Já segundo Leo Janeiro, o mercado hoje tem muitas oportunidades, mas é preciso que o artista mostre uma característica principal: “Originalidade. Isso é fundamental. O artista precisa realmente gostar do que faz e mostrar isso ao público. Eu pessoalmente julgo muito importante esse fator. Hoje, quanto mais autêntico você for e provar isso, mais à frente você estará”, afirmou.

Ainda de acordo com Leo, muitos artistas atualmente tentam imitar suas referências, e isso precisa ser mudado. “Você pode ter, sim, referências, mas é necessário buscar a sua maneira de enxergar a música, de produzir, de entender aquilo que você tá fazendo. Vejo isso como o passo mais importante para se colocar dentro desse mercado”, disse ele.

Antes de finalizar, o carioca deixou uma última dica: “Em nossa avaliação, a questão do estilo será secundária. Vamos olhar com cuidado para como o artista irá contar sua história, como ele pensa mixando, se ele realmente se mostrou à vontade com aquilo que está fazendo. É possível notar isso claramente quando ouvimos um set, pela fluidez, pela construção”.

Se você acredita que tem chances de representar a BURN por um ano e se tornar o novo DJ revelação no país, faça já a sua inscrição no site oficial — o período para se cadastrar foi prolongado até dia 1º de agosto.

* Marllon Gauche é colaborador da Phouse.

SIGA A PHOUSE:
INSTAGRAM | TWITTER | FACEBOOK | SPOTIFY

Share on facebook
Compartilhar no Facebook
Share on twitter
Compartilhar no Twitter
Share on whatsapp
Enviar no Whatsapp