Protagonismo feminino, B2B ucraniano e drum’n’bass marcaram última abertura do Warung

Nastia e Daria Kolosova foram as grandes atrações da noite, que ainda teve Eli Iwasa, L_cio, Ney Faustini e YokoO

* Com a colaboração de Leonardo Smith
** Edição e revisão: Flávio Lerner

No último dia 21, o Warung Beach Club apresentou Eli Iwasa, L_cio, Ney Faustini, YokoO, Nastia e Daria Kolosova, que estreava no clube. Foi uma festa importante para mostrar a preocupação da casa com a ainda persistente — embora cada vez menor — desigualdade de gênero no cenário eletrônico, com Eli e as DJs ucranianas assumindo o comando da pista principal.

De início, no Garden, o paulistano Ney Faustini foi o encarregado para dar a largada, passando a pista para uma das atrações mais aguardadas da noite: o francês YokoO, DJ bastante querido pelo público do templo desde a sua estréia em 2017, no showcase do selo All Day I Dream. YokoO tem como suas principais características o deep house e o deep tech, sempre mostrando um alto nível de controle sobre a pista com tracks melódicas acompanhadas de drops dançantes, casando perfeitamente com o warmup que foi realizado.

Na sequência, L_cio apresentou um live act emocionante em seu retorno ao club, conduzindo a pista até o amanhecer e mostrando as infinitas possibilidades de criação que um live proporciona ao público. O músico passeou por vertentes do techno melódico e da house, além de apresentar brasilidade através de um de seus releases mais marcantes — o remix para o clássico “Construção”, de Chico Buarque.

Comando feminino no Inside

Segundo o IMS Business Report, até 2018, apenas 19% dos lineups dos grandes festivais foram compostos por DJs mulheres, o que comprova que ainda estamos bastante atrasados no que diz respeito ao equilíbrio de gênero nas importantes cabines mundiais. Esse dado nos ajuda a entender o quão especial foi essa festa no clube em Itajaí, em que somente mulheres foram encarregadas da missão de conduzir a pista principal durante toda a noite.

Iniciando os trabalhos do pistão com muito techno, a residente Eli, em mais uma de suas apresentações memoráveis, preparou o público para a estreante Daria Kolosova. A estreia de um DJ em um club como o Warung é sempre um momento ímpar. Em sua apresentação, Daria fez jus a toda confiança e expectativa colocada em cima dela. A artista teve duas horas para nos mostrar sua qualidade e bagagem musical, conduzindo a pista de forma eletrizante e nos fazendo entender o porquê de ter seu nome entre os grandes do leste europeu.

Daria Kolosova e Nastia mandando um B2B. Foto: Gustavo Remor/Reprodução

A cena ucraniana vem sendo transformada ao longo dos últimos anos, e poucos DJs fizeram tanto quanto Nastia e Daria para colocar o país no mapa do techno mundial. Recentemente essa união vem chamando muita atenção em apresentações em diversos países — e nessa noite, tivemos a oportunidade de presenciar um incrível B2B entre ambas.

Após a apresentação individual de Daria, Nastia se juntou nas mixagens para mais duas horas e meia de som junto de sua conterrânea. Diferentes estilos de techno intercalados com fortes tracks de electro e breakbeat trouxeram uma cadência impecável, com momentos frenéticos e dançantes.

Nastia, que se apresenta frequentemente no clube, mostrou estar totalmente conectada ao público da casa e à vontade para mostrar seu verdadeiro gosto musical. Assumindo sozinha a finaleira da festa, nos presenteou com mais de meia hora de um estilo nada convencional para aquele ambiente: jungle e drum’n’bass. Em seu Instagram, a DJ falou sobre o quão especial foi a sua decisão de finalizar seu set com essas diferentes vertentes que, aqui no Brasil, atualmente parecem esquecidas.

LEIA TAMBÉM:

“O Brasil tem seus próprios heróis do jungle/dnb, como a lenda DJ Marky e o selo Sambass, mas hoje em dia não existe uma cultura, e eu nem sei se existem festas ‘de jungle’ no país. De qualquer forma, eu acredito nesse tipo de som, porque ele traz apenas benefícios: alta energia e uma incrível produção dinâmica”, escreveu.

Nessa noite histórica para o Warung, reforçamos a importância das mulheres estarem sendo cada vez mais valorizadas e colocadas em seu devido espaço de destaque na cena — e também como é maravilhosa a abertura que o clube dá aos artistas de se expressarem verdadeiramente.

A oportunidade de receber um estilo musical diferente durante o nascer do sol da Praia Brava foi indescritível. Após uma noite de techno intenso, foram tocadas tracks com BPM reduzido e muita energia, levantando a pista, arrancando sorrisos do público e deixando essa noite registrada na nossa memória.

Leon Pureza é colaborador da Phouse.

Conheça os headliners das próximas aberturas de Laroc e Ame Club

Nomes como Nicky Romero, Aly & Fila, Kölsch e Nastia serão atração entre abril e julho

Além das datas já anunciadas para Laroc e Ame Club (13 de abril e 30 de março, respectivamente), os clubes irmãos de Valinhos estão prestes a anunciar sua programação para maio, junho e julho.

Depois de um Carnaval especial recheado de atrações que foram de DJ Snake e Diplo a Seth Troxler e CamelPhat, as casas seguem apostando na fórmula que consagrou o Laroc como um dos espaços mais prestigiados do mundo: grandes DJs internacionais — do mainstream e do underground — aliados a uma estrutura que combina tecnologia com a bela paisagem da região.

Serão cinco aberturas no Laroc e quatro no Ame, começando com as festas que trarão Sunnery James & Ryan Marciano, Bruno Martini e Chemical Surf (Laroc); e Pete Tong, Bushwacka!, Gui Boratto e Elekfantz (Ame), em aberturas que já foram reveladas oficialmente.

LEIA TAMBÉM:

Além delas, as casas vão receber como headliners Nicky Romero, Aly & Fila, Ferry Corsten, Alok, Cat Dealers, Kölsch, Nastia e Patrice Bäumel — sem contar uma nova edição da festa espanhola elrow, que debutou no Laroc em julho do ano passado. Os lineups para essas aberturas ainda não estão completos.

“Hoje a gente vive um momento em que os artistas nacionais tem enorme domínio sobre a cena local — o que é ótimo, porque mostra o valor dos nossos produtores, mas temos também a missão também de trazer nomes que estão em linha com a cena internacional”, declarou Mario Sergio de Albuquerque, sócio-fundador de ambas as casas.

“Neste ano, vamos apostar ainda mais no equilíbrio entre um nome internacional em evidência junto a um nome nacional de expressão. A ideia é realmente balancear, não ficando refém de nenhum dos mercados [nacional e internacional]. O Brasil é um dos poucos países do mundo que consome sua própria música e esquece de todo o resto. Esse equilíbrio tem que existir”, concluiu.

Confira as próximas aberturas:

Laroc Club:

13/04 – Sunnery James & Ryan Marciano, Bruno Martini, Chemical Surf;

04/05 – Ferry Corsten, Aly & Fila;

01/06 – Nicky Romero, Cat Dealers;

29/06 – Alok;

13/07 – elrow;

Ame Club:

30/03 – Pete Tong, Bushwacka!, Gui Boratto, Elekfantz;

18/05 – Kölsch;

22/06 – Nastia;

20/07 – Patrice Bäumel;

Concorra a uma cruzeiro de música eletrônica para Ibiza

Cinco sortudos ganharão viagem com tudo pago 

Lembram-se do cruzeiro espanhol The Ark, que será palco para a etapa final do BURN Residency, e terá palcos assinados por labels como Ministry of Sound, Filth On Acid e o nosso Laroc Club? Agora, a BURN Energy Drink pintou com uma boa notícia pra quem está a fim de ir, mas não tem grana sobrando: a marca vai levar cinco sortudos e seus respectivos acompanhantes pra curtir essa viagem, com tudo pago.

Para concorrer, basta comprar uma lata ou garrafa do energético da BURN até o dia 13 de agosto, cadastrar o número do cupom fiscal no site da promo, guardar o número gerado e ficar na torcida. Além da viagem, cem coolers recheados de BURN também serão sorteados.

Durante cinco dias e quatro noites, o cruzeiro navega entre Barcelona e Ibiza, passando ainda por Palma de Mallorca e Sète (na França). Serão feitas duas viagens: a primeira entre 30 de agosto e 03 de setembro, e a segunda entre 03 e 07 de setembro — e é para esta segunda viagem que a promoção é válida, de acordo com o regulamento.

Focando no techno e no tech house, nomes como Luciano, Nastia e Loco Dice (embaixadores do BURN Residency) estarão presentes, bem como Adriatique, Faithless, Claptone, ANNA, Art Department, Tchami, Camelphat, Nic Fanciulli, Booka Shade, Victor Ruiz, Aeroplane, Kolombo e muitos outros. Confira o lineup completo:

Promoção BURN

LEIA TAMBÉM:

BURN revela os dez finalistas de sua competição de DJs em 2018

De Valinhos para o mundo: Laroc assina festas no exterior

Em 2018, a competição de DJs da BURN está mais aberta aos brasileiros

BURN revela os dez finalistas de sua competição de DJs em 2018

Morttagua foi o DJ escolhido para representar o Brasil
* Atualizado em 13/04/2018, às 15h31

A oitava edição do BURN Residency já tem seus finalistas. Representando o Brasil, o carioca Danilo Nascimento, mais conhecido como o DJ e produtor Morttagua — um dos nossos dez nomes do underground brasileiro para ficar de olho neste ano  foi o escolhido pela produção do concurso para ser embaixador da marca no país, se apresentando em diversas cidades (sobretudo no Rio de Janeiro) e tendo a equipe da BURN ao seu lado para auxiliar no desenvolvimento de carreira.

Entre maio e setembro, Morttagua se junta a Metha (Hungria), David di Sabato (Itália), Vibeke Bruff (Noruega), Phil Jensky (Polônia), Roustam (Rússia), JUST2 (Romênia), Anabel Sigel (Espanha), MOLØ (Suécia) e Kerem Tekinalp (Turquia) para competir em Ibiza, durante o International Music Summit. Um deles será selecionado para abrir a temporada de festas na Ilha ao tocar no Dalt Villa. Os dez finalistas terão ainda a chance de participar de workshops e aulas com gigantes da cena global — incluindo os embaixadores Loco Dice, Luciano e Nastia — e diversas gigs em alguns dos clubes e festivais mais disputados da Europa.

+ Em 2018, a competição de DJs da BURN está mais aberta aos brasileiros

Ao final desse processo, a bordo do cruzeiro The Ark (que navega por Barcelona, Ibiza, Palma de Mallorca e Sète, e inclusive terá palco assinado pelo Laroc Club), apenas um deles será escolhido pelos jurados como o campeão, que terá a oportunidade de assinar com uma grande agência internacional e receberá um investimento de nada menos que cem mil Euros (cerca de R$ 400 mil, na cotação atual) para desenvolver sua carreira — além de seguir como DJ-embaixador da marca em 2019.

Destaque na cena nacional do progressive house, Morttagua toca seu selo Timeless Moment, que é bem cotado internacionalmente, com direito a apoio de nomes como Sasha, Solomun e Guy Mantzur. O artista esteve recentemente em turnê na Ásia, além de já ter se apresentado em clubes brasileiros como Green Valley, Pacha Floripa e Clash.

Mais recente EP de Morttagua, lançado há quatro meses pela Timeless Moment

A Phouse deseja toda a sorte ao brasileiro na competição.

LEIA TAMBÉM:

Outdoor em Detroit lembra papel da cidade para o nascimento do techno

O anúncio faz parte da campanha publicitária do Movement 2018 

Um novo outdoor em Detroit relembra o papel fundamental da cidade para o surgimento do techno. “Detroit é o berço da música techno”, diz o anúncio que fica logo acima do Russell Industrial Center, na Clay Avenue.

Na verdade, trata-se de mais uma peça publicitária do Movement, um dos principais festivais de techno do mundo, que rola anualmente na cidade. No canto inferior direito, é possível observar o logotipo do festival. O outdoor anterior fazia uma propaganda mais direta do evento, e agora foi substituído por este, que homenageia as raízes do gênero na cidade, conforme destacou o jornal local Metro Times.

Outdoor Detroit
Foto: James West/Reprodução

O Movement deste ano rola entre os dias 26 e 29 de maio, trazendo nomes como Claude VonStroke, Nina Kraviz, Marcel Dettmann, Loco Dice, The Martinez Brothers, Kevin Saunderson — um dos fundadores do techno, ao lado de Juan Atkins e Derrick May —, Ellen Allien, Carl Craig, Aurora Halal, John Digweed, Joseph Capriati, Dubfire, Modeselektor, Anthony Parasole, Luciano, Helena Hauff, Justin Martin, Tiga, Nastia, Laurent Garnier, Delano Smith, Diplo, BADBADNOTGOOD e Wu Tang Clan.

LEIA TAMBÉM:

Prefeito de Detroit discute fomentar a vida noturna da “capital do techno”

Semana oficial do techno: Movement 2017 rola a partir de sábado em Detroit

O pioneiro do techno Juan Atkins acusou um ranking de DJs de racismo

Lenda do techno se apresenta com a Orquestra Sinfônica de Detroit

Assista aos sets mais underground do Ultra Music Festival

Diversos vídeos foram upados na íntegra pela BE-AT.TV

Além dos diversos sets disponibilizados pelo Ultra para que os próprios artistas pudessem publicar em seus canais no YouTube, a BE-AT.TV também vem disponibilizando vídeos de performances do festival na íntegra e em alta qualidade.

Isto porque a plataforma de streaming cobriu toda a programação do RESISTANCE, um dos principais destaques desta edição do UMF, que teve em seus dois palcos — Megastructure e Arcadia Spider —, além de estruturas fantásticas, atrações do calibre de Carl Cox, Pete Tong, Nastia, Adam Beyer, Matador, Stephan Bodzin, Hot Since 82, Coyu, Nic Fanciulli, Danny Tenaglia e um B2B entre Dubfire, Nicole Moudaber e Paco Osuna.

+ Edição de 20 anos do Ultra foi boa, mas entregou menos do que prometeu

O canal vem subindo alguns dos sets gravados desde a semana passada, e ainda deve trazer muitos outros vídeos nos próximos dias. Confira os que já foram upados:

Edição de 20 anos do Ultra foi boa, mas entregou menos do que prometeu

O UMF segue como um dos festivais mais espetaculares do mundo, mas pagou pelo marketing inadequado
* Com colaboração, revisão e edição de Flávio Lerner
** Fotos: Daniel Cunha (The Brotherhoodie)

Em parceria com a agência paulistana Clube de Turismo e o seu programa Music FSTVL, embarcamos na última semana rumo a Miami para curtir mais uma edição de um dos maiores festivais de música eletrônica do mundo, o Ultra Music Festival — que neste ano celebrou os seus 20 anos de história com o emocionante retorno do Swedish House Mafia.

Embora o festival tenha sido um grande sucesso, como era de se esperar, voltamos da terra do Tio Sam com uma pontinha de frustração. Não entendam mal: o Ultra segue sendo um dos maiores festivais do mundo, com uma estrutura que sempre faz cair o queixo. Acontece que desta vez, não bastasse o marco dos 20 anos já sugerir algo de diferente por si, a campanha de marketing pecou ao indicar que este seria o Ultra dos Ultras.

O slogan “espere o inesperado” veio acompanhado de uma promessa de atrações e surpresas especiais, fazendo a imaginação dos fãs viajar para longe, fantasiando com as infinitas possibilidades. Sets diferentes dos usuais? Tiësto mandando um set de trance? O retorno do Jack Ü? Uma aparição do Daft Punk? David Guetta dando um tempo na farofa e voltando às origens? Combinações históricas e improváveis, como Tiësto com Martin Garrix e Afrojack? Avicii de volta aos palcos? Nada disso.

Para além do fechamento com o Swedish House Mafia — que, não me entendam mal, foi épico, mas que de inesperado não tinha mais nada —, esta edição do UMF não mostrou nada fora da caixa além dos mesmos sets de sempre de Tiësto, Guetta, Afrojack e companhia. E como alguém que acompanha o Ultra há muitos anos, sinceramente gostaria de poder voltar a 2014/2015, quando sem criar muitas expectativas o festival entregava em seu mainstage apresentações arrebatadoras de nomes como deadmau5 e Pendulum, e participações inusitadas, como Madonna ao lado de Avicii. Tire o retorno do SHM da equação — um dos momentos mais emocionantes que vivi como fã de música eletrônica — e você não encontra mais nada memorável, do tipo divisor de águas, que fica marcado para sempre na história.

Talvez esse fechamento teria sido o suficiente se eles tivessem conseguido esconder o segredo até o último minuto, e, principalmente, se não tivessem prometido o que prometeram. Esse slogan nos levou a procurar exageradamente pelo “inesperado”, o que acabou sendo um tanto quanto frustrante, mas felizmente não o bastante a ponto de estragar os sets incríveis que pudemos presenciar em alguns palcos. No primeiro dia, caímos de paraquedas no palco Live, onde estava tocando ninguém menos que Porter Robinson com o seu novo projeto Virtual Self. Porter é um dos produtores mais criativos dessa nova geração, e ali apresentou uma sonoridade bastante diferente e eclética, misturando gêneros como deep house, techno, trance e até drum’n’bass.

Além do trio sueco, havia outro nome mantido em segredo, que fecharia o palco A State of Trance. Esse nome acabou se revelando como o Above & Beyond, grupo fantástico, mas que também esteve longe de ser inesperado — era um nome até óbvio, que não poderia faltar naquele line. Naquele ambiente, além do set do king Armin van Buuren, que não deixou nada a desejar, a surpresa boa ficou por conta de Eric Prydz. Infelizmente, cheguei para ver apenas 15 minutos, mas foram os 15 minutos mais bem gastos no Bayfront Park. O artista fez uso de uma projeção incrível e teve a pista totalmente em suas mãos, levando a galera à loucura.

https://soundcloud.com/sets-festival/virtual-self-porter-robinson-live-ultra-music-festival-umf-miami-2018-free-download

Trecho final do set do Virtual Self

Já na zona da RESISTANCE, dividida entre a Megastructure de Carl Cox e a Arcadia Spider, pudemos ver também grandes nomes como Sasha & John Digweed, Matador, Nastia e Joseph Capriati, entre muitos outros, que não deixaram a desejar em nada. A estrutura e organização do Ultra foi outro de seus pontos fortes. Todos os palcos estavam impecáveis. O Arcadia (popularmente conhecido como “Palco da Aranha”) estava surreal, apresentando algo totalmente fora da nossa realidade.

Outro detalhe que chamou a atenção foi o uso de drogas, que aparentou estar sob controle. Dificilmente você via alguém esparrando o uso de qualquer substância em público — diferente do Brasil, em que é comum observar um uso desenfreado de drogas nos festivais. Dentro do Ultra, não eram vendidos nem cigarros, e o sistema de bebida alcoólica também era muito funcional. QUALQUER pessoa, de QUALQUER idade — fosse um tiozão ou um garotão de 21 —, teria que apresentar documento para poder obter uma pulseira de consumo. Era possível encontrar também caixas eletrônicos, uma grande variedade de drinks e comidas, e uma super loja com diversos produtos do festival.

Por fim, estamos com a mesma visão da polícia de Miami: o Ultra foi super seguro. Não presenciamos nenhuma confusão nem discussão durante os três dias — não só dentro, mas como também em toda região no entorno. Notamos a presença de muitos policiais na rua em um raio de cinco quilômetros ou mais.

Deixamos também registrados os agradecimentos a Junio Rocha e Gabriel Guilen, do Music FSTVL, que nos deu todo o apoio nessa trip pra Miami — e Wilian Cardoso, da Destination Mexico. Nós fomos os primeiros passageiros desse novo programa da Clube Turismo / Music FSTVL, que em breve abrirá para o público geral, com pacotes com custos acessíveis para os maiores festivais do mundo.

* Luckas Wagg é CEO da Phouse.

LEIA TAMBÉM:

Ultra revela os números de sua edição de 20 anos

Ultra Miami libera primeira fase do lineup do seu palco underground

Sucesso desde 2016, o palco RESISTANCE já tem nomes gigantes da cena house/techno confirmados para a edição de 20 anos em Miami

Depois de lançar a primeira fase do line da sua edição de 20 anos, o Ultra Miami divulgou agora a primeira fase do palco mais underground do festival — o RESISTANCE.

Os headliners são Carl Cox, Adam Beyer, Dubfire em um B2B2B com Nicole Moudaber e Paco Osuna, o grupo J.E.S.u.S — projeto de Jackmaster, Eats Everything, Skream e Seth Troxler —, Maceo Plex, Jamie Jones, Joseph Capriati e Sasha B2B John Digweed, que juntos formam um time de muito peso.

Além disso, foram confirmados também outros 25 nomes que não deixam por menos, incluindo Nastia, Pete Tong, Stephan Bodzin, Nic Fanciulli, Hot Since 82, Danny Tenaglia, wAFF, Josh Wink, Frankie Bones e uma outra dezena de artistas, fazendo do palco uma das grandes atrações até o momento.

+ Ultra Miami revela primeira fase do lineup para edição de 20 anos

+ Ultra Music Festival se prepara para comemorar 20 anos de existência

O RESISTANCE será dividido em duas estruturas — as tradicionais Arcadia the Spider, e seu famoso formato de aranha robô gigante, e a Megastructure assinada por Carl Cox.

Confira o line parcial:

Ultra Miami revela primeira fase do lineup para edição de 20 anos

Imprensa e fãs têm destacado que boa parte dos nomes anunciados até agora também estiveram presentes em edições anteriores do festival

Depois de um vazamento aparentemente acidental por parte do Empire of the Sun, o Ultra Music Festival publicou toda a primeira fase do seu lineup para sua edição principal em Miami, que rola entre 23 e 25 de março, no Bayfront Park.

Portanto, nomes como Nicky Romero, Kaskade, Maceo Plex, Sasha e John Digweed, Nastia, Joseph Capriati, Virtual Self, Azealia Banks, Infected Mushroom, Matoma, Jamie Jones e San Holo já estão confirmados nesta edição de 20 anos, que promete ainda grandes surpresas pra celebrar a marca.

Depois do anúncio, muitos observaram que o time escalado até agora é praticamente o mesmo dos últimos anos. No Reddit, muitos fãs sentiram falta de nomes como Kygo e deadmau5, e se mostraram ansiosos pelo anúncio da segunda fase.

Em relação às figurinhas repetidas, o YourEDM destacou que mais de 20 artistas confirmados são repetidos em relação ao line de 2017, como Afrojack, Armin van Buuren, Carl Cox, David Guetta, Maceo Plex, Steve Aoki e Tiësto. Mesmo com muitos nomes de anos anteriores, o post na página do Ultra fala que performances comemorativas e exclusivas serão anunciadas.

As novidades ficam por conta de atrações como Eric Prydz, Flosstradamus, o quarteto J.E.S.u.S. e marshmello. Os ingressos já estão disponíveis no site oficial, e a segunda fase deve ser divulgada em breve.

Ultra 20 anos lineup

LEIA TAMBÉM:

Escute “Ultra 2018”, a mais nova coletânea do Ultra Music

Ultra Music Festival se prepara para comemorar 20 anos de existência

Nos EUA, deficiente visual abre processo contra o Ultra

Ultra Music Festival bate recordes de público ao redor do mundo

Ultra Miami lança aftermovie da edição de 2017

Nastia no Brasil: SP, Curitiba, Floripa e Chapecó recebem a conceituada DJ

* Atualizado em 09/08

Cada vez mais prestigiada no cenário house/techno, a DJ ucraniana Nastia será atração de quatro datas brasileiras em outubro. No dia 06, a artista passa pela festa de techno Take Me Under, no espaço Village Canindé, em São Paulo. Esta será a segunda edição da label, que debutou em 2016, trazendo a dupla alemã Adana Twins. Para este ano, além de Nastia, Aninha, residente do Warung, e Eli Iwasa são as atrações do palco “Techno Ladies”, que reforça a importância e a qualidade das mulheres no cenário musical.

+ O que o Dia Internacional da Mulher tem a ver com a dance music

Um dia depois, a DJ se apresenta na edição Escape do Tribaltech, em Curitiba, ao lado de nomes como Stephan Bodzin, Kolombo, BLANCAh e Ney Faustini. Fechando a miniturnê brasileira, Nastia toca no Terraza Music Park, em Florianópolis, no dia 13, e no Amazon Club, em Chapecó, no dia 14; mais detalhes destes eventos, contudo, ainda não foram revelados.

+ Tribaltech Escape é confirmado para outubro e anuncia 31 atrações

Na ativa há mais de dez anos e atração das pistas brasileiras desde 2013, Nastia retorna ao país depois de duas datas em maio do ano passado (na Levels e no Warung). Reconhecida por sets classudos de techno e tech house, seu nome tem se consolidado como  um dos mais proeminentes dos últimos anos. No sábado, 29, a fundadora e gestora do selo Propaganda debutou no Essential Mix, da BBC Radio One — um dos podcasts mais importantes do cenário global, que representa uma mudança de patamar para os artistas que conquistam esse espaço. Você pode escutar o Essential Mix da Nastia aqui.

LEIA TAMBÉM:

Monique Dardenne: abrindo portas pras mulheres na música, sem mimimi

Magia e evolução; confira como foi o aguardado long set de Guy J no Warung

O novo Essential Mix do Justice é mais legal do que o novo álbum do Justice

Tribaltech Escape é confirmado para outubro e anuncia 31 atrações

Este ano o aclamado festival curitibano Tribaltech está de volta, com data confirmada — 7 de outubro — e o anúncio da primeira fase do lineup. O local, porém, segue indefinido. O evento já está no ar via Facebook; há também um site oficial, com todos os links e a lista dos artistas já confirmados.

+ A desafiadora evolução do Tribaltech 2015

Os 31 nomes da primeira fase são: Albuquerque, BLANCAh, Conti & DJ Leozinho, Daniel Bell, Dashdot, DeWalta, D-Nox, Element, Eli Iwasa, Fabø, Fran Bortolossi, HNQO, Hito, Ion Ludwig, Kolombo, Kultra, Major7, Marc Houle, Margaret Dygas, Nastia, Ney Faustini, Octave One, Reality Test, Renato Ratier, Tarter, Touchtalk, Vegas, Vibe Tribe, Victor Ruiz, Volkoder e XDB.

+ Voa alto, passarinho; como o primeiro álbum da BLANCAh pode ser um divisor de águas pra cena eletrônica nacional

Esta será a edição “Escape”, que marca o fim da trilogia de resgate do Tribaltech, instituída em 2014, com a edição “Reborn”. Em 2015, houve a edição “Evolution”, e a “Escape” estava prevista para o ano passado, mas foi cancelada.

+ Fran Bortolossi: “2016 foi o melhor ano da minha carreira”

Os ingressos estão disponíveis pelo Alo Ingressos.

De David Guetta a Ben Klock, confira 100 nomes já anunciados para o ADE

O Amsterdam Music Festival já mostra que será um dos eventos do ano somente com a revelação de pouco mais de cem artistas, de um total de 2500 que irão se apresentar em 140 localidades.

Os nomes divulgados representam estilos variados, como Ben Klock, Paul Oakenfold, Dimitri Vegas & Like Mike, Joseph Capriati, Solomun, Stephan Bodzin, David Guetta, Seth Troxler, o recentemente constrangido Konstantin, Don Diablo, Dubfire, Joris Voorn, Nastia, Recondite, Tale Of Us, e também os lives já confirmados de Fatima Yamaha, Vessels, Hercules & Love Affair, entre outros.

+ DJ e sua crew são cortados de festival depois de declarações machistas

+ O Seth Troxler profanou o Templo com um loop de funk; queimem o herege!

Martin Garrix também irá repetir a dose do seu show sem restrições de idade, e se diz muito feliz com isso acontecendo de novo, pois nem sempre seus fãs mais novos podem vê-lo. A outra grande novidade para este ano é que as conferências acontecerão em um local diferente, no Teatro Nieuwe DeLaMar, e nos 16 anos anteriores a casa foi o Felix Meritis, que está em processo de renovação.

+ Amsterdam Dance Event anuncia novo local para 2017

+ Teaser de documentário tem Garrix, Guetta, Angello, Troxler e Oakenfold

Confira o lineup completo:

Warung Day Festival se consagra e supera expectativas

Warung Day Festival 2015

Aquele dia de sábado, nublado e chuvoso, na capital paranaense jamais sairá do coração e da mente dos verdadeiros apreciadores da boa música, que estiveram presentes na segunda edição do Warung Day Festival, que aconteceu na tarde e noite do último sábado (21), na Pedreira Paulo Leminski –  em Curitiba -,  lugar exuberante que foi capaz de manter a essência tradicional da marca Warung, que envolve a natureza, boa música e o público em perfeita sintonia.

O festival reuniu 40 atrações do cenário nacional e internacional em seus 04 palcos: Warung Stage, Palco Pedreira, Savages & Friends e Raww Room.

Além de um line-up de peso e seus atraentes stages temáticos, o Warung Day ficou marcado também pela qualidade de organização, segurança e toda infra-estrutura.

A Revista Phouse esteve presente no evento e circulou por todos os palcos, que rendeu este review com um breve resumo de apresentações de artistas que chamaram nossa atenção.

Warung Day Festival Mainstage renato ratier phouse

WARUNG STAGE:

Renato Ratier – O que seria do cenário underground no Brasil sem o “faixa preta”, assim como muitos o chamam nas redes sociais?

Ratier, que também é sócio da marca Warung, carrega consigo um legado de fãs. Mesmo antes de assumir a pista, já chegou roubando a cena, com uma breve aparição na cabine, onde cumprimentou os DJ’s que se apresentavam, rendendo diversos acenos, que demostravam claramente o carinho que o público tinha por si.  A apresentação do anfitrião como sempre, foi um show à parte. Seu set fez uma viagem do house ao techno, arrancando diversos elogios dos críticos presentes.

Marc Houle – Não é atoa que o canadense tem se tornado uma das grandes referências do Techno mundial. Facilmente Marc conseguiu seduzir o público do Warung, mostrando a todos uma performance incrível, que esteve em constante evolução, durante toda apresentação.

The Martinez Brothers –  Em nossa opinião, os irmãos Steve e Chris Martínez  foram quem realmente fizeram a diferença no Warung Day Festival.  O duo americano entrou no mainstage com toda ousadia e uma energia inesgotável, passeando livremente pelo souful, techno, minimal e até hip hop. Foi incrível!


 PALCO PEDREIRA:

Warung Day festival palco pedreira Phouse

 DESTAQUES:

Vintage Culture – O garoto Lukas Ruiz fez sua estréia no festival em grande estilo, levando o público presente no Palco Pedreira à loucura. Sua apresentação durou aproximadamente uma hora e meia, com um set que reuniu diversas de suas tracks autorais e remixes, como “Faded”, grande sucesso de Zhu, e até “Bete Balanço”, de Cazuza.

Se você quiser relembrar ou saber como foi a apresentação do Vintage Culture, o set do brasileiro foi gravado ao vivo e disponibilizado no SoundCloud. Ouça aqui.

Kolombo – Por um momento chegamos a notar um corre corre em direção ao Palco Pedreira e ficamos perdidos, sem entender o que estava acontecendo, logo que nos aproximamos, podemos notar que todo aquele alvoroço se tratava da chegada do queridinho dos brasileiros, o belgo Olivier Grégoire, mais conhecido como Kolombo, que assumiu a pista sem deixar o público parado por sequer um minuto.

Nastia – Ficamos impressionados com seu carisma e interação com o público, chegamos a pensar por um momento, durante sua apresentação, algo como:  essa é a “ATRAÇÃO” do DAY, e olha que parece que não foi só empolgação nossa. Após o festival, diversos comentários espalhados pelas redes sociais exaltaram a ucraniana, que foi revelada em 2013 por ninguém menos que o mestre Dubfire.


 SAVAGES & FRIENDS:

Savages & Friends Warung Day Phouse

DESTAQUES:

Leo Janeiro – Quando o artista assumiu o palco do Savages & Friends, mal dava para circular, era muita gente pra pouco espaço. E em cada rosto era possível enxergar o reflexo de uma sensação de satisfação sonora. O set do carioca contou com bastante tracks melódicas, que iam de encontro a filosofia do club e festival, qual é residente.

O set do brasileiro também foi gravado ao vivo e disponibilizado no MixCloud. Ouça aqui.

Boghosian B2B Albuquerque – O paulistano Boghosian e o curitibano Ricardo Albuquerque se uniram e levaram a pista do Savages uma experiência bem diferente do esperado, surpreendendo a todos com um set que passeou do House ao Indie e Tech House. Ficamos impressionados com a carisma e interação que tiveram com o público, que demostrou já conhecer e seguir o trabalho de ambos.

Dashdot – Em nossa opinião, foram eles quem tiveram a apresentação com maior interatividade e animação do público no Savages. Com um set recheado de Deep e Indie, o duo levou à pista tracks de peso e bastante groove, o que resultou em um público eufórico e muitas ovações.


 RAWW ROOM:

Raww Room Warung Day Festival Phouse

DESTAQUES:

Davis – Devido a chuva que caiu durante a tarde, que resultou na interdição do Raww por algumas horas, só conseguimos apreciar a apresentação de um artista, que foi o Davis Genuíno, que por sinal fez valer muito apena. Davis apresentou ao público uma experiência musical diferente e incomparável. Em diversas de suas tracks executadas durante o set, conseguimos notar uma identidade única, caracterizada por sons melódicos e batidas pulsantes, que sincronizaram perfeitamente com o ambiente.


ALIMENTAÇÃO & DIVERSÃO

Warung Day Festival Food Trucks Phouse

DESTAQUES

O evento contou também com uma praça de alimentação composta por diversos food-trucks e uma área de lazer financiada por uma ação da rádio Jovem Pan, que montou um slack line numa estrutura de dez metros de comprimento, a seis metros do chão, em meio ao festival.

SLACKLINE

Warung Day Festival Slack Line

 CONSIDERAÇÕES FINAIS:

O festival superou as expectativas, assim como diz o título do nosso review. Nem mesmo a chuva que caiu durante o dia conseguiu estragar o brilho do evento ou atrapalhar a vibe dos que foram em busca de uma experiência sonora diferenciada, que o Warung tem a oferecer. Entre os diversos gringos que se apresentaram, quem roubou a cena mesmo foram os brasileiros, que mostraram a força que o cenário underground do Brasil vem desenvolvendo.

Gostaríamos de agradecer ao Fabrizio Pepe por algumas de suas fotos cedidas à matéria. Demais aqui inseridas foram retiradas do site oficial do Warung, do fotógrafo Gustavo Remor.

Clique aqui e confira o álbum de fotos da Phouse.