Sharam Jey recebe indicações em duas categorias do International Dance Music Awards 2016

Na 31ª edição do Internacional Dance Music Awards, além das boas surpresas que os brasileiros tiveram com a indicação de Alok e ANNA nas categorias DJ Revelação e Artista Revelação, respectivamente, outro nome bastante conhecido faz parte dos indicados deste ano. Sharam Jey,  DJ e produtor alemão que também é dono da Bunny Tiger, foi indicado em duas categorias: Melhor DJ Indie/Underground e Melhor Faixa Indie/Underground, com a track Holy Ghost! (ft. Tom Breu). 

Sharam Jey conseguiu alguns marcos importantes com a sua gravadora, apesar do pouco tempo de mercado, e já acumula mais de 20 faixas produzidas pelo label que figuraram no Top 10 Indie Dance & Nu Disco, do Beatport. Um dos maiores sucessos do alemão, a faixa “Bass” foi produzida em parceria com os brasileiros Illusionize e Chemical Surf, é conhecida por quem frequenta as pistas de Deep House em todo o Brasil por ter sido uma das tracks mais populares das pistas em 2015, acumulando milhões de reproduções em platatormas como Spotify, Soundcloud e Youtube. 

A votação do IDMA 2016 fica aberta até dia 02 de março, e todas as categorias da competição e seus indicados já estão disponíveis no site. A premiação será anunciada e ocorrerá durante o Winter Music Conferece, em Miami, na segunda metade de março. 

Clique aqui para votar!

Bildschirmfoto 2016-02-12 um 15.16.15

Pete Tong desembarcará pelo Brasil em Março

Figurinha tarimbada do “templo” nos últimos anos, o renomado DJ britânico Pete Tong volta ao Warung no dia 25/03, feriado de Páscoa. Tong, celebrado como “embaixador mundial da dance music” e na ativa desde os anos 80, é mais conhecido por seu trabalho à frente da BBC Radio 1, sobretudo no aclamadíssimo programa Essential Mix. O cara ainda tem sua própria noite na Pacha, em Ibiza, chamada All Gone Pete Tong.

Além dele, o Warung traz o alemão Phonique, o segundo headliner da noite, e os brasileiros Leozinho, Volkoder, Diogo Accioly e Gui Thomé.

Relembre aqui quando o Pete Tong comandou, ao lado do maestro James Buckley, uma orquestra que reinterpretou clássicos da dance music.

E não deixe de conferir também o Soundcloud do DJ e produtor:

Fãs, podem comemorar: este ano vai ter Eric Prydz no Brasil

Sim, é isso mesmo! Trazemos em primeira mão essa notícia bombástica por aqui: o gigante Eric Prydz, que acaba de soltar seu primeiro álbum, Opus, parece estar deixado seu pânico aéreo cada vez mais no passado e viajará em breve em turnê mundial, com escala confirmada no Brasil.

Um dos grandes nomes da música eletrônica dançante desde os anos 2000, Prydz sofre há muito tempo de uma fobia de voar de avião, que tem colocado sérios empecilhos em sua carreira. Apesar de ter decidido enfrentar seus pesadelos e sair em turnês longas nos últimos anos, o DJ sueco, grande amigo e parceiro das antigas dos caras do Swedish House Mafia, já perdeu muitas oportunidades pelo seu pavor aeronáutico, e sempre que pode opta por viajar de ônibus ou carro. Seus últimos movimentos e suas últimas declarações — somadas à notícia de sua turnê deste ano — indicam que o artista vem progredindo bastante em relação ao problema já há algum tempo (sobretudo em 2014, quando tocou na Austrália), e o fato de seu primeiro álbum oficial em mais de dez anos de carreira ter saído agora não deve ser coincidência.

A turnê de 2016 será centrada em Opus; fique de olho aqui na Phouse pra mais detalhes em breve!

Em noite especial, Vintage Culture recebe o prêmio de “Melhor DJ Big Room” pelo RMC

Além do Vintage, Revista Phouse, Tomorrowland, BlancAh, Marcelo CIC, Elekfantz  e muitos outros também foram premiados. 

A revista Phouse foi coroada na noite desta quarta-feira (27) como o Melhor Veículo Especializado sobre a cena eletrônica brasileira no V Prêmio RMC. A honraria foi recebida pelo fundador da revista Luckas Wagg no clube 00, no Rio de Janeiro.

Além da Phouse, foram consagrados ainda os produtores Vintage Culture, como Melhor DJ, Marcelo CIC, com um prêmio especial concedido pela Pioneer, e o duo Elekfantz, na categoria Live Act. Ao todo, 18 categorias fizeram parte do Prêmio.

Entre os veículos de comunicação, concorreram também House Mag, Thump, Mixmag e Dance Paradise. A escolha foi feita por centenas de embaixadores de todo o Brasil. Este é o primeiro ano que a Phouse, fundada em 2013, é indicada para o Prêmio RMC.

O Rio Music Conference homenageia produtores, gravadoras, clubes e membros da imprensa que se destacaram no apoio à cena no país, em 2015.

A Phouse orgulhosamente agradece a todos os leitores que fizeram desta a revista de música eletrônica mais relevante do Brasil, em 2015. Que venha 2016!

Confira todos os ganhadores do V Prêmio RMC:

VJ Toshiro

Veículo Especializado – Phouse

Fotógrafo – Fabrizio Pepe

Agência de Eventos – SFX / ID&T

Agência de Talentos – Plus Talent

Club Off-Circuit – Beehive

Club – D-Edge

Superclub – Warung Beach Club

Festival – Tomorrowland Brasil

Selo – Warung Recordings

Festa – Só Track Boa

Live Act – Elekfantz

Produtor Revelação – BlancaH

Produtor – L_cio

DJ Revelação – Chemical Surf

DJ Big Room – Vintage Culture

DJ Underground – ANNA

Track do Ano – “Sensation”, Volkoder

Personalidade do Ano – Luiz Eurico Klotz

Prêmio Pioneer DJ Excellence Award – Marcelo CIC

Um fenômeno nacional chamado Terraza

Como um dos melhores clubs undeground do Brasil se transformou no epicentro da música eletrônica na Ilha da Magia.

Localizada no norte da Ilha de Florianópolis, no complexo Music Park entre Pacha, Devassa On Stage, Posh e ao lado da praia de Jurerê Internacional, a Terraza nasceu como uma opção de After Party para os eventos da Pacha, com uma proposta sempre voltada à música underground e a sonoridades pouco exploradas. A persistência e a união do time certo, aliado ao carisma que o club adquiriu, foram fatores essenciais para seu sucesso que, hoje, vem ampliando sua legião de fãs. Não é muito difícil encontrar pessoas que descreveram como “sensacional” a primeira experiência que tiveram na Terraza.

Normalmente, os DJs descrevem a Terraza dizendo que a energia da pista é incrível, onde se consegue ousar. E, realmente, a pista do club tem uma força que é rara de se ver: as pessoas dançam, gritam, aplaudem; elas fazem parte do show junto com o DJ. A presença de todas as tribos reforça a ideia de que a música é para todos. Grandes nomes já se apresentaram no Club, como Carl Craig, Nic Fanciulli, Nina Kraviz, Stefano Noferini, Marc Houle, Ion Ludwig, DJ Koze, Butch, Miss Kittin, Oliver Huntemann, Radio Slave, Mathias Tanzmann, entre muito outros. Curadoria artística está no DNA do club.

Toda nave precisa de um capitão, e a Terraza é capitaneada pelo italiano que sabe como ninguém fazer uma boa festa. Tony Tomaino (conhecido pelo público da casa como Tony Milano) é natural de Milão, mas vive no Brasil há mais de 10 anos. Tony trabalha com a noite desde os tempos em que fazia da sua casa na Itália a Matinê mais concorrida dos domingos na garagem do seu pai. Cresceu ouvindo as lendas e os percursores da música eletrônica. Quandomudou-se para o Uruguai e trabalhou com seu núcleo Exogroove em Punta Del Este, ele tinha como residente no verão Hernan Cattaneo. Nada mal! Logo em seguida, mudou-se para o Brasil, onde fixou residência. Foi um dos nomes por trás da club que foi pioneiro em Balneário Camboriú, o “Ibiza”.  Hoje vive em Florianópolis, e à frente da Terraza, vem colocando toda sua experiência em prol da boa música.

O time de residentes da Terraza é composto por exímios garimpeiros musicais, que sempre buscam levar algo mais para a pista e explorar a criatividade. São eles: Doriva Rozek, Ricardo Lin, Emmy Betiol, Idee a.k.a Renee, Gustavo Pamplona e Daniel Kuhnen. Todos, com sua identidade e experiência musical, são os grandes responsáveis pelas noites épicas na Terraza. Não se pode esquecer da arte da VJ Linien, que faz com maestria a interação visual com os sets. As fotos, por conta do Tiago Ribeiro, conseguem passar a história da noite com estilo e conceito. Tudo é bem pensado e faz parte da concepção do club.

Terraza está fazendo história nas noites da Ilha e é  referência musical, educando o público e ousando, apenas música e pela música.

EXCLUSIVO: Assista o clipe de “Bass”, faixa do Sharam Jey, Chemical Surf e Illusionize

O alemão Sharam Jey liberou com exclusividade para a Revista Phouse o videoclipe da sua faixa “Bass”, em parceria com os brasileiros Chemical Surf e Illusionize.

Lançada em Janeiro de 2015 pela Bunny Tiger – gravadora do Sharam – a faixa que hoje conta com mais de 3 milhões de plays, somados no Youtube, Soundcloud e Spotify, pode (e deve) ser considerada como a “música do ano”.  Se você foi um frequentador de clubs e festivais nesse ano passado deve saber do que estamos falando.

A música não só foi uma das mais executadas no Brasil em 2015, como também ajudou a alavancar a carreira dos artistas brasileiros Chemical Surf e Illusionize, além da consolidação do próprio Sharam Jey, que tem tours frequentes pelo Brasil.

Após sucesso estrondoso,  nada mais justo que um videoclipe para celebrar. O trabalho foi gravado e dirigido pelo cinegrafista Thiago Guedert, em Florianópolis.

Confira a lista das Top DJs mulheres do mundo

A revista londrina DJaneMag apresenta quais são as Top DJs mulheres de 2015. Fundada em 2010, esse é o segundo ranking que a publicação divulga, sendo o primeiro apresentado em 2014.

Na lista há 100 DJs de várias partes do mundo, como da Ucrânia, Austrália, Rússia, Alemanha, Brasil, entre outros países. A votação elegeu as mais populares DJs das 1070 registradas no site que participaram.

Como pode ser notado na lista no final desta matéria, Nervo, Krewella e Miss K8 não aparecem em nenhuma colocação. Porém, se fossem incluídas, Nervo estaria em 2ª lugar, Krewella em 6ª e Miss K8 em 21ª, segundo a DJaneMag.

Na votação deste ano, não foram apenas as DJs internacionais que se posicionaram no ranking. Nomes como a paranaense Fernanda Martins e a capixaba Jess Benevide  também se destacaram.

Além dessas moças, a mineira Larissa Lahw, que é residente no Festival Villa Mix, tendo se juntado este ano ao time de DJs como Alok, Felix Jaehn, Matoma, entre outros, no maior palco do mundo, em Goiana, também estreou no ranking.

DJ Larissa Lawn
DJ Larissa Lahw

Abaixo reunimos a colocação das DJs brasileiras no Top DJanes 2015, e na sequencia apresentamos a lista completa do resultado da votação; confira.

DJs brasileiras:

57 – Fernanda Martins

86 – Jess Benevides

94 – Larissa Lahw

TOP100DJANES 2015:

1. Juicy M (USA)

2. Eva Shaw (CAN)

3. Tigerlily (AU)

4. Havana Brown (AU)

5. Helena Legend (USA)

6. Alison Wonderland (AU)

7. Da Candy (UKR)

8. Nina Kraviz (RUS)

9. Miss Nine (NLD)

10. Da Queen (UKR)

11. Ruby Rose (AU)

12. Eva Simons (NLD)

13. Oriska (FRA)

14. Diamonds DJs (MEX)

15. DAY MAR (NLD)

16. LengYein (MAL)

17. Olga Ryazanova (POR)

18. Brooke Evers (AU)

19. Mattn (BEL)

20. Mari Ferrari (RUS)

21. Monika Kruse (GER)

22. Deborah De luca (ITA)

23. Mariana Bo (MEX)

24. AniMe (ITA)

25. Maeva Carter (FRA)

26. KimKat (USA)

27. Deuce Manila (PHI)

28. Naomie K (FRA)

29. Una (IDN)

30. Nicole Moudaber (UK)

31. Oxy (VNM)

32. Marien Baker (ESP)

33. Amely (MLT)

34. Rebecca & Fiona (SWE)

35. Sam Divine (UK)

36. RHIANNON (USA)

37. Kitty Kat (AU)

38. Nina Suerte (POL)

39. Maya Jane Coles (UK)

40. Brooklyn (AU)

41. MEW (USA)

42. 2elements (GER)

43. Miss Gul (FRA)

44. BRAZZABELLE (USA)

45. Ema Stokholma  (ITA)

46. Sabrina Terence (AE)

47. KEY D (FRA)

48. Ola Ras (UKR)

49. SODA (KOR)

50. Ellen Alien (GER)

51. Niki Belucci (HUN)

52. Some Blonde (AU)

53. Yasmin (IDN)

54. Kesha Ayres (UK)

55. Guilia Regain (ITA)

56. Mija (USA)

57. Fernanda Martins (BRA)

58. Varra (IDN)

59. The Twins (AU)

60. Viktoria Metzker (HUN)

61. Anna Lunoe (USA)

62. Korsakoff (NLD)

63. TOKiMONSTA (USA)

64. Charlotte Devaney (UK)

65. Fatima Hajji (ESP)

66. Tenashar (SIN)

67. Nastia (UKR)

68. Colleen Shannon (USA)

69. Chelina Manuhutu (NLD)

70. Andrea Ferratti (VEN)

71. Paris Hilton (USA)

72. Tanja la croix (SUI)

73. Percy (POR)

74. Claudia Cazacu (UK)

75. Sophia Lin (USA)

76. Helen Jovanovich (MEX)

77. 2Empress (BEL)

78. Hannah Wants (UK)

79. Lia Kustánczi (HUN)

80. Miss Roxx (FRA)

81. Anja Schneider (GER)

82.  Flower (HUN)

83. Nora En Pure (SWI)

84. Liz Candy (FRA)

85. Djamila Celina (NLD)

86. Jess Benevides (BRA)

87. Seherezade (HUN)

88. Christy Million (UKR)

89. Kika (VEN)

90. Louise da Costa (IRL)

91. Sarah Robertson (AU)

92. Candy Cox (ESP)

93. Kekka (HUN)

94. Larissa Lahw (BRA)

95. Jack Novak (USA)

96. Mandy (BEL)

97. Lia Lisse (BLR)

98. Katusha Svoboda (RUS)

99. Heels To Kill (ESP)

100. Paroma (IND)

Bahia, terra de todos os santos, encantos e música eletrônica

Não é mais segredo pra ninguém que o Brasil é uma das principais rotas da música eletrônica no mundo, são inúmeros festivais chegando e se estabelecendo em terras tupiniquins, são DJs e produtores nacionais rodando o mundo, são club’s cada vez mais premiados e lotados e isso vem se estendendo em todos os cantos do país.

Na Bahia não tem sido diferente, um lugar culturalmente conhecido por ser o principal expoente do Axé no Brasil, hoje passa por um momento transitório onde o público jovem procura por algo novo e acha na música eletrônica o seu novo lar e a sua nova cultura.

Na capital, Salvador, o movimento noturno em prol da música eletrônica se fortificou absurdamente no ano de 2015, a cidade que tinha eventos eletrônicos esporádicos hoje já recebe inúmeros eventos de diversas vertentes todos os finais de semana. Do deep house ao trance, a população jovem da cidade respira música eletrônica.

Ainda na capital, destacamos a Just Low, evento que começou para 150 pessoas e já almeja para 2016 edições com 3000 pessoas, a label sempre trabalhou focada desde seu início em educar o público, que foi se tornando fiel e hoje se tornaram fanáticos pelos gêneros tocados no evento.

Ainda em Salvador, além da Just Low, inúmeros eventos que aconteceram durante o ano movimentaram grandes nomes da música eletrônica brasileira como Vintage Culture, Alok, Felguk, Dashdot, FTampa, Anna, Omulu, Tropikillaz, Life is a Loop e muitos outros.

Além da “cena comercial”, a “cena alternativa” soteropolitana tem se fortificado e crescido cada vez mais, eventos de trap, bass music e trance tem amadurecido muito e as promessas dos produtores de eventos dos gêneros para 2016 são grandes. Logo no início do ano o evento “Ápice” traz para Salvador o fenômeno Chapeleiro e promete uma estrutura que não deixa a desejar a nenhum evento internacional.

A cidade também é rota certeira dos amantes dos famosos “weekend’s” que recebem milhares de pessoas de todo o Brasil pra curtir festas ininterruptas nos hotéis onde são realizadas, destacamos o Clube Hotel e o Brazilian Weekend que hoje são considerados dois dos principais weekend’s do Brasil.

Sem esquecer também do famoso carnaval de Salvador, que recebe mais de 3 milhões de pessoas e também passa por uma grande transformação. Esse ano os foliões foram premiados com um palco em frente ao cartão postal da cidade, o Farol da Barra, aberto ao público que tocava durante toda a noite e recebia uma multidão de gente. Isso sem contar com os famosos camarotes que recebem inúmeros dj’s de todo o mundo, como o “Camarote Salvador” que no ano de 2016 já confirmou artistas como Hardwell, Steve Aoki e Axwell e o “Camarote Villa Mix” que esse ano trouxe Oliver Heldens para a folia.

Porém, a Bahia não se resume somente a Salvador, o estado se torna no final do ano destino certo para os amantes da música eletrônica do Brasil, pois no litoral baiano se encontram algumas das maiores festas de réveillon do Brasil, a começar por Trancoso que recebe no Café de La Musique nomes como Kolombo, Amine Edge and Dance e Watermat. Logo ali do lado em Arraial D’ajuda acontece o Réveillon Sundance que já confirmou nomes como Sunnery James e Ryan Marciano, Buschwaka e Lou Lou Players. E não fica somente por aí, em diversos locais como Morro de São Paulo, Barra Grande e Boipeba acontecem inúmeros eventos ininterruptos em locais e praias paradisíacas.

Além desses grandes eventos durante o Reveillón, logicamente que o grande destaque vai para um dos maiores festivais de música eletrônica do mundo, o Universo Paralello que esse ano promete receber um número histórico de pessoas de todos os cantos do planeta. O evento que acontece na paradisíaca praia de Pratigi contém inúmeros palcos para todos os gostos, tendo como carro chefe o gênero trance, onde traz um line up formado pelos principais DJ’s e produtores do gênero. Além do palco principal, existem outros palcos onde tocam outros estilos, como o “UP CLUB”, palco criado por Alok onde tocam DJ’s e produtores respeitados internacionalmente como Jamie Jones, Noir, Boris Brejtcha e alguns dos nomes mais requisitados da cena “low bpm” no Brasil.

E para a grande surpresa de todos os cidadãos baianos, a dupla Dimitri Vegas e Like Mike foi contratada para tocar durante o Reveillón em praça pública na capital, Salvador. A prefeitura está fazendo uma divulgação em massa e estipula um número aproximado de 1 milhão de  pessoas assistindo esse que promete ser um show histórico da dupla.

Independente do gênero, o futuro do estado é com certeza junto com o restante do Brasil se tornar uma excelente opção de entretenimento para aqueles que querem tomar Sol, curtir uma praia e ouvir um bom set de música eletrônica.

Rio Music Conference anuncia nova sede para edição principal em 2016

A 8º edição do Rio Music Conference (RMC) – o maior encontro da música eletrônica e do entretenimento da América do Sul -, será realizada nos dias 27, 28 e 29 de janeiro de 2016, no Porto Maravilha, no Rio de Janeiro. Com programações que reúnem profissionais do mundo todo para debates, negociações e investimentos no setor, a conferência promete muitas emoções para o ano novo.

Com previsão de apresentar em breve a programação completa, o RMC será realizado próximo da data do Rio Music Carnival, que acontecerá nos dias 5, 6, 7, 8 e 9 de fevereiro, na Marina da Glória, e tem entre suas atrações confirmadas Hardwell, Axwell e Kolombo.

“Em casa”, por ter nascido e criado no Rio de Janeiro, o RMC, no Porto Maravilha, contará com uma vista sem igual da nova Praça Mauá, onde está localizado o Museu de Arte do Rio (MAR), inaugurado em 2013, e do Museu do Amanhã, localizado ao lado da Praça, e inaugurado no dia 17 de dezembro de 2015.

Talento brasileiro: os nomes que despontaram na cena nacional em 2015

No meio do ano, a Phouse publicou uma matéria a respeito dos artistas jovens que vinham chamando atenção em 2015 dentro do cenário brasileiro. O ano agora está chegando ao fim e a juventude da dance music no Brasil esteve a todo vapor neste segundo semestre. Vários dos produtores citados naquela ocasião apresentaram trabalhos ainda mais relevantes e outros apareceram trazendo novas músicas de qualidade. Nada mais justo, portanto, do que atualizar nossos leitores sobre o panorama da dance music brasileira no que diz respeito aos novos produtores que começam a tomar conta da cena.

Entre quem já vinha fazendo muito barulho em Julho, a maioria mostrou que estávamos certos em nossos elogios e continuam fazendo muito som de qualidade. Nomes como Zerb, Pontifexx e Dropkillers continuam, cada um dentro de uma pegada particular, lançando produções de destaque na cena nacional e internacional. A dupla paulistana Lenx & Denx emplacou o lançamento de “La Fiesta” na Oxygen Records, sub-label de nada menos do que a Spinnin Records. Os cariocas Moshe e Future Lines também têm dado sequência ao excelente trabalho. A parceria dos dois projetos no bootleg de “Disarm You”, de Kaskade, deu o que falar recentemente.

No entanto, não é só dos “velhos novos” talentos que vive a cena brasileira atualmente. Neste fim de ano, muitos jovens de grande potencial começaram a ganhar destaque por suas produções. Um ótimo exemplo é o prodígio catarinense Liu. Se destacando nas vertentes de deep e future house, o protegido de Alok está prestes a lançar uma de suas mais aguardadas faixas, “Don’t Look Back” em parceria com Vokker. Aliás, a popularização destes gêneros e de outros similares, antes considerados “underground” no Brasil é inegável. O destaque que vem conquistando Illusionize, por exemplo, vem para comprovar esta constatação. Já bastante experiente, apesar de pouca idade, ele vem colecionando grande lançamentos e já goza de grande reconhecimento popular.

E a lista se estende. Outro produtor experiente, E-Cologyk, também tem se aventurado nestas vertentes com seu projeto Goldcash. A parceria com Diego Silveira, vocalista da banda Cine, desde a primeira track do projeto, “Time To Love”, já chamou bastante atenção. A galera do Kush 3D já acumula lançamentos por labels importantes e promete grande novidades já no início de 2016. Rivas é outro jovem produtor que vem chamando atenção principalmente com bons remixes, como para “Too Original” do Major Lazer e “Can’t Feel My Face”de The Weeknd. Ainda dentro dessa pegada que tem dominado o país, nomes como KVSH,VINNE, Future Class e Bry Ortega são outros que merecem destaque pelo bom trabalho recente.

Mas não é só destas vertentes que estão surgindo novos talentos no Brasil, evidentemente. Nos gênero mais tradicionais, como progressive e electro house, também é possível ver muita gente de grande potencial fazendo música boa. O carioca Joe Kinni, por exemplo, é outro que tem se destacado com ótimos remixes, com destaque para seu bootleg de “Stole The Show”, do fenômeno norueguês Kygo. Também devido a um remix se destacou o produtor Ash, responsável por uma incrível versão de “Strike It Up”, hit #1 do Beatport de seu compatriota FTampa.

O duo 2kool também vem impressionando pela versatilidade e qualidade nas produções. O recente remix para “Chemicals”, de Tiesto & Don Diablo, é um dos melhores trabalhos do projeto até aqui. O gaúcho Dirty Play e o paulista D-Stroyer também tem dado o que falar, este último já acumulando diversos lançamentos importantes em labels como a Oxygen e suportes como W&W e Dimitri Vegas & Like Mike. Com um estilo bastante diferente e original, o projeto Flying Buff também tem dado o que falar dentro da cena.

Não apenas a Phouse te apresenta os nomes que vão dominar o Brasil em um futuro próximo, como também mostramos os motivos dessa moral que damos para essa juventude talentosa. Separamos como mais um presente de Natal para nosso público uma track de cada um dos produtores mencionados aqui, para que você possa conhecer bem de perto o futuro da dance music brasileira. Curta sem moderação e depois palpite: qual destas feras chamou mais sua atenção?

https://soundcloud.com/futurelines/kaskade-disarm-you-moshe-future-lines-remix

https://soundcloud.com/christianliusound/liu-ft-vokker-dont-look-back-out-1001-on-up-club-recs

https://soundcloud.com/rivasmusic/major-lazer-rivas-remix

https://soundcloud.com/itsvinne/vinne-heiken-dat-junk-out-now

https://soundcloud.com/mixfeed/alex-senna-future-class-my-side

https://soundcloud.com/bry-ortega/bryortega-saccao-housemusiceverywhere

https://soundcloud.com/2koolofficial/chemicalsremix

https://soundcloud.com/dirty-play/restart

https://soundcloud.com/dstroyerofficial/astronomia

https://soundcloud.com/flying-buff/assalto