Connect with us

Entrevista

Com 3 anos, o coletivo Trip to Deep ajudou a consolidar a cena catarinense

Jonas Fachi

Publicado há

Trip to Deep
Entrevistamos Luís Henke, idealizador de um dos projetos mais importantes da cena eletrônica de Florianópolis
Fotos por Masiero Santos e Ronei Junior; vídeo por Thiago Machado

Há pouco mais de dez anos, o auge da cena eletrônica no norte catarinense atingia seu ápice. Na época, todos se perguntavam o que acontecia em Balneário Camboriú e região para conseguirem ter um movimento noturno tão intenso e diversificado, com dezenas de clubs abrindo de segunda a segunda durante todo o ano. Paralelamente, a capital do Estado central sulista praticamente vivia dias de miséria, onde até existia uma cena comercial de verão, porém muito superficial, sendo levada por um público jovem interessado em outros tipos de vida noturna.

Ouvia-se que Florianópolis possuía muito mais potencial do que a cidade dos ainda não tão famosos prédios mais altos do país, por ter uma infraestrutura viária boa, aeroporto considerável para os padrões do Sul e universidades recebendo muitas pessoas novas todos os anos — e que supostamente buscavam lugares para se divertir. Mas principalmente por ser uma ilha, faziam-se comparações com certa outra espanhola. Diversos pilares para potencializar o surgimento da música eletrônica estavam ali, porém o título de “Ibiza brasileira” era concedido a BC.

Mas então, o que estava faltando? O turismo de verão sempre foi um dos mais rentáveis do país, com possíveis espaços para realização de eventos bem mais amplos do que em outros pontos do litoral. No mais, você sabe, capital é capital — historicamente sempre foi onde os movimentos surgiram, desde música e arte até política. De fato era uma situação difícil de entender na época, parece que simplesmente não rolava. Tudo começou a mudar quando o complexo de clubs em Jurerê Internacional — praia mais badalada e requisitada da cidade — recebeu o Terraza Music Park.

Aos poucos, o club resistiu através da soma de ótimos DJs residentes e uma curadoria que sempre buscou autenticidade diante do que o público poderia entender. Foi a faísca que faltava para colocar a cidade como referência no país e, hoje, no mundo. A partir disso, parece que a roda da música dita como “underground” começou a girar e, como seria de se esperar, diversos outros núcleos menores surgiram buscando atingir outros tipos de movimento dentro da cultura eletrônica, como o Sounds in da City.

Trip to Deep

Uma cena só é possível de se estender quando consegue sempre estar se inovando com determinada quantidade de pessoas dispostas a entrar nesse processo. Entre essas viradas, há três anos surgiu a Trip to Deep, evento inicialmente itinerante, que veio a se estabelecer mais tarde em um club no centro da cidade. A ideia frontal de seu mentor era mixar música experimental — mas que funcionasse para pista —, resgate cultural da cidade, interação social, e principalmente a promoção de uma ideia de comunidade como forma de evolução pessoal. Isso tudo tendo como ancora música de qualidade.

Aos poucos, até projetos sociais foram introduzidos e a marca ganhou respeito e admiração dos frequentadores da noite em Floripa e região. Histórias como essa, de como cenários não conseguem surgir mesmo em ambientes propícios, são ótimos exemplos de como é difícil ainda promover música eletrônica em nosso país. Porém, nossa amostragem hoje é de algo que vem dando certo, e que revela que a formalização de ideias que fazem parte do imaginário coletivo e estão no anseio da sociedade contemporânea, pode ser uma das chaves que venha a sustentar pessoas ao entorno de uma marca.

A Trip to Deep é resultado de criatividade e espírito inovador que tem feito Floripa ser um dos polos da dance music em toda a América do Sul. Para entender um pouco melhor como essa engrenagem funciona, fomos conversar com Luís Hencke — artista que buscou criar seu próprio espaço, e tem sido peça fundamental dessa consolidação.

Luís, conte-nos de onde vem suas influências para idealizar a Trip to Deep, e como ela aconteceu nos primeiros eventos.

A Trip to Deep surgiu de viagens a fundo pela música. Momentos assim me fizeram despertar e compreender as infinitas possibilidades e sensações que a música tem o poder de proporcionar.

As primeiras sementes foram plantadas com bastante carinho.  Desde sempre usamos a música como forma expressão e união — já fizemos eventos nos mais variados formatos, todos sem perder a essência e o propósito do projeto.

O quão importante é o perfil cultural da cidade para do sucesso de um evento como o seu?

Além do privilégio de estar em uma região repleta de riquezas naturais e pontos turísticos, a diversidade cultural que encontramos em Floripa é uma característica que reflete e impulsiona positivamente o todo.

A cidade abraçou verdadeiramente a música eletrônica e aprendeu como viver junto a ela.

De certa forma, a Phouse também é resultado do crescimento da cena em Floripa. Apesar de a revista focar no Brasil inteiro, as bases foram estabelecidas na capital catarinense. Hoje são diversos DJs e artistas que escolhem viver na cidade pela importância que tem. Como você tem visto essa evolução?

Tudo evoluiu rápido demais. Hoje são muitas as pessoas de fora que realizam o sonho de morar e tentar a vida aqui. Estamos no centro de uma ilha paradisíaca, que se consolidou como uma das principais rotas de importantes artistas e labels da música eletrônica nacional e internacional.

Eu sou muito novo e acompanhei apenas parte dessa evolução, mas vejo que importantes marcas como a Phouse e o Alataj fizeram um excelente trabalho para a disseminação da música eletrônica e o amadurecimento do cenário regional.

A personalidade musical da Trip to Deep parece ter tendências experimentais, algo importante dentro do contexto de um cenário maior. Você enxerga o evento como um ponto de início de novos adeptos à música eletrônica ou daqueles que já estão buscando um algo a mais?

Para nós, a música é livre de rótulos. O que estamos fazendo em Floripa é quase um ponto fora da curva. Na festa, atualmente frequentam pessoas ecléticas e outras que já estão familiarizadas às sonoridades eletrônicas. O mais importante é que sempre reunimos um público enérgico e curioso, que está em constante busca por novas descobertas musicais.

Trip to Deep

O live da Mari Hezner foi atração de uma das edições da Trip to Deep

Nesses quase quatro anos de existência, você destacaria algum artista ou momento em que o público mais se identificou?

Desde o início do projeto nos identificamos, arrepiamos, dançamos e curtimos diversos artistas inspiradores. Seria impossível citar apenas um, mas entre os destaques estão L_cio, Finnebassen, WyroMari HerzerEXZ, Shadow Movement e Nicolas Pera. Além, claro, dos nossos residentes, Alaikke, Aspeckt, Danee, Marqs, Mezomo, Spaniol e Marcelo Oriano.

Um dos destaques da Trip é a busca por interações sociais do publico. Quando a música transcende o objetivo fundamental e propõe ações que refletem em toda sociedade, é algo notório. É nesse sentido que você incluiu o projeto de arrecadação de brinquedos?

Exatamente. O coletivo busca, sempre, fazer a sua parte em relação à sociedade e o universo. Além dos 500 brinquedos arrecadados nas últimas semanas, somente neste ano foram doadas mais de mil peças de roupas (agasalhos e cobertores) e mais de 500kgs de alimentos, chocolates e materiais escolares para crianças carentes.

O que tem acontecido neste semestre e o que vem por ai na programação?

Neste semestre muita coisa boa aconteceu, como a estreia dos residentes Alaikke e Danee. Também rolaram parcerias com agências e núcleos como Plusnetwork, D.Agency, Carlos Capslock, Sunset Sessions, Mamba Negra, Sonido Trópico e Detroitbr.

Para o fim de ano já temos confirmado: Apoena, L_cio, Tessuto, Gerra G, Shadow Movement e Entropia Entalpia (Mamba Negra).

Como artista integrante da marca, como tem percebido o reflexo da sua festa em seu próprio entendimento sobre música?

O reflexo é surpreendente e positivo. Educar um público que até então conhecia muito pouco sobre determinadas sonoridades requer persistência e planejamento. O caminho escolhido para isso não poderia ter sido melhor. Devagar e sem pular etapas, respeitando as pessoas e todas as dificuldades do cenário.

Para o futuro, idealizamos o lançamento da nossa gravadora, que levará o mesmo nome da festa. O primeiro VA já é uma realidade e conta com a participação de diversos artistas, inclusive citados nesta entrevista. Estamos bastante ansiosos para apresentar o resultado.

* Jonas Fachi é colunista na Phouse; leia mais de seus textos.

LEIA TAMBÉM:

Com Davis e Mumbaata, Flowers Sunset comemora 3 anos em Passo Fundo

Para curador, Tribaltech vai se consolidar como “evento-postal” de Curitiba

Danee: dez anos em dez faixas

Famoso edit de clássico de Chico Buarque ganha lançamento oficial

Lúdico, subversivo e impactante: conheça o universo de Carlos Capslock

Deixe um comentário

Notícia

Hernán Cattaneo estreia concerto sinfônico com clássicos da dance music

Jonas Fachi

Publicado há

Concerto
Foto: Hernán Zenteno/La Nación
Performance inédita será no teatro Colón, em Buenos Aires

Nunca antes a música eletrônica esteve exposta em um palco tão importante. Hoje (22), às 19h e às 22h, o lendário DJ argentino Hernán Cattaneo desembarca, juntamente de artistas convidados e uma orquestra com 50 músicos, no teatro Colón de Buenos Aires.

O projeto foi anunciado há alguns meses como parte do festival “Únicos”. Automaticamente, o movimento de seus fãs em toda América do Sul foi intenso por mais informações. Em dezembro as vendas foram abertas, e em poucas horas os dois horários tiveram ingressos esgotados.

+ Hernan Cattaneo faz história com o primeiro “All Night Long” do Warung

+ Retrospectiva: 10 momentos marcantes de Hernan Cattaneo no Warung

Vale lembrar que o Colón possui espaço para mais de duas mil pessoas sentadas. Com a demanda muito superior ao esperado, a organização do festival cedeu a Hernán mais um horário no dia 23, às 19h. Novamente, com os tickets esgotados, outro horário foi colocado à disposição no dia 26.

Com tamanho sucesso, a imprensa argentina ficou simplesmente de boca aberta, buscando saber um pouco mais do que havia por trás do nome que fez ter quatro funções esgotadas no icônico e respeitado teatro. Jornais como La Nación e canais de TV procuraram Hernán para entender melhor do que se tratava. Imagine no Brasil Gui Boratto sendo entrevistado pelo Fantástico. É mais ou menos isso que Hernán tem vivido nos últimos dias em Buenos Aires, sendo o centro das atenções na mídia da cidade.

Entrevista para o canal Telenoche

Para os argentinos, o Colón é uma espécie de Maracanã cultural, com mais de cem anos de construção e arquitetura que remete à história da cidade. É um cartão postal e um espaço de muito orgulho para o país, pois é considerando internacionalmente como um dos cinco mais importantes do planeta. Após o anúncio, algumas pessoas de perfil mais conservador se mostraram intrigadas sobre o que iria se passar com um DJ e “música eletrônica” no templo que é dedicado à música clássica, ballet e peças líricas.

Hernán, porém, em todos os momentos deixou claro que se trata de um concerto sinfônico, não de um show de música eletrônica comum. Nas suas palavras, “o que difere de um concerto de Mozart ou Beethoven é apenas que os músicos da orquestra irão reinterpretar faixas da dance music, que fazem parte de minha história enquanto artista”. Entre as escolhidas, terão clássicos de bandas e DJs como Depeche Mode, Chemical Brothers, Massive Attack, Underworld, Way out West (com Nick Warren como convidado), Moby e Frankie Knuckles — que foi o DJ que inspirou Hernán a tocar —, além de músicas autorais não divulgadas. Haverá ainda uma quinta apresentação gratuita ao ar livre no dia 3 de março, no famoso parque destinado a shows da avenida Figueroa Alcorta y Pampa, bairro de Palermo.

Mural feito por um artista da cidade com imagem do DJ argentino em Palermo (Foto: Seba Cener/La Nación)

O festival Únicos conta com apoio do poder público da cidade. O novo ministro da cultura portenã, Enrique Avogadro, declarou que “a abertura de Colón a novos públicos é um debate interessante e que precisa ser feito”. Comentou também, em matéria trazida pelo La Nación, que “hoje se vive um ciclo em que já não existe mais a lógica de uma cultura superior à outra”.

O festival reúne diferentes gêneros para propor sinfônicas de música popular. Uma das preocupações dos guardiões da sala maior do teatro e artistas do ambiente lírico foi em nome da famosa acústica do teatro, em que ofereceram resistência quanto ao uso de amplificadores. Sobre isso, Hernán explicou ao La Nación suas intenções:

Hernán Cattaneo se apresentou na Catedral de Liverpool em setembro de 2012 (Foto: Hernán Zenteno/La Nación)

“Me contaram que no Twitter estavam falando que eu queria ultrapassar o limite de 90 decibéis [permitido no local]. As pessoas de Colón falaram que há um nível de decibéis. Não vi nenhum contrato, mas se falarem 70, serão 70, e se decidirem 90, serão 90. Como que vou querer impor minhas regras ao teatro? Não sou um herege, não venho profanar um cenário. Isso é uma vez na minha carreira, uma oportunidade, um convite impossível de recusar e estou feliz. Não vejo a hora de chegar esse dia”.

Em outro momento da entrevista, Hernán conta como tudo começou: “Darío Lopérfido nos contatou, conversamos sobre as opções de apresentações e começamos a trabalhar. Depois ele saiu do Colón, e o projeto não deu em nada, mas eu já tinha a programação na cabeça, com Oliverio Sofía e Paul Baunder [produtores que trabalham com Hernán], e já havíamos avançado. Então em meados do ano passado, Gerardo Gardelín, o diretor da orquestra, nos contou sobre a possibilidade de participar do festival Únicos, um contexto bastante lógico para nós. Então seguimos: por um lado, Gerardo fazendo as versões sinfônicas de todas as canções, e Oliverio, Baunder e eu com as versões eletrônicas. Tudo ia e voltava constantemente”.

Vale lembrar que após as cinco mortes durante o festival Time Warp, em Buenos Aires, em que foi declarado que houve negligencia por parte dos organizadores pela superlotação e poucos espaços para descanso e hidratação, o governo da cidade, fortemente pressionado pela grande mídia, resolveu cancelar todos os alvarás para grandes festivais. Eventos importantes para a economia, como o tradicional Creamfields, não foram mais realizados desde então. De certa forma, apenas três anos depois de sofrer uma grande discriminação, a música eletrônica parece estar dando a volta por cima.

Chegar com tamanha representatividade em um palco tão importante culturalmente é um passo enorme para fazer a mídia e o poder público começarem a ter um olhar diferente sobre o gênero. Todo o respaldo da carreira exemplar de Hernán em mais de 30 anos, sendo o maior DJ que a America do Sul já produziu, ajuda a tudo convergir para anos de maior integração e evolução da cena pioneira da cidade e do país. Hernán, desde os 15 anos de idade, fez sua escolha. Foi o primeiro DJ sul-americano a se tornar verdadeiramente global, e hoje continua a quebrar barreiras que pareciam inatingíveis — só poderia ser ele.

* Jonas Fachi é colunista na Phouse; leia mais de seus textos.

CONFIRA TAMBÉM:

Nos passos de Boratto? Remix de Cattaneo indica que BLANCAh pode explodir globalmente

Na Inglaterra, Sasha retorna com seu aclamado live orquestrado

Desafiamos você a assistir a estes vídeos de dance music orquestrada sem ficar arrepiado

Uma pataquada histórica ameaça cancelar o show do Kraftwerk na Argentina

Creamfields é confirmado por três anos no Uruguai

Deixe um comentário

Continue Lendo

Notícia

Na Inglaterra, Sasha retorna com seu aclamado live orquestrado

Jonas Fachi

Publicado há

re-Fracted
O lendário DJ e produtor galês volta com seu aclamado re-Fracted: Live em três shows na Inglaterra.

Sasha, juntamente de diversos músicos e uma orquestra independente, desembarca hoje para mais uma rodada do re-Fracted: Live, em parceria com a label Late Night Tales. A segunda temporada é uma resposta a uma demanda esmagadora após o sucesso de seus shows em maio de 2017, no emblemático Barbican de Londres, quando quase quatro mil ingressos foram vendidos em 90 minutos — um recorde na história do teatro.

Hoje (16) e amanhã (17), as apresentações serão realizadas no também londrino Roundhouse, originalmente construído em 1847 pela London & North Western Railway. No domingo (18), como um show extra devido à grande procura por cadeiras, o live vai a Manchester no Bridgewater Hall.

Imagem do último ensaio, nesta semana

re-Fracted: Live é um show eletrônico realizado por Sasha e músicos convidados, juntamente com cordas e vocais ao vivo, proporcionando uma experiência imersiva apaixonante de algumas de suas produções mais famosas. O produtor galês toca ao vivo, em piano e teclado, partes de arranjos das músicas ao lado de sua principal equipe de produção, composta por colaboradores de longa data como Charlie May (Involver e Invol2vr), Spooky, Dennis White, Thermal Bear e Dave Gardner — além de um conjunto de cordas de oito peças, um percussionista e vocalistas ao vivo.

Em 2017, o produtor John Graham, aka Quivver, subiu ao palco para cantar “Rooms”, faixa que fez parte do álbum Scene Delete, último de Sasha, lançado em 2016. Outras faixas que fizeram parte da tracklist foram “Wavy Gravy” (Airdrawndagger, 2002), “Battleships” (Involv3r, 2013) — em que subiu ao palco a cantora Abigail Wyles —, e a mais aguardada de todas, apresentada no encerramento: “Xpander”, single de 1999 que marcou a carreira do produtor e é considerado uma das dez maiores músicas eletrônicas de todos os tempos, segundo votação popular da revista Mixmag.

“No momento em que descemos do palco no Barbican, estávamos dizendo: temos que fazer isso novamente”, disse o DJ em um comunicado para a imprensa. “Nós não tínhamos realmente um plano na hora. Não tínhamos ideia de que a resposta a esses shows seria tão incrível. Então, esta é a segunda rodada, estamos começando a tocar em dois lugares dos mais emblemáticos do Reino Unido. Nós estamos pensando em mudar o show um pouco para incorporar algumas músicas novas e fazê-los tão especiais e únicos quanto os de Barbican em maio. Mal podemos esperar!”

Em Manchester, será uma volta na história para Sasha, pois foi onde iniciou sua carreira ainda nos anos 80. Na época, a cidade respirava a cultura underground eletrônica, pós o movimento punk. O Bridgewater Hall, que fica no centro da cidade, recebe em média 250 apresentações por ano e é considerado um dos mais modernos da Europa. Com um custo total de 42 milhões de libras, o teatro realizou seu primeiro concerto em 11 de setembro de 1996, sendo inaugurado oficialmente em 04 de dezembro pela Rainha Elizabeth II, ao lado do Duque de Edimburgo.

O Hall foi uma das várias estruturas construídas na década de 90 que simbolizavam a transição para uma Manchester nova e moderna. Apenas alguns meses após a abertura, a sala de concertos ganhou o prêmio RIBA North West.  Em 1998, ganhou o Civic Trust Special Award, que é dado a um edifício que melhorou a aparência de um centro de cidade.

Levar música eletrônica a um espaço como esse é uma grande conquista para a cultura eletrônica, além de mais uma mostra de todo o pioneirismo de Sasha. Artistas como Pete Tong e Jeff Mils também já se apresentaram em teatros, porém receber datas em alguns dos maiores espaços para concertos do Reino Unido é algo único.

Os shows no Barbican viraram Blu-Ray com vendas esgotadas de todos os CDs pela Late Night Tales, e os ingressos para os três shows deste final de semana estão esgotados. Ainda não há previsão para novos shows. Existem pedidos para uma tour pela Europa, porém no momento não há nada anunciado para os próximos anos.

* Jonas Fachi é colunista na Phouse; leia mais de seus textos.

CONFIRA TAMBÉM:

O anúncio de Sasha & Digweed no Warung Day Festival é um marco para o Sul

O set que mudou tudo! Direto de 1992, ouça demo histórica de John Digweed

Desafiamos você a assistir a estes vídeos de dance music orquestrada sem ficar arrepiado

Novo disco de Carl Craig funde techno com orquestra e já pode ser ouvido

Conheça a história de um dos clubs mais lendários de todos os tempos

Deixe um comentário

Continue Lendo

Review

Sete anos para rever o mestre; como foi a volta de Laurent Garnier no Warung

Jonas Fachi

Publicado há

Laurent Garnier
Um set do mais alto nível para um time de clubbers do mais alto nível
* Fotos por Gustavo Remor e Ebraim Martini

16 de novembro de 2017. Um dia após a data que marcava os 15 anos de vida do Warung, o Instagram oficial do beach club anunciava a sequência de sua programação com um calendário para janeiro repleto de grandes artistas. Entretanto, em cima de um deles parecia haver um brilho especial, aquele nome que quando anunciado, os mais experientes já sabiam que seria a noite do verão. Porém, talvez os anos de hiato em nossa cena tivessem apagado um pouco da memória que, se tratando de Laurent Garnier, no mínimo deveria ser aguardado como uma das melhores noites dos últimos anos — o que de fato viria a acontecer.

Foi difícil esperar tanto tempo por seu retorno. A maioria dos que se fariam presentes, mesmo aqueles com alguns anos de pista, ainda não tinham recebido uma experiência musical com o francês. A meu exemplo, ter perdido seu live em 2011 foi um golpe duro. Sua primeira passagem havia sido em 2008, quando se apresentou no Templo em pleno aniversário de seis anos — portanto, não havia chances de deixar passar novamente o momento de receber a condecoração máxima.

+ Mais relevante do que nunca, o Warung comemorou seus 15 anos com grandes perspectivas

Mesmo quando se vive na era da internet e da corrida desenfreada pelo marketing a todo custo — em que seria obrigação de qualquer um que frequente uma cena conceitual e tenha o mínimo de interesse, saber em qual prateleira o nome de Laurent Garnier deve ser colocado —, ficar sem dar as caras em nosso país por sete anos foi suficiente para o público se renovar várias vezes. E se tratando de uma cena ainda em formação, muitos não conseguiam ter a verdadeira dimensão de quem e do que estavam por presenciar. Nesse ponto, vale destacar a quantidade de pessoas que são influenciadoras no cenário ajudando os mais novos através de matérias, vídeos e postagens, a entenderem a importância de se fazer presente em uma noite como essa.

Na semana do evento, Laurent havia cumprido datas no Rio e em São Paulo. No anúncio dos horários, a primeira surpresa: ele assumiria o Inside somente às 03 horas. Mesmo com vários comentários solicitando por pelo menos uma hora de antecipação, não houve mudança. Nessas situações, visto que por parte do club quase sempre há interesse em deixar a atração principal tocar o máximo de tempo possível, só poderia se tratar de um pedido do próprio francês. De qualquer forma, nada iria atrapalhar a felicidade de assistir ao artista que considero um dos cinco maiores que a cena eletrônica já produziu. Então, esperar por sua aparição ao palco foi algo extremamente gratificante.

Para abrir a casa e construir um set capaz de ser digno do warmup para Garnier, a curadoria depositou todas as fichas em um de seus melhores residentes. Paulinho Boghosian é detentor de uma vasta experiência, já dividiu cabine com grandes nomes e entre os residentes, possuía o perfil que mais poderia fazer a pista ficar bem ambientada até o momento mais aguardado. Antes disso, assisti à última meia hora do debutante da noite, Nezello. O Garden estava com ótimo público e o DJ estava aplicando uma sonoridade extremamente dançante e tribal. Esses adjetivos são comuns, porém o tipo de música que ele apresentava com essas caracteristicas não se ouve com frequência. É sempre bom ver novos artistas de nossa cena mostrando personalidade musical.

Após um tempo para rever e conversar com amigos, subi as escadas do Templo determinado a não mais descer. À 01h, Paulinho já havia ultrapassado o sempre difícil momento de receber o público e controlava com certa tranquilidade uma pista repleta de clubbers do mais alto nível. Com sua tradicional classe variando de house a techno, Boghosian era rápido até onde poderia ir. Cada minuto que passava, mais aumentava aquele sentimento de finalmente poder ver o francês surgir à frente do dragão e da bandeira de nosso país. Um sentimento de ter a certeza de que tudo estaria bem com a sua presença. E foi justamente assim que me senti quando o ícone surgiu na cabine.

Garnier é a personificação do artista completo, que é quando a genialidade está presente tanto no estúdio quanto no comando de uma pista de dança — dois mundos distintos, criação e execução sublime da mesma arte por um mesmo ser. Pontualmente, ele inicia seu set abrindo uma porta por onde se passava uma enorme quantidade de energia. Não havia espaço para alguma introdução; o ótimo warmup lhe permitia impor ritmo intenso junto de sua musicalidade única. Na primeira hora, já se percebia o ambiente completamente envolvido e entusiasmado. Minha atenção ficou em evidência quando ouvi uma das faixas do momento: “Singularity”, novo single de Sasha, encaixou perfeitamente no contexto inicial, formado por algo meio nebuloso e levemente viajante.

A pista não estava completamente lotada. Estava quase na medida para se apreciar sem incômodos a construção musical de Garnier. Não demorou muito para eu notar ao meu redor todos somando energias para mostrar-lhe a força da alma latina; sim, nós poderíamos estar à sua altura. Em contrapartida, Laurent atuava como se tentasse extrair sua melhor versão, de dentro para fora, onde cada música antes de passar pelos cabos, tivesse de dar uma volta por dentro de suas veias para então chegar nas caixas de som e reverberar em ondas sonoras a ponto de fusão.

Mesmo sendo um exímio DJ de longsets, após a segunda hora entendi que não havia mais qualquer motivo para queixar-me de ele não ter entrado mais cedo. Claro que vê-lo tocando mais devagar seria maravilhoso, porém sua musicalidade era estarrecedora em diversas frentes, indo direto ao ponto. Comentei antes que havia clubbers do mais alto nível porque nunca havia visto um ambiente com tamanha diversidade de gostos dentro da cena conceitual, reunidos na mesma sintonia. Talvez nenhum outro artista tenha tamanho poder para isso, apenas um verdadeiro diplomata da música eletrônica global seria capaz de juntar gostos advindos de variadas frentes ou estilos conceituais. Desde o seguidor do techno de Berlim, passando pelo balanço da house de Chicago, até os gostos pelo progressivo do Reino Unido poderiam se identificar com sua música. Ao longo dos anos, de alguma forma Garnier alinhou seu estilo a uma identidade própria capaz de beber de todas essas fontes, sendo impossível de classificá-lo. A quem gosta de introspecção, ele entrega; a quem gosta de movimentos lineares e intensidade, ele propõe.

+ Em long set de 7 horas no Warung, Guy J encontrou sua melhor versão como DJ

“Domino” de Oxia, uma faixa muito tocada nos últimos dois anos, e considerada já ultrapassada em seu momento “clássico”, surge às 05 horas, entretanto, ganhando nova oxigenação e soando tão interessante como se fosse ouvida pela primeira vez. Acelerando o tempo, Garnier liderava de olhos fechados sua sinfonia, fazendo-nos vibrar como nos velhos tempos, resgatando uma energia do Templo que parecia haver diminuído ao longo dos anos, mesmo o club vivendo, no quesito quantidade de público e reconhecimento, seu melhor momento.

Sua música estava calibrada até o limite, marcada por momentos de pura acidez até outros repletos de introspecção, e assim ele continuou até próximo ao amanhecer, quando nas duas últimas horas iria nos mostrar toda sua capacidade técnica e sonora. Quando todos já estavam extasiados, ele ainda traria um algo a mais. Tudo começa às 06h30: “Wir Reitem Durch Die Nacth”, do DJ Hell, em remix de Coyu atravessou a todos. O que mais havia no jogo? Sua discografia poderia ser colocada à mostra por muitas horas. “Jacques In The Box”, delirante, o que mais? Vamos, não parem, o que vocês querem? Ah, sim, não poderia faltar “1-4 Doctor C’Est Chouette” de seu aclamado EP Tribute para a Kompakt — que momento!

Tanta inspiração era de certa forma até constrangedora, pois seu amor pela música é algo tão profundo que te faz sentir que ainda não sabe de nada. Por dentro de seu transe sonoro, demonstrava uma conexão sem fim para o que vem se dispondo a fazer desde a metade dos anos 80, quando deixou Paris para fazer história na efervescente cena pós-punk de Manchester.  “Our Futur” me fez lembrar o icônico vídeo de sua performance no Templo em 2008, quando de forma bilateral mixou “Chinasse Massage”, de Rocket & Ponies, com “Everything in Its Right Place”, do Radiohead, em pleno amanhecer. Dois clássicos distintos unidos de forma tão singular que seria um pecado algum dia tentar-se repetir. Os olhares para o lado de incredulidade — “você também está presenciando isso?” — eram constantes, e claro, antes de tudo não poderia acabar sem sua maior obra prima, a música que se fosse um quadro, estaria certamente exposto na sala mais nobre do Musée du Louvre: “The Man With a Red Face” parecia estar sendo tocada ao vivo diante de nossos olhos.

Para finalizar, chegando próximo das 08 horas, em uma virada desconcertante, ele libera uma espécie de samba eletrônico, introduzindo as boas vindas ao famoso Carnaval brasileiro. Por mais que o Sul não tenha qualquer ligação com esse tipo de música, àquela altura, vindo de suas mãos, tudo parecia fazer sentido.

Os aplausos emotivos para sua performance e seu sorriso de volta nos davam a sensação de que Garnier parecia alguém muito próximo. Cada indivíduo na pista de dança sentia-se compelido a se conectar com sua personalidade, sua forma de agir e tocar; entretanto, talvez sua maior mensagem seja a de que não se pode querer ser como ele. Seria muita ousadia. Seu recado à frente da cabine é justamente o contrário — sem mestres, sem líderes, apenas dê tudo o que puder de si; seja você mesmo, construa sua própria história.

Assistir a Laurent Garnier é como obter uma das últimas graduações que se pode receber enquanto ouvinte em uma pista de dança.  Assistir a Laurent Garnier ao menos uma vez na vida é a passagem para o lado dos profissionais, o entendimento supremo do que é a verdadeira arte da discotecagem.

* Jonas Fachi é colunista na Phouse; leia mais de seus textos.

CONFIRA TAMBÉM:

Aninha fala sobre a carreira e anuncia nova residência

Hernan Cattaneo faz história com o primeiro “All Night Long” do Warung

Em apresentação no Brasil, Patrice Bäumel mostrou por que é um dos artistas mais completos da atualidade

Nos passos de Boratto? Remix de Cattaneo indica que BLANCAh pode explodir globalmente

10 nomes do underground brasileiro para ficar de olho em 2018

Deixe um comentário

Continue Lendo

Trending

-->

Copyright © 2018 Phouse