Swedish House Mafia progressive house
Um dos eventos mais importantes dos últimos anos no cenário eletrônico deve trazer consequências marcantes
* Artigo por Leo Lauretti

Swedish House Mafia fechou o Ultra Music Festival 2018, a 20ª edição de um dos maiores festivais de música eletrônica do mundo, e algumas coisas importantes vieram à tona. Durante o show, acompanhei a reação das pessoas nas redes sociais, e muitos falando bem da apresentação em si.

Primeiramente, me chamou a atenção todo o hype que foi levantado para essa performance, e deixo uma pergunta: será que a EDM/prog house* morreu mesmo, ou será que estamos vivendo um retorno desse estilo? Não acho que viveremos algo semelhante ao passado em questão de estrutura musical, mas me arrisco a dizer que algo novo pode surgir com moldes similares aos do passado. Adoraria saber o que vem por aí, e digo isso desde quando descobri, há 30 dias, que o Swedish House Mafia voltaria.

+ Swedish House Mafia “de volta pra valer”

Outro fato curioso é que o trio não tocou nenhuma música nova deles, senão as que fizeram até se separarem. Mesmo assim, as reações têm sido muito boas, o que me leva a questionar: por que músicas de seis, sete anos atrás continuam com o mesmo peso e força, enquanto vemos outras se perdendo em menos de meses? Temos aqui a resposta do que “matou a EDM” há uns anos. Hoje em dia, existem poucas músicas que emocionam como “Don’t You Worry Child”, que marcaram época. Seja agora, seja daqui a dez anos, esses sons continuarão a representar muito para quem vivia ouvindo a track durante o seu auge (2013/14). O low BPM surgiu como uma outra proposta de música para festivais, porém vejo muita saturação e “plasticidade” nos dias de hoje, e, por isso, um alerta.

Por último, o que acontecerá daqui pra frente? Como amante desse estilo do Swedish House Mafia, torço muito pela volta dele, mas muito mesmo. Isso significa que o low vai morrer? Vejo que PODE perder força, mas acho que não morrerá, uma vez que existe um público muito mais conscientizado sobre o assunto, o que possibilita ao gênero se manter em uma constante, ou com apenas uma pequena queda. Quanto ao prog, o futuro está nas mãos dos produtores, meios de mídia, público, e principalmente dos DJs que animam as festas acolherem esse “novo” estilo. Se alguém quiser mudar algo, são estes que podem começar!

+ CLIQUE AQUI para ler mais notícias sobre o SHM

* Nota do Editor: Em face da confusão instaurada nesses últimos dez anos quanto ao termo progressive house — originalmente um estilo bem diferente deste capitaneado pelo Swedish House Mafia —, continuaremos chamando aquele de “progressive house”, enquanto este passa a ser referido como “prog house”, evitando o uso de um mesmo termo para se designar a gêneros diferentes.

** Leo Lauretti é colaborador eventual da Phouse.

Receba novidades no e-mail

Receba o melhor da Phouse em seu email!

:::. ALEATÓRIAS / LEIA TAMBÉM

Plusnetwork traz nova edição do Circoloco ao Brasil

Festa volta ao país depois de cinco anos

Edição da Cercle no Rio de Janeiro é adiada

Mau tempo frustrou os planos para esta segunda-feira

Get Physical lança 3º EP da série “Cocada”

Com remixes para Hauy e Ossaim, o lançamento antecipa o VA “Cocada 2019”

David Guetta e Tom Staar misturam big room e tech house em “This Ain’t Techno”

Faixa foi lançada na última sexta-feira, via Spinnin’ Records

Eli Iwasa é atração no maior festival de techno da Colômbia

Agenda internacional de 2019 da DJ começa com datas em Buenos Aires e Bogotá

Evokings fala sobre sua primeira gig na África do Sul

Show no festival Eden Experience, ao lado do Dubdogz, foi a primeira data do duo em outro continente

Juiz concede liberdade, e Gabe celebra

Advogado demonstra certeza da vitória ao final do processo

10 super dicas para um Carnaval com muita música eletrônica

Grandes astros nacionais e internacionais estarão espalhados pelo país

“Somos mais experientes agora”; atração do Caos, HNQO fala com a Phouse

DJ toca no clube campineiro nesta sexta-feira, ao lado de nomes como BLANCAh, Eli Iwasa e Victor Ruiz

Assista a um belíssimo vídeo em tributo a Avicii

Com mais de três minutos, vídeo foi ao ar em última edição do “Grammy sueco”