Top100 de clubs da DJ Mag celebra casas lendárias e tem brasileiros em destaque

Saiu nesta tarde o resultado do ranking de clubes da revista DJ Mag. As duas primeiras colocações parecem ter valor simbólico, com homenagens a casas de inegável importância para a história da cultura de pista no mundo, e que foram protagonistas de episódios relevantes na última temporada. A grande vencedora foi a lendária Space Ibiza, que, depois de três décadas escrevendo sua história no universo da dance music, fechou suas portas nesta temporada. A Space se consagra como a papa-títulos do ranking, alcançando o seu quinto (e último) prêmio de melhor clube do mundo. Em seu lugar, assume nesta temporada a Hï Ibiza, gerenciada pelo grupo Ushuaïa.

Quem ficou com a segunda posição desta vez foi outra casa noturna de inegável importância para o cenário mundial: a londrina Fabric, que em decisão judicial chegou a ser forçada a fechar as portas nos últimos meses do ano passado. O fechamento mobilizou a comunidade da música de pista no mundo todo, com petições e protestos, até conseguirem fazer a boate reabrir, em janeiro. É provável que essa mobilização tenha impulsionado a Fabric ao segundo lugar — o clube já foi #1 em 2007 e 2008.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
...

LEIA TAMBÉM: É hora de rever nossa posição sobre o Top 100 da DJ Mag

Brasileiros no ranking

O Brasil segue marcando presença firme no poll, mas boa parte dos destaques perderam posições em relação ao ano passado. O Green Valley, que desde 2012 vinha intercalando as duas primeiras posições com a Space (primeiro lugar em 2013 e 2015, e vice em 2012, 2014 e 2016), caiu para a terceira posição, que não ocupava desde 2011. O Warung, #21 no ano passado, caiu quatro posições, ficando no #25, enquanto o El Fortin subiu doze posições, atingindo a 28ª colocação; o Anzuclub aparece em 31º, uma queda de treze posições.

Fundado no fim de 2015 e já referido por muitos DJs internacionais como melhor clube do mundo, o Laroc figura no ranking pela primeira vez, em 45º. O D-EDGE sobe seis posições, figurando na exata metade da lista (#50), enquanto Sirena e Matahari completam os representantes brasileiros — respectivamente, em 57º (queda de 48 posições) e 69º (queda de 32 posições).

LEIA TAMBÉM: “Um negócio como o Laroc não pode durar menos de quatro anos, ou terá sido tempo e dinheiro perdidos”

Rankings da DJ Mag perdendo o prestígio?

O Top100 de DJs já vem caindo em termos de popularidade e conceito há alguns anos, tendo atingido, em sua mais recente edição, o ponto em que mais foi questionado por artistas, público e crítica. Mesmo assim, o ranking ainda mostra bastante movimentação e expressividade, causando impacto com seu anúncio. A mesma coisa não pode se dizer do poll de clubes: a Phouse não dispõe no momento de dados que comprovem, mas é possível perceber, ao observar as redes sociais, que a divulgação deste Top100 de clubes vem mobilizando cada vez menos os fãs de música eletrônica.

  1. Space –  Ibiza
  2. Fabric – London
  3. Green Valley – Brazil
  4. Zouk – Singapore
  5. Octagon – Seoul
  6. Ushuaia – Ibiza
  7. Pacha – Ibiza
  8. Echostage – Washington DC
  9. Papaya – Zrce Beach
  10. BCM Planet Dance – Magaluf

Você pode conferir o Top100 na íntegra no Instagram da DJ Mag.

LEIA TAMBÉM:

Um convite ao boicote: nós precisamos parar de dar moral pro Top 100 da DJ Mag

A quem importa o ranking da DJ Mag?

Faça parte da maior plataforma de música eletrônica do Brasil! Curta nossa página no Facebookinscreva-se em nossa newsletter.

Deixe um comentário

No Comments Yet

Comments are closed