Connect with us
BRMC

Uma viagem ao reino do King Cobra: o que aconteceu de melhor no palco principal do Electric Zoo Brasil

Pedro Fialdini

Publicado há

Há exatamente uma semana, a cena raver de São Paulo e do Brasil de maneira geral se reuniu no Autódromo de Interlagos para celebrar a primeira edição brasileira do tradicional festival nova-iorquino Electric Zoo. A Phouse, é claro, esteve por lá e nas palavras da Julia Gardel, já relatou um pouco de como foi a experiência no palco Awakenings, o templo do techno no EZoo. Agora, contaremos um pouco mais do que aconteceu por lá, desta vez no imponente palco principal, o famoso King Cobra.

De uma maneira geral, a organização do festival estava muito boa. A entrada não pareceu apresentar problemas, os caixas tinham filas pequenas e os bares eram rápidos e com bom serviço. Havia banheiros em boa quantidade e mesmo a questão da chuva, que chegou a assustar muita gente durante o dia, não prejudicou tanto o terreno quanto era imaginado. Valeu muito a decisão de cobrir os dois palcos menores, diminuindo o impacto negativo do clima no evento.

O público foi bom e todos os palcos conseguiram se manter cheios durante a maior parte do festival. O mainstage, é claro, reunia a maior parte das pessoas. O palco em si se mostrou surpreendente pequeno para quem ficou acostumado com os mega-palcos do Tomorrowland, Ultra, etc, mas bonito, moderno e de tamanho adequado ao público do evento. A maior parte da tarde e início da noite correu em uma mistura de excelentes shows e fortes pancadas de chuva, com o primeiro elemento levando grande vantagem na influência sobre a galera, que curtia as apresentações sem medo da água.

Entre as atrações que tomaram conta do palco durante a primeira metade do festival, Bruno Martini e Illusionize chamaram bastante a atenção com excelentes sets, mantendo a galera muito animada mesmo debaixo da chuva. Foi o próprio Illusionize que deixou o público em ponto de bala para o surpreendente set de Alan Walker, um dos principais nomes do line-up. Quem esperava um set morno, com muitas música no estilo de “Faded”, teve uma grata surpresa na forma de um set bastante agitado e contagiante executado com maestria pelo norueguês.

A partir daí foi que o evento realmente pegou fogo de vez. Com a entrada de Vintage Culture o público foi simplesmente à loucura e pirou no excelente set. Sem dúvida neste momento o festival já se encontrava em seu auge. R3hab se apresentou em seguida, fazendo um set razoável, muito bom em algumas partes e morno demais em outras, mas falou bastante com a galera e conseguiu encerrar em bom nível, mantendo o público animado para as duas grandes atrações da noite.  

E se há uma certeza sobre o Electric Zoo Brasil, foi que estes dois astros da música internacional não decepcionaram. Quando KSHMR subiu ao palco, uma surpresa: a tradicional estória que permeia seu set, como uma espécie de transição entre os momentos de pico, estava traduzida para o português. Mesmo que a tradução estivesse bastante rudimentar e com forte sotaque, mostrou uma louvável consideração com o público local. KSHMR também se esforçou para falar com a plateia em português, embora muitas vezes acabasse apelando para um rústico portunhol.

Mesmo toda esta gentileza, porém, ficou em segundo plano diante do belíssimo espetáculo que o inglês de origem indiana trouxe ao E-Zoo. Um excelente set, com vários momentos marcantes como toda a galera cantando “Secrets” a plenos pulmões, ganhou para KSHMR um confortável lugar entre as melhores apresentações do festival. Recheada de produções próprias, a exibição dele foi de altíssimo nível e deixou o público mais do que satisfeito, à espera da última e grande atração do evento.

A expectativa pela entrada de Hardwell era imensa e palpável. Duas vezes eleito o melhor DJ do mundo, astro internacional e dono de inúmeros hits, o holandês era a principal razão de muitos estarem ali. Após uma hora e meia de set, não há nenhuma dúvida ao afirmar que as expectativas foram alcançadas e até mesmo superadas de longe. Mesmo para os fãs de longa data de Hardwell (como este que vos escreve) a apresentação foi incrivelmente boa. Com praticamente todas as novidades que revelou no Ultra Miami, Hardwell levou a galera ao delírio sem um minuto de folga.

Hardwell tocou diversas tracks ainda não lançadas, com destaque para as colaborações “We Are Legends”, em parceria com Kaaze, e “Badam”, parceria com Henry Fong . Apresentou também seus tradicionais mashups, que reúnem desde seus grandes clássicos até as músicas mais populares da atualidade. Um exemplo perfeito foi o mashup do clássico “Spaceman” com “Scared to Be Lonely”, lançamento recente de Martin Garrix, que levou a galera a loucura.

Naquele que sem dúvida foi um dos momentos mais marcantes, Hardwell chamou o próprio KSHMR para subir ao palco e apresentarem juntos sua nova colaboração. A existência dessa parceria já era bastante discutida entre os fãs e foi uma baita moral ao Brasil que ambos tenham escolhido o E-Zoo para oficializar a notícia. No encerramento, Hardwell foi quem mais fez uso dos efeitos pirotécnicos, com um belo espetáculo de fogos para fechar o festival com o ID “Creatures of the Night” e o devastador remix de Dr. Phunk para Apollo.

Sem dúvida, um encerramento digno daquele que provavelmente foi o maior evento da cena eletrônica no país este ano. Apesar do tamanho bem menor e da produção mais modesta, o Electric Zoo foi um substituto muito bom para os fãs que estavam desapontados com a ausência do Tomorrowland este ano. As atrações fizeram muito bonito e a organização estava de modo geral excelente, criando um evento muito agradável para o público.

A única reclamação relevante ouvida de alguns fãs e também constada in loco pela Phouse foi uma qualidade aquém do desejável no sistema de som. Muitas pessoas relataram um som “baixo” e “abafado” e realmente foi essa a sensação que ficou durante boa parte do tempo, mas nada que chegasse a ser um problema que comprometesse a qualidade do espetáculo. Estamos certos de que a primeira edição brasileira do Electric Zoo foi um sucesso tanto entre a crítica quanto entre o público.

Nós aqui da Phouse mal podemos esperar as notícias sobre uma possível volta do King Cobra ao Brasil em 2018 e temos apenas uma certeza: se ele vier, nós estaremos lá mais uma vez pra te contar tudo!

Deixe um comentário

Review

Primeiro D-EDGE Festival foi sucesso de ponta a ponta

Luckas Wagg

Publicado há

Review D-EDGE Festival
Foto: Image Dealers/Reprodução
Evento paulistano brilhou em lineup, estrutura e organização

Aconteceu nesse último sábado, no complexo do estádio do Canindé, em São Paulo, a primeira edição do D-EDGE Festival, que nasceu para celebrar os 18 anos de um dos mais emblemáticos clubs da América Latina.

Com um lineup pesadíssimo, recheado de ícones do calibre de Stephan Bodzin, Butch, BLANCAh, Giorgia Angiuli, Gui Boratto e o anfitrião Renato Ratier, o festival rolou por 24 horas e reuniu 70 artistas (22 internacionais e 48 nacionais) divididos em seis palcos.

Palco RAWW X ROOM; Foto: Image Dealers/Reprodução

Logo que entrei, me deparei com uma estrutura familiar, que, por causa do formato de tenda e com o palco RAWW X ROOM bem ao lado, lembrava o Warung Day Festival — que por sinal, pertence também ao Grupo D-EDGE e rolou em Curitiba no mesmo dia. Tudo parecia sob controle da produção, muito bem planejado e executado. Não tivemos muita fila, grandes problemas e nem muito do que reclamar. A chuva que caiu na capital paulista poderia ter gerado uma situação de maior desconforto, mas como quase todas as áreas tinham cobertura, ela não chegou a atrapalhar.

O grande “problema” do festival foi exatamente encarar os dilemas de qual palco ficar em cada momento, pois em todos eles foram escalados artistas de responsa. Pra aproveitar bem e tentar ver o máximo de atrações possível, decidi me forçar a quebrar o protocolo e sair de palco em palco para assistir ao set de alguns nomes indispensáveis, como Bodzin, Marky, BLANCAh, Butch, Renato Ratier, Wilian Kraupp, Gui Boratto, Slam e o trio Mau Mau, Renato Cohen e Anderson Noise, que se apresentaram juntos, tornando aquela noite ainda mais histórica.

Stephan Bodzin; Foto: Image Dealers/Reprodução

É difícil avaliar cada um dos 70 artistas (ou mesmo os cerca de dez que consegui ver com calma), e é quase impossível dizer qual foi o melhor set da noite. Mesmo assim, arrisco em destacar as apresentações de Stephan Bodzin, Butch, Marky e o próprio Ratier, que dominou a pista pra valer e foi o responsável por encerrá-la logo pela manhã. Bodzin mandou um live incrível, que abusou de muita melodia — algo que gosto muito. O palco principal ficou pequeno para ver o alemão.

Após o fechamento do mainstage, quem roubou a cena foi ela, BLANCAh. A produtora catarinense se apresentou por volta das 10h no palco All My God, que teve uma sequencia pedrada com Trikk, Lee Burridge e Mdme até o seu encerramento, às 16h. Nem mesmo a chuva que caiu durante o dia inteiro conseguiu acalmar os ânimos do amantes da techneira, que encheram a pistinha do início ao fim.

Renato Ratier; Foto: Image Dealers/Reprodução

De modo geral, deu pra perceber que o festival lotou e o público parece ter curtido muito a experiência. Os comentários que ouvi foram todos positivos, em tom até de surpresa com a qualidade da produção do evento. Em sua primeira edição, podemos dizer que o festival mostrou a singularidade da marca D-EDGE, entregando ao público o que há de melhor no quesito de som, imagem e ambiência.

Se conseguir repetir a partir de agora, ano a ano, um evento desse mesmo nível, o D-EDGE Festival tem tudo para se consolidar como mais uma belíssima opção de festivais 100% made in Brazil, ao lado de expoentes mais antigos, como a XXXPERIENCE, o Universo Paralello e o próprio Warung Day. Talvez estejamos diante de um novo quadro que vem se desenhando lentamente nos últimos tempos: um em que, por mais que tenhamos ótimas versões brasileiras de cases de sucesso internacional — como Ultra, Dekmantel e DGTL —, mostramos que nosso país também tem condições de construir, cada vez mais, seus próprios festivais classe A.

Que o D-EDGE Festival siga nessa trilha de sucesso, proporcionando grandes experiências e incentivando outros players do mercado a se aventurarem no caminho.

* Luckas Wagg é CEO da Phouse.

LEIA TAMBÉM:

Confira o cronograma, lineup, mapa e recomendações do 1° D-EDGE Festival

Continue Lendo

Review

Edição de 20 anos do Ultra foi boa, mas entregou menos do que prometeu

Luckas Wagg

Publicado há

Review Ultra 2018
O UMF segue como um dos festivais mais espetaculares do mundo, mas pagou pelo marketing inadequado
* Com colaboração, revisão e edição de Flávio Lerner
** Fotos: Daniel Cunha (The Brotherhoodie)

Em parceria com a agência paulistana Clube de Turismo e o seu programa Music FSTVL, embarcamos na última semana rumo a Miami para curtir mais uma edição de um dos maiores festivais de música eletrônica do mundo, o Ultra Music Festival — que neste ano celebrou os seus 20 anos de história com o emocionante retorno do Swedish House Mafia.

Embora o festival tenha sido um grande sucesso, como era de se esperar, voltamos da terra do Tio Sam com uma pontinha de frustração. Não entendam mal: o Ultra segue sendo um dos maiores festivais do mundo, com uma estrutura que sempre faz cair o queixo. Acontece que desta vez, não bastasse o marco dos 20 anos já sugerir algo de diferente por si, a campanha de marketing pecou ao indicar que este seria o Ultra dos Ultras.

O slogan “espere o inesperado” veio acompanhado de uma promessa de atrações e surpresas especiais, fazendo a imaginação dos fãs viajar para longe, fantasiando com as infinitas possibilidades. Sets diferentes dos usuais? Tiësto mandando um set de trance? O retorno do Jack Ü? Uma aparição do Daft Punk? David Guetta dando um tempo na farofa e voltando às origens? Combinações históricas e improváveis, como Tiësto com Martin Garrix e Afrojack? Avicii de volta aos palcos? Nada disso.

Para além do fechamento com o Swedish House Mafia — que, não me entendam mal, foi épico, mas que de inesperado não tinha mais nada —, esta edição do UMF não mostrou nada fora da caixa além dos mesmos sets de sempre de Tiësto, Guetta, Afrojack e companhia. E como alguém que acompanha o Ultra há muitos anos, sinceramente gostaria de poder voltar a 2014/2015, quando sem criar muitas expectativas o festival entregava em seu mainstage apresentações arrebatadoras de nomes como deadmau5 e Pendulum, e participações inusitadas, como Madonna ao lado de Avicii. Tire o retorno do SHM da equação — um dos momentos mais emocionantes que vivi como fã de música eletrônica — e você não encontra mais nada memorável, do tipo divisor de águas, que fica marcado para sempre na história.

Talvez esse fechamento teria sido o suficiente se eles tivessem conseguido esconder o segredo até o último minuto, e, principalmente, se não tivessem prometido o que prometeram. Esse slogan nos levou a procurar exageradamente pelo “inesperado”, o que acabou sendo um tanto quanto frustrante, mas felizmente não o bastante a ponto de estragar os sets incríveis que pudemos presenciar em alguns palcos. No primeiro dia, caímos de paraquedas no palco Live, onde estava tocando ninguém menos que Porter Robinson com o seu novo projeto Virtual Self. Porter é um dos produtores mais criativos dessa nova geração, e ali apresentou uma sonoridade bastante diferente e eclética, misturando gêneros como deep house, techno, trance e até drum’n’bass.

Além do trio sueco, havia outro nome mantido em segredo, que fecharia o palco A State of Trance. Esse nome acabou se revelando como o Above & Beyond, grupo fantástico, mas que também esteve longe de ser inesperado — era um nome até óbvio, que não poderia faltar naquele line. Naquele ambiente, além do set do king Armin van Buuren, que não deixou nada a desejar, a surpresa boa ficou por conta de Eric Prydz. Infelizmente, cheguei para ver apenas 15 minutos, mas foram os 15 minutos mais bem gastos no Bayfront Park. O artista fez uso de uma projeção incrível e teve a pista totalmente em suas mãos, levando a galera à loucura.

Trecho final do set do Virtual Self

Já na zona da RESISTANCE, dividida entre a Megastructure de Carl Cox e a Arcadia Spider, pudemos ver também grandes nomes como Sasha & John Digweed, Matador, Nastia e Joseph Capriati, entre muitos outros, que não deixaram a desejar em nada. A estrutura e organização do Ultra foi outro de seus pontos fortes. Todos os palcos estavam impecáveis. O Arcadia (popularmente conhecido como “Palco da Aranha”) estava surreal, apresentando algo totalmente fora da nossa realidade.

Outro detalhe que chamou a atenção foi o uso de drogas, que aparentou estar sob controle. Dificilmente você via alguém esparrando o uso de qualquer substância em público — diferente do Brasil, em que é comum observar um uso desenfreado de drogas nos festivais. Dentro do Ultra, não eram vendidos nem cigarros, e o sistema de bebida alcoólica também era muito funcional. QUALQUER pessoa, de QUALQUER idade — fosse um tiozão ou um garotão de 21 —, teria que apresentar documento para poder obter uma pulseira de consumo. Era possível encontrar também caixas eletrônicos, uma grande variedade de drinks e comidas, e uma super loja com diversos produtos do festival.

Por fim, estamos com a mesma visão da polícia de Miami: o Ultra foi super seguro. Não presenciamos nenhuma confusão nem discussão durante os três dias — não só dentro, mas como também em toda região no entorno. Notamos a presença de muitos policiais na rua em um raio de cinco quilômetros ou mais.

Deixamos também registrados os agradecimentos a Junio Rocha e Gabriel Guilen, do Music FSTVL, que nos deu todo o apoio nessa trip pra Miami — e Wilian Cardoso, da Destination Mexico. Nós fomos os primeiros passageiros desse novo programa da Clube Turismo / Music FSTVL, que em breve abrirá para o público geral, com pacotes com custos acessíveis para os maiores festivais do mundo.

* Luckas Wagg é CEO da Phouse.

LEIA TAMBÉM:

Ultra revela os números de sua edição de 20 anos

Continue Lendo

Review

Acima de qualquer rótulo, Marcel Dettmann fugiu do script no fechamento do verão

Jonas Fachi

Publicado há

Marcel Dettmann
Para encerrar a temporada de verão, o Warung trouxe os titãs Marcel Dettmann e Nina Kraviz
Fotos por Gustavo Remor e Ebraim Martini

Outra temporada eletrônica de verão terminou, e mais uma vez estive presente em diversos momentos do club underground considerado uma lenda entre DJs de todo planeta, o Warung Beach Club. Escrevi reviews sobre tudo que melhor aconteceu em noites que contaram com grandes retornos, acontecimentos emblemáticos, showcases e diversidade musical, distribuidas em mais de 15 eventos durante o verão do Templo na Praia Brava. No encerramento, não poderia ficar de fora, pois o club receberia duas das principais figuras da cena techno mundial na atualidade — Marcel Dettmann e Nina Kraviz.

No Inside, a sequência prometia ser arrebatadora, e a expectativa de um público que aprendeu a apreciar techno do mais alto nível nos últimos anos era enorme. Completando o time, outro importante nome de nossa cena techno nacional — Wilian Kraupp — estava de volta após receber elogios do próprio Dettmann em 2016.

+ PREMIÈRE: Ouça em primeira mão a parceria inédita de Wilian Kraupp e Kaiq

O público sentiu falta de não receber o alemão no ano passado, após uma estreia avassaladora como headliner na famosa noite mais gélida da história do club, em junho de 2016. Os pedidos por seu retorno não poderiam ser atendidos em uma data melhor.  O senhor “ice man” seria responsável por apagar um pouco da memória as quentes noites dos três meses anteriores, dando início a um novo momento no Warung.

Eu entendia que, assim como em 2016, ele era um nome para retornar como único headliner. Porém, com o anúncio de Nina Kraviz em conjunto, ficou evidente que seria ela quem iria fechar o Inside. Colocar Dett no Garden com Phonique estava fora de questão, então só sobraria o horário da 01h às 04h — o que de fato veio a acontecer.

Todos sabemos que Nina tem uma história mais longa na casa, bem como uma relação com o nosso público mais estabelecida, além do fato de seu reconhecimento mundial também ser enorme — e isso sempre é preciso respeitar. Foi natural coloca-lá para fechar. Entretanto, o que me surpreendeu positivamente foram os pedidos das pessoas nas mídias sociais por uma improvável inversão entre os dois titãs do techno, ou, em outro cenário, que Nina se apresentasse no Garden — pista em que talvez ela poderia se sentir um pouco mais segura para dar seu melhor. Falarei mais sobre isso à frente.

Wilian Kraupp

Entrei cedo na casa para aproveitar o máximo da noite e um dos meus DJ favoritos no país. Wilian Kraupp se posicionou de forma séria desde o início; concentração e mixagens sutis de um techno com uma leve profundidade, baixos duros e linhas de bateria bem seletas. Para o público, era fácil pisar na pista e já começar a pensar no que viria a seguir. Vale ressaltar que esse é o papel de quem está abrindo a noite — dar os primeiros passos ao clima musical que irá predominar adiante. Nesse caso, Kraupp ainda tinha em mãos a difícil missão de acostumar os ouvidos e o sentido rítmico das pessoas a uma musicalidade mais complexa, ao mesmo tempo não deixando de ter receptividade. Seu set foi ganhando peso bem devagar e terminou com uma carga de energia na medida. Posso arriscar a dizer que ouvi um dos melhores warmups dos últimos anos na casa.

Analisando a ideia da curadoria de trazer um DJ que é um grande conhecedor dessa pista e possui uma excelente capacidade de se adaptar conforme a exigência da noite, Kraupp não poderia ser um nome mais adequado para abrir os trabalhos. Se olharmos para o time de residentes, não há (por questões de estilo, e não de qualidade) alguém capaz de entregar uma pista à altura para um cara do tamanho de Dettmann. O catarinense outra vez cumpriu sua tarefa de forma sublime, em que mesmo não atuando em sua linha tradicional, apresentou uma pesquisa musical que daria inveja a muitos artistas da admirada cena de Berlim.

Sua atuação foi sintetizada pelos pedidos de aplauso de Dettmann ao final, pontualmente à 01h. Essa parada, mesmo com a música alinhada com o início do set, já estava nos dizendo algo sobre o que viria a seguir — um primeiro sinal de demonstração do quão à vontade o alemão estava para construir sua ideia musical.

Receber uma pista a ponto de explodir emocionalmente te abre uma série de possibilidades, inclusive a de alimentar ideias que talvez não estivessem nos scripts — por exemplo, expandir o horizonte musical. Porém, é preciso estar disposto para fazer uma mudança em cima da hora. O que quero dizer é que praticamente todos os grandes DJs preparam seus sets detalhadamente antes de iniciar uma nova tour de várias datas em sequência. Geralmente, acabam por seguir um modelo quase pronto e funcional, alternando algumas faixas aqui e ali, afinal, tocar dias seguidos não permite tempo de parar e ouvir novas promos.

Ao mesmo tempo, todos sempre têm uma série de músicas preparadas para alguns lugares ou momentos específicos — aqueles em que o artista se sente confiante para se distanciar de sua zona de conforto. Tudo isso que expliquei agora talvez seja o grande tema deste review, pois foi exatamente o que o alemão fez em sua apresentação no Templo. Inovou, experimentou, e, principalmente, surpreendeu. Havia em sua face de leves sorrisos um desejo latente de compartilhar suas influências.

O DJ iniciou com sua linha de techno tradicional, mecânica e envolvente. No primeiro build up, a pista soltou as mãos para cima. Nesse momento, até mesmo um cara com tanta bagagem como ele se sentiria desafiado. O detalhe é que nomes como Marcel crescem quando se veem diante de uma pista tão “em cima”. São como os grandes jogadores de futebol, que não se escondem na hora da final — ao contrário, se levantam e mostram toda a sua personalidade. Dett olhou para o lado e sorriu como se estivesse falando: “que energia f*..!”.

Na primeira meia-hora, o destaque veio através de Nocow, em “Stop”. Depois, sem pedir licença, joga um breakbeat quente e cheio de balanço; a reação de todos foi vibrante. Volta para sua linha e aos poucos entra em um ciclo cada vez mais frequente dessas alternações — disco, house, techno, músicas com vocais… A cada nova mixagem, ele renovava a pista de dança. Você pode se perguntar: “Mas ele não estava perdido ou fazendo a famosa ‘salada de frutas’?”. Definitivamente, não! Fazer o que Dettmann fez em suas três horas de set é algo extremamente difícil, e perigoso também, pois abre um precedente para uma possível parcela da pista de dança não entender nada e terminar na pergunta acima.

Primeiro, há de se pontuar que mixar esses estilos de forma perfeita não é pra qualquer um. Mas, não se esqueça, estamos falando de um DJ de club, criado e moldado em ambientes escuros e cheios de possibilidades, desenvolvido frente a frente com pistas extremamente cerebrais e dispostas ao novo. Sua habilidade em transitar em ritmos distintos é o grande segredo para manter a pista unida e ainda potencializá-la. Mixagens rápidas fazem parte da receita, porém, o talento de colocar tudo em sintonia e “esquentar” os arranjos é algo totalmente dependente da capacidade do DJ, e isso Marcel tem em um nível de poucos no planeta.

No auge do set, quando ninguém iria questionar mais nada, ele ressurge com “Enjoy the Silence” — talvez o maior clássico da banda Depeche Mode —, através de um edit que preservava muito da faixa original, dando um toque ainda mais natural ao momento. Ninguém imaginaria o cara do Berghain, criado no calabouço da pista mais underground do planeta, soltando um som pop (porém conceituado dentro da cena) e fazendo todos cantarem juntos. Nesse momento, me veio à mente os tempos em que Leozinho jogava “The World is Mine”, do David Guetta, e a pista ia abaixo. Naquela época, lá por 2006, não existia distinção entre “comercial vs. underground” — eram apenas músicas boas e o feeling artístico de colocá-las no momento ideal.

Dettmann atuou dentro de todas as linhas que o definem como artista, e só o fez porque se sentia confiante, percebendo o público e o momento ideal para jogar um tipo de set assim. Ou seja, ele não iria tocar até o fim, era uma peça da noite, e sabia que o público iria ter os ouvidos massivamente explodidos pelo acid techno sem descanso de Nina Kraviz pelo resto da noite em seguida. Isso é importante ressaltar: Dett só jogou algo “menos techno” porque tinha outro artista à sua frente com uma seleção do mais alto nível.

Não me entenda mal, não quero dizer que ele não poderia “competir” (se é que cabe usar essa palavra) com Nina por quem faria o melhor set de techno reto, pesado e dark. É obvio que ele, apenas com sua habilidade — sem entrarmos no mérito de qualidade musical —, já deixaria o jogo sem graça. Na verdade, fez isso sem nem abrir a pasta com as faixas da hora da verdade. Deu uma aula de como se pode ir na contramão do esperado e apresentar algo diferente, apenas com o respaldo de sua tremenda capacidade de construção de set e, mais uma vez, habilidade técnica. Talvez a ideia mais simplista desse pensamento seja: “vou ir à contramão do óbvio”. Terceira vez que o vejo tocando, três sets marcantes de diferentes formas, e ainda sinto que não sei nada sobre Marcel Dettmann. Que volte logo.

Às 04h, Nina subiu ao palco com todo seu carisma, e logo na primeira faixa percebi que o sistema de som foi forçado a um volume muito superior do que é habitual. A pista obviamente estava em chamas, porém notei pequenos estalos junto da música e sentia que algo não estava certo. Ela ainda não havia virado a segunda faixa e de repente o grave sumiu — no lugar, apenas aquele ruido de sub estourado irritando meus ouvidos. Era isso mesmo, as caixas da primeira metade da pista haviam derretido, e no mesmo instante eu soube que a noite havia terminado.

Logo depois, os técnicos do sistema baixaram o volume para pelo menos equacionar as frequências, recuperando algum vestigio das linhas de grave. O que me preocupa, no entanto, é que boa parte dos presentes sequer notou tudo isso — apenas sentiram que a música não estava mais “batendo no peito” como antes. Ainda assim, insisti em ficar na pista; não gostaria de perder a oportunidade de assistir a Dettmann e Nina fazendo um back to back inesperado. Alternaram em uma boa sintonia.

A faixa de Joey Beltram, “Life Force”, foi evidente, porém, a DJ russa mais uma vez parece ter sentido a pressão do club. Errou mixagem bobas, deu um leve pause/play e, mesmo sorrindo, transparecia um nervosismo que não condiz com o tempo de carreira que possui. Ela se sai bem em festivais, longe do público, mas definitivamente a cena clubber não é seu forte, pelo menos no Inside do Templo.

Resolvi ceder ao Garden por algum tempo, e a energia por lá estava bem mais leve e alegre. Diogo Accioly e Phonique possuem uma parceria de longa data e conhecem aquela pista como poucos. Estavam alternando entre deep house, techno progressivo e algo de house tradicional também, soltando alguns clássicos pontuais que é sempre legal ouvir na pista de dança.

Após o Warung, só se falava de uma coisa: o set do Marcel Dettmann não estava linkado com a esperada escola alemã. Marcel não resume a isso, seria um desperdicio de talento. Sua construção musical deixou tudo muito claro — é um DJ acima de qualquer rótulo.

* Jonas Fachi é colunista na Phouse; leia mais de seus textos.

CONFIRA TAMBÉM:

Sete anos para rever o mestre; como foi a volta de Laurent Garnier no Warung

Em long set de 7 horas no Warung, Guy J encontrou sua melhor versão como DJ

Hernan Cattaneo faz história com o primeiro “All Night Long” do Warung

Em apresentação no Brasil, Patrice Bäumel mostrou por que é um dos artistas mais completos da atualidade

Aninha fala sobre a carreira e anuncia nova residência

Continue Lendo
Clube de Turismo – Start
BRMC – 300×600
Alphabeat – Demos

PLAYLIST

Trending

-->

Copyright © 2018 Phouse

CADASTRE-SE E RECEBA NOVIDADES

Carregando

Lazy Bear Phouse Tracks