Três motivos para você não perder o Warung Day Festival

Premiado pelo RMC como o melhor festival nacional de dance music, o Warung Day Festival chega à sua quarta edição repetindo a sua fórmula de sucesso.

Warung Day Festival chega a sua quarta edição repetindo a fórmula de sucesso que o consagrou. O segredo? Excelência em cada detalhe. Idealizado para ocorrer no coração de uma das cidades mais verdes e influentes do mundo — Curitiba —, o evento é um espelho de seu clube em Santa Catarina.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ...

Na praia brava em Itajaí, o Templo, como é chamado o Warung por seus frequentadores, ganhou o coração de pessoas do mundo inteiro por uma mistura de música com alguns dos melhores DJs do planeta, arquitetura integrada à natureza de frente para o mar e muita gente bonita. Agora, imagine levar todos esses ingredientes para um dos cartões postais de Curitiba, palco lendário de shows com artistas como David GilmourDavid BowieAC/DC e tantos outros, a Pedreira Paulo Leminski agora tem um novo movimento que veio para marcar história na cidade.


LEIA TAMBÉM: Confira a programação completa para o Warung Day Festival


Em um mercado cada vez mais exigente, os produtores de eventos têm tido dificuldades em atender às expectativas do nosso público; porém, o Warung Day Festival surgiu em 2014 como um ponto fora da curva, aliando cuidado diferenciado em todos os aspectos que envolvem sua realização ao conceito do seu clube. Não à toa, neste ano foi premiado no Rio Music Conference como “Melhor Festival de Música Eletrônica do Brasil”. Elencamos três pontos fundamentais que explicam um pouco do seu sucesso, enquanto temos em vista a próxima edição.

 

Excelência em todos os detalhes

Se você conversar com qualquer pessoa que já esteve presente em uma das edições do festival, antes até de falar de música, uma das primeiras ressalvas será sobre a sua qualidade. O formato focado apenas em soundsystem e grandes espaços abertos, que por anos foi sinônimo de festival em todo mundo, chegou ao seu limite, e hoje já não é mais suficiente. O Warung Day percebeu isso e trata a experiência de cada frequentador como algo a ser inesquecível do ponto de vista da excelência, com organização desde a entrada, bares e banheiros sem filas, agilidade no atendimento e uma estrutura de palcos cobertos para dar toda segurança e comodidade ao público. Desde decoração, acesso entre espaços, sistema de som e iluminação, a estética apresentada deixa no imaginário de cada indivíduo a sensação de que tudo está no seu devido lugar.

Curadoria exemplar 

Os artistas escolhidos para cada edição são nomeados estrategicamente para formar um equilíbrio com diversidade; nomes em ascensão, apostas e DJs que representam a filosofia de sucesso de sua casa em Santa Catarina.

Em 2014 a figura chave da primeira edição foi Dubfire, o eterno membro do projeto Deep Dish, que além de ser um dos artistas mais respeitados do techno contemporâneo, tem uma história de mais de uma década na pista do clube, comandando carnavais além do amanhecer através de longsets que ainda hoje são comentados pelos fãs.

Em 2015, pendendo para o famoso lado atmosférico e progressivo do Templo, o nome da segunda edição foi simplesmente Sasha. Um dos pioneiros da dance music trouxe consigo o peso de apresentações históricas na Praia Brava para o festival. Ter o galês no lineup já em sua segunda edição certamente colocou o evento em outro patamar. Já em 2016, a direção do evento foi por novidades e produtores que estão em alta rotatividade: Tale Of Us, Rodhad e Recondite chamaram atenção do novo público brasileiro e trouxeram para a Pedreira o que havia de mais atual no mercado europeu.

Localização privilegiada

A Pedreira Paulo Leminski é um espaço destinado a espetáculos ao ar livre na área central da cidade de Curitiba. Desde 1990 o local se tornou um palco lendário de shows nacionais e internacionais; artistas como Paul McCartney e Iron Maiden fizeram apresentações épicas por lá. Localizada no bairro Abrances, seu nome é uma homenagem à memória do poeta, escritor, músico, compositor e publicitário curitibano Paulo Leminski Filho, falecido em 7 de junho de 1989. No passado o local foi uma pedreira municipal e usina de asfalto. Mantendo esse aspecto peculiar, é cercado por um paredão de rocha de trinta metros e possui uma área de 110 mil m², podendo receber até trinta mil pessoas. Em julho de 2008, a realização de grandes eventos foi proibida no local por uma liminar em Ação Civil Pública interposta pelo Ministério Público do Paraná. Após uma disputa judicial entre os vizinhos do espaço e a prefeitura municipal, em 2013 houve um acordo que incluía uma reforma com novas adaptações e algumas restrições para shows e, desta forma, a Pedreira foi liberada em setembro. Foram executadas melhorias na ordem de R$ 17 milhões e, em março de 2014, juntamente com o aniversário da cidade, o espaço foi reinaugurado. Além do Warung Day, a pedreira voltou a receber shows internacionais, como Guns N’ Roses e Black Sabbath.

O que esperar para 8 de abril?

Para a quarta edição, finalmente o festival irá receber aquele que talvez seja o maior símbolo musical de toda a história do clube. Conhecido como El Maestro, o argentino Hernan Cattaneo carrega consigo a marca de construir sets envolventes e viajantes, conduzidos através de sua habilidade única acima da cabine, representando a “alma latina, quente e emocional”, como ele mesmo costuma mencionar em relação à essência do Warung. Em 8 de abril, Hernan promete transportá-la para Curitiba e fechar o Warung Stage de forma inesquecível. Acompanhando a retomada alemã da liderança da cena techno global, outros destaques ficam por conta dos experientes artistas do país: Chris Liebing, Roman Flugel e o aguardado live de Stephan Bodzin. Ainda vale mencionar a sempre valorização dos artistas nacionais que o festival apresenta, além de oportunizar nomes que estão começando e outros que fazem por merecer estar ali; dar espaço para nossos artistas ajuda a solidificar a cena frente ao próprio público. Junto dos residentes do clube, nomes como Renato Ratier, ANNA, e Victor Ruiz são aguardados com estima.

O fato de o festival ser realizado por pessoas que são profundas conhecedoras da cidade e pioneiros na cena clubber do Sul do país faz com que ele tenha as medidas ideais e um crescimento orgânico, chamando atenção de mais pessoas de toda América do Sul a cada ano que passa.

No próximo mês, o Warung Day Festival abre suas portas a partir do meio dia; serão mais de doze horas de festa.

* Fotos por: Gustavo Remor

LEIA TAMBÉM:

Warung Day Festival se consolida entre os principais festivais da cena eletrônica no Brasil

Sasha retorna ao Warung para um longset repleto de memórias

Como a crise e as mudanças de mercado geraram um novo perfil de festivais no Brasil

Deixe um comentário

No Comments Yet

Comments are closed