Entrevista exclusiva com o duo Galantis

No ano de 2014 o mundo da música eletrônica ganhou um dos melhores duos de todos os tempos. Formado pelos suecos Linus Eklow e Christian Karlsson – que são conhecidos também por seus trabalhos individuais como Style Of Eye e no projeto Miike Snow -, o duo Galantis lançou um EP aclamado, fechou contrato com uma grande gravadora para lançar um álbum nesse ano e junto com isso jogou no mercado o single “Runaway (U & I)”, que com certeza é um dos maiores hinos do cenário da EDM atual.

Nosso colunista Jhonny Carlos – que é amigo dos rapazes- traz uma entrevista exclusiva para Phouse onde falam da carreira, do sucesso, de como tudo começou e das novidades para esse ano. E ah! Sobre uma suposta vinda ao Brasil ainda em 2015.

2014 foi o ano da revelação do Galantis e nesse 2015 já esperamos muito mais, claro. Quero começar falando desse sucesso todo de vocês, e ai? Me definam o que vocês andam sentindo, pensando e tudo mais sobre esse reconhecimento mundial, que diga-se de passagem é muito merecido.

Christian: Eu diria uma série de palavrões que poderiam expressar o quanto tem sido incrível esse reconhecimento do nosso trabalho, ainda mais que tudo é tão recente. Sinto que estamos em um sonho, mas aí percebo que estou acordado e tocando para um público que sabe todas as nossas músicas. O que eu posso dizer? Uau!

Linus: O que o Chris diz é verdade, porque eu também as vezes demoro a acreditar o quão incrível tem sido a recepção do público, e por mais que já tivéssemos nossas experiências nesse cenário de tocar para várias pessoas, isso ainda é maravilhoso. Realmente tem sido especial e emocionante saber que as pessoas sabem do Galantis e amam nosso trabalho nele.

Muitos conhecem os trabalhos individuais de vocês, mas não sabem ao certo como tudo começou. Como o Galantis surgiu, vamos falar um pouco disso?

Linus: Nos conhecemos há muito tempo, afinal somos da cena musical de Estocolmo, mas tudo realmente aconteceu quando o Chris me convidou para fazer um remix da faixa “Animal” do projeto dele Miike Snow. Me lembro que eu fiquei: Nossa, preciso arrasar e dar o meu melhor!. Depois disso, começamos a trocar mais ideias e a sair juntos e a produzir, e eis que aos poucos surgiu o Galantis.

Christian: Galantis realmente surgiu porque tínhamos sonhos e ideias de produção que iam além daquilo que fazíamos. Quando cheguei na Suécia e me encontrei em um estúdio com Linus tudo surgiu em um passe, mas claro que isso depois de descobrirmos que tínhamos os mesmos ideais e desejos de criar algo novo na música

Vocês foram considerados o melhor duo que surgiu depois do Daft Punk, segundo a Billboard. E boa parte da mídia especializada vem enchendo vocês de elogios, dizendo que suas músicas são algo diferente. Eu também vejo por esse lado, afinal, as letras vão além do “coloque suas mãos para o alto” e também tem essa coisa dos vocais que são uma maravilha a parte, meio andrógenos. Quero saber como vocês veem isso e como surge todo esse conceito por trás do duo.

Linus: Eu fiquei emocionado com esse elogio, pois o mesmo cara que criou o conceito das mascaras do Daft Punk criou o da nossa Seafox, e sempre fomos fãs de todo o trabalho dele com os caras. Sem contar que Daft Punk sempre foi e sempre será uma fonte de inspiração para o nosso trabalho. Agora sobre as canções e o vocal, era esse o ponto que queríamos chegar: Não criamos canções pensando no que as pessoas vão achar. Gostamos de criar e produzir canções que representam o que nós mesmos gostaríamos de ouvir. E acho também que é mais fácil se relacionar com a música quando você não sabe distinguir se é um cara ou uma garota por traz da canção.

Christian: E eu não sou muito fã da voz humana, que fique claro! (Risos)

Kaskade, Tiesto, Dillon Francis e uma grande leva de DJS/Produtores andou remixando faixas de vocês. Vocês já andam fazendo colaborações, certo? E como é ver suas faixas ganhando ótimos remixes?

Christian: É incrível ver nossas músicas por um outro ponto de vista. Grande parte dos DJS que produziram remixes de nossas faixas são amigos. Sempre procuro no Soundcloud remixes e me surpreendo.

Linus: Ouvir esses remixes de caras que além de amigos, admiramos, é incrível. E sobre colaborações, estamos sim trabalhando em várias coisas, mas não podemos falar muito. Kaskade e Tiesto estão incluídos nesses trabalhos.

“Seafox” esse é o mascote de vocês, que representa a marca. Me explica um pouco desse conceito, e como surgiu? Já que está em tudo que remete ao duo.

Christian: Sempre pensamos em uma marca para nosso trabalho e queríamos algo diferente de tudo. Trabalhamos aos poucos na construção imaginária do que seria o Seafox e é aí que começamos todo o processo de criação até chegar ao que temos hoje. Algo que amamos demais.

Linus: Na verdade eu me lembro do Chris passando em frente a uma loja onde havia um cabeça de raposa. Acho que foi nesse momento que surgiu a primeira inspiração. E isso é tão legal, porque hoje os fãs já esperam a nossa Seafox nos shows e fazem suas mascaras caseiras de Seafox.

Gosto musical! O que vocês andam ouvindo? Quem são os caras que sempre foram os heróis da música para vocês?

Linus: Eu diria que Steve Wonder é o cara! Mas sou bem eclético com essa coisa, tanto que se pegar meu laptop vai encontrar Chilly Gonzales, Years & Years, RY X e outros. Todos com faixas que já perdi as contas de quantos “repeat” dei.

Christian: Depeche Mode são os meus heróis. Foi o primeiro disco que comprei quando criança e mesmo hoje em dia, eles ainda soam tão sensacionais. Mas também estou na mesma linha que o Linus, e ando ouvindo bastante RY X e Chet Faker

2015 chega ao mercado o álbum de estreia de vocês certo? Vamos falar desse material que já é um dos mais esperados? O que podemos esperar?

Linus: Estamos com 96% dele pronto, mas queremos sentar depois de tudo pronto e analisar se chegamos mesmo aonde queríamos. O que posso dizer é que nosso novo single chega ao mercado logo logo e se chama “Gold Dust”. Estamos ansiosos para esses lançamentos. No mais, o nosso álbum deve ser lançado ainda na primeira metade do ano.

Christian: Não tenho nada mais para comentar, faço do Linus minhas palavras! (risos)

E o Brasil? Já perguntei antes sobre isso para vocês, mas saiba que no Brasil vocês tem uma grande quantidade de fãs querendo vocês o mais rápido possível. Então, o que vocês tem a dizer?

Linus: Você mais que ninguém sabe de nossa vontade de estar no Brasil! Amamos nossos fãs no país e temos recebido todo o apoio deles. O que podemos dizer é que logo estaremos chegando aí. Ainda esse ano ou no próximo. Pronto!

Christian: Eu sinto que será um dos melhores shows de nossas vidas. Não vejo a hora de estar com todos os nossos fãs, mas isso ainda é algo que não podemos comentar.

Vídeo: DJs da EDM alertam sobre a conscientização de drogas

“#WeAreWideAwake”, campanha desenvolvida por Robert Shapiro e Linell Thomas, juntamente com a empresa Insomniac, possui um vídeo que conta com vários nomes da cena EDM, bem como Martin Garrix e Afrojack, no qual transmitem algumas mensagens de conscientização do consumo de bebidas e drogas dentro de qualquer ambiente que tenha música eletrônica.

Por ser comum hoje em dia, alguns frequentadores de festivais e clubs de música eletrônica estarem intimamente ligados às drogas dentro destes ambientes, a organização “Brent Shapiro Foundation for Drug and Alcohol Awareness”, desenvolvida pelos pais Robert Shapiro e Linell Thomas, e a empresa Insomniac, lançaram recentemente uma campanha em vídeo para conscientizar jovens amantes da cena eletrônica a curtirem a magia EDM de uma maneira saudável, sem que precisem recorrer às drogas ilícitas.

A campanha que carrega o nome “#WeAreWideAwake” (Nós estamos bem acordados), tem como objetivo conscientizar os jovens a cuidar uns dos outros em qualquer festival de música eletrônica que estiverem, pois assim poderão evitar que mais mortes trágicas como a de Brent Shapiro, de 24 anos, que morreu no dia 10 de outubro de 2005, depois de ter ingerido ecstasy e consumido cerveja numa festa de Hollywood venha a acontecer.

O vídeo da campanha tem apenas um minuto e meio de duração. Nele há a participação de vários nomes reconhecidos da cena EDM, alertando a todos os que curtem música eletrônica a não se deixar levar pelas bebidas e drogas.

Brasil ganha edição do Electric Daisy Carnival – Confira a evolução do festival

Electric Daisy Carnival, maior festival de música eletrônica da América do Norte, que neste ano acontece nesse final de semana em Las Vegas, segue com seu crescimento disparado no mercado da música, conforme mostra o gráfico com dados sobre sua expansão e características do evento.

O festival originou em 1997, pela empresa Insomniac, com apenas 5 mil ingressos vendidos. Após 18 anos, em 2014, ele abraçou 400 mil pessoas reunidas no evento de três dias, que contou com 197 artistas. O salto surpreendente durante os últimos anos, faz do festival, hoje, ser um dos maiores do planeta.

O EDC deu seus primeiros passos em Los Angeles, nos anos 90. Passado algum tempo, devido seu número de público ter aumentado por ter conquistado mais e mais prestígios de fãs, ele se espalhou para algumas regiões do mundo, bem como no México, Reino Unido, Nevada e vários outros.

De acordo com seu crescimento, conforme mostra o gráfico, o EDC proporciona uma experiência épica e incrível aos amantes que frequenta e que desembolsa o valor considerado justo e econômico, no que diz respeito ao nível de artistas que o evento traz. No gráfico diz: “Se você foi para ver sete nomes de topo e seus atos de apoio individualmente, seria custar mais de três vezes o preço de uma passagem EDC de três dias.”

Conforme revela o gráfico, comprar ingressos separadamente para ir ver as performances de DJs de peso, sairia mais caro que ir ao festival EDC, onde nele vai encontrar vários deles reunidos em um único lugar.

O festival, que conquistou tantos apaixonados pela música eletrônica no mundo, agora também faz parte da agenda de festivais do Brasil. Para a surpresa dos amantes brasileiros, o EDC está de malas prontas para desembarcar em nosso solo. O “Electric Daisy Carnival” acaba de confirmar sua edição no Brasil.

O evento que está acontecendo neste momento (19, 20 e 21 de junho), conta com 230 artistas. Neste ano, ele promete bater mais um recorde de público, conforme vem acontecendo a cada edição que passa.

Tomorrowland lança curta-metragem da edição no Brasil

Após recentemente o Tomorrowland ter liberado seu aftermovie da edição brasileira, ele acaba de lançar também um curta-metragem que interpreta muito bem o laço de amizade e magia vivido pelos amantes da cena eletrônica em maio deste ano.

Para quem passou seus melhores dias no Tomorrowland Brasil, realizado no Parque Maeda, em Itu – São Paulo, entenderá muito bem a mensagem que este curta especial transmite. Já para aqueles que acompanharam o festival transmitido na TV e na Internet, comprovarão que o curta realmente mostra o lado épico e inesquecível de Tomorrowland.

Sob as faixas “Portland”, “Wake Up” de Jay Hardway e ” Zero Gravity ” de Borgeous, o vídeo mostra em seus preciosos cinco minutos, uma visão espetacular dos melhores momentos do festival.

O curta foi produzido em parceria com a Elite Daily e a T-Mobile. Confira como ficou:

Hardwell deverá desempenhar um set Especial no EDC Las Vegas 2015

Neste final de semana – 19 20 e 21 de junho – o DJ e produtor eleito número #1 do mundo nos últimos dois anos, deverá surpreender seus fãs durante o festival EDC Las Vegas com um set próximo ao hip hop e trap. A ideia surgiu depois que Hardwell lançou junto com um projeto de Skrillex e Diplo – Jack Ü – um set completamente diferente do que estava acostumado a tocar.  O Jack Ü tem uma proposta mais trap misturada com o tão aclamado estilo EDM e têm fortes influências vindas do hip hop norte americano apresentado por Justin Bieber, Kiesza entre outros.

Hardwell, através desse novo estilo pretende encorajar os seus fãs a fazerem uma viagem pelo festival e desmistificar o mito que se tem para com a maioria dos seus seguidores; de que ficam presos ao palco principal durante os grandes festivais no qual toca.

O anúncio foi feito através do youtube – vídeo abaixo –.  A produção do DJ não deu mais detalhes sobre a novidade a ser lançada pelo holandês.

Estaria o Daft Punk abandonando a fantasia?

Depois de cerca de duas décadas consolidando um dos maiores mitos da música pop contemporânea, “os robôs” dão sinais de que podem estar o desconstruindo.

O Daft Punk é inegavelmente genial não somente para criar tracks, mas também por toda a aura mitológica que reveste Thomas Bangalter e Guy-Manuel de Homem-Christo há quase 20 anos. O duo estabeleceu, através de anos de construção semiótica, uma fantasia em que são robôs futurísticos, not from this planet. Eles se mantêm na maior parte do tempo em silêncio, sem se comunicar, fazer shows ou lançar algo novo por anos, como se estivessem distantes de nós, inacessíveis, reclusos em suas naves espaciais, prontos para eventualmente retornar epicamente e salvar o planeta do mau gosto.

Sempre que há um burburinho sobre algum suposto álbum novo, já surgem os primeiros rumores e as primeiras tracks vazadas: sempre falsas. Surgem até os rumores dos rumores, de que eles mesmos soltam falsos boatos; no Grammy, em 2014, quando a câmera focou em dois caras, lado a lado, muito parecidos com o Thomas e o Guy-Man humanos, especulou-se que seriam eles ali na plateia, à paisana, e que quem estava no palco como Daft Punk seriam atores. Depois, revelou-se que os caras na plateia eram profissionais vinculados ao duo, provavelmente colocados lado a lado para gerar a confusão. Através da sua própria mitologia, portanto, o Daft Punk brinca com a realidade e zomba da sociedade do espetáculo.

No tão aguardado último álbum, Random Access Memories, lembro bem que houve uma histeria coletiva assim que surgiram os primeiros passos de uma campanha de marketing gigantesca. Depois dos incontáveis boatos de vazamentos de música nova — armadilhas para jornalistas e blogueiros, fisgados pela ânsia por cliques e furos —, começaram a pipocar samples de poucos segundos do que depois descobriríamos ser Get Lucky. A partir de então, uma série de teasers e microdocs com depoimentos dos colaboradores fodões de RAM começaram a ser periodicamente veiculados. À época, cobrindo para o MyCool cada passo da dupla, escrevi mais de uma dezena de posts com manchetes como “Daft Punk divulga nome do novo álbum, solta mais um teaser, segue fazendo cu doce”, “Daft Punk aumenta a provocação, tira a roupa e faz lap dance na nossa cara” e “Daft Punk encerra maior lap dance da história e finalmente libera a rapadura”.

Um dos teasers de Get Lucky foi ao ar no intervalo comercial do Saturday Night Live

Não deixa de ser um mito também o lugar-comum de que ninguém conhece os rostos dos produtores franceses. Apesar de não revelarem oficialmente desde 1996, qualquer fã moderado da dupla já se deparou com fotos em que os robôs estão em seus disfarces humanos — basta procurar no Google ou dar uma olhada em páginas como esta que você pode ver diversas dessas fotos de Thomas e Guy-Man através dos tempos. Mesmo assim, e mesmo curiosamente usando seus nomes verdadeiros, o mito em torno do Daft Punk foi consolidado.

daft_punk_unmasked_by_marie_de_jeune_croix-d78wjr5

Em 2014, quando surgiram as primeiras notícias sobre Eden, dizia-se equivocadamente que seria um filme sobre o Daft Punk. Achei estranho e contraditório a ideia da dupla se expor dessa forma, mesmo em uma obra de ficção. Quando descobri que o filme girava em torno de outros protagonistas que viveram a cena french house, concluí, triunfante, que eu tinha razão: “evidente que não é um filme sobre os robôs, isso desconstruiria o mito!”. Pouco tempo depois, porém, essa minha ideia voltou a entrar em cheque com a notícia de que teremos muito em breve Daft Punk Unchained, o documentário que promete revelar detalhes dos bastidores das vidas de Thomas e Guy-Man.

Não bastasse a notícia do doc, tivemos ainda dois acontecimentos recentes curiosos que se somaram ao fato: no começo deste ano, uma escultura do Daft Punk foi talhada pelo artista Xavier Veilhan; diferente do que qualquer um imaginaria, porém, a imagem da dupla imortalizada em madeira foi nua e crua, sem os trajes robóticos.

daft-punk-sculpture

O outro fato curioso é o de que, ainda mais recentemente, Thomas Bangalter figurou brevemente — também em sua persona de carne e osso — em Reality, um filme de Quentin Dupiex [também conhecido como o produtor musical Mr. Oizo]. Há uma semana, vazou o vídeo com a cena em questão: Thomas está lendo em uma sala de espera, até ter sua revista arrancada pelo ator Jon Heder.

Voltamos, então, ao dilema: será possível pensarmos em uma nova etapa do Daft Punk na qual a dupla abandonará a fantasia [algo como a terrível fase sem pintura facial do Kiss]? Isso faria sentido? Um documentário revelando histórias reais e humanas de Bangalter e Christo, com relatos de suas vidas privadas e traços de suas personalidades, por mais que soe tentador aos fãs, não seria o mesmo que revelar o funcionamento de um truque de mágica? Ou será que entendemos tudo errado, e que o filme trará uma maneira de abordar a carreira dos robôs dentro da sua própria construção mitológica?

São muitas perguntas, com apenas uma certeza: Thomas Bangalter e Guy-Manuel de Homem-Christo sabem bem o que estão fazendo.

15 Tops DJs dizem quais serão as melhores tracks do verão de Ibiza 2015

O Beatport nomeou 15 tops DJs para nos dizer quais serão as melhores músicas a tocar nessa temporada da ilha mais badalada do mundo.

Enquanto nós do hemisfério sul do planeta retiramos os agasalhos do armário e nos preparamos para as próximas frentes frias, na parte norte do planeta a galera já se prepara para a estação mais quente do ano e em Ibiza não seria diferente. O verão mais badalado da Europa com direito a mulheres lindas fazendo topless e baladas movimentadas de segunda à segunda promete agitar por mais um ano tanto os turistas e residentes da cidade espanhola.

#01 – MARTIN SOLVEIG

Feder feat. Lyse – “Goodbye”

https://soundcloud.com/federuniverse/feder-goodbye-ft-lyse

“Eu acho que é mais que provável de se tornar o hit do verão na ilha, eu provavelmente diria ‘Goodbye’ de um jovem francês chamado Feder. Este pode não ser necessariamente o meu favorito, mas tem uma qualidade que emana um som que é capaz de atravessar as barreiras entre as casas, EDM, e tecnologia. As noites serão profundas.”

#02 – ABOVE & BEYOND

Grum – “U”

https://soundcloud.com/anjunabeats/grum-u-anjunabeats

“Nós estivemos em turnê com Grum ao longo dos últimos meses na Europa e nos EUA, e nós realmente amamos o que ele está fazendo. Seu novo EP, Trine, mostra o que o talentoso artista que ele é: a faixa principal “U” combina influências clássicas de Sasha e Digweed com um som progressivo moderno. Achamos que você vai ouvir muito isso na Ilha Branca neste verão.”

#03 – AMINE EDGE & DANCE

Ryan Blyth & After 6 feat. Luther Soul – “Special”

https://soundcloud.com/thisiscuff/special

“Esta pista vara instantaneamente em sua mente a partir do ‘lets GO’. Temos tocado muito nos últimos meses, e é a compilação perfeita até Ibiza – um hino de verão certificada. Luther é alma de Chicago e fornece seu vocal original, que é uma reminiscência, sua brincadeira é definitivamente boa para as meninas, e você sabe o que dizem: ‘Se as garotas adoram então todo mundo ama ele!”

#04 – NICOLE MOUDABER

Nicole Moudaber & Skin – “Someone Like You”

https://soundcloud.com/toth0202/nicole-moudaber-ft-skin

“As pistas de dança de Ibiza tem sido martelada por todos os melhores djs, como Carl Cox, Chris Liebing, Adam Beyer e eu, é claro. É techno com vocais. Levei um tempo para obter o equilíbrio entre vocals e skin’s euphoric. A faixa de apoio que eu fiz, mas todo o chão fica parado quando esta música fica descartada -. Ele transporta para um outro mundo ”

#05 – LANE 8

Marc Houle – “Pepper” (Monkey Safari Remix)

“Para mim, Monkey Safari’s mix of ‘Pepper’ sintetiza as festas por de trás de Ibiza. Há várias músicas questionáveis sendo passada como ‘tropical house’, mas esta me faz querer comprar um bilhete só de ida para a ilha e acampamento para o verão. ‘Olhos fechados, o sol vai subir em uma hora e você não está nem um pouco cansado, isso é vibe!”

#06 – POPOF

Popof – “Words Gone” 

“Eu só posso pensar em uma faixa para esta temporada em Ibiza, e com toda a modéstia é uma track minha! Para mim, ‘Words Gone’ é a faixa de verão perfeita. É uma grande fatia de música eletrônica com apelo crossover. Com humor e vocais destilado trazendo uma vibração chill-out… Eu realmente acho que vai ser ótima para este verão.”

#07 – JOHN DIGWEED

Jozif – “Tell Me Sell Me”

“Esta pista da mais medo do que o Parlamento, mais do que o problema de percussão de Funk e um bassline que pulsa ao longo de todo o seu corpo. Fresh-som é multidão-agradável. Este não é deep house – esta é a casa de festa. O que mais posso dizer?”

#08 PATRICK TOPPING

Terranova – “Labrador”

“Essa é uma das minhas gravações favoritas; Eu amo os sintetizadores. Terranova tem uma enorme linha synth que se torna enorme na discriminação e ele fica lindo por cima quando as track de trilha tocam novamente. Poder vê-lo tocando com certeza será um dos grandes momentos neste verão.”

#09 – MARK KNIGHT

Mark Knight – “Second Story”

“Eu queria encontrar um novo ângulo ligeiramente musical neste ano. Como qualquer pessoa que ouve meu programa de rádio vai saber, eu sou um grande fã de disco, então eu pensei, por que não tentar fundir ranhuras tech-y com registros do disco? Você começa uma mistura de funk, groove e energia. Então você começa uma gravação que se presta a ser tocada em lotes de diferentes tipos de conjuntos, o que é legal, porque não é classificado em um gênero. Para mim, a última homenagem que um registro pode ter é que ele fica em frente a um monte de gêneros. Este é o primeiro de uma série deste tipo de registos que estou prestes a lançar este ano. Vou fazer alguma coisa que eu não fiz em dez anos: lançar um disco com uma etiqueta diferente. Tanto eu e Nic Fanciulli, ambos foram road-testing, isso por cerca de um mês e confia em mim, ele sai. É chamado de “Second Story”, que era a versão de Philly do Studio 54. Eu fecho meus olhos e me imagino o quaõ original seria se soar naquele imenso sistema de som “.

#10 – MK

Dantiez Saunderson & KPD ft. LaRae Starr – “Place Called Home”

https://soundcloud.com/defectedrecords/dantiez-saunderson-kpd-ft-1

“Este é um disco que eu gostei desde que Dantiez enviou para mim há alguns meses. Ouvi logo após ouvir sua outra faixa, ‘The Harp’; Eu realmente gostei essa faixa também, mas eu tinha essa sensação de que ‘Place Called Home pode realmente tornar-se favorita do verão’. Eu realmente gosto da versão original, ela tem bons ganchos vocais. Simon de Defected falou com Dantiez e Kevin e decidiu pegar o registro até KMS (rótulo de Kevin Saunderson) e então eu disse que queria remix. Ai você tem isso. Definitivamente vou dar muitos plays nesta track.”

#11 – JONAS RATHSMAN

Booka Shade presents Yaruba – “Black Cow”

“Recebi esta faixa muito recentemente. Tornou-se então um grande momento em meus sets, e tenho certeza de que vai continuar ao longo desta temporada de festivais! As melodias na repartição são perfeitas, e quando o bassline bate em um grande sistema de som, soa ainda melhor!”

#12 – ILAN BLIESTONE

Above & Beyond – “We’re All We Need” (Ilan Bluestone Remix)

“Above & Beyond sempre foram uma grande influência para mim e têm ajudado a cada passo da minha carreira até agora. ‘We’re All We Need’ foi a minha faixa favorita de seu mais recente álbum, então eu estava muito honrado quando eles me pediram para remixa-lo. Eu já passei por algumas versões diferentes, mas eu estou muito, muito emocionado com a forma como a faixa saiu; e eu estou ansioso para toca-la em Ibiza e em toda a temporada de festivais.”

#13 – THOMAS JACK

Jose Marquez ft. Kakatsitsi Drummers – “Belebo”

“Eu toquei muito essa música ao longo dos últimos meses. E realmente, é um bom caminho para quebrar os sets. Eu amo a percussão e os vocais na faixa; ela tem uma grande vibração.”

#14 – NIC FANCIULLI

Matthias Tanzmann – “No Sleep”

“Matthias e eu somos amigos há muito tempo, e acredito que essa música tem tudo pra se destacar no verão já que tem sido um ótimo registro pra mim.”

#15 – FERRY CORSTEN

Ferry Corsten presents Gouryella – “Anahera”

“Depois de muito tempo, de repente tive a inspiração para este fantástico trance melody que contém uma grande sensação de nostalgia pra mim. Tudo veio junto, no estúdio! ‘Anahera’, alias Gouryella era a única opção possível para mim”.

Agora que já adiantamos as dicas para vocês, é só preparar sua playlist para dar play e curtir todas sem moderação.

Hardwell diz utilizar blogs piratas e SoundCloud para encontrar novos talentos

Hardwell embarcou recentemente no festival Spring Awakening, em Chicago, no dia dos namorados (12). Por meio de uma entrevista com a Sun Times Rede, o Top DJ revelou que sempre está à procura de novos produtores talentosos por meio de blogs e SoundCloud.

Para Hardwell, blogs piratas, SoundCloud e materiais ilegais de músicas na internet são as ferramentas onde novos talentos podem estar inseridos. De acordo com o DJ holandês, ele sempre está à procura de novas revelações e, estas “janelas” na internet é o local onde vai encontrar pessoas talentosas.

Em se tratando de sua gravadora, Revealed Recordings, o DJ diz que orienta todos os caras que estão iniciando com suas faixas, já que pela gravadora passam vários novos talentos. Hardwell frisa que leva seu negócio não como um trabalho, já que para ele é bastante divertido e gratificante o lance de poder contribuir com novos talentos que estão começando.

O holandês fala também na entrevista sobre suas produções. Conforme destaca, ser inovador demais pode comprometer seu trabalho e gerar certo descontentamento por parte dos fãs. Segundo ele: “Eu sempre tento fazer 50-50. Eu faço um monte de músicas difíceis de bater […], por outro lado, eu faço músicas mais vocais, mais pop”.

Hardwell frisa que segue a “dica” do Armin Van Buuren, que diz: “Não seja um prisioneiro de seu próprio estilo.” De acordo com o holandês seu álbum possuí faixas diversificadas, pois, isso se deve por conta de não ficar preso em apenas um único estilo.

A Hy Brazil exporta ao mundo o melhor da dance music experimental brasileira

Série de coletâneas capitaneada pelo DJ e produtor cultural Chico Dub traz as promessas brasileiras da IDM e do “pós-gênero”

Se você está mais habituado a ouvir, majoritariamente, estilos de música eletrônica mais tradicionais, como house e techno, é altamente recomendável de quando em quando dar uma segurada e desafiar os seus ouvidos com sons mais estranhos. Mas não se preocupe: não estou propondo tracks com 17 minutos de ruídos e samples de gatos transando, mas sim representantes da IDM [sigla de Intelligent Dance Music] e de um chamado pós-gênero — um caldeirão frenético que condensa tantos gêneros musicais diferentes [como beats, jazz, bass, glitch, sons étnicos e até mesmo funk carioca] que acaba representando o que há de mais inovador na dance music contemporânea.

Essa é a proposta por trás da série de coletâneas Hy Brazil — Fresh Electronic Music From Brazil, capitaneada pelo DJ e produtor cultural Chico Dub. Criada em 2013, a Hy Brazil chega agora à sua sétima edição, sempre com a criteriosa curadoria de Chico, que garimpa no underground brasileiro [o que inclui a presença de estados periféricos, como o Pará do garoto de 18 anos Kid From Amazon] à procura das sonoridades mais ricas e peculiares, para então mostrá-las ao mundo.

Lançado nessa segunda-feira, o sétimo volume é um dos que mais traz nomes lo-profile até então, no sentido de serem artistas ainda pouco conhecidos ou iniciantes. Com 14 faixas exclusivas, a compilação começa mais dançante e acelerada, dá uma quebrada num som mais etéreo e cadenciado e depois fica alternando entre a introspecção e as batidas sincopadas. Destaques para Marginal Men, Afro Hooligans, Dieckmanns, Holocaos e Daniel Limaverde — este, inclusive, foi selecionado para a Red Bull Music Academy em Tóquio, no ano passado.

Você pode sacar Hy Brazil Vol. 7 na íntegra no player abaixo, e inclusive baixá-la no estilo “pague o quanto quiser”.

(Foto: Eduardo Magalhães)

03 grandes festivais para você curtir em casa neste final de semana

lives

Certamente não há nada melhor do que participar de um grande festival de música eletrônica e sentir a energia das pessoas, o grave das caixas no peito, fazer novas amizades, quem sabe até um novo amor. Quem já teve a oportunidade de estar em um evento desses sabe que mesmo as dores nos pés, pernas e cabeça do outro dia não são nada quando comparadas aos inúmeros momentos de felicidade que ficarão na memória para sempre.

É claro que a grande maioria dos apreciadores de música eletrônica tem vontade de participar de um festival, mas muitos enfrentam dificuldades intransponíveis (dinheiro, saúde, emprego, mulher ciumenta) que acabam por impedi-los de realizar esse objetivo.

Para amenizar a tristeza desses ‘baladeiros’ e percebendo a grande audiência que tem o publico da cena eletrônica, os principais festivais de e-music do mundo passaram a transmitir ao vivo pela Web e TV as performances dos principais artistas do line up.

O Ultra Music Festival e o Tomorrowland são bons exemplos de como as transmissões ao vivo podem transportar para seu computador, celular ou TV um pouco da vibe que a galera presente no evento está sentindo.

A cada ano, mais festivais anunciam suas live streams e esse ano não foi diferente, o maior festival de Hard Music do mundo, o DEFQON 1, e o Electric Daisy Carnival, um dos maiores do concorrido mercado norte americano, anunciaram que pela primeira vez vão levar um pouco da magia para aqueles que não vão poder estar lá fisicamente. Ambos acontecem nos dias 19, 20 e 21 de junho, na Holanda e nos estados unidos respectivamente.

Como se já não fosse o suficiente, o Festival Sonar, que acontece nos dias 18, 19 e 20 de junho na Espanha, revelou que irá transmitir o áudio dos melhores shows do evento.

Confira abaixo os links e horários das transmissões. Prepare o sofá, chame os amigos e boas vibes.

*Toda a grade está no horário oficial de Brasília, foram retiradas direto dos sites dos eventos e podem sofrer alterações sem aviso prévio.

SONAR

sonar

Stream: http://catradio.cat/icat

Quinta 18, a partir das 09:00

Sexta 19, a partir das 07:00

Sábado 20, a partir das 07:00

——-

DEFQON 1

defqon

Stream: http://defqon1.com/BeatportLIVE

Sexta 19, das 15:00 as 20:00

Sábado 20, das 10:00 as 18:00

Domingo 21, das 11:30 as 18:00

——-

Electric Daisy Carnival

edc

Stream: http://yahoo.com/edc

Madrugada de sexta p/ Sábado 20, a partir de 00:30

Madrugada de sábado p/ Domingo 21, a partir de 00:30

Madrugada de domingo p/ Segunda 22, a partir de 00:30

O EDC (Electric Daisy Carnival) vai levar ao ar imagens de todos os 8 palcos e também será transmitido pelo Canal Bis aqui do Brasil (NET 120 /GVT 35 /SKY 88), mas não há informações sobre o horário.

Top 05 Brasil – Junho 2015

Nem parece, mas já chegamos à metade do ano e, como de costume, todo mês a Phouse traz pra você o Top 05 Brasil com as produções mais relevantes do cenário nacional.

Em primeiro lugar ficou a track ‘Confetti’, do DJ/produtor Diego Moura com os vocais da Norte Americana Linney. A música foi lançada pela AfterCluv DanceLab, divisão de EDM da gigante Universal Music. Em apenas dois dias ‘Confetti’ já ocupa a segunda posição entre as mais vendidas do gênero no iTunes.

Na segunda posição vem o veterano Tiko’s Groove, dono do inesquecível hit ‘I Don’t Know What To do’, com o sucesso ‘Intergalatic’ e vocais da encantadora Vassy.

Ocupando o terceiro lugar, o carioca Johnny Glovez tem chamado a atenção com suas produções de qualidade surpreendente, chegando a emplacar um hit em trilha sonora de novela da Globo. Sua nova track ‘Anxiety’ não poderia estar de fora no nosso Top 05.

‘Poizoned’ do duo Dropkillers é o tipo de som que não dá pra parar de ouvir. Com uma combinação absolutamente harmonica entre Drum n Bass e Trap, esse som merecidamente garantiu a quarta colocação desse mês.

E fechando nosso chart com chave de ouro está a track ‘From the stars’, do dj/produtor Marotto, que já teve produções lançadas por grandes selos como Lou Lou Records (Kolombo) e Hotfingers (Alex Kenji, Manuel De La Mare, etc).

#01 – Diego Moura feat. Linney – Confetti (Radio Edit)

#02 – Tiko’s Groove & Vassy – Intergalactic (Club Mix) 

#03 – Johnny Glövez – Anxiety (Original Mix)

#04 – Dropkillers – Poizoned (Original Mix)

#05 – Marotto – From The Stars (Original Mix)

Lembramos que o chart não representa faixas mais tocadas ou compradas em sites especializados. O Top 5 Brasil, da Phouse, apresenta ao público as tracks mais relevantes de cada mês, na opinião da curadoria da Revista. A fim de incentivar e contribuir para o crescimento do cenário da música eletrônica brasileiro. valorizando sempre os artistas nacionais.

Indique uma faixa para o próximo Top 05 Brasil: promo@phouse.com.br

E-music milionária: os três maiores “gastões” do mercado EDM nos Estados Unidos

Desde que a Eletronic Dance Music desembarcou e explodiu nos Estados Unidos, um verdadeiro impacto financeiro atingiu a música eletrônica, com a criação de megafestivais, lançamento de diversos hits e a consagração de DJs.

E claro, na terra do Tio Sam, não demoraria muito para que as grandes empresas percebessem a mina de ouro que a divisão mais popular da e-music poderia se tornar. O investimento de alguns conglomerados estadunidenses, hoje, ultrapassa milhões de dólares e envolvem patrocínios de eventos e produtores musicais. Não seria nenhuma ofensa à história musical americana se comparássemos o ‘boom’ econômico ao que acontece no mercado do hip hop ou do rock.

Para mensurar o gasto, a Billboard Magazine colocou na prancheta os números das três maiores investidoras no mercado da EDM. Confira quem sãos os “gastões” da atualidade:

ANHEUSER-BUSCH – U$ 35 MILHÕES +

O conglomerado de cerveja apoia a franquia Electric Daisy Carnival (EDC) e o SFX Festival, além de ter acordos com Steve Aoki, Diplo e Tiesto.

7UP

A marca de refrigerante estampa os rostos de Martin Garrix e Tiesto em seus comerciais e até nas latas do produto, além de patrocinar eventos como o Ultra Music Festival e o EDC, e um dos programas de rádio sobre música eletrônica mais importantes do mundo, o Pete Tong’s Evolution.

T-MOBILE

A provedora exclusiva de telefonia celular do SFX Festival também tem acordos com os DJs Zedd, Above & Beyond e o “festival multicolorido” Life in Color.

Conheça a Sonic Bed, a cama para apaixonados por música

Tem muita gente por aí que só não ouve música quando está dormindo. Felizmente para essa galera, esse “problema” pode estar prestes a ser resolvido. Desenhada pela compositora e artista sonora britânica Kafee Matthews, a Sonic Bed é uma cama, mais parecida com um berço gigante, com simplesmente doze canais de som surround.

A cama propõe uma experiência similar à uma “massagem musical”, com as saídas de som emitindo poderosas vibrações ao mesmo tempo que o usuário está deitado relaxando. Infelizmente para os amantes da música, ainda não há nenhum plano para o lançamento comercial da Sonic Bed, mas os mais curiosos podem conferir como a cama funciona neste vídeo:

Após cancelar shows por problemas de saúde, Alesso dispara contra fãs revoltados

Alessandro Lindblad, o DJ/produtor Alesso, conforme conhecemos, cancelou importantes shows devido aos problemas de saúde que enfrentou na última semana. O sueco não se apresentou no Ultra Music Festival Coreia, que foi realizado no último fim de semana.

Por meio da sua página no Facebook, ele disse que precisou cancelar sua turnê asiática, bem como o evento Boulevard Pool, que seria nesta quinta-feira (18). Entretanto, o DJ afirmou que tem tudo para se apresentar no festival EDC, que será realizado em Las Vegas, no dia 19 a 21 de junho.

Segundo o DJ, seu médico o aconselhou a ficar de repouso durante uma semana, bem como não ir viajar a lugar nenhum. Seu problema de saúde não foi divulgado. Contudo, Alesso já está se recuperando para voltar em breve aos palcos.

No Twitter, ele pediu desculpas aos fãs por ter cancelado os shows, e fez uma crítica referindo a alguns Sul-coreanos que o desejou coisas insanas. Segundo Alesso, alguns deles que se diz seu fã de verdade, falaram coisas horríveis pelo fato de ter cancelado o show no Ultra.

Alesso usou a mídia social para dar uma resposta aos fãs.

ALESSO

Dilma Roussef veta regulamentação da profissão DJ

Mais uma vez a regulamentação da profissão de DJ foi vetada no Brasil. A presidenta Dilma Rousseff entendeu como contrário ao interesse público, os DJs terem que apresentar certificado de curso profissionalizante para exercerem a profissão. O projeto que era do ex-senador Sérgio Zambiasi exigia que os DJs tivessem uma carga horária mínima de 800 horas-aulas de cursos, pois só assim poderiam exercer a profissão de DJ e agitar casas noturnas e clubs no Brasil.

Para aqueles que não possuí o certificado, agora podem ficar mais tranquilos para continuar realizando seu trabalho na área. O projeto vetado pela presidente Dilma, libera os profissionais (disc-jockey) que não realizaram o curso, a continuarem desempenhando o trabalho que hoje possui grande status e prestígio na cena da música.

O projeto vetado previa que os DJs não pudessem ultrapassar a carca horária de trabalho de seis horas diárias. Se ultrapassassem, eles deveriam receber hora extra no total de 100% superior ao valor contratado. Caso o DJ não possuísse o certificado comprovando sua experiência na área, o profissional deveria também provar no Ministério do Trabalho que trabalhava como DJ há cinco anos anteriores à aprovação da lei.

Na mensagem de veto, Dilma destaca que a Constituição assegura o livre exercício profissional do DJ, cabendo a imposição de restrições apenas quando houver a possibilidade de dano à sociedade.

Cada vez mais próximo o documentário sobre Daft Punk

Já tem data de lançamento o tão aguardado documentário sobre o duo francês Daft Punk, um dos maiores ícones da música eletrônica mundial. Daft Punk Unchained chegará à televisão francesa no dia 24 de junho, em uma superprodução da BBC Worldwide.

Os fãs ao redor do mundo ainda aguardam uma data de  lançamento internacional, mas já se deleitam com alguns dos detalhes revelados sobre o filme. Com duração de uma hora, o documentário trará participação e depoimentos de outros astros da música mundial, como Kanye West e Pharrell Williams, que colaborou com a dupla no lendário hit “Get Lucky”.

Com mais de duas décadas de carreira, a parceria entre Guy-Manuel de Homem-Christo e Thomas Bangalter é responsável por alguns dos maiores clássicos da música eletrônica internacional. Além do já citado “Get Lucky”, os homens do capacete têm em seu currículo faixas como “One More Time” e “Harder Better Faster Stronger”, além de dois álbuns premiados pelo Grammy.

Indispensável para os amantes da música, Daft Punk Unchained será apresentado ao mundo em menos de dez dias. Fica a nossa expectativa para o lançamento do filme no Brasil e a certeza de que ele promete fazer tanta história quantas as músicas do duo.

Billboard revela lista “excêntrica” com os 30 nomes mais poderosos da EDM

Todo ano, algumas das principais revistas sobre música de todo o mundo apresentam suas listas: Melhores álbuns, artistas mais ricos e muitas outras. Com o crescimento desenfreado da música eletrônica nos últimos anos, a Billboard não ficou para trás e lançou a seção ‘Billboard Dance’, que irá cobrir a cultura e os festivais de dance music no mundo todo.

E para ganhar seu lugar ao sol, a revista norte americana divulgou sua lista “Top 30 EDM Power Players”, listando alguns dos nomes mais influentes no mundo da música eletrônica como: Steve Angello, Diplo, Martin Garrix e muitos outros.

Para o grande público, nomes como: James Barton, Pasquale Rotella, Patrick Moxey e Gary Richards, não pareçam tão familiares, porém, são grandes empresários que contribuem muito para o andamento da cena. Enquanto esses nomes estão merecidamente presentes na lista, a posição que os mesmos ocupam, definitivamente deixa o leitor “com a pulga atrás da orelha” (para os mais antigos) ou “cabreiro” (como dizem os mais jovens).

A colocação de alguns DJs também chama a atenção. Diplo é com certeza um ótimo produtor e um artista muito influente na cena, mas o nome dele aparecer acima de Calvin Harris, David Guetta e Tiesto com certeza levanta algumas sobrancelhas.

Outro fato que causou certa confusão foi algumas lendas da e-music não estarem entre os 30, Armin Van Buuren é um deles.

Confira a lista completa abaixo:

1. James Barton, President of electronic music, Live Nation

2. Diplo, DJ-producer; founder, Mad Decent

3. Pasquale Rotella, Founder, Insomniac Events

4. Skrillex, DJ-producer; co-founder, OWSLA

5. Paul Morris, Founder/president, AM Only

6. Calvin Harris // Mark Gillespie // Dean Wilson Harris: DJ-producer; Gillespie/Wilson: Co-founders, Three Six Zero Group

7. Ritty Van Straalen, CEO, SFX Live

8. Joel Zimmerman, Partner/head of electronic music, William Morris Endeavor

9. Gary Richards, Founder/CEO, HARD Events

10. Patrick Moxey, Founder/president, Ultra Records; president of electronic music, Sony Music

11. Scooter Braun, Founder/owner, SB Projects

12. Kaskade, DJ-producer

13. David Guetta, DJ-producer

14. Ash Pournouri, Founder, At Night Management

15. Kathryn Frazier, Owner, Biz3 Publicity; co-owner, OWSLA

16. Deadmau5, Producer; founder, Mau5trap

17. Neil Moffitt, CEO, Hakkasan Group

18. Pete Tong & Annie Mac, DJ/hosts

19. Tiesto, DJ-producer

20. Martin Garrix, DJ-producer

21. Geronimo, Director of music programming for electronic and dance formats; host, BPM/SiriusXM

22. Tim Smith, Founder, Blood Company

23. Neil Jacobson, Senior vp A&R, Interscope Geffen A&M

24. Steve Aoki, DJ-producer; CEO/owner, Dim Mak Records

25. Disclosure, DJ-producers

26. Amy Thomson, Founder/CEO, ATM Artists

27. DJ Snake, DJ-producer

28. Zedd, DJ-producer

29. Steve Angello, DJ-producer; founder, Size Records

30. A-Trak, DJ-producer; co-founder, Fool’s Gold Records

Coisa de jovem? Vovôs ‘fritam’ em festivais e dão aula de disposição na batida do techno

Qual a primeira coisa que lhe vem a cabeça ao pensar em uma rave ou em um festival? Um espaço tomado por jovens curtindo e-music por horas, praticamente sem parar? Então, seriam esses eventos especial e especificamente produzidos para o público de faixa etária mais baixa, certo?

Bom, se essa for a sua linha de raciocínio, talvez tenha que repensar o conceito após conhecer Johan de Vries. A história do “jovem” de 83 anos se tornou viral na Europa devido a um vídeo publicado pelo site britânico Telegraph, onde Johan aparece “fritando” no Edit Festival, em Haarlem, na Holanda.

Dançando sem parar com as batidas do techno, ele é conhecido como “Vovô do House” e, de acordo com a reportagem, foi dançarino de salão na juventude. Após a gravação, feita por um dos espectadores, Johan de Vries foi questionado sobre o que estava achando do festival. A resposta foi direta: “Ainda é muito cedo. Estou esperando pelos DJs que tocam música mais pesadas”.

Vovô brasileiro

Se a Holanda tem Johan de Vries, o Brasil tem Sábio Amadeu. A figura já foi vista em diversos clubes, como o Warung e Green Valley, além de comparecer à última edição da XXXPERIENCE 2014, em Curitiba. De tão mítico, Sábio foi homenageado com uma página fanpage no Facebook.

As duas histórias mostram o quão democrática é a música eletrônica e o quão diferenciado pode e deve ser o seu público, sem qualquer preconceito.

Ratier além da Música: moda e estilo

A Phouse agora respira moda, e como moda tem tudo a ver com música eletrônica que por sua vez tem tudo a ver com liberdade e estilo, decidimos inaugurar a coluna falando sobre alguém que entende muito bem de moda, música e estilo; Renato Ratier.

DJ, dono do conceituado club D.Edge, Renato Ratier também é dono de um estilo inconfundível. No começo de 2015 inaugurou sua marca e loja própria.

A coleção Ratier é totalmente inspirada em seu próprio estilo. Estilo onde as palavras praticidade e elegância são obrigatórias!

Aquela roupa confortável que você pode ir de uma reunião à um jantar ou balada em um estilo totalmente despojado mas sem perder a elegância.

As peças são feitas com materiais naturais. Sobre as cores, o preto é sem duvidas o DNA da marca, os detalhes ficam por conta do cinza, verde militar e branco.

A marca é focada 70% para o público masculino e 30% da coleção é feminina.

Uma marca que traduz a modernidade de Homens e Mulheres que não se importam em quebrar paradigmas.

O projeto do prédio ficou por conta da dupla Marcelo Rosembaum e Muti Randolph. O espaço ainda conta com um bar, estúdio de música e o restaurante Bossa.

“Uma honra para o {itsmi.style} estar aqui na Phouse dividindo  com vocês leitores essas duas paixões: Moda e musica eletrônica.”

BeijoOs

Micheli Sichieri

Axwell /\ Ingrosso – Sun Is Shining

Criatividade não falta para Axwell Λ Ingrosso, ex-integrantes do Swedish House Mafia, que em 2014 resolveram seguir carreira juntos. De lá pra cá, o duo vem produzindo músicas que caem no gosto geral dos amantes da cena dance music, e de uma forma inovadora estão também proporcionando vídeos criativos assim como o símbolo (Λ) que unem seus nomes.

Para quem gosta de assistir vídeos lyrics, vai adorar a ideia contida no clip “Sun Is Shining” do duo sueco. O vídeo envolvente mostra vários papeis com trechos da música, que de maneira inusitada aparecem no decorrer em que os personagens exerce alguma atividade.

Durante a metade do vídeo, todos os papeis se juntam e formam um redemoinho em volta de uma menina que simultaneamente pega cada papel com um trecho da canção, dando sequência nela que, com certeza, será uma das faixas que irá bombar na cena dance music, assim como bombaram as outras do duo.

Autores da música Something New, Can’t Hold Us Down, On My Way e Sun is Shining. Axwell Λ Ingrosso, possui no novo vídeo um tema criativo que se trata de uma colaboração com a H & M.