Mosquitos
Foto: Reprodução

Quem poderia imaginar que mosquitos não seriam grandes fãs de dubstep? “Scary Monsters and Nice Sprites”, hit do primeiro EP de Skrillex, lançado pela mau5trap em 2010, foi utilizado por pesquisadores da Universidade Malaysia Sarawak, na Malásia, em teste com mosquitos Aedes Aegypti — o popular “mosquito da dengue”, responsável também por transmitir zika, febre amarela e chikungunya.

Os pesquisadores descobriram que os mosquitos expostos às frequências graves se reproduziam menos em relação ao grupo de mosquitos que não foram expostos ao som. Dá pra acreditar?

“No caso dos mosquitos, o som emitido por eles vem do batimento das asas (o mesmo zumbido que escutamos no ouvido) e o batimento das asas possui uma frequência específica tanto para os machos quanto para as fêmeas. Para a cópula, essas frequências podem ser alteradas e ‘acertadas’ entre machos e fêmeas, para que entrem numa sintonia”, contou Tamara Lima-Câmara, do Departamento de Epidemiologia da USP, à reportagem do G1.

“Segundo Tamara, as antenas dos mosquitos funcionam como órgãos sensoriais que percebem vibração e são sensíveis a ondas sonoras, por isso existe a ideia de repelentes ultrassônicos, que não são perceptíveis aos ouvidos humanos, mas afastariam os mosquitos”, continua a matéria.

“Um desses sons ultrassônicos imitaria, por exemplo, o batimento das asas de predadores de mosquitos. Entretanto, não há confirmação científica da eficiência desse método de repelência”, complementou Lima-Câmara.

O G1 deu mais detalhes de como funcionou a pesquisa:

Os cientistas, criaram dois ambientes: um com e outro sem música e compararam as taxas de visitação, alimentação e reprodução dos mosquitos em cada um.

As fêmeas de Aedes expostas à música visitaram o ambiente mais tarde que o normal, menos vezes e também se alimentaram menos. Além disso, os mosquitos expostos à música copularam muito menos do que os mosquitos no ambiente sem música.

O estudo pode abrir caminho para que novas formas de repelentes ultrassônicos sejam testadas, mas Tamara alerta que é preciso mais avanços.

“Associações entre música e animais já foram feitas anteriormente. No caso dos mosquitos, por perceberem ondas sonoras, talvez a música seja percebida também. Mas é importante lembrar que o experimento foi realizado com a música tocando bem próxima dos mosquitos, o que invalida a ideia de colocar som alto dentro de casa para espantar as picadas”.

Ou seja, ainda é cedo pra apostar no Skrillex pra evitar o mosquito da dengue. Melhor seguir por ora confiando nos repelentes tradicionais.

+ CLIQUE AQUI para ler mais notícias sobre bass music

Receba novidades no e-mail

Receba o melhor da Phouse em seu email!

:::. ALEATÓRIAS / LEIA TAMBÉM

Sem hora para acabar: Superafter do D-EDGE celebra 8 anos

Festa rola neste sábado (25) com nove DJs e pelo menos 12 horas de música

Edição mineira do BRMC Diálogos tem os ingressos esgotados

Evento será nesta quarta-feira, 05

Consistência e reconhecimento: Rods Novaes fala sobre a trajetória da Not For Us

Com mais de 220 lançamentos, gravadora brasileira está no mercado há oito anos

Techno segue como o gênero mais vendido pelo Beatport

Pelo quarto ano consecutivo

“Worlds 2019”: Assista à performance especial de Porter Robinson no Second Sky

Produtor voltou a apresentar seu clássico show depois de dois anos

Progressive house: Nato Medrado lança EP com 3 originais

“Epopeia” saiu nas principais plataformas digitais nesta segunda-feira

Ibiza terá novo clube underground

Octan Ibiza vai promover artistas menores de house e techno

Álbum póstumo do Avicii é lançado; ouça agora!

Um dos lançamentos mais especiais de 2019

XXXPERIENCE surpreende e solta o lineup completo de uma só vez

Ingressos já estão à venda

Disco de hitmaker holandês traz 4 remixes brasileiros

Lançamento celebra os 20 anos de carreira do DJ e produtor Mason