Connect with us
Banner Sundance Leaderborder
Green Valley: Aniversário

Notícia

Coletivos de SP lançam nova festa de Réveillon no litoral da Bahia

Iniciativa de Gop Tun e Selvagem trará diversos DJs da cena house/techno à Praia de Algodões

Chico Cornejo

Publicado em

31/10/2018 - 16:30
XAMA
Foto: Divulgação

Bahia de todos os santos, lugar de inúmeros encantos. Além de ser o cerne da nossa mais autêntica e rica herança diaspórica e berço de nossa aventura brasileira, este é o destino final das trupes da Gop Tun e da Selvagem em 2018. Após se consagrarem em Amsterdã, trazerem um pouco da capital holandesa para o Brasil e projetarem uma versão atualizada de nossa vocação musical e hedonista pelo globo, dois dos mais ativos coletivos musicais do país somam seus trunfos e talentos para criar algo bem especial na Península de Maraú.

A ideia da Xama é uma mistura de simplicidade e ambição conceituais precisa o suficiente para criar algo inovador num cenário de festas de Réveillon já bastante povoado num país como o nosso, que dispõe de um vasto litoral, um intenso clima tropical e um farto repertório musical. Serão dez coletivos festivos oriundos de diversas partes do Brasil reunidos na região da idílica da Praia de Algodões para uma comunhão dançante que se irá estender por nove dias e se espraiar por muitas das maravilhas da geografia local.

XAMA
Foto: Divulgação

A escalação formada 100% por talento nacional (se dermos desconto à chilena Valesuchi e ao francês Crag Ouar, ambos já praticamente naturalizados cariocas) vai pontuar os mais variados e belos locais da península em festas que vão de concorridas boat parties a eventos gratuitos no Xama Bar, criando uma síntese de fruição estética que combina dois dos mais ricos patrimônios brasileiros, o musical e o ecológico, através de uma programação ostensiva. O Tikal, um já conhecido refúgio festeiro da região, será transformado num tipo de centro de operações das atividades que vão ocupar praticamente todo o tempo disponível dos peregrinos pisteiros.

Entre locações maravilhosas como a que vemos nestas imagens e atrações fabulosas que contam com muitos dos residentes dos projetos que renovaram a cena alternativa da vida noturna dos grandes centros urbanos, fica difícil apontar destaques, mesmo porque o mais promissor aqui seja justamente a união de tudo isso.

+ Orgânica e ecumênica: uma história oral da Gop Tun

Afinal, o percurso que vai de Ilhéus até o sul do país passa por Belo Horizonte, Rio, São Paulo, Curitiba e Porto Alegre, tendo cada metrópole dançante representada por alguns de seus principais núcleos, entre eles o 101Ø belorizontino; os curitibanos Alter Disco e Discoteca Odara; os cariocas RaRa, Climão e DOMply; o NEUE, da capital gaúcha; além do canal musical Na Manteiga e os anfitriões Selvagem e Gop Tun entre os paulistanos — cada um trazendo um pouco de suas experiências para uma localidade inédita, a fim de criarem juntos algo único, musical e conceitualmente.

A temática das festas da Xama compõe um mosaico que combina momentos e movimentos que vão do épico até o lúdico. Aqui são incluídas as festividades da virada propriamente dita, encabeçada pela Gop Tun ao lado de uma seleção incandescente que traz Carrot Green, Valesuchi, Omoloko e Pedro Bertho entre os condutores, seguida de um encerramento ardente com Kureb, Vermelho e Cashu como ignitores, além do desbravamento rítmico-onírico da colina liderado pelo duo Selvagem, acompanhado de Barbara Boeing, Craig e Gigios, e das aventuras em alto mar que ocuparão as embarcações em suas missões músico-ritualísticas.

XAMA
Foto: Divulgação

Entretanto, o cuidado com a minimização do impacto ambiental e social em meio a uma delicada comunidade e paisagem locais é o que dá o tom distintivo do evento entre tantas outras iniciativas de entretenimento que veem o majestoso litoral de que dispomos apenas como um elemento cenográfico. O festival destinará parte de seus recursos para a melhoria das condições dos habitantes da região, que são ameaçados pela iminente falta de acesso à água potável, assim como muito de seus esforços à preservação das riquezas naturais que são parte viva de sua proposta.

A primeira edição do XAMA será na Praia de Algodões, Bahia, entre os dias 26 de dezembro e 03 de janeiro. Os ingressos estão disponíveis via Event Brite.

Chico Cornejo é colaborador eventual da Phouse.

RECEBA NOVIDADES NO E-MAIL

Deixe um comentário

Entrevista

EXCLUSIVO: KVSH quer conquistar o Brasil com a KRUSH, sua nova festa

Inspirado pela Só Track Boa, o mineiro defende que o objetivo é ajudar a fomentar cidades periféricas no cenário nacional

Flávio Lerner

Publicado há

KVSH
Foto: Reprodução

Motivado por sua história, suas origens, sua nova agência, pelo rumo que a capital do seu estado tem tomado e pelo que Vintage Culture conseguiu com a Só Track Boa [sobretudo na última edição mineira], o DJ e produtor KVSH anunciou a Festa KRUSH, cuja estreia já tem data, local e lineup definidos. No dia 21 de dezembro, o artista recebe um time de atrações majoritariamente mineiras no Marô, em Belo Horizonte: Beowülf, Breaking Beattz, DZKO, JOZZEN, LOthief e VOLLAZ — destes, apenas o carioca Beowülf é “gringo”.

Em contato com a Phouse, Luciano Ferreira, o KVSH, explicou as motivações por trás do projeto e revelou ter grandes ambições. A festa está sendo tocada em conjunto com a OTM Produções, de Otacilio Mesquita [que, como você tem visto aqui, está por trás de praticamente todos os rolês da cena mineira], e com o Carlos Magno, produtor de eventos da Box Entretenimento.

+ Em tempo: ouça a refrescante collab entre o KVSH e o Malifoo

“Nasci e fui criado na Região Metropolitana de Belo Horizonte, em uma cidade chamada Nova Lima, e a minha história com a música eletrônica começou por aqui”, conta o KVSH. “Vejo que eu e a cena eletrônica da capital crescemos juntos; além de ser o local da minha fanbase, BH não tinha uma cena eletrônica tão forte, principalmente pra galera mais jovem, e criamos isso meio que juntos — então a ideia de eu ter uma festa aqui já vem de tempos. Agora que eu entrei pra Boost MGMT e pra HUB Records, o pessoal da agência falou: ‘cara, temos que fazer uma festa sua na sua cidade, com seus convidados, com seu conceito’.”

Segundo o DJ, entretanto, a KRUSH não será fixa em BH. A ideia é torná-la um evento itinerante por todo o Brasil, com o objetivo de levar o agito principalmente em pontos mais periféricos. “Já temos propostas em outros estados, principalmente em cidades menores, que ainda não têm uma cena eletrônica tão forte; esse é o foco. Queremos usar essa festa como uma porta de entrada pra galera que ainda não conhece tanto de música eletrônica”, acrescenta. 

“Queremos usar essa festa como uma porta de entrada pra galera que ainda não conhece tanto de música eletrônica.”

Mesmo com um lineup inicial voltado ao brazilian bass, o produtor garante que deseja agregar não só outras vertentes da dance music, como também abrir para outros estilos musicais: “Não temos muito essa ‘ideologia’ de fazer uma festa 100% eletrônica. Queremos envolver outros estilos, hip hop, trap, e alguns subgêneros que não são tão hypados no Brasil. E dentro da música eletrônica, teremos do brazilian bass ao tech house, passando até por progressive trance”.

Quando perguntei se o surgimento da label também tinha a ver com a segunda edição da Só Track Boa em Belo Horizonte, que foi considerada por muitos a melhor de todos os tempos, o Luciano foi acertivo: “Com certeza. Depois de vermos o impacto que a Só Track Boa teve aqui, a gente pensou: ‘cara, BH é um lugar que tem uma cena muito forte, a STB bateu todos os recordes de público de todas as outras edições. É o lugar perfeito’. É a cidade em que a cena tá crescendo muito e é a cidade em que eu nasci, e temos certeza que vai dar muito certo”.

+ Segunda edição do Só Track Boa BH pode ser considerada a melhor de todos os tempos

“Assim como o Vintage Culture fez com a Só Track Boa, a gente quer fazer com a KRUSH. A STB é focada em música eletrônica, e queremos uma festa focada na zueira, na diversão, mas claro, sem tirar a música do foco. Ela vem pra finalizar o meu ano com chave de ouro, e estamos muito alegres”, concluiu.

Os ingressos começam a ser vendidos na próxima segunda-feira, dia 19, a partir do meio-dia.

Flávio Lerner é editor da Phouse.

LEIA TAMBÉM:

Giorgia Angiuli: “Achava que dance music era vulgar e fácil de se fazer, mas eu estava errada”

Chilli Beans e MOB somam forças em novo cruzeiro de música eletrônica

Vintage Culture lança single com KVSH e Breno Miranda

KVSH e Flow remixam clássico do Jota Quest

Continue Lendo

Notícia

Clube de Santa Catarina anuncia Fatboy Slim para temporada de verão

Astro britânico será atração do Posh Club no comecinho de 2019

Phouse Staff

Publicado há

Fatboy Slim no Posh Club
Foto: Divulgação

O catarinense Posh Club anunciou um dos maiores ícones das últimas três décadas da dance music: Fatboy Slim. Atração da 12ª temporada do clube em Jurerê Internacional (que começa em 25 de dezembro e segue até o final do verão), o britânico vai comandar a noite da casa no dia 02 janeiro. Nenhuma outra atração foi confirmada até o momento.

Esta é, por enquanto, a única data confirmada do DJ no Brasil; sua nova turnê prevê diversas datas na Europa e na Oceania, mas há uma lacuna considerável entre o dia 02 e o dia 25 de janeiro.

LEIA TAMBÉM:

Álbum clássico de Fatboy Slim é relançado depois de 20 anos

CamelPhat lança remix de clássico do Fatboy Slim

Fatboy Slim mira na Austrália em novo EP de remixes

Continue Lendo

Notícia

“A EDM tem sido triste e lenta. Não tem nada em comum com o que eu amo fazer”, diz Calvin Harris

O produtor respondeu a diversas perguntas dos fãs no Twitter

Phouse Staff

Publicado há

Calvin Harris
Foto: Reprodução

Além dos hits de costume, Calvin Harris tem dado umas declarações bem interessantes nos últimos meses, como quando ele brincou (?) que estava velho demais pra sair em turnês. Agora, o escocês tirou um tempinho nessa última segunda-feira, 12, pra responder umas perguntas de uns fãs no Twitter, e voltou com falas marcantes e o bom e velho autodeboche.

Como numa espécie de coletiva de imprensa informal, Harris respondeu diversos comentários e questionamentos feitos a ele pela rede social, e deu algumas dicas bem valiosas sobre seus planos futuros, curiosidades sobre o seu passado e, principalmente, a defesa de que tem feito house music, e que a EDM dos últimos anos não o seduz justamente por ter se distanciado do estilo. 

Confira os tuítes na íntegra, com tradução da Phouse:

Fã: “Volte a fazer dance music!!!”; Calvin: “As últimas três faixas foram dance music, senhor”. 
Fã: “Você vai voltar pra EDM em algum momento?”; Calvin: “A EDM tem sido músicas tristes e lentas nos últimos anos. Não tem nada em comum com o som que eu amo fazer. A EDM de 2010–2014 era mais influenciada por house. De qualquer forma, estou fora da bolha e fazendo grandes faixas, com cantores fantásticos, que soam como house music para mim…”.
Fã: “Nós deveríamos ser gratos pelo fato de que o Calvin Harris tem ocupado o chart britânico por 25% do ano com canções HOUSE. Bendito seja.” Calvin: “Obrigado por notar!!! 14 semanas no número 1 com duas faixas de house e o melhor pacote de remixes do ano #vocêtambémconsegue”.
Fã: “Você pensa em voltar a tocar teclado com uma banda ao vivo? O LCD [Soundsystem] te inspirou lá no começo?” Calvin: “Nem pensar, eu tenho 34 anos agora. Sim, basicamente eu tentei ser como o LCD e o Mylo e acabei ficando pior que os dois, mas melhorei com o tempo”.
Fã: “Alguma chance de termos um álbum de house?”; Calvin: “Eu diria que é improvável, tenho tido uma capacidade de concentração muito baixa ultimamente”.
Fã: “Isso significa que os últimos três singles não vão fazer parte de um álbum ou significa que o álbum vai trazer outros estilos musicais?”; Calvin: “Honestamente eu não sei de nada, apenas tenho lançado as músicas assim que as termino, haha”.
Fã: “A house music faz você se sentir mais próximo a alguma força espiritual? É o que eu sinto quando a ouço”; Calvin: “Certeiro! Amei!”.
Fã: “Você planeja voltar a tocar em festivais algum dia?”; Calvin: “Com certeza. Eu vinha apenas ansiando por um tempo no estúdio… Tinha algumas coisas que eu realmente precisava fazer (o Funk Wav, por exemplo)”.
Fã: “Você estudou música ou é um autodidata?”; Calvin: “Aprendi por ouvir muita música. Sempre senti a teoria musical como uma tentativa de se explicar algo mágico que costuma acontecer por acidente, e que acaba tirando a alma daquilo. Mas eu também sou meio burro, então é provavelmente um pouco por isso também”.

LEIA TAMBÉM:

O peso de KSHMR, a voz de Calvin Harris, o retorno de Darude… Ouça o Top 10 do feriado

Calvin Harris produz faixa de rap; escute “Chalice”, do Donae’O

Calvin Harris bate recorde de sucessos no Reino Unido

Calvin Harris e Sam Smith homenageiam subcultura LGBT em novo clipe

Calvin Harris afirma que não fará mais turnês: “Estou muito velho”

Continue Lendo

Publicidade

Injeção Eletrônica 300×250
Brazillian Bass 300×250
Sundance (300×250)

Facebook

PLAYLIST

Trending

-->

Copyright © 2018 Phouse

Translate »
Green Valley Pop up: Aniversário