Dekmantel São Paulo 2018
Dekmantel São Paulo 2017. Foto: Divulgação

Enquanto os brasileiros seguem no escuro quanto à terceira edição do Dekmantel São Paulo — que deve rolar no segundo semestre de 2019 —, o evento principal, na Holanda, anunciou seu lineup completo nesta semana, com mais de cem atrações.

Percebendo a falta de nomes latino-americanos no line, a DJ chilena Valesuchi, atração do Dekmantel São Paulo no ano passado, chutou o balde no Insta e fez acusações sérias ao festival — incluindo de racismo e colonialismo. Em desabafo, a artista afirmou estar cansada de não sentir uma postura de reciprocidade, mas de caráter exploratório na relação entre os produtores holandeses e os artistas latino-americanos. Confira o texto na íntegra, com tradução da Phouse:

Depois de dois anos tendo a oportunidade única e absurdamente privilegiada de fazer turnês e ‘coproduzir’ o seu festival e seus showcases em 11 cidades em cinco países ‘subdesenvolvidos’, de viajar e se envolver em cenas super interessantes e que passam por dificuldades, com algumas das pessoas mais talentosas, relevantes e trabalhadoras da área musical atualmente, bookando artistas para ‘áreas locais’ com ‘cachês não negociáveis’, e de repente nos tratando como se estivessem nos fazendo um favor, quando chega 2019 e você não booka um único artista latino-americano para sua edição ‘oficial’ que tem 114 atrações (e nenhuma do Brasil, seu autodeclarado segundo lar), vocês não querem que sintamos que vocês são colonizadores racistas?

O que vocês realmente vieram fazer aqui na América Latina? Vocês não gostavam da gente, da nossa música? Existia uma intenção genuína de um verdadeiro intercâmbio cultural? Estou farta desse jogo em que o que vocês adesivam nas nossas cabeças não significa nada além de uma validação no mercado. Estou cansada da sua presença arrogante por aqui e realmente não quero mais fazer parte de algo que não acredito. Nossa amizade falsa acabou — cansei de vocês, Dekmantel.

View this post on Instagram

@dkmntl

A post shared by @ valesuchi on

Entre os mais de 400 comentários da publicação — a grande maioria apoiando a autora —, o perfil oficial do Dekmantel respondeu, reconhecendo que errou em não ter chamado nenhum artista latino-americano, mas recusou o rótulo de explorador. “Nós do Dekmantel nunca tivemos a intenção de apenas jogar o nosso nome em outras partes do mundo e fazer dinheiro ou um rótulo cultural. […] Foi corretamente apontado que não incluímos nenhum artista sul-americano na fase inicial do lineup do Dekmantel Festival 2019. Lamentamos por isso. Agora está claro para nós que convidar artistas latino-americanos em nossos eventos europeus é parte essencial do intercâmbio cultural, e precisamos melhorar no enriquecimento e no fortalecimento dessas relações”, escreveram.

Confira a resposta na íntegra (em mais uma tradução da Phouse):

Vimos este post e as suas consequentes reações. Pensamos a respeito e gostaríamos de trazer o nosso ponto de vista:

Nós do Dekmantel nunca tivemos a intenção de apenas jogar o nosso nome em outras partes do mundo e fazer dinheiro ou um rótulo cultural. Nossos horizontes foram imensamente ampliados como resultado das nossas colaborações.

Foi corretamente apontado que não incluímos nenhum artista sul-americano na fase inicial do lineup do Dekmantel Festival 2019. Lamentamos por isso. Agora está claro para nós que convidar artistas latino-americanos em nossos eventos europeus é parte essencial do intercâmbio cultural, e precisamos melhorar no enriquecimento e no fortalecimento dessas relações.

Nossa equipe empregou uma enorme quantidade de tempo, energia e carinho nos nossos eventos em São Paulo, Santiago do Chile, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Lima, Medellín, Bogotá e outras cidades da América do Sul, e o fizemos em colaborações íntimas com os locais. Tudo o que os nossos parceiros locais empreenderam conosco nessas cidades maravilhosas surgiu de uma intenção mútua de expor o calibre e a extraordinária qualidade de artistas que são de muito longe em relação ao nosso lar em Amsterdã.

Esperamos que isso possa ter sido sentido a cada evento. Nosso comprometimento com o Brasil e a ampla rede que estabelecemos na América Latina segue completamente firme. Respeitamos cada opinião sobre nossas ações, mas esperamos que, com essas nossas palavras, tenhamos deixado claro que nossas intenções são sinceras enquanto seguimos trabalhando e melhorando os elementos éticos do nosso papel nas cenas brasileira e sul-americana.


Receba novidades no e-mail

Receba o melhor da Phouse em seu email!

:::. ALEATÓRIAS / LEIA TAMBÉM

Em loja de discos italiana, Eli Iwasa toca set alternativo em vinil; assista!

Brasileira recebeu convite para tocar na famosa Serendeepity, em Milão

“Rave All Night” é a nova produção do Audax; ouça agora!

Lançamento saiu nesta sexta-feira, nas principais plataformas digitais

“Sinto que conheço vocês melhor”; Hot Since 82 fala sobre o rolê no Brasil

DJ inglês conta à Phouse sobre o novo episódio da “Even Deeper”, gravado no nosso país

Ibiza terá novo clube underground

Octan Ibiza vai promover artistas menores de house e techno

Alok terá sua própria gravadora

Primeiro lançamento será releitura de clássico do Pink Floyd

Kiko Franco, Wolsh e Rozzen colaboram em “Make You Mine”

Som é o mais novo release da Alphabeat Records

Chris Lake no Brasil: Soldera indica 5 faixas inesquecíveis do DJ britânico

Chris Lake vai tocar em cinco cidades entre 19 e 23 de junho

Vintage Culture será atração da virada de ano do Sundance Festival 2020

Artista admite ter uma relação especial com o evento

Set alternativo de Alison Wonderland no EDC é disponibilizado em site pornô

Com piadas de duplo sentido, a performance secreta de house da DJ caiu no PornHub

“Quem foca em dinheiro não é artista, tá mais pra corretor da bolsa”; Raul Mendes fala sobre novo projeto de tech house

Agora Pirate Snake, brasiliense revela os motivos para a sua “troca de pele”